Miguel Calmon du Pin e Almeida (engenheiro)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura outras acepções, veja Miguel Calmon du Pin e Almeida (desambiguação).
Miguel Calmon du Pin e Almeida
Ministro dos Transportes do Brasil
Período 15 de novembro de 1906
até 18 de junho de 1909
Presidente Afonso Pena
Nilo Peçanha
Antecessor Lauro Müller
Sucessor Francisco Sá
Ministro da Agricultura do Brasil
Período 15 de novembro de 1922
até 15 de novembro de 1926
Presidente Artur Bernardes
Antecessor José Pires do Rio
Sucessor Geminiano Lira Castro
Dados pessoais
Nascimento 18 de setembro de 1879
Salvador, BA
Morte 25 de fevereiro de 1935 (55 anos)
Rio de Janeiro, DF
Nacionalidade brasileiro
Profissão Engenheiro e político

Miguel Calmon Du Pin e Almeida (Salvador, 18 de setembro de 1879[1]Rio de Janeiro, 25 de fevereiro de 1935) foi um engenheiro e político brasileiro, correligionário de Rui Barbosa, ministro da Viação e Obras Públicas e, posteriormente, da Agricultura, Indústria e Comércio nas primeiras décadas da "República Velha". Foi também sobrinho homônimo do Marquês de Abrantes.

Com Artur Bernardes e outros ministros de Estado (fotografia sob a guarda do Arquivo Nacional).

Biografia[editar | editar código-fonte]

Casou-se com Alice da Porciúncula, de família do Rio Grande do Sul.[2]

De 15 de novembro de 1906 a 18 de julho de 1909 foi Ministro e Secretário de Estado dos Negócios da Indústria, Viação e Obras Públicas, do Governo Afonso Pena e depois de Nilo Peçanha.

Retornou ao governo, agora sob a presidência de Artur Bernardes, como Ministro da Agricultura, Indústria e Comércio, de 16 de novembro de 1922 a 15 de novembro de 1926.

Denunciou os crimes do governo Floriano Peixoto contra o proletariado brasileiro durante a Primeira República, Diz o Ministro Calmon du Pin e Almeida: "No governo Floriano Peixoto decretou-se o desterro de várias pessoas de notoriedade nacional para Cucui e Tabatinga. Depois da revolta de 14 de novembro de 1904, Fizeram-se deportações larga manu para a Amazônia, não se sabendo até hoje o paradeiro das centenas, senão milhares, de indivíduos largados ao abandono, sem alimentação nem assistência médica, nas margens dos rios do território do Acre, considerado então região mortífera por excelência. (Ministro da Agricultura Miguel Calmon du Pin apud PINHEIRO, 1999, p. 88). Livro "Estratégias da Ilusão".

"Os amotinados foram rapidamente varridos da praça, indo os mais audazes e cabeçudos entrincheirar-se no velho bairro da Saúde, perto da obras do porto, onde, cercados pela infantaria do Exército e bombardeados pela artilharia da esquadra, tiveram que render-se à autoridade. O governo mostrou-se então de um severidade deveras espantosa para com a gente miserável do Rio de Janeiro. Sem direito a qualquer defesa, sem a mínima indagação regular de responsabilidade, os populares suspeitos de participação em motins daqueles dias começaram a ser recolhidos em grandes batalhas policiais. Não se fazia distinção de sexo nem de idade. Bastava ser desocupado ou maltrapilho e não provar residência habitual, para ser culpado. Conduzidos para bordo do Lloyd Brasileiro, em cujos porões já se encontravam, a ferros e no regime da chibata, os prisioneiros da Saúde, todos eles foram sumariamente expedidos para o acre." (Ministro Miguel Calmon du Pin e Almeida, apud PINHEIRO, p. 89-90).Livro "Estratégias da Ilusão"

Em 1936, sua viúva transfere da mansão dos Calmon, na rua São Clemente, em Botafogo para o Museu Histórico Nacional todo um conjunto completo de obras de arte, móveis, tapetes, documentos, fotografias e bibliotecas que ficou conhecido como "Coleção Miguel Calmon". A mostra nos passa a ideia do estilo de vida dos poderosos da Primeira República.

Não deixou descendentes.[2]

Referências

  1. «Sítio da Presidência da República - galeria dos Ministros de Estado». Consultado em 15 de novembro de 2007. Arquivado do original em 21 de junho de 2008 
  2. a b Baumann, Eneida Santana (2011). «O arquivo da família Calmon à luz da arquivologia contemporânea» (PDF). Salvador, BA: Universidade Federal da Bahia, Programa de Pós-graduação em Ciência da Informação 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • ABREU, Regina. A Fabricação do Imortal: Memória, História e Estratégias de Consagração no Brasil. Rio de Janeiro: Rocco, 1996, ISBN 8532506674.
  • PINHEIRO, P. S. Estratégias da Ilusão. São Paulo: Cia. da Letras, 1999.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Lauro Müller
Ministro dos Transportes do Brasil
1906 — 1909
Sucedido por
Francisco Sá
Precedido por
José Pires do Rio
Ministro da Agricultura do Brasil
1922 — 1926
Sucedido por
Geminiano Lira Castro


Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.