Bibiano Sérgio Macedo da Fontoura Costallat

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Bibiano Sérgio Macedo da Fontoura Costallat
Dados pessoais
Nascimento 9 de setembro de 1845 Porto Alegre
Morte 8 de dezembro de 1904 (59 anos) Rio de Janeiro
Vida militar
Força Exército Brasileiro
Hierarquia Marechal.gif Marechal
Comandos
Batalhas Guerra do Paraguai

Bibiano Sérgio Macedo da Fontoura Costallat (Porto Alegre, 9 de setembro de 1845Rio de Janeiro, 8 de dezembro de 1904) foi um marechal brasileiro, Ministro da Guerra durante o governo Floriano Peixoto.[1]

Carreira Militar[editar | editar código-fonte]

Filho de João Batista Augusto Costallat e de Maria Atanásia Macedo da Fontoura Costallat. Seu irmão José Alípio Macedo da Fontoura Costallat foi comandante do Colégio Militar do Rio de Janeiro (1894-1904) e da Escola Militar da Praia Vermelha (1904).[1]

Após concluir os estudos preparatórios no Colégio Gomes, na capital gaúcha, mudou-se para o Rio de Janeiro. Em 1863, completou o segundo ano do curso da Escola Central, assentou praça no Exército e transferiu-se para a Escola Militar da Praia Vermelha. Promovido a alferes-aluno em janeiro de 1865, seguiu para o rio da Prata, integrando Batalhão de Infantaria que ajudou a garantir a posse do general Venâncio Flores na presidência do Uruguai. Lutou na guerra contra o Paraguai, participando de várias operações no país vizinho, notadamente a batalha de Tuiuti, em maio de 1866, o assalto às fortificações de Humaitá, em junho de 1868, quando foi ferido à bala, e a tomada da praça de Peribebuí, em agosto de 1869. Recebeu várias promoções e condecorações durante a guerra, alcançando o posto de capitão em outubro de 1869, quando servia sob o comando de Gastão de Orléans, Conde d'Eu, marido da princesa Isabel, herdeira do trono imperial. Em janeiro de 1870, quando o Paraguai já estava praticamente derrotado, obteve licença para tratamento de saúde.[1]

De volta ao Rio de Janeiro, retomou os estudos, concluindo os cursos de Artilharia em 1871 e de Engenharia Militar em 1873. Além disso, bacharelou-se em matemática e ciências físicas pela Escola Central. Em 1874, começou a lecionar na Escola Militar como professor repetidor interino. Foi nomeado secretário da escola em 1879 e promovido a major no ano seguinte. Continuou no exercício dos cargos de secretário e professor da Escola Militar durante quase toda a década de 1880, permanecendo à margem das reuniões e manifestações de oficiais do Exército descontentes com o governo imperial. Foi promovido a tenente-coronel em agosto de 1888. Era lente catedrático da Escola Superior de Guerra, no Rio de Janeiro, por ocasião do movimento militar da Proclamação da República.[1]

O deputado mineiro Rodolfo Paixão explicou, em elogio póstumo, sua adesão ao novo regime: “Ele que tinha sido leal ao trono, ele que era um crente, que em sua vida jamais deixou de modelar os seus atos de acordo com a sã doutrina religiosa que seguia, veio para a República com aquela lealdade que o enobrecia e, desde os primeiros dias do advento do regime que hoje vigora, se viu a sua ação constante, disciplinadora e heroica, a bem da consolidação da República”.[1]

Promovido a coronel em março de 1890, tornou-se comandante da Escola Militar da Capital Federal em junho de 1892, no governo Floriano Peixoto. Essa escola era situada na Praia Vermelha e é antecessora da Academia Militar das Agulhas Negras. Em janeiro de 1893, assumiu interinamente o cargo de ajudante-general do Exército, em substituição ao general Antônio Eneias Gustavo Galvão, o barão do Rio Apa.[1]

General de brigada a partir de julho de 1893, foi importante elemento em que se apoiou o Presidente Floriano Peixoto para combater a Revolução Federalista nos estados da região Sul e, principalmente, a Revolta da Armada na baía de Guanabara.[1]

Em janeiro de 1894, ocupou o lugar de Antônio Eneias Galvão no Ministério da Guerra, cargo que exerceu de 31 de janeiro a 15 de novembro de 1894.[2] No mês de abril, foi nomeado ministro da Indústria, Viação e Obras Públicas, em substituição ao engenheiro João Felipe Pereira. Exerceu cumulativamente as duas pastas até o final do governo Floriano Peixoto, em novembro de 1894. Também foi Ministro da Marinha, interino, de 26 de junho a 2 de julho de 1894.[1][3][4]

Voltou a exercer o magistério de 1895 a 1897, quando foi nomeado, pela segunda vez, ajudante-general do Exército. Com a extinção da Escola Superior de Guerra em 1898, foi designado lente catedrático da Escola Militar do Brasil. Comandou a Escola de janeiro de 1900 a dezembro de 1902.[1]

Foi Chefe do Estado-Maior do Exército, entre 9 de dezembro de 1902 e 8 de dezembro de 1904.[5]

Foi ministro do Superior Tribunal Militar, de 24 de outubro de 1902 até seu falecimento em 8 de dezembro de 1904.[6]

Foi casado com Isabel Toloni Costallat. Seu sobrinho José Alípio de Carvalho Costallat foi deputado constituinte (1934) e deputado federal pelo Rio de Janeiro (1935-1937).[1]

Referências

  1. a b c d e f g h i j «Biografia de Bibiano Sérgio Macedo da Fontoura Costallat no site do CPDOC/FGV» (PDF). Consultado em 21 de março de 2021 
  2. «Comandantes do Exército Brasileiro». Consultado em 4 de fevereiro de 2021 
  3. Abreu, Alzira Alves de. Dicionário histórico-biográfico da Primeira República (1889-1930). [S.l.]: Editora FGV. ISBN 9788522516582 
  4. «Ministérios». www.biblioteca.presidencia.gov.br. Consultado em 28 de maio de 2019 
  5. «Ex-Chefes do EME». Consultado em 25 de janeiro de 2021 
  6. «Ministros do STM desde 1808; Ministro 145» (PDF). Consultado em 25 de janeiro de 2021 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
José Clorindo de Queiroz
AMAM.JPG
Comandante da Escola Militar da Capital Federal

1892 - 1893
Sucedido por
Raimundo Ewerton Quadros
Precedido por
João Filipe Pereira
Ministro dos Transportes do Brasil
1894
Sucedido por
Antônio Olinto dos Santos Pires
Precedido por
Antônio Enéias Gustavo Galvão
Coat of arms of the Brazilian Army.svg
7º Ministro da Guerra (República)

1894
Sucedido por
Bernardo Vasques
Precedido por
Francisco José Coelho Neto
Coat of arms of the Brazilian Navy.svg
Ministro da Marinha do Brasil

1894
Sucedido por
João Gonçalves Duarte
Precedido por
Carlos Eugênio de Andrade Guimarães
AMAM.JPG
Comandante da Escola Militar do Brasil

1900 - 1902
Sucedido por
Carlos Augusto Campos
Precedido por
João Tomás de Cantuária
EME.png
2º Chefe do Estado-Maior do Exército

1902 - 1904
Sucedido por
Francisco Antônio Rodrigues Salles