João Paulo Bezerra de Seixas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura pelo nobre brasileiro, conde de Itaguaí, veja Antônio Dias Pavão.
João Paulo Bezerra de Seixas
Nascimento 27 de maio de 1756
Portugal
Morte 29 de novembro de 1817 (61 anos)
Rio de Janeiro
Ocupação Diplomata

João Paulo Bezerra de Seixas, primeiro e único barão de Itaguaí (Portugal, 27 de maio de 1756Rio de Janeiro, 29 de novembro de 1817), foi um magistrado e diplomata que exerceu as funções de primeiro-ministro do Reino de Portugal, de 23 de junho a 29 de novembro de 1817, quando a corte estava estava instalada no Rio de Janeiro.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Veio para o Brasil com a Família Real, em 1808. Foi ministro da Marinha, da Guerra e dos Estrangeiros no reinado de D. João VI.

João Paulo Bezerra de Seixas nasceu a 27 de Maio de 1756 e veio a falecer a 29 de Novembro de 1817.

Licenciado em Direito pela Universidade de Coimbra, começou por seguir a carreira da magistratura, sendo nomeado, em 18 de Outubro de 1790, ouvidor da comarca de Vila Rica, na província de Minas Gerais.

Posteriormente, em 1801, foi indigitado para representar Portugal na República dos Estados Unidos, de onde foi transferido, no ano seguinte, para a representação portuguesa junto do rei da Holanda, Luís Bonaparte.

Residente na Haia entre 1802 e 1809, seria nomeado, no seguimento do corte de relações entre Portugal e a França, ministro plenipotenciário junto do czar Alexandre I da Rússia, lugar que deixou em 1812 para regressar ao Brasil.

Em 1817, quando D. João VI forma novo Ministério, atribui-lhe, em 24 de Junho, após a morte do conde da Barca, o cargo de ministro dos Negócios da Fazenda, juntamente com o de presidente do Real Erário. Devido à ausência do conde de Palmela, que se encontrava na Europa, acumula, interinamente, as pastas da Guerra e dos Negócios Estrangeiros. Porém, exerceria essas funções por pouco tempo, pois vem a falecer no dia 29 de Novembro de 1817, no Rio de Janeiro, vítima de apoplexia.

Os seus restos mortais encontram-se sepultados no Convento de Santo António, no Rio de Janeiro, local onde, por tradição, jazem figuras caras à nação brasileira.

Agraciado com o título de barão de Itaguaí, os seus méritos iriam ser reconhecidos, postumamente, na figura de sua esposa, a quem foi concedido o título de viscondessa de Itaguaí, por Decreto de 3 de Maio de 1818.

É autor da poesia Epistola ao sr. Vicente Pedro Nolasco da Cunha, por Occasião da sua Excellente Ode no Investigador n.º 28, publicada no Investigador, n.º XXXIV. Foi, ainda, cantado por esse poeta português, numa ode impressa no tomo V das Obras de Filinto, edição de Paris.

Foi sepultado no Convento de Santo Antônio, na cidade do Rio de Janeiro.

Referências

  1. SILVA, Andrée Mansuy-Diniz. Une voie de connaissance pour l'histoire de la société portugaise au XVIIIe siècle: les micro-biographies (sources 'méthode ' étude de cas)', p.21-65.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Antônio de Araújo e Azevedo
Primeiro-ministro do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves
23 de junho de 1817 — 29 de novembro de 1817
Sucedido por
Tomás Antônio de Vila Nova Portugal
Precedido por
António de Araújo e Azevedo
Ministro e Secretário de Estado dos Negócios do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves
23 de junho de 1817 — 29 de novembro de 1817
Sucedido por
Tomás Antônio de Vila-Nova Portugal
Precedido por
António de Araújo e Azevedo
Ministros da Fazenda do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves
23 de junho de 1817 — 28 de novembro de 1817
Sucedido por
Tomás Antônio de Vila Nova Portugal
Precedido por
Antônio de Araújo e Azevedo
Ministros da Guerra do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves
1817
Sucedido por
Tomás Antônio de Vila Nova Portugal