Ambrósio Leitão da Cunha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox question.svg
Esta página ou seção carece de contexto.

Este artigo (ou seção) não possui um contexto definido, ou seja, não explica de forma clara e direta o tema que aborda. Se souber algo sobre o assunto edite a página/seção e explique de forma mais clara e objetiva o tema abordado.

Ambrósio Leitão da Cunha
Presidente da Província do Pará - Ambrósio Leitão da Cunha (Barão de Mamoré).
Nascimento 21 de agosto de 1825
Belém
Morte 5 de dezembro de 1898 (73 anos)
Nacionalidade  Brasileiro
Ocupação Advogado, político

Ambrósio Leitão da Cunha, Barão de Mamoré, (Belém, 21 de agosto de 18255 de dezembro de 1898) foi um advogado, juiz e político brasileiro.

Foi deputado geral, presidente de província e senador do Império do Brasil de 1870 a 1889.

Foi presidente das províncias do Pará, de 24 de maio a 7 de dezembro de 1858, da Paraíba, de 4 de junho de 1859 a 13 de abril de 1860, de Pernambuco, de 23 de abril de 1860 a ? de 1861, do Maranhão, por quatro vezes, de 13 de junho a 24 de novembro de 1863, de 3 de outubro de 1864 a 23 de abril de 1865, de 4 de setembro a 18 de outubro de 1868, e de 25 de outubro de 1868 a 4 de abril de 1869, e de Bahia, de 25 de novembro de 1866 a 19 de março de 1867.

Foi proprietário no município fluminense de São Francisco de Paula, hoje Trajano de Morais, da fazenda Santana do Macabu, conhecida atualmente por fazenda Leitão da Cunha, onde veio a falecer e sepultado no cemitério de São Francisco de Paula, antiga sede do município. A fazenda ficou na posse de seus descendentes até a década de 1970, sendo depois vendida pelos herdeiros. Era uma das mais prósperas fazendas do estado em sua época. Pedro Leitão da Cunha Nota: nascido em 1858¸ em Belém, Pará, e falecido em 10.1883 - A 9 de Outubro deste último ano, Joaquim Rocha dos Santos, escrevia de Manaus ao Barão de Mamoré, informando o falecimento de seu filho Pedro. Carlos Alberto Morsing e outros, assinaram um abaixo Assinado, endereçado ao Barão de Mamoré, sobre a colocação de coroas de flores sobre o túmulo de seu filho Pedro. Filho dos barões de Mamoré, Ambrósio Leitão da Cunha e de Maria José da Gama e Silva. Fez seus preparatórios no Externato Aquino, no Rio de Janeiro. Engenheiro Civil, formado ela Escola Politécnica do Rio de Janeiro na turma de 1881 - diploma conferido a 11 de Dezembro de 1882. Faleceu prematuramente, menos de um ano depois ao de sua formatura. Ao que parece, se encontrava trabalhando nas obras de construção da Estrada de Ferro Madeira-Mamoré. Por mercê de 14 de Julho de 1869, do Imperador do Brasil, D. Pedro II, recebeu, juntamente com seus irmãos Ambrósio e José Maria, o fôro de Moço Fidalgo da Casa Real

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
João da Silva Carrão
Presidente da província do Pará
1858
Sucedido por
Manuel de Frias e Vasconcelos
Precedido por
Henrique Pedro Carlos de Beaurepaire-Rohan
Presidente da província da Paraíba
1859 — 1860
Sucedido por
Luís Antônio da Silva Nunes
Precedido por
Luís Barbalho Moniz Fiúza
Presidente da província de Pernambuco
1860 — 1861
Sucedido por
Antônio Marcelino Nunes Gonçalves
Precedido por
João Pedro Dias Vieira
Presidente da província do Maranhão
1863
Sucedido por
Miguel Joaquim Aires do Nascimento
Precedido por
Miguel Joaquim Aires do Nascimento
Presidente da província do Maranhão
1864 — 1865
Sucedido por
José Caetano Vaz Júnior
Precedido por
Sousa Dantas
Presidente da província da Bahia
1866 — 1867
Sucedido por
João Ferreira de Moura
Precedido por
Manuel Cerqueira Pinto
Presidente da província do Maranhão
1868
Sucedido por
Manuel Cerqueira Pinto
Precedido por
Manuel Cerqueira Pinto
Presidente da província do Maranhão
1868 — 1869
Sucedido por
José da Silva Maia
Precedido por
João Florentino Meira de Vasconcelos
Ministro dos Negócios do Império do Brasil
1885
Sucedido por
José Fernandes da Costa Pereira Júnior


Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.