Antônio Alves de Sousa Carvalho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Antônio Alves de Sousa Carvalho (Goiana, 13 de julho de 1832[1]Rio de Janeiro, 4 de abril de 1885), primeiro e único visconde de Sousa Carvalho, foi um político, escritor e jornalista brasileiro.

Nasceu em Goiana, Pernambuco, filho de Francisca das Chagas Portela de Carvalho e de pai homônimo.[2][3]. Fez sua educação formal em Lisboa, Portugal. Estudou na Faculdade de Direito da Universidade de Coimbra, onde foi colega do Visconde de Benalcanfor e dos conselheiros Barjona de Freitas e Matias de Carvalho, concluindo o curso na Faculdade de Direito de Recife.[1]

Foi deputado geral em diversas legislaturas tanto por Pernambuco quanto pela Paraíba e, por esta última, foi apresentado em lista tríplice para senador do Império.[4]

Foi presidente da províncias do Espírito Santo, de 24 de maio de 1860 a 11 de março de 1861, também de Alagoas e Maranhão.

Tendo militado no Partido Conservador, acompanhou a evolução que se caracterizou na organização do Partido Progressista e, desde então, pertenceu ao Partido Liberal.[5] Todavia, era anti-abolicionista.

Fundou e dirigiu o jornal Diário do Brasil, no Rio de Janeiro. Condecorado oficial da Imperial Ordem da Rosa por decreto de 14 de março de 1860.[6] [4] Em 29 de agosto de 1884, foi agraciado pelo governo português com o título de visconde.

Faleceu aos 52 anos de idade, em sua residência. Seu corpo foi encontrado sem vida caído ao chão de seu quarto na manhã de 5 de abril de 1884, junto à sua escrivaninha, onde se achava um artigo que havia começado a escrever.[7] Seu falecimento se deu dias após o de Antônio Epaminondas de Melo, de quem era muito próximo, o qual se dera também em sua casa.[8] Solteiro e sem filhos, uma comitiva de deputados foi constituída para conduzir seu sepultamento no Cemitério de São Francisco Xavier.[5] Sobreviveram-lhe a mãe e uma irmã, Irineia de Sousa Carvalho, casada com um primo, bacharel Antônio de Sousa Carvalho, filho do coronel Francisco Alves de Sousa Carvalho e de Maria Inocência de Morais Carvalho.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

  1. Relatório com que o exmo. sr. dr. Antônio Alves de Sousa Carvalho, ex-presidente da província do Espírito Santo, passou a administração da mesma ao exmo sr. dr. João da Costa Lima e Castro, 1º vice-presidente, no dia 11 de março de 1861

Referências

  1. a b «Visconde de Souza Carvalho». memoria.bn.br. Diario Portuguez. 5 de abril de 1885. p. 2. Consultado em 2 de abril de 2019 
  2. «Visconde de Souza Carvalho». memoria.bn.br. Diário da Paraíba. 9 de abril de 1885. p. 3. Consultado em 5 de abril de 2019 
  3. «Irineia de Souza Carvalho». familysearch.org. Consultado em 5 de abril de 2019 
  4. a b BLAKE, Augusto Victorino Alves Sacramento Blake. Diccionario bibliographico brazileiro. 7 vols, 1883.
  5. a b «Gazetilha - Visconde de Souza Carvalho». memoria.bn.br. Jornal do Commercio. 5 de abril de 1885. p. 1. Consultado em 2 de abril de 2019 
  6. «Noticias diversas». memoria.bn.br. Correio Mercantil. 18 de março de 1860. p. 1. Consultado em 2 de abril de 2019 
  7. «Visconde de Souza Carvalho». memoria.bn.br. Brazil. 5 de abril de 1884. p. 1. Consultado em 2 de abril de 2019 
  8. «Dr. Epaminondas de Mello». memoria.bn.br. O Paiz. 19 de março de 1885. p. 1. Consultado em 5 de abril de 2019 

SOUZA, Lucian Souza da. POLÍTICA E ESCRAVIDÃO DA PARAHYBA DO NORTE: ANTONIO ALVES DE SOUZA CARVALHO E SEU VOTO EM SEPARADO. Disponível em: http://www.ufpb.br/evento/lti/ocs/index.php/anpuhpb/XVI/paper/view/2566

Precedido por
José Francisco de Andrade e Almeida Monjardim
Presidente da província do Espírito Santo
18601861
Sucedido por
João da Costa Lima e Castro
Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.