Joaquim Marcelino da Silva Lima

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Joaquim Marcelino da Silva Lima
Nascimento 1779
São Paulo
Morte 18 de dezembro de 1860 (81 anos)
Cidadania Brasil
Ocupação político

Joaquim Marcelino da Silva Lima, 1.º barão com grandeza de Itapemirim (São Paulo, 1779Itapemirim, 18 de dezembro de 1860) foi um fazendeiro e político brasileiro.

Filho de Joaquim José da Silva e de Ana Fernandes, casado em primeiras núpcias com Francisca Amaral e Silva e depois com Leocádia Tavares Brum da Silva. Foi pai da segunda baronesa de Itapemirim e do terceiro barão de Itapemirim

Mudou-se de São Paulo para o Espírito Santo, em 1802, residindo inicialmente em Benevente, onde foi proprietário da fazenda Três Barras, de cana de açúcar, concedida por sesmaria. Depois de casado mudou-se para Itapemirim, sempre no Espírito Santo.

Foi proprietário de diversas fazendas produtoras de cana-de-açúcar no Espírito Santo, entre elas a Fazenda Santo Antônio de Muqui, em Itapemirim, cuja sede lembrava um castelo. Era acusado por alguns de ser o ser o principal protetor dos traficantes de escravos do Espírito Santo.

Foi deputado provincial em 4 mandatos e presidente da Assembleia provincial em 1853, também presidente da província do Espírito Santo, de 16 de novembro de 1852 a 1 de agosto de 1853, também em 1857.

Foi comendador da Imperial Ordem de Cristo e da Imperial Ordem da Rosa.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Manuel de Assis Mascarenhas
Presidente da província do Espírito Santo
1852 — 1853
Sucedido por
Herculano Ferreira Pena
Precedido por
José Francisco de Andrade e Almeida Monjardim
Presidente da província do Espírito Santo
1857
Sucedido por
Olímpio Carneiro Viriato Catão


Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.