José Antônio Saraiva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
José Antônio Saraiva
Presidente do Conselho de Ministros
Período 6 de maio de 1885
a 20 de agosto de 1885
Monarca Pedro II
Antecessor Sousa Dantas
Sucessor O Barão de Cotejipe
Período 28 de março de 1880
a 21 de janeiro de 1882
Monarca Pedro II
Antecessor João Lins Vieira Cansanção de Sinimbu
Sucessor Martinho Álvares da Silva Campos
Ministro da Fazenda
Período 6 de maio de 1885
a 20 de agosto de 1885
Antecessor Sousa Dantas
Sucessor Francisco Belisário Soares de Sousa
Período 28 de março de 1880
a 21 de janeiro de 1882
Antecessor Afonso Celso de Assis Figueiredo
Sucessor Martinho Álvares da Silva Campos
Ministro das Relações Exteriores
Período 12 de maio de 1865
a 3 de agosto de 1866
Antecessor João Pedro Dias Vieira
Sucessor Martim Francisco Ribeiro de Andrada
Ministro e Secretário de Estado dos Negócios do Império
Período 21 de abril de 1861
a 10 de julho de 1861
Antecessor José Ildefonso de Sousa Ramos
Sucessor Francisco de Paula Negreiros de Saião Lobato
Dados pessoais
Nascimento 1 de maio de 1823
Santo Amaro, Bahia, Brasil
Morte 21 de julho de 1895 (72 anos)
Salvador, Bahia,  Brasil
Partido Liberal
Religião Catolicismo
Profissão Advogado
Assinatura Assinatura de José Antônio Saraiva

José Antônio Saraiva (Santo Amaro, 1 de maio de 1823Salvador, 21 de julho de 1895), também conhecido como Conselheiro Saraiva, foi um advogado e político brasileiro. Foi deputado provincial, presidente de província, ministro dos Negócios Estrangeiros (ver Gabinete Olinda de 1865), ministro da Guerra, ministro da Marinha (ver Gabinete Olinda de 1857), ministro do Império (ver Gabinete Caxias de 1861), presidente do Conselho de Ministros, ministro da Fazenda, senador do Império de 1869 a 1889 e da República de 1890 a 1893.

Presidente do Conselho de Ministros[editar | editar código-fonte]

Mais Informações: Gabinete Saraiva (1880) e Gabinete Saraiva (1885)

Exerceu o cargo de Presidente do Conselho de Ministros (primeiro-ministro) nos períodos de 28 de março de 1880 a 20 de agosto de 1882 e de 6 de maio de 1885 a 20 de agosto do mesmo ano.

Em sua primeira passagem pelo cargo (1880-1882), foi responsável pela aprovação da chamada Lei Saraiva, reforma eleitoral que introduziu o sufrágio direto no Brasil. Na segunda vez (1885), foi co-responsável, juntamente com João Maurício Wanderley, Barão de Cotegipe, pela aprovação da chamada Lei dos Sexagenários (também conhecida como Lei Saraiva-Cotegipe), que libertou os escravos com 60 anos de idade ou mais.

Na madrugada de 16 de novembro de 1889, D. Pedro II chegou a nomeá-lo novamente, no lugar de Afonso Celso de Assis Figueiredo, Visconde de Ouro Preto, mas o fato sequer foi reconhecido, devido à Proclamação da República no dia anterior.

Presidente de Província[editar | editar código-fonte]

Litografia de José Antonio Saraiva feita por Sébastien Auguste Sisson em 1861.
  • Piauí - Nomeado por Carta Imperial de 23 de junho de 1850, presidiu a província de 7 de setembro desse ano a 12 de março de 1853, com apenas 27 anos, graças ao grande prestígio de Pedro de Araújo Lima, então Visconde de Olinda, seu padrinho político. Sendo seu primeiro cargo público relevante, o conselheiro foi responsável pela mudança da capital de Oeiras para Teresina.

Buscou logo solucionar os problemas nos quais se encontrava a província naquela época e, após tomar posse, providenciou a construção da Igreja Matriz de Nossa Senhora do Amparo.

A medida que a economia pecuária entrou em declínio, as elites políticas oeirenses demonstraram a incapacidade de criar alternativas para os destinos da província. Foi esta a situação que deu origem a ideia de transferência da capital para a região da Vila do Poti. A região onde se criaria a nova capital apresentava, segundo o pensamento de Saraiva, as condições para se resolverem os problemas fundamentais que provocavam a crise vivida pela sociedade piauiense da época, pois mudaria o eixo das relações político-econômicas, até então situado no interior da província, numa região de difícil comunicação, que se manteve viva enquanto a pecuária ainda se mostrava capaz de sustentar a região.

Essa ousadia de Saraiva lhe rendeu bastante prestígio, devido a sua coragem e capacidade para convencer o povo piauiense, principalmente as oligarquias de Oeiras e Campo Maior, a aderir a nova ideia de progresso que seria a transferência da capital, chegando a assustar até mesmo o governo central do Rio de Janeiro, que acreditou, por um momento, ter sido um erro colocar um jovem para assumir um posto político importante. Porém, futuramente, com o sucesso de seu projeto e sua boa administração em outras províncias, tornou-se um homem de confiança de D. Pedro II.

Gravura de José Antônio Saraiva feita por Angelo Agostini em 1895.

Teresina foi fundada em 16 de agosto de 1852, assim denominada em homenagem à Imperatriz Teresa Cristina, esposa de D. Pedro II. A cidade se tornou a capital da província (depois do estado) desde essa data, transferindo para ela, desde Oeiras, a sede administrativa da região.

Depois do sucesso de sua administração no Piauí, o Conselheiro Saraiva foi nomeado presidente de mais três províncias importantes do Império, entre 1853 e 1859.

  • Alagoas - Presidiu a província entre 19 de outubro de 1853 e 26 de abril de 1854, e de março a 20 de maio de 1856;
  • São Paulo - Presidiu a província entre 26 de junho de 1854 e 16 de maio de 1855;
  • Pernambuco - Nomeado em 17 de dezembro de 1858, presidiu a província de 27 de janeiro a 20 de abril de 1859.

Gabinete de 28 de março de 1880[editar | editar código-fonte]

Foi simultaneamente Presidente do Conselho de Ministros e Ministro da Fazenda.

Gabinete de 6 de maio de 1885[editar | editar código-fonte]

Foi simultaneamente Presidente do Conselho de Ministros e Ministro da Fazenda.

Referências Bibliográficas[editar | editar código-fonte]

  • Piauí: Formação - Desenvolvimento - Perspectivas. Organizado por R. N. Monteiro de Santana. Teresina, Halley, 1995, p. 462.
  • LIMA, Iracilde Maria de Moura Fé. Piauí: tempo e espaço: estudos sociais / Iracilde Maria de Moura Fé Lima, Maria Cecília Silva de Almeida Nunes, Emília Maria de Carvalho Gonçalves Rebêlo. - São Paulo: FTD, (Terceira Edição) 1995.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Câmara dos Deputados (1978). José Antônio Saraiva (Conselheiro Saraiva). Perfis Parlamentares 4. Rio de Janeiro: José Olympio.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Inácio Francisco Silveira da Mota
Presidente da província do Piauí
1850 — 1853
Sucedido por
Simplício de Sousa Mendes
Precedido por
Manuel Sobral Pinto
Presidente da província de Alagoas
1853 — 1854
Sucedido por
Roberto Calheiros de Melo
Precedido por
Josino do Nascimento Silva
Presidente da província de São Paulo
1854 — 1855
Sucedido por
Antônio Roberto de Almeida
Precedido por
Roberto Calheiros de Melo
Presidente da província de Alagoas
1856
Sucedido por
Esperidião Elói de Barros Pimentel
Precedido por
José Maria da Silva Paranhos
Ministro da Marinha do Brasil
1857 — 1858
Sucedido por
Antônio Paulino Limpo de Abreu
Precedido por
Luís Alves de Lima e Silva
Ministro da Guerra do Brasil
1858 — 1861
Sucedido por
Luís Alves de Lima e Silva
Precedido por
Manuel Felizardo de Sousa e Melo
Presidente da província de Pernambuco
1859
Sucedido por
Luís Barbalho Moniz Fiúza
Precedido por
Francisco de Paula Negreiros de Saião Lobato
Ministro dos Negócios do Império do Brasil
1861
Sucedido por
José Ildefonso de Sousa Ramos
Precedido por
Francisco Xavier Pinto de Lima
Ministro da Marinha do Brasil
1865
Sucedido por
Francisco de Paula da Silveira Lobo
Precedido por
João Pedro Dias Vieira
Ministro das Relações Exteriores do Brasil
1865 — 1866
Sucedido por
Martim Francisco Ribeiro de Andrada
Precedido por
Francisco de Paula da Silveira Lobo
Ministro da Marinha do Brasil
1865 — 1866
Sucedido por
Francisco de Paula da Silveira Lobo
Precedido por
João Lins Vieira Cansanção de Sinimbu
Presidente do Conselho de Ministros
28 de março de 1880 — 21 de janeiro de 1882
Sucedido por
Martinho Álvares da Silva Campos
Precedido por
Afonso Celso de Assis Figueiredo
Ministro da Fazenda do Brasil
1880 — 1882
Sucedido por
Martinho Álvares da Silva Campos
Precedido por
Pedro Luís Pereira de Sousa
Ministro dos Transportes do Brasil e
Ministro da Agricultura do Brasil

1881 — 1882
Sucedido por
Manuel Alves de Araújo
Precedido por
Sousa Dantas
Presidente do Conselho de Ministros
6 de maio de 1885 — 20 de agosto de 1885
Sucedido por
João Maurício Wanderley
Precedido por
Sousa Dantas
Ministro da Fazenda do Brasil
1885
Sucedido por
Francisco Belisário Soares de Sousa


Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.