Miguel Calmon du Pin e Almeida Sobrinho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Miguel Calmon du Pin e Almeida Sobrinho
Deputado federal pela Bahia
Período 2 de fevereiro de 1959
até 31 de janeiro de 1963
Ministro da Fazenda do Brasil
Período 3 de agosto de 1962
até 17 de setembro de 1962
18 de setembro de 1962
até 22 de janeiro de 1963
Presidente João Goulart
Antecessor Francisco de Paula Brochado da Rocha
Sucessor San Tiago Dantas
Dados pessoais
Nascimento 2 de maio de 1912
Salvador, Bahia
Morte 7 de maio de 1967 (55 anos)
Salvador, Bahia
Nacionalidade brasileiro
Progenitores Mãe: Julieta Goes Calmon
Pai: Francisco Marques de Góis Calmon
Cônjuge Sílvia Pontes
Partido PSD
Profissão Engenheiro e professor
linkWP:PPO#Brasil

Miguel Calmon du Pin e Almeida Sobrinho (Salvador, 2 de maio de 1912 — Salvador, 7 de maio de 1967) foi um engenheiro, político e professor brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho do banqueiro Francisco Marques de Góis Calmon, governador da Bahia de 1924 a 1928, e de Julieta Maria de Góis Calmon. Era descendente de Miguel Calmon du Pin e Almeida (1796-1865), marquês de Abrantes, ministro da Fazenda e dos Estrangeiros no Império, senador e deputado federal; sobrinho-neto de Miguel Calmon du Pin e Almeida (1843-1886), desembargador e presidente da província do Rio Grande do Sul em 1886; sobrinho de Miguel Calmon du Pin e Almeida (1879-1935), deputado federal pela Bahia, ministro da Indústria, Viação e Obras Públicas de 1906 a 1909 e ministro da Agricultura de 1922 a 1926, e primo de Pedro Calmon Moniz de Bittencourt, reitor da Universidade do Brasil, no Rio de Janeiro, de 1948 a 1966 e ministro da Educação de 1950 a 1951 e de 1959 a 1960.

Foi graduado na Escola Politécnica da Bahia em 1932 e fez o Curso de especialização na École des Ponts et Chaussée na École Centrale de Paris da França em 1934.

Foi professor da disciplina de Materiais de Construção da Universidade Federal da Bahia. No período de 1952 a 1958 representou o Brasil no Conselho Interamericano do Comércio e Produção. Em agosto de 1962 foi nomeado Subsecretário de Estado dos Negócios da Fazenda. Durante o parlamentarismo exerceu o cargo de ministro da Fazenda, no impedimento do titular e em seguida como efetivo, tendo sido o último ministro da Fazenda do regime parlamentarista.

Firmou um contrato com a Fundação Getúlio Vargas para organizar e coordenar os levantamentos, estudos e projetos de reestruturação das repartições arrecadadoras federais.

Foi diretor-presidente da Associação Comercial da Bahia, reitor da Universidade Federal da Bahia, primeiro presidente do conselho de reitores das Universidades Brasileiras, diretor-presidente do Banco Econômico da Bahia S/A e deputado federal pela Bahia.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Francisco de Paula Brochado da Rocha
Ministro da Fazenda do Brasil
1962 — 1963
Sucedido por
San Tiago Dantas