Miguel Calmon du Pin e Almeida (desembargador)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Se procura o marquês de Abrantes, veja Miguel Calmon du Pin e Almeida.
Miguel Calmon du Pin e Almeida
Nascimento 19 de abril de 1843
Santo Amaro da Purificação
Morte 30 de outubro de 1886 (43 anos)
Porto Alegre
Nacionalidade brasileiro
Ocupação jurista, político

Miguel Calmon du Pin e Almeida (Santo Amaro da Purificação, 19 de abril de 1843Porto Alegre, 30 de outubro de 1886) foi um jurista e político brasileiro.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho do tenente-coronel Bernardo Calmon du Pin e Almeida e de Maria Francisca de Araújo Magalhães.[2] Nasceu no Engenho Santo Antônio dos Calmon, em Santo Amaro. Aos oito anos ficou órfão do pai, sendo então enviado para o Rio de Janeiro, a fim de ser criado pelo tio, que lhe emprestou o mesmo nome, o marquês de Abrantes.

Era já o Marquês figura de renome, no Brasil e em Portugal - considerado o estadista de dois continentes. No Rio de Janeiro concluiu o curso básico, então chamado de humanidades, seguindo então para São Paulo, onde cursou direito na Faculdade do Largo de São Francisco.

Formou-se em 1863 e no ano seguinte foi nomeado promotor de justiça em Cabo Frio, cargo que exerceu por pouco tempo, sendo nomeado juiz de Paraíba do Sul. Depois de algum tempo neste cargo, retornou à cidade natal, onde exerceu a advocacia até 1869, quando voltou à magistratura na Bahia.

Em 1871 experimentou a política, elegendo-se deputado provincial, mas não concluiu o mandato, sendo nomeado chefe de polícia no Maranhão. Tão destacada foi sua atuação neste posto que o Imperador Dom Pedro II o nomeou, em 1876, chefe de polícia da corte.

Em 1882 voltou novamente à toga, como juiz em Guaratinguetá, ocasião em que recebeu a honraria de "veador de Sua Majestade a Imperatriz" (certo cargo que existia na corte brasileira). Dois anos depois foi juiz no Rio de Janeiro e, posteriormente, desembargador.

Em 1885 ocupou a presidência da Província do Ceará e, no ano seguinte, a da Província do Rio Grande do Sul.[1][2][3]

Sua saúde não resistiu a tantas mudanças, falecendo no mesmo mês em que assumiu a nova incumbência. Chefiava a guarnição militar Deodoro da Fonseca daquela província.

Referências

  1. a b «CALMON, Miguel» (PDF). CPDOC. Consultado em 27 de fevereiro de 2021 
  2. a b «O arquivo da família Calmon à luz da arquivologia contemporânea» (PDF). UFBA. 2011. pp. 65–66. Consultado em 27 de fevereiro de 2021 
  3. Galvão, Miguel Archanjo (1894). Relação dos cidadãos que tomaram parte no governo do Brazil no periodo de março de 1808 a 15 de novembre de 1889. Rio de Janeiro: Imprensa nacional. pp. 61, 127 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Sinval Odorico de Moura
Presidente da província do Ceará
1885 — 1886
Sucedido por
Joaquim da Costa Barradas
Precedido por
Deodoro da Fonseca
Presidente da província do Rio Grande do Sul
1886
Sucedido por
Fausto de Freitas e Castro


Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço relacionado ao Projeto Biografias de Políticos. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.