Guilherme Xavier de Sousa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Guilherme Xavier de Sousa
Cidadania Brasil
Ocupação político

Guilherme Xavier de Sousa (Desterro, 3 de julho de 1818 — Desterro, 21 de dezembro de 1870) foi um militar e político brasileiro. Participou da Guerra do Paraguai, chegando à patente de marechal.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Guilherme Xavier era filho do capitão Antônio Xavier de Sousa.[1]

Sua carreira militar teve início em 20 de novembro de 1834, quando foi assentado como praça, e como Cadete de 2ª classe em 17 de dezembro de 1834. Atuou nos combates aos farroupilhas, durante a Revolução Farroupilha, e contra os paulistas da Revolução Liberal. Em 8 de junho de 1865 Guilherme Xavier de Souza juntou-se ao Exército Imperial no acampamento situado na Vila de Concórdia na Província argentina de Entre Rios. Em 1867 foi promovido a Marechal-de-Campo na província do Rio Grande do Sul, e em 1868 o Ministro da Guerra, Barão de Muritiba, ordenou que ele embarcasse para o Paraguai a fim de substituir o Marquês de Caxias no Comando das Forças Brasileiras. Em 18 de janeiro de 1869 passou a comandar as tropas brasileiras até passar o comando para o Conde D'Eu em 19 de abril de 1869.

Foi deputado à Assembleia Legislativa Provincial de Santa Catarina na 15ª legislatura (1864 — 1865), como suplente convocado e na 17ª legislatura (1868 — 1869). Foi Presidente da província do Rio Grande do Sul, de 14 de julho a 1 de agosto de 1868.

Foi casado com Clara Angélica Xavier Fagundes,[2] e não tiveram filhos. Foi senhor de João da Cruz e Sousa, que, libertado quando tinha apenas quatro anos de idade, foi esmeradamente educado como filho de criação do casal e se tornou o poeta precursor do simbolismo no Brasil. Guilherme era abolicionista numa época onde a luta pelo fim da escravidão ainda não havia se organizado no Brasil.[3]

Guilherme Xavier retornou do Paraguai em 18 de maio de 1869, já doente, e morreu em 21 de dezembro de 1870 na cidade de Desterro, aos 52 anos.

Em sua homenagem, o 10º Batalhão de Infantaria Leve, em Juiz de Fora, (MG) foi nomeado como Batalhão Marechal Guilherme Xavier de Sousa. Além disso, há uma rua em Florianópolis levando seu nome, a rua Marechal Guilherme.

Referências


Precedido por
Joaquim Vieira da Cunha
Presidente da província do Rio Grande do Sul
1868
Sucedido por
Antônio da Costa Pinto e Silva