José Carlos Pereira de Almeida Torres

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O Visconde de Macaé
Presidente do Conselho de Ministros
Período 8 de março de 1848
a 31 de maio de 1848
Monarca Pedro II
Antecessor Manuel Alves Branco
Sucessor Francisco de Paula Sousa e Melo
Ministro e Secretário de Estado dos Negócios do Império
Período 8 de março de 1848
a 31 de maio de 1848
Antecessor Manuel Alves Branco
Sucessor José Pedro Dias de Carvalho
Período 2 de fevereiro de 1844
a 29 de setembro de 1845
Antecessor José Antônio da Silva Maia
Sucessor Manuel Alves Branco
Ministro da Justiça
Período 26 de maio de 1845
a 29 de setembro de 1845
Antecessor Manuel Antônio Galvão
Sucessor Antônio Paulino Limpo de Abreu
Presidente de São Paulo
Período 17 de agosto de 1842
a 27 de janeiro de 1843
Antecessor O Barão de Monte Alegre
Sucessor Joaquim José Luís de Sousa
Período 13 de janeiro de 1839
a 15 de abril de 1830
Antecessor Manuel Joaquim de Ornelas
Sucessor Manuel Joaquim Gonçalves de Andrade
Presidente de
São Pedro do Rio Grande do Sul
Período 8 de janeiro de 1831
a 29 de março de 1831
Antecessor Américo Cabral de Melo
Sucessor Américo Cabral de Melo
Dados pessoais
Nome completo José Carlos Pereira de Almeida Torres
Nascimento c. 1799
Salvador, Baía de Todos os Santos, Brasil
Morte 25 de abril de 1856 (57 anos)
Rio de Janeiro, Município Neutro, Brasil
Progenitores Mãe: Ana Zeferina de Almeida Torres
Pai: José Carlos Pereira
Esposa Eudóxia Engrácia de Almeida Torres
Partido Liberal
Profissão Desembargador
Títulos nobiliárquicos
Visconde de Macaé 7 de setembro de 1847[1]

José Carlos Pereira de Almeida Torres, 2.º Visconde de Macaé, (Salvador, 1799Rio de Janeiro, 25 de abril de 1856) foi um magistrado e político brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Era filho do desembargador (então um cargo administrativo da Coroa) José Carlos Pereira, e de Ana Zeferina de Almeida Torres. Foi casado com sua prima Eudóxia Engrácia de Almeida Torres, deixando descendência.

Formado em direito, exerceu a magistratura no Paraná, Minas Gerais e Bahia, tendo atingido o grau de Desembargador, na Bahia. Ocupou diversos cargos na vida pública, todos de grande relevância, que o projetaram para ocupar a presidência do Ministério em 1848.

A legenda do seu título de nobreza é uma referência ao Município de Macaé (RJ), onde foi abastado fazendeiro na região serrana, possuindo a Fazenda Saudade, onde produzia café e açúcar.

Morreu em 1850, vítima da epidemia de febre que assolava periodicamente o País. Foi sepultado na Igreja de Nossa Senhora da Conceição, em Niterói.

Cargos públicos e privados[editar | editar código-fonte]

Foi membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, deputado geral, presidente das províncias do Rio Grande do Sul (de 8 de janeiro a 29 de março de 1831) e São Paulo (de 13 de janeiro de 1829 a 15 de abril de 1830 e de 17 de agosto de 1842 a 27 de janeiro de 1843), ministro da Justiça (quinto gabinete), ministro do Império, presidente dos Conselho de Ministros (oitavo gabinete) e senador do Império do Brasil de 1843 a 1856.

Títulos[editar | editar código-fonte]

Tornou-se visconde em 1829 (sem grandeza), obtendo a Grandeza de Macaé em 1847 (Grande do Império). Foi também Gentil-homem da Imperial Câmara do Conselho de Sua Majestade, comendador da Imperial Ordem de Cristo, dentre outros.

Gabinete de 8 de março de 1848[editar | editar código-fonte]

Foi Presidente do Conselho de Ministros e ministro do Império

Referências

  1. Barão de Vasconcelos. «Archivo Nobiliarchico Brasileiro» (PDF). Consultado em 6 de maio de 2012  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Manuel Joaquim de Ornelas
Presidente da Província de São Paulo
1829 — 1830
Sucedido por
Manuel Joaquim Gonçalves de Andrade
Precedido por
Américo Cabral de Melo
Presidente da Província de São Pedro do Rio Grande do Sul
1831
Sucedido por
Américo Cabral de Melo
Precedido por
José da Costa Carvalho
Presidente da Província de São Paulo
1842 — 1843
Sucedido por
Joaquim José Luís de Sousa
Precedido por
Manuel Antônio Galvão
Ministro da Justiça do Brasil
1845
Sucedido por
Antônio Paulino Limpo de Abreu
Precedido por
Manuel Alves Branco
Presidente do Conselho de Ministros
8 de março de 1848 — 31 de maio de 1848
Sucedido por
Francisco de Paula Sousa e Melo


Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.