Antônio Luís Pereira da Cunha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde setembro de 2014)
Por favor, melhore este artigo inserindo fontes no corpo do texto quando necessário.
Antônio Luís Pereira da Cunha
Retrato de Antônio Luís Pereira da Cunha, Marquês de Inhambupe, 1825. Por Simplício Rodrigues de Sá.
Nascimento 6 de abril de 1760
Salvador Bahia
Morte 19 de setembro de 1837 (77 anos)
Rio de Janeiro Rio de Janeiro
Nacionalidade  Brasileiro

Antônio Luís Pereira da Cunha, primeiro e único visconde de Inhambupe de Cima e marquês de Inhambupe (Salvador, 6 de abril de 1760Rio de Janeiro, 19 de setembro de 1837), foi um juiz de fora, desembargador e político brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de Bartolomeu Pereira da Silva e Ana da Cunha Barbosa. Casou-se, em primeiras núpcias, com Isabel Joaquina de Assis; em segundas núpcias, por volta de 1789, em Torres Vedras, com Erculana Felizarda Figueira (?-1796); e em terceiras núpcias, a 13 de dezembro de 1801, em Lisboa, com Maria Joaquina Gerleu da Rocha Dantas e Mendonça (1785-1861), e desta união tiveram três filhos: Lourenço de Assis, Manoel Luiz e Marianna. Era irmão do coronel Pedro Augusto Nolasco Pereira da Cunha. Após o término dos estudos de matemática e filosofia, foi para Portugal para matricular-se na Universidade de Coimbra em 20 de dezembro de 1782. Formou-se em Direito em 4 de maio de 1787, entrando, a seguir, para a magistratura. Foi juiz de fora em Torres Vedras (1789). Retornando ao Brasil, foi ouvidor na Bahia e desembargador em Pernambuco (1792). Fez parte do governo interino de Pernambuco (1798).

Em 1802, foi nomeado Ouvidor da Câmara do Rio das Velhas, em Minas Gerais. Em 1803, tomou posse no cargo de Ouvidor de Sabará e em 1806 foi nomeado Chanceler da Relação da Bahia. Juiz e desembargador da Casa de Suplicação em Lisboa (1805). Ainda em 1806, foi Conselheiro da Fazenda. Em 1809 fez parte do governo interino da Bahia, em triunvirato com José de Santa Escolástica Álvares Pereira e João Baptista Vieira Godinho.[1] Em 1818, foi deputado da junta de comércio, agricultura, fábricas e navegação. Fiscal das mercês (1819). Em 1821, exerceu o carpo de intendente geral de polícia.

Foi ministro da Fazenda, do Império e dos Estrangeiros, constituinte (1823) e senador, por Pernambuco, do Império do Brasil, de 1826 a 1837. Era presidente do Senado, quando faleceu.

Recebeu os títulos de visconde com grandeza, por decreto imperial de 12 de outubro de 1825 e o de marquês, por decreto imperial de 12 de outubro de 1826. Foi também: conselheiro da Fazenda (1808); Fidalgo Cavaleiro da Casa Real (1809); dignitário da Imperial Ordem do Cruzeiro; conselheiro de Estado - 1º Conselho (1824).

Condecorações[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • 1) Medidas e providências administrativas do governo interino da capitania de Pernambuco, desde 7-1-1799 até 4-12-1802, e sobre todos os ramos de economia pública, sendo o governo composto dos brasileiros José Joaquim da Cunha de Azeredo Coutinho, então bispo; José Joaquim Nabuco de Araújo, então ouvidor; e do intendente da marinha Pedro Sheverin. O Marquês de Inhambupe esteve nessa junta, no lugar ocupado por Nabuco de Araújo, após a sua morte. Existe uma cópia desse trabalho na Biblioteca Nacional (65 fls.), n° 6.233 do Cat. da Exp.;
  • 2) Plano de melhoramento e fiscalização da alfândega do algodão no Recife, de Pernambuco, concebido e escrito pelo falecido Marquês de Inhambupe, em 12-6-1799, sendo então ouvidor e, nessa qualidade, presidente da mesa inspetora. Idem de 5 fls., n° 6.230 do Cat. da Exp.;
  • 3) Memória sobre a criação de duas capitanias, da Paraíba e Ceará-grande, em governos-gerais — 1816 — O autógrafo foi exposto na Bib. Nac. em 1881;
  • 4) Projeto de Constituição para o Império do Brasil. N.° 9.914 e 9.915 do Cat. da Exp.;
  • 5) Código de posturas e regulamentos municipais para a Câmara da Capital, aplicáveis a todo o reino. Ignora-se o seu paradeiro;
  • 6) Cartas ao Marquês de Resende (1825), na "Rev. do Inst. Hist.", tomo 80, pág. 161 a 177.
  • Arquivo Nobiliárquico Brasileiro, edição de 1918, digitalizado pela Universidade de Toronto

Referências

  1. Mello Moraes, Alexandre José de, História do Brasil-Reino e Brasil-Império. Tomo 1. Belo Horizonte: Editora Itatiaia; São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1982. Página 433.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikisource Textos originais no Wikisource

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Felisberto Caldeira Brant Pontes de Oliveira Horta
Ministro da Fazenda do Brasil
1826
Sucedido por
Manuel Jacinto Nogueira da Gama
Precedido por
José Egídio Álvares de Almeida
Ministro das Relações Exteriores do Brasil
1826 — 1827
Sucedido por
João Severiano Maciel da Costa
Precedido por
Bernardo José da Gama
Ministro dos Negócios do Império do Brasil
e
Administrador do Rio de Janeiro

1831
Sucedido por
Bernardo José da Gama
Precedido por
Bento Barroso Pereira
Presidente do Senado do Império do Brasil
1837
Sucedido por
Manuel Jacinto Nogueira da Gama


Ícone de esboço Este artigo sobre um político brasileiro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.