Eunício Oliveira

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Eunício Oliveira
Presidente do Senado Federal
Período 1 de fevereiro de 2017
até 1 de fevereiro de 2019
Antecessor Renan Calheiros
Sucessor Davi Alcolumbre
Senador pelo Ceará
Período 1 de fevereiro de 2011
até 1 de fevereiro de 2019
Deputado federal pelo Ceará
Período 1 de fevereiro de 1999
até 1 de fevereiro de 2011
Ministro das Comunicações
Período 23 de janeiro de 2004
até 14 de julho de 2005
Presidente Luiz Inácio Lula da Silva
Antecessor Miro Teixeira
Sucessor Hélio Costa
Dados pessoais
Nome completo Eunício Lopes de Oliveira
Nascimento 30 de setembro de 1952 (67 anos)
Lavras da Mangabeira, Ceará
Nacionalidade brasileiro
Alma mater Centro Universitário de Brasília
Partido MDB (desde 1972)
Profissão Agropecuarista, empresário e político
Fortuna R$ 89,2 milhões
Assinatura Assinatura de Eunício Oliveira
[1][2]

Eunício Lopes de Oliveira (Lavras da Mangabeira, 30 de setembro de 1952) é um agropecuarista, empresário e político brasileiro. Filiado ao Movimento Democrático Brasileiro (MDB), foi senador da República pelo Ceará de 2011 a 2019 e presidente do Senado de 2017 a 2019.

Graduado em administração de empresas e ciências políticas pelo Centro Universitário de Brasília (CEUB), Oliveira fundou e administrou empresas que atuaram nos setores de transportes de valores, segurança privada e venda de alimentos. Uma delas, a Confederal Vigilância e Transportes de Valores, foi posteriormente vendida por mais de meio bilhão de reais. Oliveira declarou à Justiça Eleitoral possuir um patrimônio de R$ 89,2 milhões, sendo, em 2017, o segundo senador brasileiro mais rico.

Oliveira entrou para a política partidária em 1998, exercendo cargos em seu partido. No mesmo ano, foi eleito para a Câmara dos Deputados – reelegeu-se deputado federal nas eleições de 2002 e 2006. Na Câmara, exerceu funções de liderança. Em 2004, foi designado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva como ministro das Comunicações, ocupando o cargo até 2006.

Em 2010, Oliveira foi eleito senador da República. Em 2014, foi derrotado por Camilo Santana em sua candidatura ao governo do Ceará. Em 2017, Oliveira foi eleito por seus pares, por larga margem, como presidente do Senado. Nesta posição, ocupou a Presidência da República em caráter interino. Derrotado em sua candidatura à reeleição como senador em 2018, anunciou que dedicaria-se aos seus projetos pessoais.

Família e educação[editar | editar código-fonte]

Oliveira é filho de Otoni Lopes de Oliveira e de Discinelha Lopes de Oliveira. Seu pai foi vereador em Lavras da Mangabeira e a família vivia no campo, onde trabalhou durante a infância.[3][4] Mudou-se para Fortaleza quando tinha doze anos de idade.[3] Na capital, cursou economia na Universidade de Fortaleza, mas não concluiu o curso. Neste período, participou do movimento estudantil, protestando contra a ditadura militar, e foi diretor da Casa do Estudante de Fortaleza. Posteriormente, foi morar em Brasília. Estudou no Centro Universitário de Brasília e dali graduou-se em administração de empresas e ciências políticas.[4][5]

Oliveira casou-se com Mônica Paes de Andrade. Mônica é filha de Antonio Paes de Andrade, um influente político cearense que ocupou a presidência da Câmara dos Deputados e foi embaixador em Portugal. Foi o sogro que incentivou Oliveira a iniciar sua carreira política, bem como o responsável por impulsioná-la.[6][7] Com Mônica, Oliveira teve quatro filhos:[8] Rodrigo Antônio,[9] Manuella, Maria Eduarda e Marcela.[10]

Em 2015, Oliveira conseguiu que a presidente Dilma Rousseff nomeasse seu genro, Ricardo Fenelon Júnior, para a diretoria da Agência Nacional de Aviação Civil. Graduado em Direito em 2011, a nomeação de Fenelon foi contestada pela Associação de Pilotos e Proprietários de Aeronaves, que o considerou inexperiente, mas o Senado optou por confirmá-lo por 61 votos a 10.[11][12][13]

Carreira empresarial[editar | editar código-fonte]

Oliveira fundou empresas nos setores de transportes de valores, segurança privada e venda de alimentos.[14][6] Uma delas, a Confederal Vigilância e Transportes de Valores, se tornou uma das maiores empresas do ramo no país.[15] Em 2018, Oliveira vendeu a empresa para a Prosegur por US$ 150 milhões, equivalente, na época, a cerca de R$ 587 milhões.[16][17] Como agropecuarista, é dono Fazenda Santa Mônica, um latifúndio de mais de 21 mil hec­tares que se estende pelos municípios de Corumbá de Goiás, Abadiânia e Alexânia.[18][19]

Oliveira afirmou ter se afastado legalmente do comando de suas empresas quando foi eleito deputado federal, estabelecendo a holding Remmo Participações para administrá-las.[20][21] Em 2017, a Confederal e a Corpvs mantinham contratos com a União no valor de R$ 703 milhões.[22][23] Do Governo do Distrito Federal (GDF), duas empresas de sua propriedade receberam R$ 469 milhões entre 2012 e 2017.[24] Em 2011, vendeu suas ações na Manchester Serviços após surgirem suspeitas de fraudes em contratos desta com o GDF e a Petrobrás. Os contratos da Manchester Serviços com o poder público chegaram a quase um bilhão de reais.[25][26][27] Após Oliveira deixar de ser sócio, a Petrobrás reduziu consideravelmente os contratos com a empresa.[28]

Patrimônio

Em 2006, Oliveira declarou à Justiça Eleitoral possuir um patrimônio de R$ 25,6 milhões.[29] Nas eleições seguintes, o valor subiu para R$ 36,7 milhões em 2010 e R$ 99 milhões e 2014.[30][31] Em 2018, no entanto, declarou R$ 89,2 milhões.[32][33] Em 2017, era o segundo senador da República mais rico, atrás apenas do também cearense Tasso Jereissati.[34]

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Início[editar | editar código-fonte]

Em 1972, Oliveira filiou-se ao Movimento Democrático Brasileiro (MDB).[35] A partir de década de 1980, passou a atuar em sindicatos. Em 1983, foi escolhido presidente do Sindicato de Empresas de Asseio e Conservação de Brasília (SEAC). Em 1988, foi eleito presidente do Sindicato de Segurança Privada e Transporte de Valores do Distrito Federal (SINDESP) e, em 1989, o primeiro vice-presidente da Federação do Comércio do Distrito Federal. Foi presidente fundador da Federação Nacional de Transporte de Valores (FENAVIST). Ingressou na política partidária em 1998, como membro da executiva nacional do PMDB e primeiro tesoureiro do partido.[36] No ano seguinte, foi designado presidente estadual do PMDB cearense.[37]

Câmara dos Deputados[editar | editar código-fonte]

Na eleição de 1998, Oliveira concorreu a um assento na Câmara dos Deputados pelo PMDB. Foi eleito com 111.897 votos, a terceira melhor votação para o cargo no Ceará.[38] Em seu primeiro mandato na câmara baixa do parlamento brasileiro, foi vice-líder do PMDB e do Bloco PMDB e PTN.[1] Foi reeleito na eleição de 2002 com 193.651 votos.[39] Em fevereiro de 2003, foi escolhido o líder do PMDB na Câmara.[1] Em 2004, licenciou-se da Câmara para assumir o comando do Ministério das Comunicações no governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Oliveira ingressou no ministério com a reforma ministerial promovida por Lula, que optou por abrigar o PMDB em seu governo.[40][41]

Em julho de 2005, Oliveira renunciou como ministro de Estado.[1] Foi reeleito em 2006 com 240.588 votos, a segunda maior votação para o cargo de deputado federal no Ceará; apenas Ciro Gomes recebeu mais votos.[42] Em seu terceiro – e último – mandato, voltou a desempenhar funções de liderança e votou a favor da recriação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF).[36]

Senado Federal[editar | editar código-fonte]

Oliveira durante sessão da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania, em 2015

Oliveira foi candidato ao Senado Federal na eleição de 2010 pela coligação Por um Ceará Melhor para Todos, composta por vários partidos–do PMDB ao PT, passando pelo PSC e o PSB.[43] Com o apoio do presidente Lula, que almejava derrotar o senador Jereissati,[44] foi eleito com 2,6 milhões de votos, ou 36,32% dos votos válidos, a maior votação registrada no estado para o cargo.[nota 1] O petista José Pimentel conseguiu, com 32,39%, a segunda vaga, enquanto Jereissati alcançou 23,7% e foi derrotado.[46] Foi empossado senador em fevereiro de 2011.[2]

Em 2012, Oliveira foi relator da MP 285, que permitiu aos agricultores da região da Agência Nacional de Desenvolvimento do Nordeste (ADENE) renegociar dívidas que haviam levado para os cadastros de inadimplentes os nomes desses agricultores e impediam novos empreendimentos rurais na região. Batizada como "Lei Eunício Oliveira", a Lei 11.322 beneficiou mais de 350 mil famílias do semi-árido nordestino, principalmente no Ceará.[47][48]

Como senador, Oliveira foi considerado parte do triunvirato peemedebista – ele, Renan Calheiros e Romero Jucá – que comandava o Congresso Nacional. Entretanto, Oliveira alegou, a aliados, que não fazia parte do grupo, lembrando que, enquanto Calheiros e Jucá eram "inseparáveis", ele apenas juntava-se à dupla por acordos específicos.[49][50] Em 2016, votou a favor da PEC do Teto dos Gastos Públicos[51] e do impeachment de Dilma Rousseff.[52] Oliveira era um aliado próximo do novo presidente, Michel Temer.[53]

Candidatura a governador[editar | editar código-fonte]

Em 2014, Oliveira foi candidato a governador do Ceará na eleição de outubro daquele ano. Apoiado por uma coligação com nove partidos, teve como candidato a vice-governador o ex-prefeito e ex-deputado federal Roberto Pessoa e Jereissati como candidato ao Senado.[54][55] No início da campanha, Oliveira registrou uma ampla liderança nas pesquisas de opinião sobre seu adversário principal, Camilo Santana, do PT;[56] a menos de dois meses da votação, possuía uma vantagem de quase 30% sobre Santana.[57] No entanto, Santana obteve uma virada sobre Oliveira, vencendo o primeiro turno com 47,81% dos votos, contra 46,41%.[58] Oliveira acusou o adversário de "utilizar a máquina pública", isto é, receber do governo estadual, liderado por Cid Gomes, apoio à sua candidatura.[59][60] No segundo turno, Santana foi eleito governador com 53,3% dos votos, uma vantagem de 303 mil votos a mais que Oliveira.[61]

Presidente do Senado[editar | editar código-fonte]

Oliveira presidindo uma sessão do Senado, em 2017

Em 2017, Oliveira concorreu à presidência do Senado. Oliveira era considerado pelos colegas um "político habilidoso" e conseguiu reunir o apoio necessário para sua candidatura, incluindo senadores do PMDB, PSDB, PT, PP e PSD, dentre outros.[62] Em fevereiro, foi eleito presidente para o biênio 2017-2018 com 61 votos, superando facilmente o senador José Medeiros, com dez votos.[63] Foi empossado logo depois, sucedendo Calheiros.[64]

Como presidente do Senado, Oliveira era o quarto na linha de sucessão presidencial. Em 2017, foi presidente da República interino durante três dias em 2017,[65] sancionando um projeto de lei neste período.[66]

Candidatura à reeleição como senador[editar | editar código-fonte]

Oliveira candidatou-se à reeleição como senador da República na eleição de 2018.[67] O governador Camilo Santana forneceu ajuda à sua candidatura ao conseguir impedir que seu partido apoiasse Pimentel à reeleição. A presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, criticou a decisão do governador, chamando Oliveira de "golpista" por conta de seu voto pelo impeachment de Dilma Rousseff.[68] Em outubro, Oliveira foi derrotado por uma diferença de 11.993 votos: enquanto recebeu 1.313.793 votos (16,93%), Eduardo Girão alcançou 1.325.786 votos (17,09%) e elegeu-se para a segunda vaga (Cid Gomes foi o senador mais votado). Na disputa presidencial, apoio Fernando Haddad.[69]

Pós-2019[editar | editar código-fonte]

Imediatamente após ser derrotado em sua candidatura à reeleição, Oliveira anunciou que abandonaria a vida pública e dedicaria-se exclusivamente aos seus projetos pessoais.[70][71] No entanto, em junho de 2020, não descartou sua candidatura à prefeitura de Fortaleza na eleição daquele ano.[72]


Notas

  1. O recorde foi superado na eleição de 2018 com a candidatura de Cid Gomes, que obteve 3,2 milhões de votos.[45]

Referências

  1. a b c d «EUNÍCIO OLIVEIRA». Câmara dos Deputados do Brasil. 2020. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  2. a b «Eunício Oliveira - CE». Senado Federal do Brasil. 2020. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  3. a b «Eunício, filho de Lavras da Mangabeira, a um passo do protagonismo na política nacional». Ceará Agora. 29 de janeiro de 2017. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  4. a b Bruno Lupion (31 de janeiro de 2017). «Quem é Eunício Oliveira, peemedebista que vai comandar o Senado». Nexo. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  5. «Conheça a trajetória de Eunício Oliveira, eleito presidente do Senado». Agência Senado. Senado Federal. 1 de fevereiro de 2017. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  6. a b Natália Lambert (2 de fevereiro de 2017). «Novo presidente do Senado, Eunício é visto pelos colegas como "pacificador"». Senado Federal. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  7. «Sogro impulsionou carreira de Eunício Oliveira». Folha de S. Paulo. 6 de janeiro de 2004. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  8. Gustavo Garcia (1 de fevereiro de 2017). «Empresário e produtor rural, novo presidente do Senado foi auxiliar de fábrica». G1. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  9. «Rodrigo Oliveira é o nome apoiado por Eunício para deputado federal». CN7. 9 de abril de 2018. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  10. «Parabéns Eunício Oliveira!». Repórter Ceará. 30 de setembro de 2017. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  11. «Senador Eunício Oliveira emplaca genro como diretor da Anac». Agência Estadão. Correio Braziliense. 10 de julho de 2015. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  12. Yvna Sousa (5 de agosto de 2015). «Comissão aprova nome de genro de senador para diretoria da Anac». G1. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  13. «Senado aprova genro de líder do PMDB para diretoria da ANAC». Folhapress. Uol. 5 de agosto de 2015. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  14. Bruno Lupion (7 de julho de 2017). «Quem é Eunício Oliveira, que preside o Brasil por três dias». Nexo. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  15. «Eunício vende sua parte na Corpvs Segurança». O Povo. 28 de novembro de 2018. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  16. «Eunício Oliveira vende a Confederal por US$ 150 milhões». Baladin. 2 de julho de 2018. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  17. Larissa Rodrigues (3 de julho de 2018). «Prosegur comunica ao Cade interesse em comprar empresa de Eunício». Metrópoles. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  18. Larissa Rodrigues (11 de abril de 2018). «PF investiga pessoas ligadas a Eunício Oliveira em Goiás». Diário da Manhã. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  19. «MST começa a desocupar fazenda de Eunício Oliveira, líder do PMDB no Senado». Jornal de Brasília. 7 de julho de 2015. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  20. «Senadores amenizam denúncias contra Eunício, mas cobram plano de gestão». O Estado de S. Paulo. Uol. 29 de janeiro de 2017. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  21. «Em 7 anos, empresas de Eunício Oliveira faturaram mais de R$ 385 milhões em contratos com o Governo Federal». Diário de Quixadá. 4 de abril de 2017. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  22. «Empresas de Eunício somam R$ 703 milhões em contratos com a União». O Povo. 30 de janeiro de 2017. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  23. Maria Eugênia (21 de março de 2017). «PF faz devassa em empresa do presidente do Senado, Eunício Oliveira». Metrópoles. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  24. Kelly Almeida (1 de fevereiro de 2017). «Empresas de novo presidente do Senado receberam R$ 469 milhões do GDF». Metrópoles. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  25. «58. Empresa de Eunício (PMDB-CE) é suspeita de fraude de R$ 300 milhões». Uol. 13 de julho de 2011. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  26. Igor Gadelha (12 de setembro de 2014). «Líder do PMDB vende ações de empresa envolvida em fraude». O Estado de S. Paulo. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  27. Amauri Gonzo (1 de fevereiro de 2017). «Quem é Eunício Oliveira, novo presidente do Senado?». Vice. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  28. Vinicius Sassine (3 de maio de 2015). «Empresa de Eunício obteve contratos de R$ 1 bi com Petrobras». O Globo. Senado Federal. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  29. «Divulgação de Candidaturas e Contas Eleitorais: Eunício». Tribunal Superior Eleitoral. 2006. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  30. «Divulgação de Candidaturas e Contas Eleitorais: Eunício». Tribunal Superior Eleitoral. 2010. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  31. «Divulgação de Candidaturas e Contas Eleitorais: Eunício». Tribunal Superior Eleitoral. 2014. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  32. «Divulgação de Candidaturas e Contas Eleitorais: Eunício». Tribunal Superior Eleitoral. 2018. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  33. Thiago Navarro (13 de agosto de 2018). «Presidente do Senado declara que empobreceu R$ 10 milhões em 4 anos». Jovem Pan. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  34. João Pedroso de Campos (1 de fevereiro de 2017). «Eunício: milionário, cacique do PMDB e 'Índio' da Odebrecht». Veja. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  35. «Eunício Oliveira preside a Comissão de Ciência e Tecnologia». Agência Câmara de Notícias. Câmara dos Deputados. 3 de março de 2010. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  36. a b «OLIVEIRA, Eunício». Fundação Getúlio Vargas. 2009. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  37. «Perfil do presidente Eunício Oliveira». Senado Federal. 31 de janeiro de 2013. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  38. «ELEIÇÕES GERAIS DE 1998 - CEARÁ» (PDF). Tribunal Regional Eleitoral do Ceará. 1998. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  39. «Resultado da eleição 2002». Tribunal Superior Eleitoral do Ceará. 2002. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  40. Eduardo Scolese, Kennedy Alencar, Wilson Silveira (24 de janeiro de 2004). «Lula surpreende, demite seis ministros e tenta corrigir rota». Folha de S. Paulo. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  41. «Eunício Oliveira é nomeado ministro das Comunicações». Teletime. 23 de janeiro de 2004. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  42. «Eleições 2006: Ceará». G1. 2006. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  43. «Divulgação de Candidaturas e Contas Eleitorais: Eunício». Tribunal Superior Eleitoral. 2010. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  44. Isabela Martin (23 de agosto de 2010). «Lula pede na TV votos para candidatos ao Senado no Ceará». Extra. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  45. «Recordista de votos no CE, Cid terá tarefa no 2º turno». Assembleia Legislativa do Ceará. 8 de outubro de 2018. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  46. «Apuração de votos e candidatos eleitos (1º turno)». Uol. 2010. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  47. «Lei Eunício Oliveira é prorrogada até o fim do ano para beneficiar agricultores». CN7. 10 de janeiro de 2012. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  48. «Pacto Pelo Desenvolvimento de Quixadá, com Eunício Oliveira, é realizado com êxito». Monólitos Post. 14 de dezembro de 2013. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  49. «Eunício Oliveira, um milionário no comando do Senado é o título de matéria no Valor». Equilibre Análises. 30 de janeiro de 2017. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  50. Raymundo Costa (26 de outubro de 2016). «Presidente e Renan testam limites». Valor Econômico. Senado Federal. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  51. «Confira como votaram os senadores sobre a PEC do Teto de Gastos». Uol. 13 de dezembro de 2016. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  52. «Veja quem votou 'sim' para a saída de Dilma, mas 'não' para a inabilitação». G1. 31 de agosto de 2016. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  53. Bernardo Barbosa e Nathan Lopes (1 de fevereiro de 2017). «Aliado de Temer, Eunício vence eleição e mantém PMDB no comando do Senado». Uol. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  54. «Divulgação de Candidaturas e Contas Eleitorais Eleições Gerais 2014: EUNÍCIO». Tribunal Superior Eleitoral. 2014. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  55. «Tasso Jereissati retorna à política como candidato ao senado pelo CE». G1. 30 de junho de 2014. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  56. «No Ceará, Eunício tem 44%, Camilo, 14%, e Eliane, 6%, diz Ibope». G1. 22 de julho de 2014. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  57. Carlos Mazza (14 de agosto de 2014). «Eunício Oliveira lidera disputa com 47%, Camilo Santana tem 19%». O Povo. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  58. «Camilo Santana e Eunício Oliveira disputam segundo turno no Ceará». G1. 5 de outubro de 2014. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  59. «Eunício critica 'uso da máquina' pelo adversário e comemora votação». G1. 5 de outubro de 2014. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  60. «Eunício denuncia uso da máquina pública para beneficiar Camilo Santana». O Povo. 9 de setembro de 2014. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  61. «Camilo Santana, do PT, é eleito governador do Ceará». G1. 26 de outubro de 2014. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  62. Gustavo Garcia e Fernanda Calgaro (1 de fevereiro de 2017). «Eunício Oliveira é eleito presidente do Senado para os próximos dois anos». G1. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  63. «Eunício Oliveira é eleito o novo presidente do Senado». Agência Senado. Senado Federal. 1 de fevereiro de 2017. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  64. Iolando Lourenço e Luciano Nascimento (1 de fevereiro de 2017). «Eunício Oliveira é o novo presidente do Senado». Agência Brasil. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  65. «Em meio a crise no PMDB-CE, Eunício assume Presidência da República». O Povo. 6 de julho de 2017. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  66. «Presidente interino, Eunício Oliveira sanciona lei dos precatórios». Agência O Globo. Jornal NH. 6 de julho de 2017. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  67. «Divulgação de Candidaturas e Contas Eleitorais: Eunício». Tribunal Superior Eleitoral. 2018. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  68. Renan Truffi (7 de outubro de 2018). «Ceará deve reeleger Camilo, o petista dos irmãos Gomes». Terra. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  69. «Presidente do Senado, Eunício Oliveira não consegue se reeleger». G1. 7 de outubro de 2018. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  70. Luciana Amaral (8 de outubro de 2018). «Após perder reeleição, Eunício Oliveira anuncia saída da vida pública». Uol. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  71. «Após perder eleição, Eunício Oliveira anuncia recolhimento à vida pessoal». Agência Estado. Correio Braziliense. 8 de outubro de 2018. Consultado em 5 de agosto de 2020 
  72. Carlos Holanda (4 de junho de 2020). «"É o desejo de muitos, inclusive o meu", diz Eunício sobre candidatura do MDB à Prefeitura de Fortaleza». O Povo. Consultado em 5 de agosto de 2020 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • MACEDO, Dimas. Lavrenses Ilustres, 3ª edição. (Fortaleza: Editora RDS, 2012).

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Renan Calheiros
Presidente do Senado Federal do Brasil
2017 – 2019
Sucedido por
Davi Alcolumbre
Precedido por
Miro Teixeira
Ministro das Comunicações do Brasil
2004 — 2005
Sucedido por
Hélio Costa