Davi Alcolumbre

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Davi Alcolumbre
Senador pelo Amapá
Período 1 de fevereiro de 2015
até a atualidade
Deputado Federal pelo Amapá
Período 1º de fevereiro de 2003
até 31 de janeiro de 2015
Vereador de Macapá
Período 2001-2003
Dados pessoais
Nascimento 19 de junho de 1977 (40 anos)
Macapá, Amapá
Partido DEM
Religião Judaísmo
Profissão Comerciante

David Samuel Alcolumbre Tobelem, ou apenas Davi Alcolumbre (Macapá, 19 de junho de 1977) é um político brasileiro.

Foi vereador em Macapá de 2001 a 2003 quando ainda era filiado ao PDT. Em 2002 foi eleito deputado federal pelo estado do Amapá, sendo reeleito em 2006 e 2010. Atualmente é filiado ao DEM, partido do qual faz parte do Diretório Nacional e também do Conselho Político do movimento jovem. Davi Alcolumbre foi candidato ao senado nas Eleições 2014, e foi eleito com 36,26% dos votos, vencendo o favorito ex-senador Gilvam Borges. Assumiu o mandato no do dia 1 de fevereiro de 2015.[1][2] É um dos 13 senadores que não possuem nível superior.[3]

Em 2015, foi eleito presidente da Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo do Senado Federal.[4]

Em julho de 2017, votou contra a cassação de Aécio Neves no conselho de ética do Senado.[5]

Em outubro de 2017 votou a favor da manutenção do mandato do senador Aécio Neves derrubando decisão da Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal no processo onde ele é acusado de corrupção e obstrução da justiça por solicitar dois milhões de reais ao empresário Joesley Batista.[6][7]

Referências

  1. «DEMOCRATAS - Comissão Executiva Nacional». 5 de maio de 2009. Consultado em 29 de janeiro de 2017 
  2. «:: JUVENTUDE DEMOCRATA :: Órgão de ação partidária do D25». 1 de agosto de 2008. Consultado em 29 de janeiro de 2017 
  3. «Davi Alcolumbre - Senado Federal». www25.senado.leg.br. Consultado em 29 de janeiro de 2017 
  4. «CDR - Comissão de Desenvolvimento Regional e Turismo - Atividade Legislativa - Senado Federal». legis.senado.leg.br. Consultado em 29 de janeiro de 2017 
  5. Redação Carta Capital (6 de julho de 2017). «Por 11 a 4, Aécio é salvo no Conselho de Ética: como votaram os senadores». Consultado em 15 de outubro de 2017 
  6. «Veja como votou cada senador na sessão que derrubou afastamento de Aécio». Consultado em 17 de Outubro de 2017 
  7. «Janot denuncia Aécio Neves ao STF por corrupção e obstrução da Justiça». Consultado em 17 de Outubro de 2017