Luis Carlos Heinze

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Luis Carlos Heinze
Deputado federal do Rio Grande do Sul Rio Grande do Sul
Período 1 de fevereiro de 1999
até a atualidade
Prefeito de São Borja
Período 1993 até 1996
Vida
Nascimento 14 de setembro de 1950 (66 anos)
Candelária, Rio Grande do Sul
Dados pessoais
Progenitores Mãe: Cecy Therezinha Seckler Heinze
Pai: Darcy Volnier Heinze
Esposa Sandra Maria Batista Heinze
Partido Partido Progressista (desde 2003)
Religião Cristianismo/Luteranismo
Profissão Engenheiro agrônomo e produtor rural

Luis Carlos Heinze (Candelária, 14 de setembro de 1950) é um engenheiro agrônomo e político brasileiro, ex-prefeito de São Borja, e atualmente deputado federal do Rio Grande do Sul, filiado ao Partido Progressista (PP).

Atuação na Câmara dos Deputados[editar | editar código-fonte]

Membro da Comissão Central dos Orizicultores Gaúchos no boicote da comercialização do arroz, 1984, da Comissão de Crédito Rural da FARSUL, Porto Alegre, RS, 1985-1988, da Comissão Central que organizou o Tratoraço a Porto Alegre, RS, 1986, e da Comissão Mista Brasil-Argentina para construção da Ponte Internacional São Borja-São Tomé, 1993-1996. Coordenou a Comissão do Endividamento dos Produtores Rurais Gaúchos, 1987. Participou de lideranças gaúchas do Alerta do Campo à Nação, Brasília, DF, 1987, e da coordenação do boicote estadual à comercialização, 1988. Defendeu e aprovou, na AMFRO, a contratação de estudos sobre a orizicultura gaúcha, 1994. Apoiou, incentivou e participou do movimento Caminhonaço a Brasília, DF, 1995. Liderou a comitiva de prefeitos gaúchos que foram a Brasília apoiar a bancada ruralista, 1995.[1]

Nas eleições de 2014, realizadas em 5 de outubro, foi eleito deputado federal mais votado pelo Rio Grande do Sul para a 55ª legislatura (2015 — 2019).[2] Em 1 de fevereiro de 2015 assumiu o cargo.[3][4]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Em uma audiência pública realizada no município de Vicente Dutra, em novembro de 2013, Heinze afirmou que "quilombolas, índios, gays, lésbicas" são "tudo que não presta".[5] Em fevereiro do ano seguinte, após a divulgação de um vídeo contendo as declarações do deputado, ele afirmou que mantém o que disse. Além disso, aconselhou os produtores rurais a contratarem seguranças privados, mesmo que isso acarretasse derramamento de sangue.[6]

Em 7 de dezembro do mesmo ano, durante o Leilão da Resistência, em Campo Grande, promovido para arrecadar dinheiro para a formação de milícias privadas contra índios, Heinze voltou a fazer declarações do mesmo gênero. O deputado afirmou que o ministro Gilberto Carvalho "aninha no seu gabinete índios, negros, sem terra, gays, lésbicas". Posteriormente, o ruralista disse que "excedeu" em um "momento de discurso".[7]

Em março de 2014 a organização de defesa das minorias Survival, ONG inglesa, decidiu eleger Heinze como "Racista do Ano", por seus comentários sobre os indígenas, homossexuais e negros em seu país.[8]

Ocorrências na Justiça e Tribunais de Contas[editar | editar código-fonte]

É alvo de inquérito aberto com a Operação Lava Jato da Policia Federal, que investiga esquema de corrupção, formação de quadrilha e lavagem de dinheiro com recursos desviados da Petrobras.[9] No dia 6 de março de 2015, Heinze foi indicado, junto de outros 22 deputados federais e 12 senadores, como suspeito de envolvimento nos desvios de dinheiro. A lista de políticos suspeitos de envolvimento foi divulgada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), após pedido de abertura de inquérito pela Procuradoria-Geral da República.[10] Heinze foi citado na delação premiada do doleiro Alberto Youssef e afirmou que vai processá-lo.[11]

Filiação religiosa[editar | editar código-fonte]

Carlos Luiz Heinze é membro da Igreja Evangélica Luterana.[12]

Referências

  1. «QUem é Luiz Carlos Heinze». Deputado Heinze. Consultado em 17 de abril de 2016 
  2. Eleições 2014 - Luiz Carlos Heinze 1144
  3. Luis Carlos Heinze - PP/RS. Biografia na página da Câmara dos Deputados
  4. Deputados federais eleitos tomam posse na Câmara. Bancada gaúcha tem 22 parlamentares reeleitos e oito eleitos como titular pela primeira vez
  5. «Em vídeo, deputado gaúcho diz que "quilombolas, índios, gays, lésbicas" são "tudo que não presta"». Zero Hora. 12 de fevereiro de 2014. Consultado em 12 de fevereiro de 2014 
  6. «"Mantenho o que eu disse", diz deputado Luis Carlos Heinze sobre questão da terra no Estado». Zero Hora. 12 de fevereiro de 2014. Consultado em 12 de fevereiro de 2014 
  7. «Para atacar Gilberto Carvalho, ruralista diz que ele aninha 'negros' no gabinete». Estadão. 27 de fevereiro de 2014. Consultado em 30 de março de 2014 
  8. «ONG inglesa elege deputado Luis Carlos Heinze o "Racista do Ano"». Terra. 20 de março de 2014. Consultado em 23 de abril de 2016 
  9. «Projeto Excelências». Luis Carlos Heinze (PP-Rio Grande do Sul). Consultado em 14 de julho de 2016 
  10. «Rio Grande do Sul lidera ranking de políticos investigados na Lava-Jato». Sul21. 6 de março de 2015. Consultado em 23 de abril de 2016 
  11. Gabriela Lara (10 de março de 2015). «Citado na Lava Jato, deputado do PP diz que vai processar Youssef». Estadão. Consultado em 23 de abril de 2016 
  12. «Discursos e Notas Taquigráficas da Câmara dos Deputados: Transcurso dos 489 anos da reforma protestante». Câmara dos Deputados. 31 de outubro de 2006. Consultado em 17 de fevereiro de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]