Partido Social Liberal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Partido Social Liberal
Número eleitoral 17
Presidente Gustavo Bebbiano (em exercício)[1]
Fundação 30 de outubro de 1994 (23 anos)
Registro 2 de junho de 1998 (20 anos)[2]
Sede Brasília, DF
Ideologia Desde 2018:
Liberalismo econômico[3][4]
Conservadorismo social[4]
Nacionalismo Brasileiro[5]
Anti-comunismo[6]
Conservadorismo fiscal[5]
Militarismo[7]
Federalismo[5]
Monarquismo (minoria)[8]

1994-2018:
Libertarismo[9][10]
Social liberalismo[9][10]

Espectro político Desde 2018 :
Direita[11][12][13]
1994-2018:
Centro a centro-direita [9][10]
Membros  (2018) 241 456 filiados[14]
Senadores (2014)[15]
0 / 81
Deputados federais (2018)[16]
9 / 513
Governadores (2014)
0 / 27
Deputados estaduais (2014)
17 / 1 049
Prefeitos (2016)
30 / 5 570
Vice-prefeitos (2012)
0 / 5 570
Vereadores (2016)[17]
875 / 56 810
Cores       Azul

      Amarelo

      Verde
Página oficial
Página oficial do PSL
Política do Brasil

Partidos políticos

Eleições

Partido Social Liberal (PSL) é um partido político brasileiro historicamente alinhado ao social-liberalismo,[18] mas que, atualmente, seria liberal no âmbito econômico, segundo nota publicada pelo presidente do partido.[4] O partido teve seu registro deferido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em 2 de junho de 1998 e tem o número 17 como número eleitoral.[19] O PSL tem cerca de 241 mil filiados em todo o país.[20]

História

Foi fundado em 30 de outubro de 1994,[21] obteve registro definitivo em 2 de junho de 1998 já sob a presidência de Luciano Caldas Bivar e desde então vem disputando as eleições.[18]

Sua ideologia original era o social-liberalismo, defendendo uma menor participação do Estado na economia, mas com o direcionamento total dos recursos arrecadados pelo Estado para a saúde, a educação e a segurança. Uma de suas bandeiras é a criação do Imposto Único Federal, eliminando os demais tributos da União, bandeira de Bivar em sua campanha presidencial, em 2006.[18][22] Tem como presidente nacional Gustavo Bebbiano, e como presidente de honra o deputado federal e ex-dirigente esportivo do Sport Club do Recife, Luciano Caldas Bivar.

Em 2015, o Partido Social Liberal passou por uma reformulação liderada pela tendência interna liberal e libertária "Livres", que enfatizou posições ideológicas de cunho social-liberal, presentes na ideologia do partido de sua fundação até janeiro de 2018. A reformulação do partido contava com a colaboração de nomes conhecidos do liberalismo no Brasil, como o cientista político Fábio Ostermann e o jornalista Leandro Narloch.[23]

Em 5 de janeiro de 2018 o deputado federal e presidenciável Jair Messias Bolsonaro anunciou, junto ao presidente do partido Luciano Bivar, a sua filiação ao partido.[24] O partido também havia discutido a possibilidade de uma mudança de nome, talvez mudando para 'mobiliza' ou para 'republicanos', o que porém, não ocorreu.[25] Um mês antes, o presidente do partido havia dito que teria "orgulho" em acolher Bolsonaro, enquanto que o movimento Livres,[26] então uma tendência interna do partido, rejeitava a filiação.[27] Com a filiação de Bolsonaro, o PSL esperava obter até o final da janela partidária, cerca de 20 parlamentares, obteve porém, apenas 9.[28]

Com o anúncio da filiação de Bolsonaro por Bivar, então presidente do partido, o Livres anunciou que iria se desvincular do PSL, com desfiliação de seus membros, alegando incompatibilidade ideológica com Bolsonaro e que o partido teria passado por mais uma reformulação, dessa vez de tendência conservadora.[29]

Organização

Programa ideológico

Desde a entrada de Bolsonaro e a saída do Livres, o partido se afastou de suas raízes sociais-liberais e tem adotado posições conservadoras.[30] Hoje o partido ainda defende um modelo econômico liberal, porém se classifica como "conservador nos costumes". O partido se posiciona a favor da legalização do porte de armas de fogo e contra o Aborto, o Casamento entre pessoas do mesmo sexo e o ensino da Identidade de gênero nas escolas.[31] O cientista político Claudio Couto classifica o partido como de extrema-direita.[32]

Desde a abertura da janela partidária em 2018, o partido conta com uma ala Monarquista, liderado pelo principe Luiz Philippe de Orléans e Bragança, que defende a restauração da monarquia no Brasil por meio de um referendo.[33][34]

Liderança

O partido tem como líder um presidente, que é eleito por meio de convenções.

Desde 2018 o presidente é Gustavo Bebbiano, porém, segundo o jornal El País, Bolsonaro é o de-facto presidente do partido, controlando a maior parte dos diretórios e exercendo grande influência sobre o partido e seus membros.[1]

Desempenho eleitoral

Participação em nível estadual e municipal

Foram eleitos às assembleias legislativas estaduais dez deputados em 1998, treze em 2002 e oito em 2006. Já para o cargo de prefeito o partido elegeu onze candidatos em 1996, vinte e seis em 2000 e vinte e cinco em 2004. A participação do partido nas esferas estaduais e municipal se deu, ao longo dos anos, em todas as regiões do país - norte, nordeste, sul, sudeste e centro-oeste.[18]

Participação em eleições parlamentares federais

Câmara dos Deputados[35]
Legislatura Eleitos % Var.
55.ª (2015-2019)
1 / 513
0,19 Estável 0
54.ª (2011-2015)
1 / 513
0,19 Estável 0
53.ª (2007-2011)
1 / 513
0,19 Estável 0
52.ª (2003-2007)
1 / 513
0,19 Estável 0
51.ª (1999-2003)
1 / 513
0,19 Aumento 1
Senado Federal[36]
Legislatura Eleitos % Var.
55.ª (2015-2019)
0 / 81
sem dados Estável 0
54.ª (2011-2015)
0 / 81
sem dados Estável 0
53.ª (2007-2011)
0 / 81
sem dados Estável 0
52.ª (2003-2007)
0 / 81
sem dados Estável 0
51.ª (1999-2003)
0 / 81
sem dados Estável 0

Participação do partido em eleições presidenciais

Nas eleições de 2006, Luciano Bivar foi lançado pelo partido como candidato à presidência da República. Obteve votação pouco expressiva (62.064 votos), ficando em último lugar entre os candidatos aptos a se eleger. Américo de Souza, vice de Bivar na eleição anterior, seria o pré-candidato a presidência da República em 2010 pelo partido. Ele, no entanto, não conseguiu ter a sua candidatura oficializada.[37]

Em 2014, o PSL apoiou a candidatura de Eduardo Campos (PSB) a presidente da república e a de Marina Silva (PSB) a vice, compondo a coligação Unidos pelo Brasil, que pretendia ser uma terceira via à tradicional polarização entre os candidatos do PT/PMDB e do PSDB/DEM.[38][39]

Em 2018, o PSL lançou Jair Bolsonaro como candidato a presidente e em 5 de agosto de 2018. O general da reserva Antonio Hamilton Martins Mourão foi anunciado como o vice de Bolsonaro e o PRTB como parceiro de coligação do PSL. A coligação entre os dois partidos foi batizada de Brasil acima de tudo, Deus acima de todos, lema frequentemente utilizado por Bolsonaro em discursos.

Ano imagem Candidato a Presidente Candidato a Vice-Presidente Coligação Votos % Colocação
2006 Lucianobivar.jpeg Luciano Bivar Américo de Souza sem coligação 62.064 0,06
2014
Marina Silva 2014 candidate.jpg
Marina Silva (PSB) Beto Albuquerque (PSB) PSB, PHS, PRP, PPS, PPL e PSL 22.176.619 21,32
2018 Jair Messias Bolsonaro (cropped).jpg Jair Bolsonaro Hamilton Mourão (PRTB) PSL e PRTB a definir a definir a definir

Bibliografia

Referências

  1. a b Benites, Afonso (8 de março de 2018). «Bolsonaro inicia campanha pedindo votos para "bancada da metralhadora"». EL PAÍS 
  2. Tribunal Superior Eleitoral (TSE). «TSE - Partidos políticos registrados no TSE». Consultado em 7 de novembro de 2015. 
  3. «Com chegada de Bolsonaro, Livres anuncia saída do PSL» 
  4. a b c «Bolsonaro decide concorrer à Presidência pelo PSL». Zero Hora. 5 de Janeiro de 2018. No documento divulgado nesta sexta-feira, Bolsonaro e Bivar dizem que "são prioridade para o futuro do país o pensamento econômico liberal, sem qualquer viés ideológico[" ...] O texto diz ainda que "ambos comungam também da necessidade de preservar as instituições, proteger o Estado de Direito em sua plenitude e defender os valores e princípios éticos e morais da família brasileira. Por fim, a nota afirma que Bolsonaro e o PSL "serão um só" a partir de agora. 
  5. a b c «Em que acreditamos ?.Partido Social Liberal». www.pslnacional.org.br 
  6. «em que acreditamos?.Partido Social Liberal». www.pslnacional.org.br 
  7. «Bolsonaro lança general Hamilton Mourão como vice» 
  8. «O séquito de Bolsonaro já tem um príncipe». politica.estadao.com.br/. Consultado em 19 de maio de 2018. 
  9. a b c «Saiba como surgiu e o que defende cada partido». Rede Brasil Sul (RBS). 2 de Outubro de 2014 
  10. a b c «Maioria dos partidos se posiciona como de Centro. Veja quem sobra no campo da Direita e da Esquerda». O Globo. 29 de Março de 2016 
  11. «Eleições 2014: direita política se populariza no Brasil». Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar. 9 de Dezembro de 2014 
  12. Mortari, Marcos. «Com Bolsonaro, extrema-direita embarca forte (e para vencer) nesta eleição, diz analista». www.infomoney.com.br 
  13. https://brasil.elpais.com/brasil/2018/08/05/politica/1533482571_722395.html
  14. Tribunal Superior Eleitoral (julho de 2018). «Filiados». Consultado em 24 de julho de 2018. 
  15. «Senadores em Exercício - 55ª Legislatura (2015 - 2019)». Senado Federal. Consultado em 19 de abril de 2017. 
  16. «Siglas de Maia, Bolsonaro e Dias se beneficiam de troca-troca partidário». Folha de S.Paulo. Consultado em 4 de abril de 2018. 
  17. «Vereadores Eleitos no País em 2016». G1 
  18. a b c d Vladimyr Lombardo Jorge. «PARTIDO SOCIAL LIBERAL (PSL)». Fundação Getúlio Vargas 
  19. Tribunal Superior Eleitoral: Partidos políticos registrados no TSE, acessado em 25 de julho de 2007
  20. «Eleitor e eleições». www.tse.jus.br 
  21. «Nossa História». www.psl.org.br. Consultado em 2 de setembro de 2018. 
  22. «Cardápio: Imposto Único – INDIGO». indigo.org.br. Consultado em 7 de maio de 2017. 
  23. «PSL se renova e foca mais no "liberal" da sigla. Ou: It's happening! - Rodrigo Constantino». 28 de janeiro de 2016 
  24. «Deputado Jair Bolsonaro anuncia filiação ao PSL». G1 
  25. «Partido discute mudança de nome em meio às tratativas com Bolsonaro» 
  26. NONATO VIEGAS (22 de Dezembro de 2017). «Presidente do PSL diz que será "orgulho" acolher Bolsonaro no partido». Época 
  27. «Após Bolsonaro dizer que pode ir para o PSL-Livres, partido nega filiação: "absolutamente incompatível"». InfoMoney. 21 de Dezembro de 2017 
  28. «17 deputados já mudarem de legenda; PSL, com Bolsonaro, é o mais favorecido». MoneyTimes. 10 de Março de 2018 
  29. «Com chegada de Bolsonaro, Livres anuncia saída do PSL». Blog do Fucs 
  30. «Com chegada de Bolsonaro, Livres anuncia saída do PSL». Blog do Fucs 
  31. «em que acreditamos.PSL» 
  32. «O que significam direita, esquerda e centro na política? - Política - Estadão» 
  33. «Bolsonaro recebe apoio dos monarquistas». Gazeta do Povo 
  34. «O séquito de Bolsonaro já tem um príncipe - Política - Estadão». Estadão 
  35. «Bancada na Eleição». Portal da Câmara dos Deputados 
  36. «PSB é a sigla que mais cresce no Senado» 
  37. «Partido Social Liberal». www.pslnacional.org.br 
  38. «Presidente do PSL diz que partido desistiu de deixar coligação de Marina». G1. 22 de agosto de 2014. Consultado em 15 de setembro de 2018.. Nesta sexta-feira, no entanto, o presidente do PSL afirmou ter tido 'longa conversa' com a candidata durante café-da-manhã. Segundo Bivar, o encontro o convenceu a manter o apoio à candidatura 
  39. «Eleitor e eleições». www.tse.jus.br 

Ligações externas