Partido das Reformas Sociais

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde novembro de 2016). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Partido das Reformas Sociais
Número eleitoral 71
Fundação 27 de março de 1990
Dissolução 23 de abril de 1992
Ideologia Liberalismo social
Cores Azul
Amarelo
Verde
Vermelho

Política do Brasil
Partidos políticos
Eleições

Partido das Reformas Sociais (PRS)[1] foi uma sigla partidária brasileira que disputou sob registro provisório as eleições do ano de 1990, sendo extinto logo em seguida.

Trajetória eleitoral[editar | editar código-fonte]

Embora tivesse realizado as exigências da lei eleitoral, que obriga o partido a constituir diretórios em 9 estados, o PRS lançou candidaturas apenas em Minas Gerais, sendo criado exclusivamente para abrigar o ex-governador Hélio Garcia, que decidiu lançar sua candidatura a um novo mandato.

Com o partido integrando a coligação "Movimento Unidade Mineira" juntamente com PTB e PL, e tendo como vice na chapa o empresário Arlindo Porto, Hélio Garcia desbancou o candidato Hélio Costa, do PRN (atual PTC), mesmo partido do então presidente Fernando Collor de Mello, nos 2 turnos. O PRS elegeu ainda 4 deputados federais (Israel Pinheiro Filho, José Aldo dos Santos, Roberto Brant e José Resende de Almeida).

Em 1992, o TSE indeferiu o pedido de registro definitivo do PRS, que só cumpriu as exigências somente em Minas Gerais, no Distrito Federal e em Pernambuco. Utilizava o número de registro 71.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Redação. «Partido das Reformas Sociais (PRS)». CPDOC FGV. Consultado em 19 de maio de 2016.