Zero Hora

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Zero Hora (desambiguação).
Zero Hora
Zero Hora
Capa zerohora.jpg
Zero Hora Editora Jornalística S.A.
Periodicidade Diária (De segunda a sexta tem a edição noturna digital e no domingo tem a edição digital para assinantes)
Formato Tabloide
Sede Porto Alegre, RS
Preço R$ 3,50 (segunda a sexta)
R$ 7,00 (super edição)
Slogan Perto para entender. Junto para transformar.
Fundação 4 de maio de 1964 (53 anos)
Fundador(es) Maurício Sirotsky Sobrinho
Pertence a Grupo RBS
Diretor Marcelo Rech
Editor Ricardo Stefanelli e Marta Gleich
Circulação 201 178 exemplares (média diária dos primeiros quatro meses de 2015)[1]

Zero Hora é um dos maiores jornais de circulação diária do Brasil. É editado em Porto Alegre e controlado pelo Grupo RBS. Ao lado de Folha de S. Paulo, Estado de Minas, O Globo, Correio Braziliense e O Estado de S. Paulo, entre outros, forma o grupo dos principais jornais de referência do Brasil.[2][3]

História[editar | editar código-fonte]

Século XX[editar | editar código-fonte]

Foi fundado em 4 de maio de 1964 pelo jornalista Ary de Carvalho. Sua primeira sede localizava-se na Rua Sete de Setembro. Em 1968, foi inaugurada a sede na Avenida Ipiranga, no bairro Azenha [4]. Em 1970, o controle de Zero Hora passa ao Grupo RBS [5].

Um incêndio atingiu as instalações do jornal em 29 de março de 1973, consumindo parte dos arquivos e redação. A redação foi transferida provisoriamente para o Jornal do Comércio, onde também foi impressa a edição do dia seguinte.[6]

Em 1975, o jornal passou a circular em todos os municípios do Rio Grande do Sul. [7] Em 1984, tornou-se o quinto jornal mais lido do país, com mais de 3 milhões de exemplares vendidos ao longo do mês. Em 1988, ZH deixa de ter produção artesanal e esta passa a ser padronizada. [7] Em 1995, entra no ar o primeiro site de Zero Hora na internet. [7] Em 1996, a edição e produção passa a ser totalmente digital.[8]

Século XXI[editar | editar código-fonte]

Sede do jornal em Porto Alegre.

Às 4h do dia 19 de setembro de 2007, entrou no ar o website ZeroHora.com, que apresenta notícias atualizadas 24 horas por dia, sete dias por semana, mais a versão impressa do periódico [9]. Em 8 de setembro de 2010, o jornal passou a cobrar pela versão digital do seu conteúdo impresso [10].

Nas comemorações dos 50 anos do jornal em 2014, foi adotado um novo padrão gráfico. [7] Com novas divisões e novo estilo de capa, em 1º de maio estreou o novo formato e nova logomarca, com a sigla "ZH" e um triângulo-retângulo amarelo encaixado na primeira letra. A logomarca, então fixa no cabeçalho, passa a ser móvel, seguindo uma tendência internacional e um estilo que chegou a ser adotado pelo jornal até 1994.[8]

Desde o final de semana dos dias 5 e 6 de março de 2016 as edições de sábado e domingo do jornal se fundiram, circulando em edição conjunta, com o caderno "Vida" encartado na "super edição", a estreia do novo caderno DOC somado aos encartes tradicionais do domingo, mais o caderno com os tradicionais anúncios classificados com circulação em todo o estado. Esta edição foi criada visando redução de custos principalmente de impressão, e devido ao fato de há anos o jornal ter uma edição dominical porém impressa e entregue às tardes de sábado, como acontece em muitos grandes jornais brasileiros. A edição dominical passou a ser disponibilizada aos assinantes nas plataformas digitais com a atualização do noticiário do sábado como os resultados de loterias e dos jogos de futebol e os primeiros acontecimentos do domingo.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Sacchitiello, Barbara (26 de maio de 2015). «Circulação dos cinco grandes jornais cresce». Meio & Mensagem. Consultado em 26 de maio de 2015 
  2. «Maiores jornais do Brasil». Associação Nacional de Jornais. Consultado em 3 de outubro de 2016 
  3. «Media and Communications: Brazil» (em inglês). Biblioteca do Congresso. 30 de novembro de 2006. Consultado em 23 de julho de 2010 
  4. Zero Hora: caderno especial 50 anos de comunicação, páginas 11 e 17 (31/08/2007)
  5. «Jayme Sirotsky : contra a inércia». Zero Hora. 30 de abril de 2014. Consultado em 4 de abril de 2015 
  6. Ricardo Chaves (4 de maio de 2013). «Zero Hora, 49 anos». Zero Hora. Consultado em 4 de abril de 2015 
  7. a b c d «Zero Hora promove mudanças ao comemorar 50 anos». Núcleo RBS de Divulgação. 30 de abril de 2014. Consultado em 4 de abril de 2015 
  8. a b «Nossas Empresas». Grupo RBS 
  9. (19/09/2007)
  10. «Zero Hora começa a cobrar por parte de seu conteúdo online». Tecnologia Gráfica. 28 de setembro de 2010. Consultado em 4 de abril de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre meios de comunicação ou jornalismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.