Grupo RBS

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: RBS redireciona para este artigo. Para o banco britânico, veja Royal Bank of Scotland.
NoFonti.svg
Este artigo ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde agosto de 2012). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Grupo RBS
RBS Participações S.A.
Slogan Comunicação é a nossa vida
Tipo Empresa de capital fechado
Indústria Comunicação
Gênero Privada
Fundação 31 de agosto de 1957
Fundador(es) Maurício Sirotsky Sobrinho
Sede Porto Alegre, RS, Brasil
Locais
Presidente Eduardo Sirotsky Melzer
Pessoas-chave
Empregados 6.000 (2015)
Produtos
Faturamento Aumento R$ 1,38 bilhão (2012)[1]
Significado
da sigla
  • Rede
  • Brasil
  • Sul
Página oficial gruporbs.com.br

O Grupo RBS é um conglomerado de mídia brasileiro, fundado em 31 de agosto de 1957 por Maurício Sirotsky Sobrinho. Trabalha conteúdos jornalísticos, de entretenimento e de serviços por meio de emissoras de rádio e de televisão, jornais e portais de internet.

O grupo possui como suas subsidiárias 18 emissoras de TV aberta afiliadas à Rede Globo (RBS TV), 2 emissoras de TV locais (TVCOM e OCTO), 24 emissoras de rádio (Rádio Gaúcha, Rádio Atlântida, Rádio Itapema, Rádio Farroupilha, Rádio CBN Porto Alegre, Rádio CBN Diário), e 8 jornais (Zero Hora, Diário Gaúcho, Pioneiro, Diário de Santa Maria, Diário Catarinense, Hora de Santa Catarina, Jornal de Santa Catarina, A Notícia). A empresa também opera uma empresa digital, a e.Bricks Digital, formada por empresas da área de tecnologia por meio das quais o Grupo RBS atua nas áreas de mídia digital e tecnologia, mobile e e-commerce segmentado.

O Grupo RBS opera ainda a Engage Eventos, a RBS Publicações (editora), uma gráfica, a Vialog (empresa de logística), a Fundação Maurício Sirotsky Sobrinho (fundação empresarial) e a Appus (tecnologia de big data com foco em produtos de RH) e HypermindR (análise do comportamento do consumidor).

História[editar | editar código-fonte]

Em 1950, Maurício Sirotsky Sobrinho mudou-se de Passo Fundo em definitivo para Porto Alegre, atuando como locutor na Rádio Farroupilha e, no ano seguinte, na Rádio Difusora Portoalegrense. Tornou-se gerente de publicidade das Emissoras Reunidas em 1952 e, em 1953, fundou a Rádio Publicidade Ltda., escritório de representação de emissoras e jornais do interior do Rio Grande do Sul em Porto Alegre. Em 1956, estreia na Rádio Farroupilha o Programa Maurício Sobrinho, atração de auditório apresentada no Cinema Castelo, em cujo palco apresentavam-se nomes nacionais e locais da música brasileira. Apresentando-se toda semana no programa, uma iniciante Elis Regina assinou com Maurício Sirotsky Sobrinho seu primeiro contrato.

Em 1957, ao assumir como sócio da Rádio Gaúcha, Maurício Sirotsky Sobrinho dá início à formação do Grupo RBS. Cinco anos depois, a TV Gaúcha é inaugurada em Porto Alegre e mais tarde, em 1967, torna-se a primeira afiliada da Rede Globo. Em 1969, a primeira rede regional do país é fundada (TV Caxias, em Caxias do Sul) e, no ano seguinte, o Grupo RBS adquire seu primeiro jornal, Zero Hora. Em 1973, tem início a formação da rede de rádios FM do Grupo RBS – a Rádio Atlântida FM é inaugurada em Porto Alegre três anos depois. A expansão para Santa Catarina tem início em 1979, com a inauguração da primeira emissora da RBS TV em Florianópolis. No ano seguinte, a rádio Rádio Farroupilha AM, de Porto Alegre, é incorporada ao Grupo e, em 1981, a Rádio Atlântida FM inaugura filiais em Florianópolis e Blumenau. A rádio Diário da Manhã FM, da capital catarinense, é incorporada ao grupo na mesma década.

Sede da RBS TV de Porto Alegre.

A Fundação RBS surge em 1982, inaugurando os investimentos sociais do grupo. Atualmente, a Fundação é nomeada em homenagem a Maurício Sirotsky Sobrinho. O primeiro jornal da RBS em Santa Catarina é o Diário Catarinense, lançado em Florianópolis em 1986, mesmo ano em que a AM 1120 é incorporada ao grupo. O fundador do Grupo RBS morre nesse mesmo ano de 1986, e seu irmão Jayme Sirotsky torna-se presidente da empresa e Nelson Sirotsky assumiu como vice-presidente executivo, cargo que ocupou até 1991. Em 15 de maio daquele ano, tomou posse à frente do Grupo RBS quando seu tio Jayme Sirotsky passou a presidir o Conselho de Administração da empresa. Nos anos seguintes, vários veículos de comunicação são incorporados: em 1990, a Rádio Cidade FM; em 1992, mesmo ano do lançamento da NET Sul, o Jornal de Santa Catarina é comprado; em 1994, ano em que a 102 FM é inaugurada, é adquirido o Jornal Pioneiro. Primeira emissora de televisão comunitária do Brasil, a TVCOM é lançada em 1995 e, no ano seguinte, entra no ar o Canal Rural, com conteúdo direcionado ao setor agropecuário. A associação do Grupo RBS à Nutecnet, para o desenvolvimento do ZAZ, acontece no mesmo ano. O portal, atual Terra, foi o primeiro da internet no Brasil. Na mesma década, é inaugurada a rádio CBN Porto Alegre.

Sede da Zero Hora, em Porto Alegre.

Em 2000, o Grupo RBS lança o jornal popular em formato tabloide Diário Gaúcho, a TVCOM é inaugurada em Florianópolis e Joinville, a NET Sul associa-se com a Globocabo e nasce a RBS Publicações. Em 2001, é criada a viaLOG, empresa de logística que atua na região sul do Brasil, e é lançada a gravadora Orbeat Music, voltada para a cena musical da região sul. No ano seguinte, surge o Diário de Santa Maria e, em 2003, a Rede Itapema FM. Em meados de 2006, são lançados o portal hagah e o jornal popular Hora de Santa Catarina, que circula na região metropolitana de Florianópolis. No mesmo ano, é adquirido o jornal A Notícia, de Joinville. Em 2007, pela ocasião de seus 50 anos, completados em 31 de agosto, o Grupo RBS lança uma nova logotipo. Também é realizada naquele ano uma exposição retrospectiva do Grupo, chamada No Ar – 50 Anos de Vida, na Usina do Gasômetro, em Porto Alegre.

Sede da RBS Rádio, em Porto Alegre.

Em 2008, a RBS TV lança seu sinal digital. No mesmo ano, a empresa adquire os portais de entretenimento Guia da Semana e ObaOba, além da empresa voltada a aplicativos para celulares Pontomobi. Em 2009, o Grupo RBS inaugura o Parque Gráfico Jayme Sirotsky e, em 2011, a RBS associa-se com a BR Investimentos e cria a HSM Educação, voltada à educação executiva.

Em 2012, no Estado de Santa Catarina, o Grupo RBS lança oficialmente O Sol Diário[2], suplemento encartado nos jornais Diário Catarinense, A Notícia e Jornal de Santa Catarina, tendo como base as notícias da Microrregião de Itajaí, área que compreende as cidades de Itajaí e Balneário Camboriú. No Rio Grande do Sul, são criadas filiais locais da Rádio Gaúcha em Santa Maria e em Caxias do Sul, substituindo a Rádio Itapema FM em ambos os lugares.

Em agosto de 2012, por meio de uma edição única do Jornal do Almoço para os Estados de Rio Grande do Sul e Santa Catarina, foi lançada a campanha "A Educação Precisa de Respostas!", com o objetivo de encontrar soluções para o avanço do ensino brasileiro, questão deixada de lado por muitos políticos e bastante ofuscada recentemente pelos eventos esportivos que o Brasil está prestes a receber (Copa de 2014 e Olimpíadas de 2016).

Em outubro de 2012, o Grupo RBS lançou a e.Bricks Digital, uma companhia de desenvolvimento de negócios digitais.[3]

Em 2014, o Grupo RBS foi reconhecido entre as três empresas de mídia e internet no país que mais geraram valor para seus públicos, junto com Globo e Google[4]. Em pesquisa organizada pela revista Info Exame, a companhia apareceu entre as 10 empresas mais inovadoras do Brasil[5][6]. A RBS ainda ficou no topo do Ranking dos Mais Premiados Grupos de Comunicação brasileiros[7][8].

Em 2014, Zero Hora completou 50 anos e passou por uma profunda reformulação editorial, gráfica e de marca. As mudanças deram início a um ciclo de reposicionamento e transformação no papel, no online, em tablets e nos celulares. Novos colunistas, cadernos reformulados, mudança de paleta de cores, tipografia, maior espaço para arte, ilustração e infografia, além de foco em vídeos complementam as mudanças do jornal[9][10].

Em 2015, foi lançado o projeto OCTO, em substituição à TVCOM no Rio Grande do Sul, que consiste em uma nova forma de se fazer televisão, baseada no estudo The Communication (R)Evolution, encomendado pela empresa. O projeto busca valorizar a interação com as redes sociais e a televisão em tempo real.

No início de 2016, uma série de rumores causados pela crise financeira do grupo davam conta de que todos os seus veículos de comunicação no estado de Santa Catarina estariam sendo vendidos.[11][12] Inicialmente, o Grupo RBS negou as informações,[13] porém, no dia 7 de março, o grupo confirmou a venda de seus veículos catarinenses para os empresários Lírio Parisotto (empresário da Videolar) e Carlos Sanchez (dono do Grupo NC).[14][15][16][17][18] Com isso, a área de atuação do Grupo RBS passou a abranger apenas o estado do Rio Grande do Sul, após atuar por 37 anos em Santa Catarina.[19] A venda das empresas ainda necessita de aprovação do CADE.[14][16][17] Os novos donos afirmaram que não iriam mudar a linha editorial dos veículos que adquiriram.[18]

Investigações sobre prática de oligopólio/monopólio/fraude fiscal[editar | editar código-fonte]

Em 2006, o Ministério Público Federal em Santa Catarina ajuizou uma ação civil pública (Proc. nº 2008.72.00.014043-5 / SC) contra o oligopólio da empresa na região Sul do Brasil. O Ministério Público Federal requeria, entre outras medidas, a implantação de programação local, a redução do número de estações de rádio e TV do Grupo RBS nos estados do Rio Grande do Sul e Santa Catarina e a anulação da compra do jornal A Notícia de Joinville, consumada em 2006, que resultou, praticamente, em um monopólio do grupo sobre os jornais em Santa Catarina.[20][21] O pedido foi julgado improcedente em 2011.[22]

Em 2009, a Procuradoria da República no município de Canoas, RS, realizou uma audiência pública para discutir a suposta prática de monopólio pelo Grupo RBS, bem como irregularidades nas concessões de estações de rádio e TV.[23][24] A empresa afirmou possuir apenas duas emissoras de TV, mas em seu sítio na internet é possível encontrar referências a 12 emissoras.[25]

Operação Zelotes[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Operação Zelotes

Em 19 de fevereiro de 2011, a Justiça Federal do Rio Grande do Sul acatou uma denúncia do Ministério Público contra Nelson Sirotsky[26] (presidente à época) e demais diretores e conselheiros do Grupo RBS. Os dados do processo foram considerados sigilosos pela Justiça e não foram disponibilizados publicamente, mas com base o artigo no qual foi enquadrado — Art. 21 da Lei 7.492, que define os crimes contra o sistema financeiro nacional[27] —, sabe-se que a denúncia é aplicada a quem "atribuir-se, ou atribuir a terceiro, falsa identidade, para realização de operação de câmbio", ou para quem "sonega, para o mesmo fim, informação que devia prestar ou presta informação falsa."[28]

Mesmo sob sigilo, o processo 5027955-60.2010.404.7100 tinha seus trâmites disponíveis. Por algum motivo desconhecido, a tramitação sumiu do sítio do TRF4[29], logo após a divulgação do indiciamento de Nelson Sirotsky[30].

Em relação à denúncia[28] por crime financeiro na Operação Zelotes da Polícia Federal, com cerca de 672 milhões em fraudes, o Grupo RBS disse por meio de nota que "desconhece a investigação e nega qualquer irregularidade em suas relações com a Receita Federal"[31][32][33]. Entretanto, 4 dias depois, Eduardo Sirotsky Melzer (atual presidente) afirma que não sabia de nada[34], explicando que "a Receita Federal deve estar falando de uma operação que fizemos com a Telefonica".

O Grupo RBS não foi procurado para fornecer qualquer informação sobre a investigação e seguirá tendo cobertura normal em seus veículos. A empresa também transmitiu a todos os seus colaboradores e ao público a sua total tranquilidade quanto à lisura e à transparência dos procedimentos junto ao Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (CARF), bem como em todos os seus atos externos e internos em todas as áreas[35][36][37].

Em 3 de setembro de 2015 foi publicada uma nova fase da operação, na qual investigadores cumprem mandados de busca e apreensão no Distrito Federal, São Paulo e Rio Grande do Sul. O delegado da Polícia Federal Marlon Cajado explicou que a análise pericial do material apreendido na primeira etapa da operação apontou discrepâncias entre os valores efetivamente movimentados pelos suspeitos e os declarados ao fisco. No entanto, apenas com o “acesso a documentos de escrituração contábil como balancetes, diários, recibos e notas fiscais seria possível a realização de um exame mais fidedigno das informações”, resumiu no documento. Os escritórios, alvos da operação de hoje, prestam serviços às empresas investigadas, que também já tiveram materiais apreendidos pela PF[38].

Bandeiras Institucionais do Grupo RBS[editar | editar código-fonte]

As bandeiras institucionais são uma tradição do Grupo RBS e uma de suas mais importantes iniciativas de investimento social. Sem fins lucrativos ou objetivos comerciais de qualquer natureza, são grandes campanhas de mobilização social com ações editoriais (com reportagens nos veículos do Grupo), publicitárias (com campanha em todas as mídias) e institucionais (com ações de mobilização junto ao poder público e às comunidades), que englobam toda a plataforma multimídia da empresa, assim como seus colaboradores.

Nos últimos anos, a RBS levantou bandeiras sobre segurança no trânsito, proteção às crianças, prevenção ao uso do crack. Entre os resultados dessas mobilizações estão a instituição de Jornadas de Debates sobre Infância e Juventude, que está completando 10 anos, a parceria com o Conselho Nacional de Justiça para veiculação em todo o país da campanha Crack, Nem Pensar (em 2011) e a criação do Instituto Crack, Nem Pensar, com sede em Porto Alegre. [39]

O Amor é a Melhor Herança, Cuide das Crianças[editar | editar código-fonte]

Essa campanha foi lançada em junho de 2003, e tinha como objetivo destacar a relevância dos cuidados que a sociedade precisa ter com a infância e a adolescência. Essa campanha também contava com a presença de cinco simpáticos monstrinhos e seus filhotes: o Diabo, o Bicho-Papão, a Bruxa, a Mula Sem Cabeça e o Boi da Cara Preta. No fim de 2003, entrou o sexto monstrinho, o Lobo Mau junto com seus filhotinhos. Era divulgada em comerciais na televisão, produzidos em animação tradicional e em 2D. Em junho de 2013, foi lançada a segunda fase da campanha com o nome "O Amor é a Melhor Herança, Educação para as Crianças" em defesa da qualidade na educação e os monstrinhos estão de volta, agora incentivando a educação. E os monstrinhos agora foram atualizados e os comerciais passaram a ser animados em CGI.

A Educação Precisa de Respostas[editar | editar código-fonte]

Lançada em agosto de 2012, a bandeira institucional “A Educação Precisa de Respostas” é uma grande campanha de mobilização da sociedade, liderada pelo Grupo RBS, para estimular o debate e a busca de soluções que elevem a qualidade da Educação Básica no país e, em especial, no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina. Realizada em parceria com a Fundação Maurício Sirotsky Sobrinho e atuando em três frentes – editorial, publicitária e institucional –, marca a decisão da RBS de colocar a Educação no foco de seu investimento social, reforçando seu compromisso histórico com o desenvolvimento sustentado das comunidades em que está presente.

A bandeira de educação do Grupo RBS terá nova fase em 2013. O tema da educação continuará no foco da linha editorial dos veículos da RBS e novas ações institucionais promoverão mobilização e engajamento da comunidade em torno da causa ao longo do ano. [40]

Segmentos[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Rádio[editar | editar código-fonte]

Rádios Ao Vivo[editar | editar código-fonte]

Rio Grande do Sul

Rádio Gaúcha

Porto Alegre, operando na frequência 600 KHz AM[45] e na frequência 93,7 MHz FM[45]

Santa Maria, operando na frequência 105,7 MHz FM[46]

Caxias do Sul, operando na frequência 102,7 MHz FM[47]

Zona Sul (Rio Grande / Pelotas), operando na frequência 102,1 MHz FM[48]

Rádio Itapema FM

Porto Alegre, operando na frequência 102,3 MHz FM[49]

Florianópolis, operando na frequência 93,7 MHz FM[50]

Joinville, operando na frequência 95,3 MHz FM[51]

Rede Atlântida

Rio Grande do Sul[editar | editar código-fonte]

Santa Catarina[editar | editar código-fonte]

Jornal[editar | editar código-fonte]

Internet[editar | editar código-fonte]

Carro da RBS TV na cobertura do Garota Verão de Santa Catarina.
  • clicRBS
  • hagah
  • Predicta
  • ObaOba
  • Guia da Semana
  • Grupo Mobi
  • Wine Vinhos
  • Lets
  • Vitrinepix
  • Hi-Mídia
  • EverWrite

Logística[editar | editar código-fonte]

  • Vialog

Outros segmentos[editar | editar código-fonte]

Antigas empresas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. [1]
  2. Grupo RBS lança oficialmente O Sol Diário
  3. [2]
  4. «Grupo RBS está entre as empresas que mais geram valor». 23 de dezembro de 2014. 
  5. «GRUPO RBS É CONSIDERADO UMA DAS EMPRESAS MAIS INOVADORAS DO BRASIL». 8 de maio de 2014. 
  6. «GVT, RBS e UOL aparecem em listas de empresas inovadoras do Brasil». 2 de maio de 2014. 
  7. «Globo, RBS e Folha ficam no topo do Ranking dos Mais Premiados Grupos de Comunicação». 
  8. "Grupo Globo amplia liderança entre os mais premiados grupos de comunicação do Brasil. RBS e Folha completam pódio". Jornalistas & Cia.
  9. «Zero Hora». Grupo RBS. 
  10. «Zero Hora celebra 50 anos». 
  11. «SC: Jornalista da RIC Record divulga venda do Grupo RBS; empresa nega». NaTelinha. UOL. 5 de março de 2016. Consultado em 7 de março de 2016. 
  12. «Venda de operações da RBS em Santa Catarina era só boato». Coletiva.net. 5 de março de 2016. Arquivado desde o original em 5 de março de 2016. Consultado em 7 de março de 2016. 
  13. «Comunicado». Grupo RBS. 5 de fevereiro de 2016. Consultado em 7 de março de 2016. 
  14. a b «RBS anuncia venda das operações de mídia em Santa Catarina». Grupo RBS. 7 de março de 2016. Consultado em 7 de março de 2016. 
  15. Geraldo Samor (6 de março de 2016). «RBS vende operações em Santa Catarina». Veja Mercados. Veja.com. Consultado em 7 de março de 2016. 
  16. a b «Grupo RBS anuncia de jornais, rádios e TV em Santa Catarina». Mercado. Folha de S.Paulo. 7 de março de 2016. Consultado em 7 de março de 2016. 
  17. a b Carlos Massaro; Daniel Starck; Roberto Sagebin (7 de março de 2016). «Em comunicado, Grupo RBS confirma venda das operações de mídia em Santa Catarina». Tudo Rádio. 
  18. a b «Quem são e o que pensam os novos donos». Diário Catarinense. 7 de março de 2016. Consultado em 7 de março de 2016. 
  19. Grupo RBS (7 de março de 2016). «Carta aberta aos catarinenses». Diário Catarinense. Consultado em 7 de março de 2016. 
  20. [3]
  21. [4]
  22. [5]
  23. [6]
  24. [7]
  25. [8]
  26. «Processado por crime financeiro, dono de afiliada da Globo pode pegar até quatro anos de prisão». R7 Notícias. 20-2-2011. 
  27. «Lei Nº 7.492, de 16 de junho de 1986». Presidência da República. 16-6-1986. 
  28. a b «Dono de afiliada da Globo é processado por crime financeiro». R7 Notícias. 19-2-2011. 
  29. «Processo em que dono de afiliada da Globo foi indiciado desaparece da internet». Conversa Afiada. 17-2-2011. 
  30. «Dono de afiliada da Globo é indiciado sob crime financeiro». Conversa Afiada. 11-2-2011. 
  31. «Operação Zelotes investiga rombo de 19 bilhões de reais». G1 Economia. 28-3-2015. 
  32. «Empresas dizem não saber de investigação da PF». Estadão. 28-3-2015. 
  33. «Empresas dizem não ter conhecimento da investigação da Operação Zelotes». Estadão. 28-3-2015. 
  34. «RBS muda versão e ‘terceiriza’ responsabilidade por fraude fiscal». DCM. 2-4-2015. 
  35. «COMUNICADO AOS COLABORADORES E AO PÚBLICO». 28 de março de 2015. 
  36. «Grupo RBS se diz tranquilo quanto a processos da operação Zelotes». 30 de março de 2015. 
  37. «Grupo RBS emite comunicado sobre a chamada Operação Zelotes». 1 de abril de 2015. 
  38. «MPF, PF e RF executam novas medidas de busca e apreensão na Operação Zelotes». Ministério Público Federal/Procuradoria da República do DF. 3-9-2015. 
  39. [9]
  40. [10]
  41. TVCOM de Porto Alegre/RS - Assista no Windows Media Player
  42. TVCOM de Florianópolis/SC - Assista no Windows Media Player
  43. Rádio Farroupilha de Porto Alegre/RS - Ouça Ao Vivo
  44. Rádio Rural de Porto Alegre/RS - Ouça Ao Vivo
  45. a b Rádio Gaúcha de Porto Alegre/RS
  46. Rádio Gaúcha de Santa Maria/RS
  47. Rádio Gaúcha de Caxias do Sul/RS
  48. Rádio Gaúcha de Zona Sul/RS
  49. Rádio Itapema de Porto Alegre/RS - Ouça no Windows Media Player
  50. Rádio Itapema de Florianópolis/SC - Ouça no Windows Media Player
  51. Rádio Itapema de Joinville/SC - Ouça no Windows Media Player
  52. Rádio Atlântida de Caxias do Sul/RS - Ouça no Windows Media Player
  53. Rádio Atlântida de Passo Fundo/RS - Ouça no Windows Media Player
  54. Rádio Atlântida de Pelotas/RS - Ouça no Windows Media Player
  55. Rádio Atlântida de Porto Alegre/RS - Ouça no Windows Media Player
  56. Rádio Atlântida de Santa Cruz do Sul/RS - Ouça no Windows Media Player
  57. Rádio Atlântida de Santa Maria/RS - Ouça no Windows Media Player
  58. Rádio Atlântida de Tramandaí/RS - Ouça no Windows Media Player
  59. Rádio Atlântida de Blumenau/SC - Ouça no Windows Media Player
  60. Rádio Atlântida de Joinville/SC - Ouça no Windows Media Player
  61. Rádio Atlântida de Chapecó/SC - Ouça no Windows Media Player
  62. Rádio Atlântida de Criciúma/SC - Ouça no Windows Media Player
  63. Rádio Atlântida de Florianópolis/SC - Ouça no Windows Media Player
  64. CBN Diário de Florianópolis/SC - Ouça no Windows Media Player

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Grupo RBS