The Communication (R)Evolution

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde março de 2015).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde março de 2015).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
The Communication (R)Evolution

The Communication (R)Evolution é uma plataforma licenciada pela Creative Commons que estuda o futuro da comunicação e o comportamento dos consumidores,[1] reunindo o pensamento de profissionais de Comunicação, História, Arqueologia, Filosofia, Política, Cinema, Música, Astrologia, Tecnologia, Educação, Literatura, Antropologia, Televisão, Moda, Artes Plásticas e Design sobre a era digital. Teve início em 2013, quando o Grupo RBS convidou a cineasta Flávia Moraes (hoje diretora-geral de Inovação e Linguagem do Grupo) para uma investigação sobre o futuro da indústria da comunicação. O objetivo é contribuir de forma sistemática para o desenvolvimento da indústria da comunicação brasileira e mundial, provendo "insights" que servirão de apoio e inspiração para a tomada de decisões. Para isso, todo o conteúdo deve ser compartilhado.[2] A plataforma The Communication (R)evolution celebra a face mais revolucionária da atualidade, que não é tecnológica e, sim, comportamental. Está acontecendo no mundo um resgate crescente e em nível global de muitos fundamentos sociais que estavam esquecidos. Entre eles, o compartilhamento e a colaboração.[3]

A plataforma foi criada após o Grupo RBS perceber que tem o desafio de entender e assimilar a reinvenção do mundo. Para isso, é preciso acompanhar as transformações do comportamento do consumidor provocadas pelas novas tecnologias de comunicação e refletir essas mudanças em suas plataformas e empresas com novas linguagens, novos formatos e processos. Para o Grupo RBS, este estudo é uma iniciativa inovadora que poderá servir de base para profissionais envolvidos na comunicação.[4]

O resultado é um estudo que analisa tendências e desafios e aponta 11 premissas para um futuro próximo. Até o momento, foram realizadas 150 entrevistas entre julho de 2013 e maio de 2014 em cidades do Brasil e do exterior, como Porto Alegre, Florianópolis, São Paulo, Rio de Janeiro, Los Angeles, São Francisco, Nova York e Boston. A lista de personalidades ouvidas inclui nomes como Nick Bilton, colunista e repórter do The New York Times; James Canton, futurista que colabora com a Casa Branca e com a Apple e é CEO do Institute of Global Futures; [[Roy Sekoff]], fundador e editor do The Huffington Post; e Ben Moskowitz, coordenador de novos programas do Mozilla e professor na Universidade de Nova Yorque.[5] A plataforma está em estado beta, sendo atualizada constantemente. Parte do material original ainda está sendo indexado e novas entrevistas produzidas.[2]

“Os entrevistados compactuavam da ideia de que os volumes estratosféricos de informação disponíveis modificam radicalmente os hábitos mais simples do cidadão comum e contribuem decisivamente para a criação de novos valores e hábitos. Em um futuro muito próximo, segundo eles, conheceremos, graças à supremacia da tecnologia, novos meios de comunicação e novas formas de informar, distribuir e consumir informação”(Flávia Moraes, diretora-geral de Inovação e Linguagem do Grupo RBS).[5]

As 11 premissas apontadas pela investigação "The Communication (R)evolution"[editar | editar código-fonte]

  1. Be True (Seja Verdadeiro) – Você está numa vitrine 24X7. O que o separa da sua audiência é uma linha cada vez mais tênue e transparente. Posicione-se clara e autenticamente. Seus interlocutores estão cada vez mais preparados para identificar erros. Se errar, admita. Seja verdadeiro. Autenticidade e coragem encantam. O falso é démodé.[6]
  2. Be Trusted (Seja Confiável) – Informação e tecnologia são commodities e ponto final. A sua audiência precisa de curadores criteriosos e confiáveis, e confiabilidade se constrói através de relações de mão dupla. Em meio ao Data-Tsunami em que vivemos, assuma o compromisso de filtrar, informar e surpreender. Antecipe-se, descubra o que seu público quer, necessita e ainda não sabe.[6]
  3. Be Part (Seja Parte) – A cultura da participação rejeita fortalezas, muros altos e intransponíveis. O encastelamento é inaceitável: onde ainda é muralha, construa aberturas. Participe, compartilhe, aproxime-se, humanize-se. Você tem todos os meios e os melhores motivos para fazer parte. Logue-se logo, e descubra as múltiplas oportunidades que esse o mundo multidimensional oferece.[6]
  4. Think Plural (Pense Plural) – Dualismo e bipolarização são comprovadamente restritivos. Ajude a construir uma cultura do diálogo e da criação coletiva em diferentes plataformas. Pense conceitos abertos, flexíveis, múltiplos. Rejeite verdades absolutas. Nenhuma merece crédito. A verdade é multifacetada e permite variadas interpretações e narrativas. Aprenda a contextualizar.[6]
  5. Think Mobile (Pense Mobile) – O mundo está em nuvem, acessível e sem fronteiras e há fortes indícios de que poderá estar, num futuro próximo, em outro lugar igualmente improvável. Aceite o inimaginável. Assuma a possibilidade de novos formatos e novas configurações; mobile é convívio, conveniência, é recriar experiências. Pense mobile e subverta antigas concepções de tempo e espaço.[6]
  6. Be Beta (Seja Beta) – As versões beta subvertem a lógica dos cronogramas industriais e ajudam consumidores a satisfazer o desejo de interagir com quem produz. Beta pressupõe questionamento, autocrítica e abertura para a mudança. Não case com as suas ideias, seja permeável, insatisfeito, incansável. O definitivo é provisório. Só o estado beta é permanente.[6]
  7. Think Ahead (Pense à Frente) – Abandone as zonas de conforto e as certezas reducionistas do passado. Evite as fronteiras construídas pelo chamado senso comum. A vida produz erros e acertos, aprenda com ambos. Vá em frente, inovação é coragem, experimentação, aprendizado e risco. E o lucro, é a remuneração do risco.[6]
  8. Think Higher (Pense Mais Alto) – Eleve o pensamento atribuindo aos seus propósitos significados mais nobres. Business também existem para servir e melhorar a qualidade de vida das pessoas. Transparência, responsabilidade social e gratidão são moedas fortes. Elas criam um círculo virtuoso comprovadamente eficaz para os negócios. O lucro não perdeu a importância. Apenas não é mais a única razão de ser das empresas.[6]
  9. Be Colaborative (Seja Colaborativo) – A era digital fragmentou o mercado de trabalho. Babyboomers, gerações X, Y ou Z, ligadas à corporações ou a home-offices, precisam construir alianças e aprender a operar em rede. Entenda que hoje o valor está no comprometimento coletivo, na colaboração e na qualidade do que você e seus aliados entregam.[6]
  10. Be Intuitive (Seja Intuitivo) – Intuir significa olhar com atenção, ver com todos os sentidos. A sabedoria resulta deste olhar atento e observador. A intuição revela, antecipa, prediz, subverte e busca as respostas onde elas geralmente estão: no espaço invisível que conecta um acontecimento ao outro. Liberte-se das amarras do pensamento cartesiano. Demostre com a lógica, descubra com a intuição.[6]
  11. Be Useful (Seja Útil) – Utilidade é um valor subjetivo diretamente relacionado a um grau de satisfação. Portanto, utilidade é percepção. Ela não está no que você realiza, mas no modo como o que você realiza é percebido. Use as premissas deste estudo para aumentar nos outros a percepção de utilidade naquilo que você faz e descubra em The Communication (R)evolution conhecimento capaz de fazer diferença na sua vida, e na vida dos demais.[6]

Lista dos entrevistados[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Coletiva.net "http://www.coletiva.net/agenda/apresentacao-the-communication-revolution", Coletiva,net, 24 de fevereiro de 2015
  2. a b The Communication Revolution “http://www.thecommunicationrevolution.com.br “, The Communication Revolution, Dezembro de 2014
  3. Grupo RBS “http://www.gruporbs.com.br/noticias/2014/12/16/grupo-rbs-lanca-the-communication-revolution/”, Grupo RBS, 16 de Dezembro de 2014
  4. Grupo RBS http://www.gruporbs.com.br/noticias/2014/12/16/grupo-rbs-lanca-the-communication-revolution/, Grupo RBS, 16 de Dezembro de 2014
  5. a b c d e f g h i j Grupo RBS http://www.gruporbs.com.br/noticias/2014/12/12/the-communication-revolution-traz-reflexoes-de-personalidades-e-especialistas/, Grupo RBS, 16 de Dezembro de 2014
  6. a b c d e f g h i j k Portal dos Jornalistas “http://www.portaldosjornalistas.com.br/noticias-conteudo.aspx?id=3212“, Portal dos Jornalistas, 16 de Dezembro de 2014

Ligações externas[editar | editar código-fonte]