Porta dos Fundos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Porta dos Fundos
Proprietário ViacomCBS (51%)
Antonio Tabet, Fábio Porchat, Gregório Duvivier, Ian SBF e João Vicente de Castro (49%)
Origem 6 de agosto de 2012 (9 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Carreira na internet
Servidor(es)
Gênero
Período de atividade 2012–presente
Inscritos + 16,8 milhões
Influência(s)
Placas do YouTube
0000YouTube Silver Play Button 2.svg0000100 mil inscritos.
0000YouTube Gold Play Button 2.svg00001 milhão de inscritos.
0000YouTube Diamond Play Button.svg000010 milhões de inscritos.

Porta dos Fundos é uma produtora de vídeos de comédia veiculados na internet.[6] Originalmente o elenco era composto por Antonio Tabet, Clarice Falcão, Fábio Porchat, Gregório Duvivier, Gabriel Totoro, João Vicente de Castro, Júlia Rabello, Letícia Lima, Luis Lobianco, Marcos Veras, Marcus Majella e Rafael Infante.[7]

História[editar | editar código-fonte]

No final de 2011 Fábio Porchat e Ian SBF, fundadores do canal de Youtube Anões em Chamas, e Antônio Tabet, criador do site de humor Kibe Loco, decidiram formar uma parceria para lançar um canal com esquetes humoradas e ácidas abordando temáticas que eles não conseguiam fazer na televisão no tempo em que eram roteiristas. Eles convidaram para se juntar a concepção do projeto Gregório Duvivier, que também era roteirista e estava infeliz com as restrições televisivas, e João Vicente de Castro, publicitário que trazia uma visão comercial do trabalho. Em março de 2012 os cinco amigos registraram oficial o Porta dos Fundos, que teve o primeiro trabalho liberado em 6 de agosto de 2012.[8] Em 6 meses, a marca de 30 milhões de visualizações no site de compartilhamentos de vídeos YouTube foi alcançada. A maior parte de seu público possui idades entre 20 a 45 anos.[9]

O Porta dos Fundos se tornou o maior canal brasileiro no YouTube em abril de 2013,[6][10] tendo sido ultrapassado pelo canal do Whindersson Nunes em outubro de 2016.[11] Em novembro de 2015 a equipe do Porta dos Fundos recebeu o Play de Diamante, uma das maiores recompensas dadas pelo Youtube aos criadores de conteúdo que alcançam a marca de 10 milhões de inscritos. O prêmio foi dado à equipe durante o evento denominado Youtube FanFest realizado naquele ano pela primeira vez no Brasil. Mundialmente, é o 6º canal com mais inscritos entre canais de comédia[12] e o 35º com mais inscritos em geral (em outubro de 2016).[13] Em 8 de novembro de 2015 o Porta dos Fundos comemorou o recorde de 2 bilhões de visualizações em todos os vídeos publicados no Youtube, sendo o vídeo denominado "Na Lata" responsável por 20 milhões de visualizações.

Apesar do sucesso, os integrantes afirmaram em 2012 que não pensavam em migrar para a televisão.[14] Em 2014 o grupo assinou um contrato com a emissora de televisão à cabo Fox Brasil para a criação de alguns seriados.[15] Em 2015 a Ancine (Agência Nacional do Cinema do Governo) liberou R$ 7,3 milhões para 1º filme do Porta dos Fundos lançado nos cinemas em 2016[16] Em abril de 2017, o conglomerado de mídia Viacom anunciou a compra de parte majoritária da produtora Porta dos Fundos.[17] Os detalhes da negociação, incluindo valores e o percentual de controle, não foram divulgados oficialmente, mas segundo algumas divulgações a Viacom teria adquirido 51% do controle da produtora a um custo de aproximadamente 60 milhões de reais.[18] No dia seguinte ao comunicado, a produtora divulgou um vídeo satirizando a venda à Viacom.[19]

Episódios[editar | editar código-fonte]

Os vídeos são gravados nos mais diversos locais, que vai da redação do Jornal LANCE até o VIP's Suítes.[20] Geralmente, há parcerias ou as marcas cedem gentilmente,[21] entretanto, o produtor de locação costuma ter trabalho para encontrar o lugar perfeito e autorizá-lo. Pelas polêmicas sempre criadas com religião e política, muitas empresas preferem nem receber o diretor para negociações. Dentre as várias participações especiais nos episódios, constam nomes como Alexandre Nero,[22] Maitê Proença,[23] Fernanda Paes Leme,[24] Ivete Sangalo, Rodrigo Hilbert, David Brazil e Xuxa.

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

O programa ganhou destaque com o episódio Fast Food, que ironizava o atendimento dos restaurantes Spoleto (restaurante). Surpreendendo, a rede de fast food passou a usar o viral como publicidade: o vídeo foi renomeado como Spoleto[25] e a equipe foi contratada para produzir mais 2 vídeos publicitários para o restaurante.[9][26] No dia 22 de junho de 2014 os acessos à conta do YouTube chegaram a 1 bilhão de visualizações. O programa também tem recebido elogios da crítica, tendo se tornado o primeiro canal on-line a vencer o prêmio da APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte), concorrendo na categoria de TV, como programa de comédia.[27]

Ao final de 2013, o canal divulgou um vídeo chamado Especial de Natal, que acabou gerando uma grande controvérsia com grupos cristãos e islâmicos, sob a alegação de possuir conteúdo baseado de intolerância religiosa. O vídeo mostra que teria havido relações sexuais de Maria com Deus (o que teria levado à sua gestação e ao nascimento de Jesus), mostra tentativas de "negociações" de Jesus com os soldados que o pregaram na cruz, etc[vago].

Com mais de dez milhões de visualizações e 208 mil marcações positivos, o vídeo tem quase 100 mil marcações de "não gostei" no YouTube, o que faz com que seja um dos conteúdos publicados com maior índice de rejeição do canal[carece de fontes?]. O episódio polêmico desencadeou uma rejeição muito forte por parte de grupos religiosos, que têm feito campanhas constantes contra o Porta dos Fundos. Uma petição online chegou a ser criada para que a cervejaria Itaipava deixe de patrocinar o canal de humor. O diretor do Porta dos Fundos, Ian SBF, alegou que não houve a intenção de atacar os cristãos, apenas divertir seus fãs.[28][29][30]

O vídeo "Dura", de fevereiro de 2014, foi acusado de ser igual a uma outra produção de humor publicada no YouTube em 2006. Na época, Fábio Porchat, alegou que apesar das semelhanças, tudo não passava de uma coincidência.[31]

Ainda em julho de 2014, o grupo foi acusado por internautas de plagiar o roteiro de um desenho animado em sua última produção, "Suspeito". O diálogo retratado é extremamente semelhante ao do episódio "The Game", de The Amazing World of Gumball (O Incrível Mundo de Gumball). Um internauta chegou a editar uma comparação entre os dois, cujo vídeo foi postado no YouTube, mas foi retirado pouco tempo depois por solicitação da própria produtora. Apesar disso, todavia circulam vídeos que reforçam o argumento de que houve, sim, plágio.[32]

Em fevereiro de 2016, Porta dos Fundos retrata Jesus Cristo como um humano seletivo no seu amor, alguém que acha a missa chata, falsa e entediante e alguém que odeia partidários de Jair Bolsonaro. A crítica viu o vídeo de maneira negativa, com vídeos respostas de youtubers cristãos famosos. A marca de "não gostei" do youtube chegou à 92 mil.[33]

Em março de 2016 o grupo postou um vídeo intitulado "Delação", onde o mesmo faz sátiras sobre uma suposta parcialidade das investigações da Operação Lava Jato.[34]

Em março de 2017, no vídeo intitulado "Esquerda túnica"[2], Jesus é retratado como um partidário da esquerda política. Ao citar Mateus 19:24, que trata da quase impossibilidade de um rico ir para o céu, é repreendido como "gayzista", "maconheiro" e "comunista", e é sugerido que vá para Cuba.[35]

Já em junho de 2017, o Porta dos Fundos lança um vídeo intitulado "Céu Católico", onde satirizam a doutrina cristã e supostos critérios católicos para se chegar ao céu . A produção gerou polêmica entre internautas. A quantia de "não gostei" no YouTube supera 97 mil. Além disso, uma associação católica entrou com um processo na justiça por causa do vídeo.[36]

Ataque ao estúdio[editar | editar código-fonte]

Na madrugada do dia 24 de dezembro de 2019, a sede da produtora do programa de humor Porta dos Fundos foi atacada com dois coquetéis molotov. O incidente foi associado ao “Especial de Natal Porta dos Fundos: a Primeira Tentação de Cristo”, exibido pela plataforma de streaming Netflix, onde Gregorio Duvivier interpreta o personagem de um Jesus Cristo em um relacionamento homoafetivo com Orlando (Fábio Porchat).[37] O grupo fictício[38] Comando de Insurgência Popular Nacionalista da Família Integralista Brasileira assumiu a autoria da ação;[39] em nota, a Frente Integralista Brasileira nega qualquer ligação com o grupo.[40] Em 31 de dezembro de 2019, a polícia identificou um dos responsáveis pelo incidente, Eduardo Fauzi Richard Cerquise, que se refugiou na Rússia dia 29 de dezembro de 2019;[41] no dia 8 de janeiro de 2020, seu nome foi incluído na lista de difusão vermelha da Interpol após pedido da Justiça do Rio de Janeiro.[42]

O ataque gerou bastante repercussão e controvérsias nas redes sociais, com pessoas, de um lado, condenando esse evento, alegando extremismo religioso e desrespeito à liberdade de expressão e, do outro, lembrando do histórico de polêmicas e processos do grupo Porta dos Fundos em relação a crenças religiosas, especialmente cristãs, flertando com a intolerância religiosa e o discurso de ódio.[43]

Antonio Tabet, em fevereiro de 2021, afirmou que à época do atentado as autoridades policiais disseram que havia cinco suspeitos, mas se tratava de um grupo amador e logo seriam identificados. “Já passou um ano e três meses, e só um foi preso. E a polícia não conseguiu encontrar esses, entre aspas, amadores. O que está acontecendo? Será que alguém os protege? Será que tem alguém impedindo que isso vá para frente? A gente não sabe.[44]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Atual