Maitê Proença

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Maitê Proença
Maitê em 2007, durante entrevista ao programa Café Filosófico, da TV Cultura.
Imagem por CPFL Cultura.
Nome completo Maitê Proença Gallo
Nascimento 28 de janeiro de 1958 (62 anos)
São Paulo, SP
Nacionalidade brasileira
Etnia luso-brasileira
Filho(s) 1
Ocupação atriz
apresentadora
escritora
Período de atividade 1979–presente
Prêmios Troféu APCA
Melhor revelação feminina
1982 - Jogo da Vida

Troféu Candango (Festival de Brasília)
Melhor atriz
1995 - 16060

Festival do Cinema Brasileiro de Miami
Melhor atriz coadjuvante
1999 - A Hora Mágica.
Página oficial
maite.com.br

Maitê Proença Gallo (São Paulo, 28 de janeiro de 1958) é uma atriz, apresentadora, escritora brasileira.

Família e educação

Filha da professora Margot Proença e do Procurador de Justiça Augusto Carlos Eduardo da Rocha Monteiro Gallo, Proença nasceu em São Paulo, tendo sido criada em Campinas. A artista possui origem portuguesa, sendo seus avós maternos e paternos portugueses.[1] Aos cinco anos de idade, foi matriculada na Escola Americana de Campinas, que era destinada principalmente a filhos de norte-americanos residentes no Brasil, onde aprendeu a falar inglês fluentemente.[2][3] Com uma criação extremamente rígida, tinha que passar a maior parte do tempo estudando, e o pai a proibia de ver televisão[4] e de ter amigos.[carece de fontes?]

Aos doze anos de idade, Proença passou por uma grande tragédia: seu pai suspeitava que sua esposa mantinha um relacionamento extraconjugal[5] e, enfurecido, assassinou a esposa com onze facadas.[6] Ele não foi preso e acabou sendo absolvido em dois julgamentos;[6] Proença foi testemunha de defesa do pai, o que facilitou o processo.[6][7] Toda sua família materna ficou contra Proença, por ter ido a favor do pai no processo, e deixaram de manter contato com ela.[8] Aos dezesseis, foi morar em Paris sozinha para terminar seus estudos, e seu irmão voltou para o Brasil.[9][10]

De volta ao Brasil, Proença decidiu sair do pensionato luterano que morava, e pediu abrigo a um padre, passando a residir em um quarto nos fundos da igreja.[11][12] Aos dezenove, prestou vestibular para várias faculdades, e chegou a iniciar o curso de graduação em Psicologia, na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), mas não o concluiu. Optou por viajar para diversos países da Europa, África e Ásia.[13] Também decidiu deixar o tratamento psicológico, mas sua depressão e ansiedade estavam fortes demais, e então se viciou em drogas e álcool, contando em entrevistas ter sido usuária de cigarros, cocaína,[14] ayahuasca,[15] chá de cogumelo e cannabis[14] durante três anos.[16][17] Mais tarde, afirmou que cessou o uso das drogas facilmente, declarando: "Larguei todas as drogas que usei sem qualquer sofrimento."[18]

Carreira

Em 1979, Proença estreou como atriz de televisão na novela Dinheiro Vivo. Inicialmente, sua participação estenderia-se somente a uma ponta de uma semana, porém sua personagem acabou ficando até o final da novela.[19][20] No mesmo ano, já estava contratada pela Rede Globo[21][22] e participaria da novela Coração Alado, mas sofreu um acidente de carro que afetou sua coluna, afastando-a de suas atividades por quase um ano.[23] Foi convidada a viver sua primeira protagonista na novela As Três Marias, dividindo o título de mocinha com as experientes Nádia Lippi e Glória Pires.[24] Para viver a personagem, foi obrigada a mudar-se de cidade, e pediu um alto salário, pago na época somente para atores do primeiro escalão. Acordo feito e Proença topou o desafio de protagonizar a novela, porém, segundo ela mesma dizia, o alto salário não pagava todas as críticas e pressões que sofria, fazendo-a odiar o trabalho de atriz. Chegou a pensar em abandonar a carreira, porém além de ter um contrato com a Globo, já possuía bastante mídia, havia estampado diversas capas de revistas e batido recordes de audiência, dando bastante lucro à empresa contratante, e foi desaconselhada a sair.[25][carece de fonte melhor]

Em 1981, Proença foi convidada a participar da telenovela Jogo da Vida, sob direção de Roberto Talma, uma forte influência e principal responsável por fazê-la repensar na decisão de abandonar a carreira artística.[26][carece de fonte melhor] Em 1982, encenou o espetáculo Mentiras Alucinantes de um Casal Feliz, tendo como parceiro de cena Armando Bogus.[27] Em 1983, participou da novela Guerra dos Sexos, na pele de Juliana.[28] Em seguida, transferiu-se para a Rede Manchete, onde protagonizou a minissérie A Marquesa de Santos.[29] Em 1985, retornou à Globo e integrou o elenco da novela Um Sonho a Mais.[30] Em 1986, recebeu convite para participar do remake de Selva de Pedra, porém recusou, alegando que a Manchete havia apresentado uma proposta melhor.[carece de fontes?] De fato, nesse ano, fez a interpretação da cortesã Dona Beija na novela homônima, um dos grandes sucessos da emissora que impulsionou sua carreira.[31] Dona Beija foi a primeira novela a utilizar o recurso do banho na cachoeira, causando um certo escândalo na época e dando audiência. Proença protagonizou as primeiras cenas de nudez em uma novela do horário nobre no Brasil, as quais se tornariam ícones daquela produção: a cortesã tomando seus banhos em uma cachoeira.[32][carece de fonte melhor]

A partir desse trabalho, após atuar na novela Corpo Santo, de 1987,[33] Proença voltou para a Rede Globo[34] e continuou a despontar sempre em papéis marcantes na dramaturgia nacional. Ainda nesse ano, trabalhou na novela Sassaricando, como a fotógrafa Camila, contracenando com o ator Edson Celulari,[35] com quem dividiu os sets de filmagens dos longas Sexo Frágil e Brasa Adormecida; esse último lhe rendeu o Prêmio de Melhor Atriz do 2º Rio Cine Fest.[36] Também encenou o espetáculo La Malasangre[37] e protagonizou o filme A Dama do Cine Shanghai, ao lado de Antônio Fagundes,[38] conquistando o Prêmio de Melhor Atriz no II Festival de Cinema de Natal e também no XV Festival dos Melhores do Ano do Cine Sesc.[39] Depois, apresentou dois programas jornalísticos, o Programa de Domingo e Diálogo, ambos pela Manchete.[carece de fontes?] Em 1989, de volta à antiga casa, protagonizou a novela O Salvador da Pátria, fazendo par romântico com Lima Duarte.[40] Também rodou os longas O Beijo e Kuarup,[carece de fontes?] além de encenar a peça Na Sauna.[41] Nesse mesmo ano, outra tragédia na sua vida: seu pai cometeu suicídio.[6]

Em 1996, Proença integrou o elenco fixo da série A Vida Como Ela É[42] e, em 1997, rodou o curta Vox Populi,[43] ganhando o Prêmio de Melhor Atriz no Festival de Salvador.[44] Depois, em 1998, filmou os longas A Hora Mágica[45] e Paixão Perdida,[46] além de ter atuado na novela Torre de Babel, em um dos personagens centrais, novamente ao lado de Tony Ramos.[47] Em 1999, interpretou a rainha da França, Ana da Bretanha, no seriado Os Três Mosqueteiros, da Globo,[48] e foi ainda a protagonista de Tolerância. O filme gira em torno de um casal e o confronto que estabelecem entre seus sonhos, ideais, teorias e a realidade, passando por situações , como a de adultério, têm sua tolerância "esticada" e acabam por perceber que talvez sejam menos "civilizados" do que gostariam.[49] Participou também do filme Bufo & Spallanzani[50] e estrelou a novela Vila Madalena, ao lado de Cristiana Oliveira, Edson Celulari, Herson Capri e Marcos Winter.[51]

Proença ainda dedicou mais tempo ao teatro. Em 2000, protagonizou o espetáculo Isabel, pelo qual foi bastante elogiada pela crítica, [52] além de ter sido indicada à categoria de Melhor Atriz para o Prêmio Shell.[carece de fontes?] Em 2001, após uma participação especial na telenovela Estrela Guia como a hippie Kalinda,[53] protagonizou Dona Yatá no filme A Selva, uma co-produção de Espanha, Portugal e Brasil protagonizada também por Cláudio Marzo e pelo ator português Diogo Morgado.[54] Também participou do filme Viva Sapato!, na pele de uma cômica jornalista americana.[55] Em 2002 assinou, pela primeira vez sozinha, uma produção de teatro, levando aos palcos o monólogo Buda.[carece de fontes?] Ainda atuou na comédia Com a Pulga Atrás da Orelha, como Madame Chandebise, uma divertida e desconfiada mulher que tenta tirar à prova a fidelidade do marido,[56] e também encenou o espetáculo Paixão de Cristo, na Nova Jerusalém do sertão pernambucano, como Maria.[57]

Em 2003, Proença estreou na revista Época com uma coluna de crônicas.[58] Suas crônicas quinzenais conquistaram o público por seu estilo estilo franco, delicado e inteligente.[carece de fontes?] Simultaneamente, destacou-se na temporada daquele ano do seriado adolescente Malhação[59][carece de fonte melhor] e também rodou o filme Jogo Subterrâneo.[60] Em 2004, esteve presente no elenco de Da Cor do Pecado, na pele da cômica Verinha, uma mulher fútil, falida, mãe da antagonista principal da novela, Bárbara de Giovanna Antonelli.[61][62] Continuou também a publicar suas crônicas para a revista Época e, no ano seguinte, lançou seu primeiro livro, Entre Ossos e a Escrita, que reuniu 50 crônicas publicadas na revista Época entre 2003 e 2004.[63][64] Também em 2005 fez uma participação especial na telenovela A Lua me Disse, como a milionária Maria Regina.[65] Nesse mesmo ano, ainda escreveu sua primeira peça, Achadas e Perdidas, que ficou em cartaz por três anos consecutivos.[66][carece de fonte melhor]

A partir de 2006, Proença passou a integrar o time de apresentadoras do programa Saia Justa, do GNT, ao lado da jornalista Mônica Waldvogel, da atriz Betty Lago, da filósofa Márcia Tiburi e da cantora Ana Carolina.[67] Em 2007 finalizou seu segundo livro, Uma Vida Inventada, que mistura ficção a fatos reais num jogo de pistas falsas proposital; lançado em 2008, o livro obteve grande sucesso, ficando em primeiro lugar no ranking da revista Veja, além de permanecer inúmeras semanas entre os dez mais vendidos na categoria Ficção.[68][4] Também escreveu a peça As Meninas, em parceria com Luiz Carlos Góes, que estrearia somente em 2009.[69][70]

Em 2008, Proença viajou para Bali, na Indonésia, para gravar as primeiras cenas de Três Irmãs, novela que marca seu retorno à TV depois de dois anos sem atuar nos folhetins globais.[71][72] Em seguida, estreou o filme Onde Andará Dulce Veiga?, no papel da protagonista Dulce Veiga, cantora e atriz que após um período de sucesso desaparece misteriosamente nos anos de 1960.[73] Juntamente com Irene Ravache gravou o audiobook de Uma Vida Inventada, lançado em agosto na Bienal do Livro de São Paulo.[carece de fontes?] Em setembro daquele ano, em Ibitipoca, Minas Gerais, numa fazenda de amigos, sofreu um acidente ao cair de um cavalo, machucando o pescoço e a coluna;[74] ainda assim, continuou gravando Três Irmãs e o programa Saia Justa, narrando ainda o programa Belezas Francesas, além de telebiografias sobre Maria Callas, Brigitte Bardot e Sophia Loren para o canal GNT.[carece de fontes?] Também participou de um sketch dos comediantes portugueses Gato Fedorento, no qual tentava imitar a pronúncia europeia da língua.[75]

Em 2009, Proença produziu, além de envolver-se também na assistência de direção, a peça As Meninas.[carece de fontes?] Posteriormente, em junho, foi convidada pela autora Glória Perez para participar da novela Caminho das Índias, no papel de Nanda, uma mulher rica que sofre um golpe.[76] Em 2010, foi demitida do Saia Justa,[77][78] e passou a integrar o elenco da telenovela Passione, da Globo, no papel de Stella, uma mulher rica, mãe zelosa, infeliz com o casamento. Enquanto seu marido dá mais atenção à empresa da família e ao trabalho por ser um importante executivo, ela o trai com rapazes mais jovens.[79][80] Em 2012, interpretou a Sinházinha em Gabriela.[81]

Considerada por muitos uma das mais belas atrizes brasileiras, Proença já foi capa de revistas masculinas, como a edição brasileira da revista Playboy.[82][83] Foi uma das raras mulheres a ganhar um suplemento especial na revista.[84] Em 1987, após tantas recusas de convites para posar nua, finalmente aceitou, tornando-se um dos maiores símbolos sexuais do Brasil.[85][carece de fonte melhor] A edição vendeu 630 mil exemplares, o maior número de vendas no mercado editorial até então. Posaria uma segunda vez, em 1996, aos 38 anos, na paisagem da Sicília, e reconfirmaria o sucesso; desta vez, a revista alcançou a marca dos 720 mil exemplares vendidos.[83][86]

Em 2015, Proença estrou na novela Alto Astral como Kitty.[87][88][89] Em 2016, entrou para novela das 23h, Liberdade Liberdade[90][91] Após muitos anos de contrato fixo com a Rede Globo e fazendo parte do primeiro time da emissora, fãs são surpreendidos com a demissão da atriz em 2016, o que foi muito noticiado em sites e revistas. A atriz ficou revoltada com a emissora, na qual dedicou toda sua vida profissional.[92]

Filmografia

Televisão

Ano Título Personagem Notas
1979 Dinheiro Vivo Joana
1980 As Três Marias Maria da Glória (Glória)
1981 Jogo da Vida Carla Barros
1982 Sítio do Picapau Amarelo Bela Episódio: "A Bela e a Fera"
Elas por Elas Mulher nos sonhos de Yeda Episódio: "12 de setembro"
1983 Vídeo Show Apresentadora
1983 Quarta Nobre Eliana Episódio: "Mandrake"
1983 Guerra dos Sexos Juliana de Alcântara Pereira Barreto
1984 Marquesa de Santos Domitila de Castro Canto e Melo
1985 Um Sonho a Mais Valéria Moura Góes
1986 Dona Beija Ana Jacinta de São José (Dona Beija)
1987 Corpo Santo Adriana Ferreira
1987 Sassaricando Camila Abdalla Varella
1987–88 TV Manchete Apresentadora
1987–89 Programa de Domingo Apresentadora
1989 O Salvador da Pátria Clotilde Ribeiro
1991 O Sorriso do Lagarto Ana Clara
1991 Felicidade Helena Sousa
1993 Contos de Verão Pâmela Jordão
1993 Você Decide Episódio: "Máscara Negra"
1994 Episódio: "A Viúva Negra"
1994 Confissões de Adolescente Vivian Episódio: "Bárbara Vai a Luta"
1995 Cara & Coroa Heloísa Souto Brandão
1996 Você Decide Laureta Episódio: "O Fã"
1996 A Vida Como Ela É Várias personagens
1997 Sai de Baixo Patrícia Renta Episódio: "Bonitinho, Mais Ordinário"
1998 Torre de Babel Clara Soares
1999 Mulher Helena Episódio: "Perdas e Danos"
1999 Vila Madalena Eugênia Junqueira
2001 Estrela-Guia Kalinda Hanumam Episódio: "12 de março"
2002 Brava Gente Betina Episódio: "O Enterro da Cafetina"
2003 Malhação Daniela Correia Amorim Temporada 10
2004 Da Cor do Pecado Vera Campos Sodré (Verinha)
2005 A Lua Me Disse Regina Capítulos: "18–30 de abril de 2005"
2006–10 Saia Justa Apresentadora
2006 A Diarista Regiana Episódio: "Saia Injusta"
2008 Três Irmãs Walquíria Pascolli
2008 Faça Sua História Bebete Episódio: "O Califa de Copacabana"
2009 Caminho das Índias Fernanda Estavanato (Nanda)
2010 Passione Stella Gouveia
2012 Gabriela Dona Sinházinha Guedes Mendonça
2012 Guerra dos Sexos Madonna[93] Capítulos: "27–30 de outubro"
2014–15 Extra Ordinários Apresentadora
2015 Alto Astral Kitty Santana
2016 Tá no Ar: a TV na TV Helena[94][95] Episódio: "2 de fevereiro"
2016 Liberdade Liberdade Dionísia Raposo Viegas Manttini
2017 Me Chama de Bruna Miranda[96]

Cinema

Ano Título Personagem Notas
1979 O Eterno Adeus
1980 Prova de Fogo Sandra
1983 História Passional
1986 Sexo Frágil Ana
1987 Brasa Adormecida Bebel
1988 A Dama do Cine Shanghai Suzana
1989 Kuarup Maureen
1989 Solidão, uma Linda História de Amor
1990 Beijo 2348/72 Catarina
1995 16060 Eleanor
1998 Vox Populi Curta-metragem
1998 A Hora Mágica Susana/Lyla
1998 Paixão Perdida Anna Rondi
2000 Tolerância Márcia
2001 Bufo & Spallanzani Delfina Delamare
2001 A Partilha Ela Mesma
2001 Atlantis - O Reino Perdido Helga Voz na dublagem brasileira
2002 A Selva Dona Yayá
2004 Viva Sapato! Caroline
2005 Jogo Subterrâneo Mercedes
2005 Sal de Prata Estrela de Cinema
2007 Barros Rafaela Dantas Curta-metragem
2008 Onde Andará Dulce Veiga? Dulce Veiga
2010 Elvis & Madona Soraya
2012 Primeiro Dia de um Ano Qualquer Consuelo Castilhos[97]
2015 A Natureza está Falando Água Dublagem
2016 Meu Amigo Hindu Débora
2017 Bio Médica
2017 Sinopse[98] Curta-metragem

Internet

Ano Título Personagem/Cargo Plataforma
2013 Maitêndo Fundo[99] Ela Mesma Curta para o canal Porta dos Fundos)
2016 A Lenda do Mão de Luva Dionísia Websérie do Gshow
2019-presente Canal da Maitê Apresentadora YouTube

Teatro

Ano Título Personagem
1982 Mentiras Alucinantes de Um Casal Feliz
1988 As Guerreiras do Amor
1988 La Malasangre
1989 Na Sauna
1994 História de Nova York - Dorothy Parker
1994–95 Confissões das Mulheres de 30
2000–01 Isabel Princesa Isabel
2002 Paixão de Cristo da Nova Jerusalém Maria
2002–03 Com a Pulga Atrás da Orelha Madame Chandebise
2005–07 Achadas e Perdidas 18 personagens
2009 As Meninas
2013 À Beira do Abismo Me Cresceram Asas[100] Teresinha[101]
2017–18 A Esposa Ideal Alice

Publicações

Ano Título Referências 2015 Entre Ossos Agora[102] Escritora, Livro. PROENÇA, Maitê. Entre Ossos Agora. Rio de Janeiro: Record, 2015.
2018 A Mulher de Bath[103] – Adaptação do texto de Geoffrey Chaucer Adaptação de Texto, Teatro. PROENÇA, Maitê. A Mulher de Bath. São Paulo: Giostri, 2018.

Prêmios e indicações

Ano Prêmio Categoria Trabalho Resultado Ref
1982 Troféu APCA Atriz Revelação Jogo da Vida Venceu [104]
1983 Festival Internacional de Cali Melhor Atriz História Passional Venceu [104]
1984 2.º Rio Cine Fest Melhor Atriz Brasa Adormecida Venceu [104]
1987 II Festival de Cinema de Natal Melhor Atriz A Dama do Cine Shanghai Venceu [104]
1987 XV Festival dos Melhores do Ano CineSesc Melhor Atriz Venceu [104]
1995 Festival de Brasília Melhor Atriz 16060 Venceu [104]
1997 Festival de Salvador Melhor Atriz Vox Populi Venceu [104]
1998 3.º Brazilian Film Festival of Miami Melhor Atriz Coadjuvante A Hora Mágica Venceu [104]
2000 Prêmio Shell Melhor Atriz de teatro Isabel Indicado [104]
2004 Prêmio Qualidade Brasil Melhor Atriz Coadjuvante de televisão Indicado
2009 Prêmio Fieso Melhor Atriz Onde Andará Dulce Veiga? Indicado [104]
2010 Prêmio APTR Melhor Autora de Teatro As Meninas Venceu [104]

Vida pessoal

Lançou um livro em 2008, intitulado "Uma Vida Inventada", onde revela que teve seu primeiro namorado aos 16 anos, quando morava em Paris. Ele era um francês de 21 anos. Por descuido, após três meses de namoro, Maitê engravidou, e após diversas brigas que já vinham acontecendo, elas se agravaram devido a esta gestação inesperada, e ele decidiu que não a apoiaria, e após agredi-la, a abandonou grávida. Sem ter nenhuma condição emocional para ter um filho, ela fez um aborto em uma clínica local, e teve uma recuperação tranquila. Em entrevistas, Maitê revelou se sentir segura do que fez na época, por estar num país em que o aborto é legalizado, e principalmente, não se arrependeu do ato, informando que as mulheres precisam ter a liberdade do que fazer com sua vida e com seu próprio corpo.[105][106] A atriz teve diversos namorados. Em 1982, já de volta ao Brasil há alguns anos, decidiu viver com o noivo, Paulo Marinho,[107] ex-marido de Odile Rubirosa.[108] Eles viveram juntos 12 anos e da relação nasceu sua única filha, Maria, em outubro de 1990.[109][110] Em 1995, teve um breve namoro com o colega de elenco Victor Fasano. De 1996 a 2000, morou com seu namorado, Edgar Moura. De 2004 a 2007, teve um relacionamento com o assessor de imprensa Rodrigo Paiva.[111] Posteriormente, manteve um romance com o empresário carioca Toninho Dias Leite, e com o escritor português Miguel Sousa Tavares, além do empresário Alexandre Colombo, com quem ficou por dois anos, até 2011.[112][113]

Embora tenha mantido uma união estável, dividindo a mesma casa com Edgar Moura, por 4 anos, e com Paulo Marinho, por 12 anos,[107] descrito como "marido" em seu site pessoal,[114] a atriz nunca se casou no civil com nenhum dos dois parceiros. Se o fizesse, deixaria de receber a pensão paga pela SPPREV – São Paulo Previdência, que recebe desde 1989, ano de falecimento do pai. Segundo dados divulgados pela Revista Época, em 2013 o valor da pensão era de cerca de R$ 13 mil, chegando a R$ 21,5 mil em 2008.[115][116] O benefício é garantido pela lei complementar 180/1978, que determina que "A pensão atribuída ao incapaz ou inválido será devida enquanto durar a incapacidade ou invalidez e à filha solteira até o casamento."[117] Segundo a reportagem, uma prática comum entre muitas mulheres é fazer apenas um casamento religioso, viver com maridos e ter filhos, mas sem registrar a relação oficialmente para não perder o benefício.[116]

Em 24 de abril de 2020 anunciou que seria avó pela primeira vez, e que sua filha daria a luz em julho.[118]

Em agosto de 2020, a atriz revelou ter sido infectada pelo COVID-19.[119]

Controvérsias

Em outubro de 2009, circulou pela internet um vídeo[120] feito, em 2007, para o programa Saia Justa,[121] em que a atriz faz alguns comentários satíricos circulando por ruas e monumentos de Portugal.[122] Junto à fonte do claustro do Mosteiro dos Jerônimos, o vídeo mostra a atriz cuspindo dentro da fonte.[123] A atriz — em seu blog - diz que estava apenas imitando a estátua da fonte ao lado, que jorra água pela boca.[124] Após a sua exibição em telejornais portugueses, o vídeo gerou revolta de parte do público[125] que exigiu da parte dela, através de um abaixo-assinado online, um pedido de desculpas formais.[126][127] A retratação da atriz foi feita em 13 de outubro do mesmo ano[121] e reiterada.[128] A direção do canal GNT do Brasil também apresentou suas desculpas formais pelo sucedido.[129]

Em fevereiro de 2020 se envolveu em questões sobre política com a atriz Regina Duarte, que publicou um post no instagram com fotos de diversos atores, entre elas uma da atriz (Maitê Proença). Os artistas do post teriam apoiado a ida de Regina para a Secretaria de Cultura. Maitê Proença e outros atores do post enviaram publicaram mensagens pedindo a retirada de suas imagens e que não apoiavam o governo Bolsonaro pois, segundo eles, é o que a publicação de Regina dava a entender.[130]

"Eu também NÃO GOSTEI de ter sido usada em uma montagem q dá a entender o apoio a um governo que nao aprovo. Que fique claro. Nao aprovo este governo mas apoiarei até à morte o direito de quem pensa diferente de mim", diz a publicação de Maitê Proença.[131]

Referências

  1. «Maitê Proença escreve carta pedindo desculpas aos portugueses». Terra. 14 de outubro de 2009. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  2. «Maitê Proença: "Sexo não é fundamental"». Revista Marie Claire. 16 de junho de 2011. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  3. «Maitesão Proença». O incrível Ricky. Março de 1982. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  4. a b «Dez fatos surpreendentes sobre a vida de Maitê Proença». Bol. 28 de janeiro de 2019. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  5. «Além de Dennis Carvalho: Sete tragédias familiares que abalaram os famosos». Notícias da TV. 15 de janeiro de 2019. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  6. a b c d «Caso Família Proença». IstoÉ Gente. Terra. 3 de junho de 2002. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  7. Renato Kramer (1 de março de 2015). «'Eu nunca fui infeliz', diz Maitê Proença em entrevista». Folha de S. Paulo. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  8. «Maitê Proença». Gente - Ig. 2012. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  9. «Maitê Proença». Memória Globo. 2020. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  10. Maria Fortuna (16 de setembro de 2019). «'Sou um poço de carência', diz Maitê Proença». O Globo. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  11. Nina Lemos (1 de novembro de 2003). «MAITÊ PROENÇA, À PROVA DE BALA». Revista Trip. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  12. «Entrevista». TPM. 2003. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  13. «Maitê Proença no centro do Roda Viva». TV Brasil. 15 de outubro de 2013. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  14. a b «MAITÊ PROENÇA DIZ QUE CHÁ ALUCINÓGENO "NÃO É DIVERTIDO"». Vírgula. 30 de julho de 2009. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  15. «Famosos que já tomaram ayahuasca falam o que pensam sobre o polêmico chá». R7. 12 de março de 2016. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  16. «MAITÊ PROENÇA REVELA EXPERIÊNCIA COM DROGAS: 'TOMEI TRÊS ANOS'». Extra. 28 de junho de 2014. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  17. «Maitê Proença conta experiência com drogas: "Tomei três anos, quatro vezes por semana"». R7. 28 de junho de 2016. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  18. Valmir Moratelli (25 de novembro de 2014). «Maitê Proença: "Larguei todas as drogas que usei sem sofrimento" - Edição 740 (14/11/2014)». Revista Quem. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  19. «Maitê Proença». Terra. 2008. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  20. Dirceu Alves Jr. (16 de fevereiro de 2004). «Maitê Proença». IstoÉ Gente. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  21. «Maitê Proença». Terra. 2008. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  22. Laura Lorenzo (26 de novembro de 2016). «Após 37 anos na Globo, contrato de Maitê Proença não é renovado». Metro1. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  23. «Maitê Proença fala sobre facilidade com nudez: 'Não vim de uma família moralista'». Extra. Yahoo. 27 de junho de 2020. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  24. «Dia de celebração! Sempre bela, Maitê Proença comemora aniversário». GShow. 28 de janeiro de 2014. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  25. «Maitê chegou lá». IstoÉ. 22 de agosto de 1984. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  26. «Jogo da Vida». Memória Globo. 2020. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  27. «MENTIRAS ALUCINANTES DE UM CASAL FELIZ». Site de Maitê Proença. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  28. «Guerra dos Sexos - 1ª versão». Memória Globo. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  29. Heloisa Noronha (7 de setembro de 2019). «Dom Pedro I e Marquesa de Santos: detalhes picantes dessa história de amor». Uol. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  30. «Um Sonho a Mais». Memória Globo. 2020. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  31. Ataide de Almeida Jr. (27 de abril de 2014). «Novela Dona Beija fez despontar emissora no cenário internacional». Divirta-se Mais. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  32. Mabi Barros (30 de julho de 2020). «De Maitê a Bruna: 'nudes' que marcaram a história da TV». Veja. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  33. Fábio Costa (2018). «Nos 35 anos da Rede Manchete, relembre a trajetória da teledramaturgia da emissora». Observatório da TV. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  34. «Após "Liberdade, Liberdade", Globo não renova contrato com Maitê Proença». Uol. Bol. 30 de novembro de 2016. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  35. Aurora Aguiar (17 de março de 2008). «Edson Celulari e Claudia Raia». Terra. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  36. «1986, 1987 e 1989». Site de Maitê Proença. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  37. «La malasangre». Instituto Augusto Boal. 2018. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  38. «A Dama do Cine Shangai». Enciclopédia Itaú Cultural. 4 de maio de 2018. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  39. «Maitê Proença». Memória Globo. 2020. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  40. «O Salvador da Pátria». Memória Globo. 2020. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  41. «NUDEZ DE MAITÊ PROENÇA, QUE VAI CUMPRIR A PROMESSA DE TIRAR A ROUPA PELO BOTAFOGO, SEMPRE FOI MOTIVO DE POLÊMICA; RELEMBRE!». Extra. 16 de novembro de 2015. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  42. «VOCÊ SABIA?: A Vida Como Ela É teve 40 episódios feitos em 9 meses». Rede Globo. 7 de janeiro de 2012. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  43. «Vox Populi - 19 min». Canal Curta!. 2020. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  44. «ELENCO». Casa Cine POA. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  45. «A Hora Mágica». EBC. 29 de janeiro de 2011. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  46. «Khouri desperdiça imagens em Paixão Perdida». Terra. 1999. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  47. Thell de Castro (9 de outubro de 2016). «Em 1998, público rejeitou vilão rancoroso do 'bom-moço' Tony Ramos». Notícias da TV. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  48. «'Três Mosqueteiros' sai dos palcos e chega à tela da Globo». Folha de S. Paulo. 25 de dezembro de 2019. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  49. Patrícia Vilani (28 de outubro de 2000). «Maitê Proença: estrela e bela aos 40 anos». Diário do Grande ABC. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  50. «Cariocas assistem a "Bufo & Spallanzani"». Folha de S. Paulo. 14 de outubro de 2000. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  51. «Vila Madalena». Memória Globo. 2020. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  52. Alessandro Gianinni. «Maitê Proença: A dama da telona». IstoÉ Gente. Terra. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  53. «Estrela-Guia». Memória Globo. 2020. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  54. Camila Marques (1 de junho de 2005). «"A Selva" desvenda a Amazônia dos "escravos da borracha"». Folha de S. Paulo. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  55. «Viva Sapato! (2004)». Rio Filme. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  56. Mariana Monzillo (9 de setembro de 2002). «Com a Pulga Atrás da Orelha». IstoÉ Gente. Terra. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  57. «Paixão de Cristo é encenada no interior de Pernambuco». Agência Brasil. 23 de março de 2002. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  58. «Maitê Proença fala sobre liberdade, literatura e desafios». Revista Viver. 3 de abril de 2016. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  59. «MAITÊ PROENÇA CONTA POR QUE VAI SAIR DE MALHAÇÃO». Vírgula. 21 de agosto de 2003. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  60. Rubens Ewald Filho (2004). «Jogo Subterrâneo (2004)». Uol. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  61. «Vilões serão punidos no final de "Da Cor do Pecado"». Estadão. 19 de agosto de 2004. Consultado em 17 de outubro de 2013 
  62. «Após oito anos, veja como estão os atores da novela "Da Cor do Pecado"». Uol. Consultado em 17 de outubro de 2013 
  63. «ENTRE OSSOS AGORA». Site de Maitê Proença. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  64. «Maitê Proença lança livro com seleção de crônicas». O Estado de S. Paulo. 16 de dezembro de 2004. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  65. «A Lua me Disse». Memória Globo. 16 de dezembro de 2004. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  66. Daniel Schenker Wajnberg (2007). «Achadas e Perdidas». IstoÉ Gente. Terra. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  67. «"Saia Justa" recomeça hoje com Maitê Proença e Ana Carolina». Folha de S. Paulo. 2 de agosto de 2006. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  68. «UMA VIDA INVENTADA». Site de Maitê Proença. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  69. «Maitê Proença lança a peça 'As meninas' em São Paulo». Ego. 13 de março de 2010. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  70. «Peça de Maitê Proença estreia no Rio». Revista Caras. 4 de junho de 2009. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  71. «Novela terá cenas em Bali». Rede Globo. 4 de julho de 2008. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  72. «Depois de dois anos, Maitê Proença volta às novelas». Glamurama. 14 de julho de 2008. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  73. «Comentário: Com apelo gay, "Onde Andará Dulce Veiga?" cativa por experimentalismo». Bol. 27 de junho de 2008. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  74. «Maitê Proença sofre acidente durante fim de semana em Minas». Ego. 18 de setembro de 2008. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  75. Melissa Tavanez (14 de outubro de 2009). «Maitê Proença compara o seu humor ao dos Gato Fedorento». Caras. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  76. «Maitê Proença grava primeiras cenas em Caminho das Índias». GShow. 26 de junho de 2009. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  77. «Maitê Proença, Márcia Tiburi e Betty Lago são demitidas do Saia Justa». Glamurama. 20 de maio de 2010. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  78. «Apresentadoras do "Saia Justa" são demitidas». Bol. 20 de maio de 2010. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  79. «'Passione': Maitê Proença trai o marido com garotões na trama». Extra. 15 de maio de 2010. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  80. «Maitê Proença justifica a infidelidade de sua personagem em "Passione"». Uol. 14 de maio de 2010. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  81. «Maitê Proença se diz decepcionada com notícias "falsas" sobre alteração no elenco de 'Gabriela'». Caras. 22 de maio de 2012. Consultado em 25 de maio de 2012 
  82. «Os devaneios de Maitê Proença, uma das mulheres mais bonitas do Brasil». Glamurama. 5 de março de 2016. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  83. a b «Dona de vida conturbada, Maitê Proença completa 55 anos». Folha de S. Paulo. 5 de março de 2016. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  84. «AS RECORDISTAS DA PLAYBOY». Vila Mulher. 2020. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  85. «Maitê Proença, sobre primeiro ensaio para a Playboy: "Quase desmaiei, fiquei três dias sem comer"». Diário Gaúcho. 13 de agosto de 2015. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  86. «Maitê Proença diz que posaria nua novamente se fosse algo "muito diferente"». Correio 24 horas. 7 de agosto de 2010. Consultado em 9 de agosto de 2020 
  87. http://www.purepeople.com.br/noticia/-alto-astral-comeca-nesta-segunda-saiba-quem-e-quem-na-nova-novela-das-sete_a29288/1#lt_source=external,manual Família Santana
  88. Keila Jimenez (12 de fevereiro de 2015). «Maitê Proença entra em 'Alto Astral' como Kitty, irmã de Samantha paranormal; veja». F5 - televisão. Outro Canal. Consultado em 12 de fevereiro de 2015 
  89. Natália Boere (13 de fevereiro de 2015). «Aos 56 anos, Maitê Proença entra em 'Alto astral' como ex-miss e fala sobre o corpo: 'Acho que está bom assim. Adequado'». O Globo. Revista da TV. Consultado em 21 de fevereiro de 2015 
  90. Carla Bittencourt (4 de fevereiro de 2016). «Maitê Proença tenta matar marido em "Liberdade, Liberdade"». Extra. TV e Lazer. Consultado em 22 de março de 2016 
  91. «Atores relembram papéis históricos durante mesão do 'Criança Esperança'». Consultado em 4 de julho de 2016 
  92. [[1]]
  93. «Cinco superatrizes chegam em Guerra dos Sexos para enlouquecer Edson Celulari» 
  94. «Ex-Casseta insiste em continuar sendo sem graça». R7. Consultado em 16 de junho de 2014. Arquivado do original em 14 de junho de 2014 
  95. «Histórico! "Tá no Ar" promove encontro de todas as Helenas de Manoel Carlos». Gsow 
  96. «Longe da Globo, Maitê Proença vive lésbica em série brasileira da Fox». Observatório de Televisão. Consultado em 13 de outubro de 2017 
  97. {{citar web|url=http://noticias.bol.uol.com.br/entretenimento/2012/10/01/maite-proenca-abre-sua-casa-para-longa-repleto-de-relacoes-de-afeto-de-domingos-oliveira.jhtm%7Ctítulo=Maitê Proença empresta sua casa para filme repleto de afeto de Domingos Oliveira|data=1 de outubro de 2012|publicado=BOL|acessodata=1 de outubro de 2012}}
  98. «Maitê Proença estrela 'Sinopse', curta-metragem juiz-forano». Tribuna de Minas. Consultado em 29 de dezembro de 2017 
  99. «Maitê Proença protagonizou o episódio 'Maitêndo Fundo', do 'Porta dos Fundos'. O vídeo já tem mais de 5 milhões de exibições...». Pure People 
  100. «À Beira do Abismo me Cresceram Asas - Maitê Proença assina, dirige e atua em espetáculo». Globo Teatro. Consultado em 19 de setembro de 2013. Arquivado do original em 8 de agosto de 2013 
  101. «Crítica: No fim do túnel da vida, Maitê Proença cria asas e ensina a voar em espetáculo comovente». R7. 26 de junho de 2013. Consultado em 19 de setembro de 2013 
  102. http://g1.globo.com/rio-de-janeiro/noticia/2015/06/maite-proenca-lanca-6-livro-neste-domingo-no-rio-entre-ossos-agora.html
  103. https://vejasp.abril.com.br/atracao/a-mulher-de-bath/
  104. a b c d e f g h i j k «Trabalhos e Prêmios; Maite Proença». Fernanda Ribas. Consultado em 29 de dezembro de 2017. Arquivado do original em 30 de dezembro de 2017 
  105. [[2]]
  106. [[3]]
  107. a b «Parabéns, Maitê!». Quem. 25 de janeiro de 2012. Cópia arquivada em 3 de março de 2016 
  108. «Maitê chegou lá». Isto é. 22 de agosto de 1984. Arquivado do original em 4 de janeiro de 2014 
  109. «Maitê Proença: Edição e humor no terceiro livro». Caras. 16 de maio de 2013 
  110. «"Não tenho vocação artística", diz filha de Maitê Proença». Uol. 7 de maio de 2013 
  111. «Maitê Proença encontra os ex no Leblon». Isto é Gente. 26 de fevereiro de 2008 
  112. «Maitê Proença termina relacionamento com Alexandre Colombo». Contigo. 15 de fevereiro de 2011. Arquivado do original em 9 de outubro de 2013 
  113. «Biografia Completa de Maitê Proença». Ig. Consultado em 5 de agosto de 2013 
  114. «Vida » Vida e obra » 1980». maite.com.br. Consultado em 24 de maio de 2016. Cópia arquivada em 26 de maio de 2016 
  115. https://www.conjur.com.br/2008-out-31/maite_proenca_nao_justica_furar_teto_pensao
  116. a b «As filhas de servidores que ficam solteiras para ter direito a pensão do Estado - ÉPOCA - Vida». Revista Época. Consultado em 24 de maio de 2016. Cópia arquivada em 26 de dezembro de 2013 
  117. «Lei Complementar nº 180, de 12 de maio de 1978 - Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo». Assembleia Legislativa de São Paulo. Consultado em 24 de maio de 2016. Cópia arquivada em 24 de maio de 2016 
  118. [[4]]
  119. «Maitê Proença revela que teve Covid-19: "Não podia contar para ninguém"». Revista Quem. 14 de agosto de 2020. Consultado em 15 de agosto de 2020 
  120. «Excerto do Vídeo, RTP1, 13 de outubro de 2009.» 🔗 
  121. a b «Entrevista com Paulo Querido». 13 de outubro de 2009. Consultado em 13 de outubro de 2009  |coautores= requer |autor= (ajuda)
  122. «Maitê Proença satiriza mas diz que ama Portugal» 
  123. «Notícia do Jornal de Notícias» 
  124. «Blog oficial de Maitê Proença». Arquivado do original em 5 de outubro de 2009 
  125. «Vídeo de Maitê Proença ofende portugueses». 13 de outubro de 2009 [ligação inativa]
  126. «Maitê Proença - Que tal proibir-lhe a entrada no País?, Luisa Castel-Branco - Destak, 13 de outubro de 2009.» 🔗 
  127. «Petição exigindo um pedido de desculpas por parte da atriz pelo vídeo realizado» 
  128. «Maitê Proença grava pedido de desculpas aos portugueses». Folha de S.Paulo. 13 de outubro de 2009. Consultado em 14 de outubro de 2009 
  129. «Direção do Canal GNT do Brasil apresenta desculpas formais aos portugueses» 
  130. «Regina Duarte expõe artistas que a teriam apoiado e é criticada por eles». Congresso em Foco. 1 de fevereiro de 2020. Consultado em 4 de setembro de 2020 
  131. Soares', 'Ingrid (1 de fevereiro de 312). «Maitê Proença e outros artistas reclamam de postagem de Regina Duarte». Acervo. Consultado em 4 de setembro de 2020  Verifique data em: |data= (ajuda)

Ligações externas

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Maitê Proença