Vera Fischer

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Vera Fischer
Vera em 2004.
Nome completo Vera Lúcia Berndt Fischer[1][2]
Nascimento 27 de novembro de 1951 (68 anos)[3]
Blumenau, SC
Nacionalidade brasileira
Residência Rio de Janeiro, RJ
Ocupação atriz
Atividade 1972–presente
Cônjuge Perry Salles (c. 1972–87)
Felipe Camargo (c. 1988–95)
Outros prêmios

Vera Lúcia Berndt Fischer (Blumenau, 27 de novembro de 1951)[1][2][4] é uma atriz e ex-modelo brasileira. De ascendência alemã, Fischer começou sua vida profissional como modelo, sendo vencedora do concurso Miss Brasil 1969. Seu primeiro trabalho artístico foi no cinema em 1972, quando interpretou Angela em Sinal Vermelho - As Fêmeas; mas seu destaque mesmo foi no filme Intimidade, dando sua vida a personagem Tânia Velasco, no qual foi eleita Melhor Atriz pelo Troféu APCA. Na televisão, por outro lado, fez sua estreia em 1977 na telenovela Espelho Mágico, mas só foi reconhecida quatro anos depois, ao viver Luiza em Brilhante, no qual lhe garantiu indicação como Melhor Atriz no Troféu Imprensa.

Na televisão, Vera Fischer realizou inúmeros papéis em telenovelas, minisséries e programas, também sendo reconhecida pela indicação de Melhor Atriz em Mandala, O Clone e Laços de Família; esta última, por sua vez, ganhou o prêmio de Melhor Atriz de Novela pelos Melhores do Ano de 2000. No cinema, destacou-se ao viver a prostituta Anna, personagem que lhe garantiu como melhor atriz no Prêmio Air France e no Festival de Brasília. Além disso, Fischer também foi homenageada em 2017 com o Prêmio Sesc e, dois anos depois, com o Festival de Vitória e Prêmio The Winner Awards.

Quanto à vida pessoal, Vera Fischer foi casada com o diretor Perry Salles por quinze anos e teve uma filha. Em 1988, casou-se com o ator Felipe Camargo, tiveram um filho e ambos ficaram juntos até 1995, quando decidiram terminar o relacionamento. Posteriormente, Fischer namorou os atores Floriano Peixoto, Murilo Rosa e o humorista Paulinho Serra.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Descendência de alemães e Miss Brasil[editar | editar código-fonte]

Vera Fischer nasceu em uma família de classe média, de origem alemã, na cidade de Blumenau, no Vale do Itajaí, Santa Catarina. A mãe, Hildegard Berndt, era uma brasileira neta de alemães, e o pai, Emil Fischer, era alemão nato, natural de Karlsruhe. Em sua autobiografia, Vera classificou seu pai como "nazista convicto", o qual era agressivo com ela e a obrigava a ler Mein Kampf, obra escrita pelo ditador Adolf Hitler.[5] Segundo Vera, a relação dos dois nunca foi boa, embora ela o admirasse.[6][7]

Até os cinco anos de idade, Vera apenas falava alemão, vindo a aprender português na escola. Seu pai era comerciante, dono de uma loja de tecidos, e sua mãe era costureira, e trabalhava na fábrica de linhas Hering. De família luterana, Vera estudou em colégio católico, e frequentava os cultos luteranos aos domingos, e missas na igreja católica às sextas-feiras.[7]

Aos dezessete anos, Vera Fischer participou do concurso de modelo Miss Blumenau, do qual foi vencedora.[8] O resultado lhe garantiu a participação no Miss Brasil 1969, no Ginásio do Maracanãzinho, no Rio de Janeiro, no qual também foi coroada como primeira colocada do concurso nacional.[8] Por outro lado, Fischer ainda não podia ser participante do Miss Universo daquele ano, uma vez que só era permitido quem já tinha dezoito anos; contudo, ela mesma decidiu falsificar os documentos e revela: "Durante muitos anos o meu passaporte e a carteira de identidade tiveram um ano a mais. Há pouco tempo que eu atualizei. Foi divertido."[8]

Carreira na televisão[editar | editar código-fonte]

Vera Fischer já trabalhou com o ator Tarcísio Meira no seriado Tarcísio e Glória (1988).

Sua estreia ocorreu em 1977 na telenovela Espelho Mágico, da Rede Globo, no qual interpretou Diana e Débora.[9] Nos dois anos seguintes, deu vida às personagens Sula Montenegro e Helena Porto em Sinal de Alerta e Os Gigantes, respectivamente.[10][11] Em 1980, foi Vivian Ribas em Coração Alado.[12] No ano seguinte, fez uma participação especial na série Obrigado, Doutor, mas foi no papel de Luiza em Brilhante que a atriz recebeu sua primeira indicação como Melhor Atriz no Troféu Imprensa.[13][14][15] Em 1987, interpretou Jocasta na telenovela Mandala, personagem que garantiu a segunda indicação como Melhor Atriz no Troféu Imprensa.[16][17]

Em 1990, deu vida a Eduarda na minissérie Riacho Doce e logo em seguida encarnou Anna de Assis em Desejo.[18][19] Dois anos depois, interpretou Cidinha na telenovela Perigosas Peruas.[20] Nos anos de 1993 a 1996, foi Alice da obra Agosto; Lídia Laport em Pátria Minha e Nena Mezenga em O Rei do Gado.[21][22][23] Vera fechou a década de 1990 no programa Você Decide, no episódio "Amor e Traição" como Annie; na telenovela Pecado Capital como Laura e fazendo uma participação especial em O Belo e as Feras, no episódio "Casa de Malandro, Espeto de Chifre".[24][25][26]

Iniciou a década de 2000 interpretando Helena na telenovela Laços de Família, sendo indicada ao Troféu Imprensa de 2001 como Melhor Atriz e vencedora do Melhores do Ano de 2000, na categoria Melhor Atriz de Novela.[27][28][29] No ano seguinte, foi Yvete em O Clone, papel que rendeu outra indicação em sua área no Troféu Imprensa de 2002.[30][31] Em 2003, foi Antônia em Agora É Que São Elas, e nos dois anos posteriores, deu vida às personagens Vera Robinson em Senhora do Destino e Úrsula em América.[32][33][34]

Em 2007, participou da minissérie Amazônia, de Galvez a Chico Mendes, como Lola.[35] No ano seguinte, atuou como a fotógrafa Dolores na telenovela Duas Caras e logo em seguida, fez uma participação especial como Vera no episódio "O Desejo Escondido, o Cara Deprimido e o Livro Roubado", na série Casos e Acasos.[36][37] Em 2009, interpretou Chiara em Caminho das Índias e, posteriormente, fez uma participação como Celeste na série Afinal, o Que Querem as Mulheres?.[38][39]

Em 2011, deu vida a Catarina Diniz na telenovela Insensato Coração.[40] No ano seguinte, interpretou Irina (Simone) em Salve Jorge.[41] Posteriormente, voltaria à televisão em 2018 como Ana Tanquerey em Malhação: Vidas Brasileiras; Haydée em Assédio, série da Globoplay e em Espelho da Vida, como Maria do Carmo e Gertrudes.[42][43]

Carreira no cinema[editar | editar código-fonte]

Vera Fischer em cenas do filme Sinal Vermelho - as Fêmeas (1972).

Estreou como atriz no cinema em 1972, interpretando Angela em Sinal Vermelho - as Fêmeas.[44] No ano seguinte, participou de três filmes: Eva em A Super Fêmea, Laura em Anjo Loiro e Fernanda em As Delícias da Vida.[45][46][47] Em 1974, trabalhou em dois longas: Lígia em Essa Gostosa Brincadeira a Dois e Juliano na comédia Macho e Fêmea.[48][49]

Seu primeiro trabalho de destaque foi em 1976 no filme Intimidade, pois sua personagem Tânia Velasco lhe garantiu o prêmio de melhor atriz no Troféu APCA.[50][51] Cinco anos mais tarde, foi Judite em Perdoa-me por Me Traíres.[52] Em 1981, esteve em dois longas: como Ritinha/Bonita em Bonitinha, mas Ordinária ou Otto Lara Resende e como Bárbara Bergman em Eu Te Amo.[53][54]

No filme Amor Estranho Amor, lançado em 1982, interpretou a prostituta Anna, papel que lhe garantiu os prêmios de melhor atriz no Prêmio Air France e Festival de Brasília.[55][51][56] Naquele mesmo período, também foi a personagem principal de Dora Doralina.[57] Dois anos depois, participou de dois longas: Anna em Amor Voraz e Ana de Ferro em Quilombo.[58][59] Vera encerrou a década de 1980 como Letícia de Doida Demais.[60]

Em 1990, foi Sra Watts em O Quinto Macaco e no ano seguinte, foi Cristina em Forever.[61][62] Em 1993, participou do filme Fala Baixo, Senão Eu Grito, até interpretar Neusa Sueli em Navalha na Carne, quatro anos mais tarde.[63][64] Em 2002, foi a Rainha Dara em Xuxa e os Duendes 2: No Caminho das Fadas, retornando às telonas em 2019, como Gilda em Quase Alguém.[65][66]

Carreira no teatro[editar | editar código-fonte]

No teatro, atua em grandes produções, como Negócios de Estado, Macbeth (1992), Desejo (1993), Gata em Teto de Zinco Quente (1998), A Primeira Noite de um Homem (2004) e Porcelana Fina (2006). Em 2015, Vera retornou aos palcos com a peça Relações Aparentes, do britânico Alan Ayckbourn. Em entrevista ao programa Altas Horas, de Serginho Groisman, a atriz afirmou que se apaixonou apenas duas vezes na vida: uma vez por Perry Salles, seu primeiro marido, e outra por seu segundo marido, Felipe Camargo. Voltou as novelas no ano de 2018, como coadjuvante na trama do horário das seis, Espelho da Vida. Em 2019 Vera Fischer retorna ao cinema no filme Quase Alguém.[67]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

A atriz Vera Fischer em 2006.

Em 1970 começou a namorar o diretor Perry Salles, com quem foi casada entre 1972 a 1987 e teve uma filha, Rafaela Fischer (1979). Em 1987, durante as gravações da telenovela Mandala, começou a namorar o ator Felipe Camargo, com quem foi casada de 1988 a 1995 e teve um filho, Gabriel Fischer, nascido em 1993.[68]

Em 1997 foi internada em uma clínica para dependentes químicos e perdeu a guarda do filho. O casamento conturbado ganhou as capas dos jornais e revistas diversas vezes devido as traições, agressões físicas de ambas as partes e constantes brigas do casal, inclusive nos bastidores de Pátria Minha, que gerou uma suspensão dos dois da telenovela. Após a separação, Vera e Felipe entraram em uma batalha judicial pela guarda do filho, que acabou ficando com o ator devido ao momento instável que a atriz vivia em relação ao abuso de drogas.[69]

Entre 1997 e 1999 namorou o ator Floriano Peixoto.[70] Em novembro de 2001, conheceu o ator Murilo Rosa numa gravação de clipe da cantora Ivete Sangalo no Rio de Janeiro, mas o início do namoro só ocorreu na festa de aniversário da atriz, em dezembro daquele ano, com relação assumida durante a véspera de ano-novo, na Praia de Copacabana.[71] A relação durou apenas oito meses, e o casal terminou em setembro de 2002.[72][73] Em 2004 namorou o humorista Paulinho Serra.[74] Em julho de 2011 voltou a ser internada, três meses depois de ter feito uma participação na novela Insensato Coração.[75]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Ano Título Personagem Notas
1977 Espelho Mágico Diana Queiroz / Débora
1978 Sinal de Alerta Sulamita Montenegro (Sula)
1979 Os Gigantes Helena Porto
1980 Coração Alado Vívian Ribas
1981 Obrigado, Doutor Helena[76] Episódio: "Por um Fio de Vida"
Brilhante Luiza Sampaio
1983 Quarta Nobre Claudia Prado Episódio: "Tua"
1987 Mandala Jocasta Silveira
1988 Tarcísio e Glória Lucrécia Episódio: "Um Banho de Loja"
1990 Riacho Doce Eduarda
Desejo Ana Emília Ribeiro (Saninha)
1992 Perigosas Peruas Maria Aparecida Falcão Belotto (Cidinha)
1993 Agosto Alice
1994 Pátria Minha Lídia Thompson Laport
1996 O Rei do Gado Nena Mezenga Episódio: "17 de junho"
1998 Você Decide Annie Episódio: "Amor e Traição"
Pecado Capital Laura Medeiros Lisboa
1999 O Belo e as Feras Celeste Episódio: "Casa de Malandro"
2000 Laços de Família Helena Lacerda Soriano
2001 O Clone Yvete Simas
2003 Agora É que São Elas Antônia Mendes Galvão
2004 Senhora do Destino Vera Barroso Robinson Episódios: "2–8 de outubro"
2005 América Úrsula Garcez Episódio: "3–5 de novembro"
2007 Amazônia Lola Episódios: "2–16 de janeiro"
Duas Caras Dolores Maciel Episódios: "1–19 de abril"
2008 Casos e Acasos Vera Episódio: "O Desejo Escondido"
2009 Caminho das Índias Chiara Bittencourt
2010 Afinal, o Que Querem as Mulheres? Celeste Monteiro Episódio: "11 de novembro"
2011 Insensato Coração Catarina Diniz Episódios: "16–18 de abril"
2012 Salve Jorge Irina Drummond / Simone
2018 Malhação: Vidas Brasileiras Ana Tanquerey[77] Episódio: "6–23 de abril"
Assédio Haydée[78] Episódio: "O Julgamento"
Espelho da Vida Carmo[79]
Gertrude[79][80]

Cinema[editar | editar código-fonte]

Ano Título Personagem
1972 Sinal Vermelho - as Fêmeas Angela[81]
1973 A Superfêmea Eva
Anjo Loiro Laura[82]
As Delícias da Vida Fernanda[83]
1974 Essa Gostosa Brincadeira a Dois Lígia
Macho e Fêmea Juliano (Mulher)
1975 Intimidade Tânia Velasco
1980 Perdoa-me por Me Traíres Judite
1981 Bonitinha mas Ordinária ou Otto Lara Resende Ritinha/Bonitinha
Eu Te Amo Barbara Bergman
1982 Amor estranho amor Anna
Dora Doralina Dora
1984 Amor Voraz Anna
Quilombo Ana de Ferro
1989 Doida Demais Letícia
1990 O Quinto Macaco Mrs. Watts
1991 Forever Cristina Teller
1993 Fala Baixo, Senão Eu Grito
1997 Navalha na Carne Neuza Suely
2002 Xuxa e os Duendes 2 - No Caminho das Fadas Rainha Dara
2019 Quase Alguém Gilda Borba

Teatro[editar | editar código-fonte]

Ano Título
1983 Os Desinibidos, de Roberto Athayde, direção de Aderbal Freire Filho
1984 Negócios de Estado, de Louis Verneuil, direção de Flávio Rangel
1992 Macbeth, de William Shakespeare, direção de Ulysses Cruz
1993 Desejo, de Eugene O'Neill, direção de Ulysses Cruz
1998 Gata em Teto de Zinco Quente, de Tennessee Williams, direção de Moacyr Góes
2004 A Primeira Noite de um Homem, de Charles Webb, direção de Miguel Falabella
2006 Porcelana Fina, de Georges Feydeau, direção de Antônio Pedro Borges
2007 Confidências (monólogo de Perry Salles, com a direção de Vera Fischer)
2015 Relações Aparentes, de Alan Ayckbourn, direção de Ary Coslov
2017 Ela é o Cara, de Márcio Araújo e Andrea Batitucci, direção de Ary Coslov
2017 Doce Pássaro da Juventude, de Tennessee Williams, direção de Gilberto Gawronski
2019 Quando Eu For Mãe Quero Ser Desse Jeito, de Eduardo Bakr, direção de Tadeu Aguiar

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Ano Premiação Categoria Nomeação Resultado
1977 Troféu Associação Paulista de Críticos de Arte (APCA) Melhor atriz de cinema
Intimidade
Venceu
1981 Troféu Imprensa Melhor atriz
Brilhante
Indicado
Prêmio Air France de Cinema Melhor Atriz
Amor Estranho Amor
Venceu
1982 Troféu Candango do Festival Internacional de Cinema de Brasília[84] Melhor atriz Venceu
1987 Troféu Imprensa Melhor atriz
Mandala
Indicado
2000 Troféu Imprensa Melhor atriz
Laços de Família
Indicado
Troféu Domingão de Melhores do Ano Melhor atriz de novela Venceu
2001 Troféu Imprensa Melhor Atriz
O Clone
Indicado
2017 Prêmio Sesc do Teatro Candango Homenagem
Carreira
Venceu
2019 Festival de Vitória - Vitória Cine Vídeo[85] Conjunto da Obra Venceu
Prêmio The Winner Awards[86] Contribuição no Meio Artístico
Homenagem
Venceu

Referências

  1. a b «Uol entretenimento Artistas de A-Z». uol. Consultado em 23 de Janeiro de 2015 
  2. a b «VERA FISCHER». Portal Globo/Ego. Consultado em 23 de Janeiro de 2015 
  3. «Vera Fischer - IMDb». www.imdb.com. Consultado em 13 de fevereiro de 2011 
  4. «Arquivo VEJA». 5 de novembro de 2007. Consultado em 12 de novembro de 2016 
  5. «A Notícia Traduz o seu mundo». www.an.com.br. Consultado em 12 de novembro de 2016 
  6. «Meu pai era nazista e mandava eu ler Hitler", diz Vera Fischer». Arquivado do original em 21 de janeiro de 2009 
  7. a b FISCHER, Vera. Vera, a pequena moisi. Editora Globo, 2007
  8. a b c Paula, Fábio Luís de (27 de junho de 2019). «Eleita miss Brasil há 50 anos, Vera Fischer diz que só participou do concurso para ser livre». Folha de S.Paulo. Consultado em 19 de agosto de 2020 
  9. Xavier, Nilson. «Espelho Mágico». Teledramaturgia. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  10. Veruska (31 de julho de 1978). «Sinal de alerta». O Fluminense. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  11. «Personagens - Os Gigantes». Memória Globo. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  12. Campos, Cidinha (13 de agosto de 1980). «O show da estreia de "Coração Alado"». O Fluminense. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  13. Xavier, Nilson. «Obrigado Doutor». Teledramaturgia. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  14. Campos, Cidinha (22 de setembro de 1981). «Casamento de Débora e Caê enche a Candelária». O Fluminense. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  15. «Troféu Imprensa 1981». Terra. Consultado em 18 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 16 de maio de 2007 
  16. Cezimbra, Márcia (29 de agosto de 1987). «Que Édipo resiste a uma Jocasta desta?». Jornal do Brasil. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  17. «Troféu Imprensa 1987». Terra. Consultado em 18 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 6 de dezembro de 2006 
  18. Pastore, Karina (22 de setembro de 1990). «Sexo, drogas em videotape». Jornal do Brasil. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  19. Abruzzini, Gustavo (2 de maio de 1990). «Tragédia sem ponto final». Tribuna da Imprensa. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  20. «Vem aí a 'perua' atrapalhada e divertida». O Fluminense. 26 de janeiro de 1992. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  21. Cople, Cristina (27 de novembro de 2015). «Vera Fischer faz 64 anos e avisa: 'Estou certa que uma grande personagem me aguarda'». Gshow. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  22. Rocha, Arlete (23 de julho de 1994). «Lídia força separação». Jornal do Brasil. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  23. Soares, Mônica (25 de maio de 1996). «Amor proibido é tema da próxima novela das oito». Jornal do Brasil. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  24. SuperTV (26 de novembro de 1998). «Trágico triângulo». Jornal do Brasil. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  25. Dobbs, Fábio (8 de março de 1999). «Os desafios de um eterno galã». O Fluminense. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  26. Xavier, Nilson. «O Belo e as Feras». Teledramaturgia. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  27. Dobbs, Fábio (13 de fevereiro de 2000). «Filho da mãe». O Fluminense. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  28. «Troféu Imprensa 2001». Terra. Consultado em 18 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 6 de dezembro de 2006 
  29. «Troféu Domingão - Melhores do Ano». Domingão do Faustão. Consultado em 18 de agosto de 2020. Clicar em Melhor Atriz e ver a linha do tempo 
  30. Teixeira, Rodrigo (30 de setembro de 2001). «Quem é Quem». O Fluminense. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  31. «Troféu Imprensa 2002». Terra. Consultado em 18 de agosto de 2020. Cópia arquivada em 6 de dezembro de 2006 
  32. «Agora é Ela». Correio Braziliense. 22 de fevereiro de 2003. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  33. «Vera Fischer será vilã em "Senhora do Destino"». O Estado de S.Paulo. 11 de agosto de 2004. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  34. Jardim, Vera. «Vera Fischer grava participação em América». OFuxico. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  35. «De volta à TV em "Amazônia", Vera Fischer prepara livro de memória». UOL. PopTevê. 12 de janeiro de 2007. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  36. «Vera Fischer grava participação especial em 'Duas caras'». O Globo. 21 de março de 2008. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  37. «O desejo escondido, o cara deprimido e o livro roubado». Central Globo de Comunicação. 29 de abril de 2008. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  38. «Vera Fischer fará viciada em amor na próxima novela das oito». O Tempo. 23 de novembro de 2008. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  39. «Vera Fischer volta à TV em "Afinal, O Que Querem As Mulheres?"». UOL TV e Famosos. Canal Zap. 9 de novembro de 2010. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  40. «Vera Fischer entra em Insensato como par romântico de Tarcísio Meira». Insensato Coração. 25 de março de 2011. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  41. Xavier, Nilson. «Salve Jorge». Teledramaturgia. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  42. «Vera Fischer faz participação em 'Malhação': 'Saí renovada'». O Globo. Revista da TV. 9 de abril de 2018. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  43. Bittencourt, Carla (1.º de outubro de 2018). «Vera Fischer vira 'Hebe' na série 'Assédio'». Extra. Telinha. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  44. «Filmografia - Sinal Vermelho - as Fêmeas». Cinemateca brasileira. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  45. «A Super Fêmea». Papo de Cinema. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  46. Azeredo, Ely (26 de maio de 1974). «Filmes brasileiros em semana promissora». Jornal do Brasil. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  47. «Filmografia - As delícias da vida». Cinemateca brasileira. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  48. «Filmografia - Essa Gostosa Brincadeira a Dois». Cinemateca brasileira. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  49. «Macho e Fêmea - Filme 1973». Adoro Cinema. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  50. Gomez, Hugo (11 de junho de 1976). «Acreditem na 'intimidade' de Vera Fischer e Perry Sales». Jornal do Brasil. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  51. a b «Vera Fischer versus Grazzi Massafera». Terra. Consultado em 19 de agosto de 2020. Troféu APCA e Prêmio Candango 
  52. «Filmografia - Perdoa-me por me traíres». Cinemateca brasileira. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  53. «Bonitinha Mas Ordinária». Papo de Cinema. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  54. Navarro, Walter (7 de setembro de 2006). «WALTER NAVARRO - Dia 7 sempre rima com boca e enquête». O Tempo. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  55. «Vera Fischer critica Xuxa por ter tirado Amor Estranho Amor de circulação». Notícias da TV. 28 de setembro de 2019. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  56. Milani, Robledo (26 de setembro de 2019). «26.º Festival de Vitória: Toda a verdade de Vera Fischer». Papo de Cinema. Consultado em 19 de agosto de 2020 
  57. Martins, Jussara (4 de outubro de 1982). «Vera Fischer envelhece, pinta o cabelo de preto e deixa de ser gostosa». Correio Braziliense. Consultado em 18 de agosto de 2020 
  58. «Filmografia - Amor Voraz». Cinemateca brasileira. Consultado em 19 de agosto de 2020 
  59. «"Quilombo" está em cartaz no Cine Pangea, na UFTM, sábado, às 19h». Prefeitura de Uberaba. 23 de novembro de 2011. Consultado em 19 de agosto de 2020 
  60. Rezende, Sergio (16 de abril de 2006). «Policial: Doida demais». Folha de S.Paulo. Consultado em 19 de agosto de 2020 
  61. «O Quinto Macaco (1990)». Cineplayers. Consultado em 19 de agosto de 2020 
  62. Janot, Marcelo (17 de setembro de 1993). «Trama do tipo 'cabeça' não consegue empolgar». Tribuna da Imprensa. Consultado em 19 de agosto de 2020 
  63. «Filmografia - Fala Baixo Senão Eu Grito». Cinemateca brasileira. Consultado em 19 de agosto de 2020 
  64. «Vera Fischer lança o filme 'Navalha na Carne'». Folha de S.Paulo. 7 de novembro de 1997. Consultado em 19 de agosto de 2020 
  65. Nolla, Thiago (19 de outubro de 2019). «'Xuxa e os Duendes 2': Vera Fischer foi destratada durante as filmagens do longa». CinePOP. Consultado em 19 de agosto de 2020 
  66. «Vera Fischer volta ao cinema após 20 anos, troca de empresário, emagrece e celebra fase». Extra. 28 de agosto de 2019. Consultado em 19 de agosto de 2020 
  67. Redação (11 de abril de 2018). «Vera Fischer comemora volta à TV, fala de Ana Beatriz Nogueira e revela personagem que não tem vontade de fazer». Gshow. Consultado em 11 de abril de 2018 
  68. «IMDB» 
  69. «IMDB» 
  70. «A escolha de Vera». Revista Época. Consultado em 13 de abril de 2019 
  71. Cohen, Vivianne (21 de janeiro de 2002). «Ele conquistou Vera Fischer». ISTOÉ Gente. Consultado em 28 de julho de 2020 
  72. «14 casais de celebridade que você não se lembra que existiram». Claudia. 8 de agosto de 2017. Consultado em 28 de julho de 2020 
  73. «Vera Fischer termina namoro com Murilo Rosa e perde a guarda do filho Gabriel». Imirante. 2 de setembro de 2002. Consultado em 28 de julho de 2020 
  74. «VERA FISCHER E PAULO SERRA TERMINAM NAMORO». Vírgula. Consultado em 31 de maio de 2020 
  75. «Vera Fischer é internada em clínica de reabilitação no Rio». Portal G1. Consultado em 23 de janeiro de 2015 
  76. «Obrigado, Doutor - Ficha Técnica». Memória Globo. Globo.com. Consultado em 1 de fevereiro de 2018 
  77. Redação (16 de março de 2018). «Vera Fischer faz participação em 'Malhação: Vidas Brasileiras'». Gshow. Consultado em 9 de abril de 2018 
  78. Carla Bittencourt (1 de outubro de 2018). «Vera Fischer vira 'Hebe' na série 'Assédio'». Extra. Consultado em 1 de outubro de 2018 
  79. a b «Espelho da Vida». Teledramaturgia. Consultado em 5 de abril de 2019. Cópia arquivada em 5 de abril de 2019 
  80. Gabriel Vaquer (14 de abril de 2018). «Vera Fischer anuncia que fará diva do cinema em Espelho da Vida, próxima novela das 18h da Globo». Observatório da Televisão. Consultado em 14 de abril de 2018 
  81. Cinemateca Brasileira, Sinal vermelho - As fêmeas [em linha]
  82. Cinemateca Brasileira, Anjo Loiro [em linha]
  83. Cinemateca Brasileira, As Delícias da Vida [em linha]
  84. imdb.com/ Awards for Amor Estranho Amor
  85. Vera Fischer é a homenageada nacional do 26º Festival de Cinema de Vitória
  86. Vera Fischer recebe prêmio no Rio

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Caixa de sucessão como miss e outras premiações[editar | editar código-fonte]

Precedida por:
Sibila Sievert
Miss Blumenau
1969
Sucedida por:
Yara Weiss
Precedida por:
Evelise Brietzig
Miss Santa Catarina
1969
Sucedida por:
Maria Suely Schlupp
Precedida por:
Martha Vasconcellos
(Miss Universo)
Miss Brasil
1969
Sucedida por:
Eliane Fialho Thompson
Precedida por:
Anecy Rocha
por O Amuleto de Ogum
Troféu APCA de Melhor Atriz
por Intimidade

1977
Sucedida por:
Bárbara Fazio
por As Três Mortes de Solano
Precedida por:
Lucélia Santos
por Engraçadinha
Troféu Candango de Melhor Atriz
por Amor Estranho Amor

1982
Sucedida por:
Nice Marinelli
por Janete