Bonitinha, mas Ordinária ou Otto Lara Resende

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura o filme de 1963, com Odette Lara, veja Bonitinha mas Ordinária. Se procura o filme de 2013, veja Bonitinha, mas Ordinária (2013).
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde Maio de 2012). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Bonitinha mas Ordinária ou Otto Lara Resende
 Brasil
1981 •  cor •  105 min 
Direção Braz Chediak
Roteiro Gilvan Pereira
Sindoval Aguiar
Jorge Laclette
Doc Comparato
Baseado em Bonitinha, mas Ordinária de Nelson Rodrigues
Elenco Lucélia Santos
José Wilker
Vera Fischer
Género Drama
Idioma português
Página no IMDb (em inglês)

Bonitinha mas Ordinária ou Otto Lara Resende é um filme brasileiro lançado em 26 de janeiro de 1981, baseado na peça homônima de Nelson Rodrigues.

Foi a segunda adaptação para o cinema da obra de Nelson Rodrigues, a primeira foi rodada em 1963 e a terceira foi produzida em 2008 e lançada em 2013.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Edgard é um rapaz humilde, fato esse que o constrange. Procurado por Peixoto, genro do milionário Werneck, dono da firma onde Edgard é escriturário, ele recebe a proposta de se casar com Maria Cecília, filha de Werneck, de 17 anos que fora estuprada por cinco negros. Pelo dinheiro, Edgard aceita, mas tem dúvidas por gostar de Ritinha, sua vizinha. Já com o casamento acertado, Edgard e Ritinha vão despedir-se num cemitério, onde ela conta o que faz para conseguir sustentar a mãe louca e as três irmãs. Toda a trama gira em torno das hesitações de Edgard, até sua escolha final.

A frase do Otto[editar | editar código-fonte]

Uma das frases repetidas pelo personagem interpretado por José Wilker, o mineiro só é solidário no câncer, é de Otto Lara Resende.[1] De acordo com o site Cineplayers, Edgard repete a frase dezessete vezes, além de outras vezes em que ele a menciona (como a frase do Otto), pois está em um dilema: ou se casa com a filha do patrão, Maria Cecília (Lucélia Santos), estuprada por cinco negros, e recebe um cheque de um alto valor, ou fica com sua namorada, a vizinha Ritinha (Vera Fischer), que, sem que ele soubesse inicialmente, era uma prostituta.[2]

Elenco[editar | editar código-fonte]


Referências

  1. Victor Gentilli, em Observatório da Imprensa, Entidades questionam projeto [em linha]
  2. Cineplayers, Bonitinha mas Ordinária ou Otto Lara Resende, 1981 [em linha]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]