Saltar para o conteúdo

América (telenovela)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
América
América (telenovela)
Informação geral
Formato Telenovela
Gênero drama
romance
aventura
Duração 60 minutos
Criador(es) Gloria Perez
Elenco
País de origem Brasil
Idioma original português
inglês
Episódios 203
Produção
Diretor(es) Marcos Schechtman
Jayme Monjardim[nota 1]
Câmera multicâmera
Tema de abertura "Órfãos do Paraíso", de Milton Nascimento e Sagrado Coração da Terra[nota 2]

"Soy Loco Por Ti América", Ivete Sangalo[nota 3]
Localização Rio de Janeiro, Brasil
Miami, Estados Unidos
Exibição
Emissora original TV Globo
Distribuição TV Globo
Formato de exibição 480i (SDTV)
1080i (HDTV) (externas)
Transmissão original 14 de março – 5 de novembro de 2005

América é uma telenovela brasileira produzida pela TV Globo e exibida de 14 de março a 4 de novembro de 2005, em 203 capítulos.[2] Substituiu Senhora do Destino e foi substituída por Belíssima, sendo a 66ª "novela das oito" exibida pela emissora.

Escrita por Gloria Perez, teve direção de Luciano Sabino, Marcelo Travesso, Teresa Lampreia, Federico Bonani e Carlo Milani. A direção geral inicialmente foi de Jayme Monjardim, que depois de desentendimentos com a autora foi afastado em 12 de abril e substituído por Marcos Schechtman. A direção de núcleo ficou a cargo do diretor artístico da Globo, Mário Lúcio Vaz.[1]

Contou com as participações de Deborah Secco, Murilo Benício, Edson Celulari, Christiane Torloni, Caco Ciocler, Camila Morgado, Gabriela Duarte e Thiago Lacerda.[1]

Enredo[editar | editar código-fonte]

O sonho de viver no exterior e a vontade de vencer na vida se cruzam na mesma história. Desde criança, a sonhadora Sol sempre quis ir viver nos Estados Unidos e decide entrar no país ilegalmente, cruzando a fronteira com o México, depois de ter seu visto negado várias vezes. Para isso, dá todo seu dinheiro ao perigoso Alex, que chefia uma rede de imigração clandestina através de "coiotes", que os levam ilegalmente pelo deserto. Após duas deportações e ver vários companheiros morrerem na travessia, ela acaba presa na terceira tentativa por tráfico de drogas, que sequer sabia que levava na bagagem. Consegue fugir da delegacia em Miami e ver finalmente o mundo com o qual sempre sonhou. Visando juntar dinheiro para ajudar sua família, começa a trabalhar como dançarina de pole dance em uma boate. Além disso, ela acaba descobrindo o amor verdadeiro ao lado de Ed, um tradutor americano de bom coração, que acredita que a troca de culturas é saudável para seu país, ao contrário de sua ex-noiva, a dissimulada pedagoga May, que odeia imigrantes e faz de tudo para tirar Sol de seu caminho.

Para seguir o sonho americano, Sol deixou para trás seu grande amor, Tião, um peão de montaria que se tornou fenômeno nos principais rodeios do país e não compactua com os sonhos dela. Destemido e apegado a imagem de Nossa Senhora Aparecida, Tião mora em Boiadeiros, cidade fictícia do interior paulista e, após a partida de Sol, torna-se amargurado e triste, até se apaixonar pela veterinária Simone, provocando ódio de seu irmão mais velho, o mau-caráter Geninho, que namorava a moça até então e faz de tudo para crescer na vida. Além de Geninho, Tião precisa lidar com as armações de Laerte, um poderoso fazendeiro, e tio de Simone, que faz de tudo para expulsar Tião, seu avô Zé Higino e a mãe Mazé de suas terras. Na cidade mora a famosa fazendeira Neuta, viúva que cultua a memória do falecido marido, mas que aos poucos se entrega ao romance com o sedutor peão Dinho e nem imagina que o filho, Júnior, é gay e reprimido pelos preconceitos do meio rural. Adorada por todos, Neuta abriga em sua casa diversos afilhados: o desmiolado e analfabeto, mas campeão de montaria, Carreirinha, as cômicas Elis, Bebela, Penha e Detinha – conhecidas como "breteiras" por viverem atrás dos peões – e a dissimulada Creusa, que finge ser uma evangélica fervorosa, mas é uma ninfomaníaca que secretamente faz de tudo para atiçar os homens, incluindo Tião. Em Miami, vive a divertida mexicana Consuelo, dona de uma badalada pensão, que passou anos juntando dinheiro para pagar a travessia ilegal das filhas, Inesita e Rosário, e da irmã Mercedes.

Enquanto Inesita e Mercedes conseguem chegar, Rosário se perde no deserto e tem que atravessá-lo sozinha. Na pensão mora o casal Neto e Helô, que estão no país para estudar, não dão atenção ao filho Rique e têm o casamento abalado com a chegada de Rosário. No país, também vivem a perigosa Djanira Pimenta, chefe da quadrilha da qual Alex faz parte, e Miss Jane, colega de trabalho de May, que no passado viveu um romance com Zé Higino durante uma passagem pelo Brasil. Já no Rio de Janeiro, a socialite cleptomaníaca Haydée não consegue controlar seus impulsos em furtar objetos e vive um casamento falido com o empresário Glauco, sem imaginar que ele mantém um caso com a secretária Nina e é alvo do assédio de Lurdinha, uma adolescente de dezessete anos que faz de tudo para seduzi-lo. Enquanto isso a filha deles, Raíssa, conhece um outro universo fora da alta sociedade, passando a frequentar os bailes funk, levar os amigos da periferia para casa e se envolve com Alex e Tony, sem saber que um comanda negócios ilegais e o outro é ex-namorado de sua mãe.

Em Vila Isabel, bairro onde Sol morava com a mãe Odaléia, o padrasto Mariano e a meia-irmã Mari, vive o implicante Seu Gomes, ex-policial e dono de uma mercearia, que vive de olho na vida dos vizinhos, levando a mulher Graça à loucura. O casal são pais de Ariovaldo, um afamado locutor de rodeio de Boiadeiros que acaba perdendo seu posto para a sedutora Gil, que de fã número 1, torna-se sua concorrente. Já a fofoqueira Diva impede o filho, o boa-praça Feitosa, de se relacionar com a dançarina Islene por considerá-la "piriguete", fazendo de tudo para casa-lo com Creusa, sem desconfiar do verdadeiro caráter desta. Islene esconde de todos que cuida sozinha da filha deficiente visual, Maria Flor, que vive sendo protegida do mundo exterior pela mãe e encontra apoio para lidar com sua condição ao conhecer Jatobá, que também não enxerga e mesmo assim vive uma vida tranquila ao lado de Quartz, seu fiel cão-guia.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Intérprete[1] Personagem
Deborah Secco Marisol de Oliveira (Sol)
Murilo Benício José Sebastião Higino da Silva (Tião)
Caco Ciocler Edward Talbot (Ed)
Camila Morgado May Silver (Miss May)
Edson Celulari Dr. Glauco Lopes Prado
Christiane Torloni Haydée Pamplona Lopes Prado
Thiago Lacerda Alexandre Camargo (Alex) / Roberto Sinval Fontes
Mariana Ximenes Raíssa Pamplona Lopes Prado
Gabriela Duarte Simone Villa Nova
Eliane Giardini Neuta Fontes (Viúva Neuta)
Humberto Martins Laerte Villa Nova
Daniela Escobar Irene Villa Nova
Floriano Peixoto Antony Medeiros Clark (Tony)
Cissa Guimarães Dr.ª Marina Fragoso (Nina)
Marcos Frota Pedro Jatobá (Jatobá)
Totia Meireles Dr.ª Vera Nascimento
Cleo Maria de Lurdes Nascimento (Lurdinha)
Bruno Gagliasso Roberto Sinval Fontes Júnior (Júnior)
Murilo Rosa Denílson Martins (Dinho)
Francisco Cuoco José Higino da Silva (Zé Higino)
Nívea Maria Maria José da Silva (Mazé)
Marcello Novaes Genivaldo Higino da Silva (Geninho)
Paulo Goulart Mariano Pardal
Jandira Martini Odaléia de Oliveira Pardal
Camila Rodrigues Mariana de Oliveira Pardal (Mari)
Raul Gazolla Dr. Hélio Castanho (Helinho)
Matheus Nachtergaele Jesuíno Costa (Carreirinha)
Walter Breda Ari Francisco Gomes (Seu Gomes)
Regina Maria Dourado Maria da Graça Paiva Gomes (Graça)
Neuza Borges Diva Feitosa
Ailton Graça José Carlos Feitosa (Feitosa)
Paula Burlamaqui Islene dos Santos
Juliana Paes Creusa Regina de Sá
Cláudia Jimenez Consuelo Torres Serrano
Roberto Bomfim João Otávio Abdalla (Jota)
Rosi Campos Mercedes Torres Serrano
Rodrigo Faro Ernesto Martins Barcellos (Neto)
Simone Spoladore Heloísa Martins Barcellos (Helô)
Betty Faria Djanira Pimenta (Pimenta)
Eva Todor Jane Clinton (Miss Jane)
Lúcia Veríssimo Gilmara Madureira (Gil)[3]
Eri Johnson Waldomiro Freire Abdalla
Juliana Knust Inesita Torres Serrano
Samara Felippo Maria Odete Duarte (Detinha)
Sílvia Buarque Maria Elis Carneiro
Kika Kalache Maria Isabel Vieira (Bebela)
Carolina Macieira Maria da Penha Cardoso (Penha)
Solange Couto Dalva Gomes
Anderson Müller Ariovaldo da Paiva Gomes
Paula Pereira Maria Déia Virgulino (Deinha)
José Dumont Carlos Manuel de Andrade (Bóia)
Guilherme Karam Geraldo Valdés (Geraldito)
Fernanda Paes Leme Rosário Torres Serrano
Victor Fasano Dr. James Perkins
Luís Melo Ramiro Hernandez (Coiote)
Marisol Ribeiro Kerry Villa Nova
Duda Nagle Rafael do Nascimento (Radar)
Cacau Mello Rosemary (Rose)
Lucas Babin Nick Clinton
Viviane Victorette Júlia (Ju)
Cynthia Falabella Maria Aparecida (Cidinha)
Cris Vianna Adriana dos Santos (Drica)
Luíza Valdetaro Manuela Valente (Manu)
Rodrigo Hilbert Murilo Fragoso (Murilinho)
Marcelo Brou Stallone
Bruna Marquezine Maria Flor dos Santos (Flô)
Mussunzinho Victor Gomes (Farinha)
Matheus Costa Henrique Martins Barcellos (Rique)
Franciely Freduzeski Conchita
Rafael Calomeni Carlos Eduardo Neves (Cadu)
Lucy Mafra Claudete
Rosimar de Mello Sinhana (Sianinha)
Rafaela Amado Celeste
Flávia Guedes Berenice (Berê)
Eduarda Emerick Duda
Ana Luiza Garritano Pepita

Participações especiais[editar | editar código-fonte]

Intérprete Personagem
Erom Cordeiro José Carlos Mota (Zeca)
Reginaldo Faria Coronel Adalberto Ferreira
Betty Gofman Prof.ª Idalina Pereira (Dadá)
Vera Fischer Úrsula Garcez
Nelson Xavier Francisco Santiago Mendonça (Santiago)[3]
Chico Diaz Acácio Higino da Silva
Carlos Casagrande André
Taís Araújo Nossa Senhora de Aparecida
Juan Alba Honório
Werner Schünemann Pedro Paulo
Bete Mendes Fátima
Jaime Leibovitch Bill
Cláudio Gabriel Rui
Silvio Guindane Lucas
Arlete Salles Rita
Lucy Mafra Claudete
Flávio Migliaccio Velmiro
Marly Bueno Srª. Mattos
Dja Marthins Dolores
Arlete Heringer Roseli
Henri Pagnocelli Cônsul Sílvio
Júlia Maggessi Scarlet
Cláudia Borioni Vilma
Blota Filho Haroldo
Lafayette Galvão Padre
Luciana Rigueira Nossa Senhora de Guadalupe
Jayme Periard Wallace
Elena Toledo Dolores
Cláudio Fontana Dado
Sônia Clara Hilda
Jerusa Franco Guta
Clarice Derzié Luz Malu
Eduardo Canuto João
Lucas Lins e Silva Deco
Mano Melo Severino
Márcia do Valle Madá
William Vita Sargento Medina
Mário César Camargo delegado de Boiadeiros
Jorge Pontual amigo de Geninho
Nildo Parente médico de Tião
Alexia Dechamps namorada de Cadu
Pedro Brício amigo de Ed
Clemente Viscaíno taxista
Milton Gonçalves oficial de justiça
Eliana Pittman rainha do forró
Silvio Pozzato juiz de Boiadeiros
Zé Carlos Machado contratante de Jatobá [1]
Maria Mariana Azevedo Sol (criança)
Brunno Abrahão Tião (criança)
Thainá Menezes Drica (criança)
Guilherme Vieira Geninho (criança)
Dudu Braga ele mesmo
Caetano Veloso ele mesmo[4]
Alcione ela mesma[5]
Leonardo ele mesmo
Daniel ele mesmo[6]
Emílio Santiago ele mesmo
Alex Dias ele mesmo[7]
Zeca Pagodinho ele mesmo
Zezé Di Camargo & Luciano eles mesmos
Gian & Giovani eles mesmos
Rionegro e Solimões eles mesmos
Fundo de Quintal eles mesmos
Bruno e Marrone eles mesmos
Mara Magalhães ele mesmo[3]
Paulo Emilio Marques ele mesmo[3]
Lívia Constantini ele mesmo[3]

Produção[editar | editar código-fonte]

As cenas iniciais foram gravadas no Parque Nacional de Big Bend, na fronteira do México com o estado norte-americano do Texas.

A sinopse de América foi aprovada em maio de 2004 para entrar no ar no primeiro trimestre de 2005.[8] As primeiras cenas da novela foram gravadas em Corumbá, no Mato Grosso do Sul, utilizando o Pantanal como pano de fundo para contar a história da infância dos protagonistas.[9] Deborah Secco, Fernanda Paes Leme, Juliana Knust, Rosi Campos, Thiago Lacerda, Luís Melo e outros atores que fizeram participação especial – Bete Mendes, Silvio Guindane e Cláudio Gabriel – viajaram para os Estados Unidos gravar as cenas do primeiro mês de trama de seus personagens, estabilizando-se nas cidades ao redor do Parque Nacional de Big Bend, na fronteira do México com o estado do Texas, onde as cenas externas foram gravadas e os estúdios de cinema local foram utilizados para reproduzir a cidade cenográfica mexicana que era ponto inicial da travessia ilegal.[10]

Deborah, Fernanda, Juliana e Thiago também passaram um mês fazendo um workshop com imigrantes ilegais para absorver sua vivência e seus medos na travessia.[11][12] O custo das gravações no exterior ultrapassou o orçamento de R$ 1 milhão originalmente destinado à produção inicial e mobilizou mais de 100 profissionais, o maior número de efetivos já enviado ao exterior na emissora até então.[13] Três cidades cenográficas diferentes foram construídas com mais de 17 mil m² nos Estúdios Globo – uma representando um bairro de imigrantes de Miami; outra representando a cidade fictícia de Boiadeiros, inspirada em Barretos, interior de São Paulo; e uma terceira simulando o bairro de Vila Isabel, no Rio de Janeiro – , além de diversos outros cenários aleatórios, como as casas dos personagens em bairros de classe alta do Rio e os bailes funk.[14][2]

A maior parte das cenas de montaria e disputa foram gravadas de uma só vez nos rodeios de Barretos e de Jaguariúna, utilizando diversos figurinos para que pudesse ser utilizara no decorrer da trama, tendo ainda outras cenas gravadas em outros rodeios do interior paulista durante todo o ano de 2005, incluindo Americana, Araçoiaba da Serra, Piracicaba, Jaú e Sumaré.[15].

Escolha do elenco[editar | editar código-fonte]

Originalmente Glória Perez queria Cláudia Abreu como protagonista, repetindo a parceria com ela de Barriga de Aluguel, porém a atriz desejava engravidar logo após Celebridade – o que acabou não ocorrendo – e recusou o convite.[16] Mariana Ximenes também foi convidada, porém ela não queria emendar outra "mocinha" após Chocolate com Pimenta e pediu para ser destinada a outro papel, sendo escalada para interpretar a funkeira rebelde Raíssa.[16] Danielle Winits, Giovanna Antonelli, Regiane Alves, Deborah Secco e Camila Morgado fizeram os testes para o papel, porém as três primeiras não se adequaram ao perfil.[16][17] A decisão entre Deborah e Camila gerou um mal-estar entre a autora e o diretor Jayme Monjardim, uma vez que ela queria a primeira e ele a segunda.[18] Glória alegou que Camila tinha um perfil naturalmente forte e decidido para interpretar uma personagem que sofreria muito, escalando-a para a antagonista principal, enquanto a protagonista ficou com Deborah.[19]

Alinne Moraes foi convidada para interpretar Lurdinha, mas preferiu aceitar o papel de protagonista em Como uma Onda.[20] A cantora Wanessa Camargo fez testes para o papel, porém não foi aprovada.[21] O papel acabou sendo destinado para Cleo, marcando seu primeiro papel em uma telenovela na época.[22] Bianca Rinaldi foi convidada para interpretar Helô, porém a atriz preferiu assinar com a RecordTV para protagonizar A Escrava Isaura, sendo substituída por Simone Spoladore.[23]

Preta Gil chegou a ser confirmada no elenco como melhor amiga de Raíssa, que a introduzia no mundo do funk, e para isso deixou o programa que apresentava na Band em meio ao contrato, porém sua personagem acabou cortada e nunca entrou na trama.[24][25] O ator estadunidense Lucas Babin foi aprovado para interpretar um peão texano exatamente por já falar português.[26] América foi o último trabalho na televisão de Lucy Mafra, interprete da personagem Claudete, que após ser demitida da emissora ao ser acusada de furto por uma camareira durante os bastidores da trama, ela não conseguiu reerguer sua carreira e faleceu em dezembro de 2014.[27]

Temas abordados[editar | editar código-fonte]

O principal tema abordado na trama foi a entrada ilegal de imigrantes nos Estados Unidos. A deficiência visual foi abordada na trama por meio do personagem Jatobá, que não se intimidava em levar uma vida normal pela condição e lecionava.[28] A inspiração veio de uma professora deficiente visual que a autora conheceu.[29] Por meio desse tema, a trama recebeu uma homenagem na Câmara Municipal do Rio de Janeiro, sendo a autora condecorada com a Medalha Tiradentes.[30] A cleptomania, que é o desejo compulsivo de roubar coisas, foi abordada por meio da personagem de Christiane Torloni. A novela mostrou que a psicanálise é um dos caminhos para tratar dessa compulsão.[31] A telenovela abordou o tema pedofilia através do personagem de Jaime Leibovitch que assediava Matheus Costa.[32]

Troca de diretor e mudança de enredo[editar | editar código-fonte]

As desavenças entre a autora Glória Perez e o diretor Jayme Monjardim começaram ainda no final de 2004, quando os dois contrastaram na escolha da protagonista – ele queria Camila Morgado, enquanto ela optou por Deborah Secco, a qual acabou escolhida.[18] Durante as gravações da novela as diferenças artísticas entre os dois começaram a se conflitar, uma vez que a autora alegava que havia escrito uma personagem extrovertida e de personalidade forte, enquanto o que se via no ar era uma moça sofrida e amargurada.[18] O diretor alegou que a imagem pedida para a personagem era extremamente irreal, uma vez que uma imigrante ilegal em meio as dores e sofrimento da travessias não podia esbanjar felicidade naquele momento.[18] Em 12 de abril Jayme pediu desligamento da novela tanto pelo conflito no perfil da personagem, quanto por não concordar com a abordagem dos maus-tratos aos animais em rodeios de forma "glamorizada".[33] Apenas após a saída do diretor, a autora confirmou as divergências: "Passamos a ter ideias diferentes sobre a condução da trama, criando um descompasso que poderia vir a comprometer o resultado".[34][35]

Marcos Schechtman assumiu a direção-geral da trama e a própria autora passou a se responsabilizar pela direção de núcleo para seu texto fosse seguido a risca.[36] Em contraponto, a direção de teledramaturgia da emissora exigiu que a autora fizesse importantes mudanças na novela após uma pesquisa de público, que incuiram acelerar e finalizar as cenas da travessia da fronteira – que já perduravam mais de 30 capítulos –, diminuir o tom de voz "gritado" das personagens de Neusa Borges, Daniela Escobar e Eliane Giardini, além de desenvolver as tramas paralelas, como de Mariana Ximenes e Christiane Torloni, que até então estavam paradas e sem história.[34] Além das exigências, a autora também promoveu uma mudança no perfil da protagonista, de sofredora para extrovertida quando chega nos Estados Unidos, alterando a ideia original da personagem trabalhar em um fast food para fazê-la uma boate, visando expressar a nova fase.[37] Outra alteração proposta foi a troca da música de abertura para "Soy Loco Por Ti, América", com Ivete Sangalo.[36]

A equipe de marketing da emissora intensificou a divulgação da novela, promovendo um "relançamento" a partir de 12 de abril, utilizando os veículos de comunicação do Grupo Globo para liberar notícias positivas sobre a trama, além de enviar os atores semanalmente para promovê-la em programas como Domingão do Faustão, Mais Você, Vídeo Show, entre outros, e escalar participações especiais de artistas populares, como Roberto Carlos e Pelé, para atrair a atenção do público.[38] [38]

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: América (trilha sonora)

A trilha sonora foi inicialmente lançada em um CD duplo – um com as músicas nacionais e outro com as internacionais. No decorrer da novela, a Som Livre relançou a trilha em CDs separados, com o objetivo de baratear o custo.[1]

Entre as mudanças ocorridas após a saída do diretor Jayme Monjardim, uma das mais significativas ocorreu na trilha sonora. O diretor musical Marcus Viana, habitual parceiro de Monjardim, foi afastado e as bucólicas trilhas incidentais foram substituídas por músicas mais alegres e populares.[1]

A abertura, com seu tema musical, também mudou. Com uma seleção de imagens mais dinâmica e cores mais claras, a nova abertura começou a ser exibida no capítulo 46, em 05 de maio de 2005.[1] Saiu a música “Órfãos do Paraíso”, de Marcus Viana (primeiro interpretada por Milton Nascimento, depois, em uma nova versão, pelo próprio Marcus), e, em seu lugar, entrou “Soy Loco Por Ti América”, em uma gravação de Ivete Sangalo.

Apesar do título, “Soy Loco Por Ti América”, composta por Gilberto Gil e José Carlos Capinan e gravada originalmente por Caetano Veloso em 1968, era totalmente desconexo da trama, já que sua letra, na verdade, exalta a América Latina, e não os Estados Unidos, como propunha a novela. Porém, o tom alegre da música, interpretada pela cantora, conquistou os telespectadores, permanecendo até o fim da história.[1]

Exibição[editar | editar código-fonte]

Lançada no mercado internacional em 2006, América foi vendida para Venezuela, Bolívia, Canadá, Portugal, Costa Rica dentre outras mais. A novela foi exibida na Índia, em 2008, em dois horários do canal Firangi Channel, que estreou apostando na exibição, em hindi, do melhor da programação mundial. A novela de Gloria Perez marcou a estreia da TV Globo Internacional naquele país.

Reprise[editar | editar código-fonte]

Está sendo reapresentada na íntegra pelo Viva desde 27 de novembro de 2023, substituindo Senhora do Destino (assim como na exibição original) na faixa das 22h50, com reapresentação às 13h45 e maratona aos domingos de 19h ás 0h25.[39]

Outras mídias[editar | editar código-fonte]

Foi disponibilizada na íntegra na plataforma de streaming Globoplay em 25 de abril de 2022, através do Projeto Originalidade, que resgata e adiciona novelas antigas no catálogo.[40].

Repercussão[editar | editar código-fonte]

Audiência[editar | editar código-fonte]

Exibição original[editar | editar código-fonte]

O primeiro capítulo teve uma média de 56 pontos e 76% de participação dos televisores ligados. A telenovela anterior, Senhora do Destino de 2004, marcou 51 pontos e 72% de participação dos televisores ligados.[41] A estreia acima do esperado deu-se pelo resultado positivo deixado pela antecessora, que saiu da grade como a telenovela de maior audiência da década com picos de 67 pontos.[42] No entanto a audiência da trama começou a cair com o passar do primeiro mês, chegando a atingir 37 pontos em 16 de abril, a menor fora da época de festas – Natal e Ano Novo – desde Esperança.[43] O primeiro mês fechou com uma média de 43 pontos ante 47 da trama anterior.[43] Após a troca de diretor e na aposta das tramas paralelas, como de Raíssa, Lurdinha e Rosário, a novela estabilizou-se na audiência entre 45 e 50 pontos.[44] O último capítulo marcou uma média de 68 pontos, a maior audiência final da década de 2000.[45][46] América teve média geral de 49 pontos, a segunda maior audiência da década de 2000, sendo superada apenas por Senhora do Destino.[47]

Reprise no Viva[editar | editar código-fonte]

Em um levantamento realizado em 2 de fevereiro de 2024, é mostrado que a novela tem alcançado um índice médio próximo á 1 ponto de audiência na exibição das 22h50, assumindo a vice-liderança entre os canais pagos.[48]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

América gerou controvérsia entre os brasileiros que moravam nos Estados Unidos, uma vez que muitos criticaram a forma exagerada como foi mostrada a travessia ilegal pela fronteira, trazendo cenas irreais e de demasiada violência[49]. Em agosto de 2005 a embaixada brasileira notou que o número de imigrantes ilegais quadruplicou após do início da exibição da telenovela.[50]

Ativistas ligados às instituições de proteção animal criaram petições para tentar vetar a exibição dos rodeios na novela, alegando que "glamorizava" a violência contra os animais, além de organizarem protestos nas cidades onde a novela gravava.[51] A autora planejava mostrar a militância que defenderia os animais e era contra os rodeios na novela, porém desistiu da ideia temendo que a situação ficasse pior.[51] Antes mesmo de iniciar a fase de produção, a telenovela foi alvo dos ativistas e de ONG's protetoras de animais. A novela planejava abordar o tema rodeios, que automaticamente é ligado aos maus tratos aos animais e isso gerou revolta. Uma carta com várias exigências foi escrita por essas entidades e levadas à autora Glória Perez. O objetivo era tentar interferir no roteiro da novela por meio dessas exigências escritas[52].

Bruno Gagliasso e Erom Cordeiro gravaram sete versões[53] de uma cena se beijando para o último capítulo, porém a cena foi vetada pela direção de teledramaturgia da emissora horas antes da exibição do último capítulo, temendo a repercussão negativa entre o público mais conservador.[54][55] Glória Perez revelou que a cena foi vetada após ser exibida para os executivos da emissora: "Passamos a cena para a diretoria toda, daí resolveu-se cortar. Ficamos todos frustrados. Eu vi uma ansiedade muito grande das pessoas na rua que queriam que aquilo acontecesse. Não era um beijo que acontecia do nada, tinha toda uma história entre aquelas duas pessoas".[56] Bruno Gagliasso disse que nem os atores foram avisados do corte, sendo pegos de surpresa ao assistirem, o que lhe deixou extremamente chateado.[57]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Categoria Indicações Resultado Ref.
2005 Prêmio Arte Qualidade Brasil - SP Melhor Telenovela Indicado [58]
Melhor Autora Glória Perez Indicado
Melhor Atriz em Televisão Mariana Ximenes Indicado
Melhor Ator em Televisão Caco Ciocler Indicado
Melhor Atriz Coadjuvante Eliane Giardini Venceu
Nívea Maria Indicado
Paula Burlamaqui Indicado
Melhor Ator Coadjuvante Matheus Nachtergaele Venceu
Bruno Gagliasso Indicado
Melhor Atriz Revelação Cleo Venceu
Kika Kalache Indicado
Melhor Ator Revelação Aílton Graça Venceu
Prêmio Extra de Televisão Melhor Telnovela Venceu [59]
Melhor Ator Murilo Rosa Venceu
Bruno Gagliasso Indicado
Caco Ciocler Indicado
Matheus Nachtergaele Indicado
Melhor Atriz Eliane Giardini Venceu
Deborah Secco Indicado
Melhor Revelação do Ano Cleo Venceu
Melhor Ator/Atriz Mirim Bruna Marquezine Venceu
Troféu Raça Negra Melhor Ator de Televisão Ailton Graça Venceu
Melhores do Ano Melhor Ator de Novela Caco Ciocler Venceu
Murilo Benício Indicado
Thiago Lacerda Indicado
Melhor Atriz de Novela Christiane Torloni Venceu
Deborah Secco Indicado
Melhor Atriz Coadjuvante Camila Morgado Indicado
Melhor Ator Coadjuvante Matheus Nachtergaele Venceu
Bruno Gagliasso Indicado
Melhor Atriz Revelação Cleo Venceu
Melhor Ator Revelação Aílton Graça Venceu
Duda Nagle Indicado
Melhor Ator Mirim Mussunzinho Venceu
Melhor Atriz Mirim Bruna Marquezine
Prêmio Qualidade Brasil - RJ Melhor Telenovela Indicado [60]
Melhor Autora Glória Perez Indicado
Melhor Ator em Televisão Murilo Benício Indicado
Melhor Ator Coadjuvante Francisco Cuoco Venceu
Matheus Nachtergaele Indicado
Melhor Atriz Coadjuvante Bruna Marquezine Indicado
Nívea Maria Indicado
Paula Burlamaqui Indicado
Melhor Ator Revelação Aílton Graça Venceu
Melhor Atriz Revelação Cleo Indicado
Kika Kalache Indicado
Capricho Awards Melhor Atriz Mariana Ximenes Venceu [61]
Colírio do Ano Bruno Gagliasso Venceu
Meus Prêmios Nick Gata do Ano Cleo Venceu
Prêmio TV Press Melhor Ator Revelação Ailton Graça Venceu
Prêmio UOL e PopTevê de Televisão Melhor Ator Revelação Ailton Graça Venceu
Prêmio Magnífico Melhor Atriz Coadjuvante Daniela Escobar Venceu [62]
Melhor Atriz Mirim Bruna Marquezine Venceu
Troféu Samba de Primeira - Tamborim de Ouro Televisão Marcos Frota Venceu [63]
2006 Prêmio Contigo! de TV Melhor Telenovela Indicado [64]
Melhor Autor Glória Perez Indicado
Melhor Diretor Marcos Schechtman Indicado
Melhor Atriz Christiane Torloni Indicado
Melhor Atriz Coadjuvante Camila Morgado Indicado
Juliana Paes Indicado
Melhor Ator Coadjuvante Bruno Gagliasso Venceu
Marcos Frota Indicado
Matheus Nachtergaele Indicado
Melhor Atriz Revelação Cleo Venceu
Melhor Ator Revelação Aílton Graça Venceu
Duda Nagle Indicado
Melhor Par Romântico Eliane Giardini e Murilo Rosa Venceu
Ailton Graça e Paula Burlamaqui Indicado
Deborah Secco e Caco Ciocler Indicado
Melhor Atriz Infantil Bruna Marquezine Indicado
Melhor Ator Infantil Mussunzinho Indicado
Troféu Super Cap de Ouro Destaque Feminino da Televisão Totia Meireles Venceu [65]
Destaque Masculino da Televisão Rodrigo Faro Venceu

Notas

  1. Jayme Monjardim foi o diretor geral até os 25 primeiros capítulos exibidos. Devido a desentendimentos com a autora Glória Perez, foi substituído por Marcos Schechtman em 12 de abril.
  2. De 14 de março de 2005 até 11 de abril de 2005
  3. Originalmente a música de abertura era "Órfãos do Paraíso", de Milton Nascimento e Sagrado Coração da Terra, porém foi alterada para "Soy Loco Por Ti, América", de Ivete Sangalo, em 12 de abril, quando houve uma troca de diretores e o enredo ficou mais leve, apostando em uma faixa que pudesse demonstrar isso.

Referências

  1. a b c d e f g h i «América». Teledramaturgia. Consultado em 22 de março de 2016 
  2. a b «América». Memória Globo. Consultado em 22 de março de 2016 
  3. a b c d e Redação (31 de maio de 2005). «América: Gil se casa de vermelho». Redação. Consultado em 22 de setembro de 2023 
  4. Redação (2 de novembro de 2005). «Caetano Veloso grava participação especial na novela América». Dourado News. Consultado em 22 de setembro de 2023 
  5. Redação (13 de julho de 2005). «América: Alcione grava participação especial na trama». Área VIP. Consultado em 22 de setembro de 2023 
  6. Redação (27 de outubro de 2005). «Cantor Daniel grava participação na novela "América"». Folha Online. Consultado em 22 de setembro de 2023 
  7. Por GloboEsporte.com / GloboOnline (2 de setembro de 2005). «Atacante do Vasco participa da novela "América"». Gazeta do Povo. Consultado em 22 de setembro de 2023 
  8. «Luma vai fechar com a "Playboy"; casamento de Suzana Alves acaba». Folha de S.Paulo. 12 de maio de 2004. Consultado em 28 de abril de 2018 
  9. «Rede Globo grava novela América no Pantanal de MS». Cassilândia Notícias. 1 de dezembro de 2004. Consultado em 24 de setembro de 2017 
  10. «"América" vai ter mistura de histórias e culturas». Diário de Curitiba. Consultado em 28 de abril de 2018 
  11. «Durante preparação para "América", Deborah Secco trabalhou no McDonald's limpando o chão». Folha Ilustrada. 30 de janeiro de 2005. Consultado em 24 de setembro de 2017 
  12. «Atores apostam em laboratórios para compor papéis». FTerra. Consultado em 28 de abril de 2018 
  13. «Atores sofrem na fronteira México-Texas». Folha de S.Paulo. 30 de janeiro de 2005. Consultado em 23 de setembro de 2017 
  14. «"América" estreia com mais de 60 personagens». UOL. 10 de março de 2005. Consultado em 24 de setembro de 2017 
  15. «"América" terá gravações no rodeio de Barretos». Terra. 12 de agosto de 2005. Consultado em 24 de setembro de 2017 
  16. a b c «Antonelli, Winits e Ximenes tomam lugar de Claúdia Abreu». Vírgula. Consultado em 14 de abril de 2018 
  17. «Bastidores de novela com Regiane Alves, protagonista de 'Beleza Pura'». Extra. Consultado em 14 de abril de 2018 
  18. a b c d «Quero vê-la sorrir». Revista Quem. Revista Quem. Abril de 2005. Consultado em 19 de fevereiro de 2017 
  19. «Deborah Secco será a protagonista de "América"». Terra. 3 de agosto de 2004. Consultado em 11 de agosto de 2019 
  20. «"Tem que dar a cara a tapa"». Terra. Consultado em 14 de abril de 2018 
  21. «Wanessa Camargo faz testes para "América"». Terra. Consultado em 22 de junho de 2017 
  22. [https://web.archive.org/web/20140810045101/http://www.euagito.com.br/v8/?page=lernoticia&id=163 «Cl�o Pires � eleita a mulher mais sexy do Brasil - Not�cia - EUAGITO.com.br»]. web.archive.org. 10 de agosto de 2014. Consultado em 17 de maio de 2023  replacement character character in |titulo= at position 3 (ajuda)
  23. «Bianca Rinaldi recusa convite da Globo para protagonizar novela na Record». Tribuna do Paraná. Consultado em 4 de agosto de 2017 
  24. «Preta Gil já tem personagem definido na nova novela da Globo». Área VIP. Consultado em 14 de abril de 2018 
  25. «Preta Gil está fora do cast da TV Bandeirantes». Estadão. Consultado em 14 de abril de 2018 
  26. «Atores estrangeiros invadem as novelas brasileiras». Terra. Consultado em 14 de abril de 2018 
  27. R7.com (7 de dezembro de 2014). «Lucy Mafra, atriz que deixou a Globo acusada de furto, morre após depressão e pneumonia». R7.com. Consultado em 17 de maio de 2023 
  28. «Bruna Marquezine é auxiliada por Monjardim para viver cega». Babado IG. 3 de março de 2005. Consultado em 24 de setembro de 2017 
  29. «Inspiradora de personagens cegos da novela "América" é palestrante da semana científica da PUC-Campinas». Noticias Universia. 22 de abril de 2005. Consultado em 24 de setembro de 2017 
  30. «Gloria Perez, Marcos Frota e Bruna Marquezine recebem Medalha Tiradentes». Área Vip. 16 de junho de 2005. Consultado em 24 de setembro de 2017 
  31. «Em "América", Haydée procura psicanalista para tratar cleptomania». Terra. 13 de outubro de 2005. Consultado em 24 de setembro de 2017 
  32. «Pedofilia na novela». Época. 11 de julho de 2005. Consultado em 23 de setembro de 2017 
  33. «Jayme Monjardim deixa a direção de "América"». Estadão. Consultado em 27 de abril de 2018 
  34. a b «Autora de "América" confirma divergências com Monjardim». Folha de S.Paulo. Consultado em 27 de abril de 2018 
  35. «Jayme Monjardim pede desligamento de "América"». Terra. Consultado em 27 de abril de 2018 
  36. a b «Glória Perez assume comando e muda 'América'». Folha Ilustrada. 14 de abril de 2005. Consultado em 23 de setembro de 2017 
  37. «"América" muda após saída de Monjardim». Estadão. Consultado em 27 de abril de 2018 
  38. a b «Crítica: Formiguinhas da Globo salvam "América" do desastre». Folha de S.Paulo. Consultado em 27 de abril de 2018 
  39. Redação (21 de setembro de 2023). «Novela 'América' de Glória Perez chega ao VIVA em substituição a 'Senhora do Destino». Jornal de Brasília. Consultado em 20 de setembro de 2023 
  40. «'América' estreia no Globoplay: relembre novela com Deborah Secco, Murilo Benício e Bruna Marquezine». G1. 25 de abril de 2022. Consultado em 21 de setembro de 2023 
  41. «"América" estréia com recorde de audiência». Estadão. 15 de março de 2005. Consultado em 31 de março de 2015. Arquivado do original em 2 de abril de 2015 
  42. Feltrin, Ricardo (18 de setembro de 2008). «Ibope de novelas desaba na Globo». Portal Uol. Uol Notícias. Consultado em 30 de janeiro de 2017 
  43. a b «Crise derruba diretor da novela 'América'». Folha de S.Paulo. Consultado em 14 de abril de 2018 
  44. «Baba, baby, baby, baba». Revista Quem. Consultado em 14 de abril de 2018 
  45. Redação Folha Online (4 de novembro de 2005). «"América" bate recorde e veta beijo gay». Folha Online. Consultado em 30 de janeiro de 2017 
  46. «América termina superando expectativas: 70 pontos de audiência!». O Fuxico. 4 de novembro de 2005. Consultado em 31 de março de 2015 
  47. Feltrin, Ricardo (18 de setembro de 2008). «Ibope de novelas desaba na Globo; veja a queda». Uol Notícias. Consultado em 30 de janeiro de 2017 
  48. Brasília, Redação Jornal de (2 de fevereiro de 2024). «'Verdades Secretas' não mantém escrita de Walcyr Carrasco e dá baixa audiência no GNT». Jornal de Brasília. Consultado em 3 de fevereiro de 2024 
  49. «"América" causa polêmica entre brasileiros nos EUA». BBC. 8 de abril de 2005. Consultado em 21 de setembro de 2023 
  50. «Brasileiros ilegais nos EUA quadruplicam na onda de "América"». Folha de São Paulo. 25 de agosto de 2005. Consultado em 21 de setembro de 2023. Arquivado do original em 21 de setembro de 2023 
  51. a b «Ativistas fazem protesto contra rodeios em novela». Estadão. 7 de abril de 2005. Consultado em 24 de setembro de 2017 
  52. «Defensores de animais querem interferir em novela da Globo sobre rodeios». UOL. 11 de agosto de 2004. Consultado em 24 de setembro de 2017 
  53. Sá, Michel (1 de fevereiro de 2014). «Autora Gloria Perez festeja primeiro beijo gay na TV e lembra corte de cena que escreveu em 'América': 'Frustrante'». Extra Online. Consultado em 3 de setembro de 2022 
  54. «"América" termina com beijo gay picante». Folha Ilustrada. 7 de outubro de 2005. Consultado em 23 de setembro de 2017 
  55. «Cúpula da Globo cortou beijo gay, diz Glória Perez». Folha de São Paulo. 6 de novembro de 2005. Consultado em 21 de setembro de 2023 
  56. «Glória Perez relembra beijo gay vetado pela Globo: "Ficamos todos frustrados"». Observatório da Televisão. Consultado em 14 de abril de 2018 
  57. «Bruno Gagliasso chora em premiação ao criticar censura contra o beijo gay». Extra. Consultado em 14 de abril de 2018 
  58. Redação Associação Prêmio Qualidade Brasil (2005). «Indicados e Ganhadores do Prêmio Qualidade Brasil 2005». Associação Prêmio Qualidade Brasil. Consultado em 1 de julho de 2010 
  59. «Ganhadores do Prêmio Extra de TV 2005». Extra. Consultado em 15 de abril de 2018 
  60. América :: Awards
  61. Capricho Awards
  62. Prêmio Magnífico
  63. Troféu Samba de Primeira
  64. Redação Contigo! Online (2006). «8º Prêmio Contigo! - Vencedores». Revista Contigo!. Consultado em 1 de julho de 2010. Arquivado do original em 21 de outubro de 2012 
  65. «Troféu Super Cap De Ouro». TV Premiações. Consultado em 15 de abril de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]