Cláudio Fontana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde junho de 2017) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Claudio Fontana
Cláudio Fontana em dezembro de 2010.
Nascimento 3 de julho de 1962 (55 anos)
São Paulo, SP
Ocupação ator
IMDb: (inglês)


Cláudio de Toledo Fontana (São Paulo, 3 de julho de 1962) é um ator brasileiro.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Formado em Economia e Administração de empresas,[1] Cláudio é também produtor teatral. Fez seis anos de teatro amador no Esporte Clube Pinheiros, em São Paulo. Profissionalizou-se no espetáculo Vem buscar-me que ainda sou teu, em 1990, de Carlos Alberto Soffredini, e com direção de Gabriel Vilela, espetáculo que lhe rendeu o Prêmio APETESP de ator revelação. Logo depois, fez sua primeira telenovela na TV Globo, Deus nos acuda, de Sílvio de Abreu. De lá para cá, revezou-se em trabalhos no teatro e TV.

Em teatro destacou-se em Boca de Ouro (2017/2018), Esperando Godot (2016/2017), Macbeth (2012), interpretando Lady Macbeth, Calígula (2008 a 2010), Adivinhe Quem Vem Para Rezar (2005/6), onde contracenou com o ator Paulo Autran e em Pólvora e Poesia (2005), de Alcides Nogueira, onde interpretou o mítico poeta Rimbaud, indicado ao Prêmio Shell de melhor ator. Fez também o sucesso Andaime, de Sergio Roveri. Em 2011, fez "Édipo Rei", ao lado de Elias Andreato, peça que participou da Mostra Oficial do Festival de Curitiba. Em 2014, interpretou o compositor Mozart em "Um Réquiem Para Antonio", texto de Dib Carneiro Neto, direção de Gabriel Villela, ao lado também de Elias Andreato.

Em cinema participou do documentário Zico, o Filme (2002), dirigido por Elizeu Ewald e I Hate Sao Paulo (1998), de Dardo Toledo Barros, que participou da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo (2003) e Minneapolis International Film Festival (2004).

Foi apresentador do programa Globo Ecologia da TV Globo, de 1995 a 1997.

Na TV, destacou-se também em Fera Ferida, de Aguinaldo Silva. Gravou Ciranda de Pedra da TV Globo, em 2008. Em 2011 e 2012 gravou Rei Davi, minissérie da TV Record, como Jônatas. Em 2015, I Love Paraisopolis, de Alcides Nogueira e Mario Teixeira.

Atuação na televisão[editar | editar código-fonte]

Televisão
Ano Título Papel Emissora
2015 I Love Paraisópolis Dilson Rede Globo
2012 Rei Davi Jônatas Rede Record
2008 Ciranda de Pedra Rogério Paes de Almeida Rede Globo
2005 América Dado Rede Globo
2004 Seus Olhos Gilson SBT
2004 Um Só Coração Jayme Penteado Rede Globo
2002 Pequena Travessa Hugo SBT
1999 Tiro e Queda Marcelo Amarante Rede Record
1998 A História de Ester Aridai Rede Record
1997 O Amor Está no Ar Caco Rede Globo
1994 As Pupilas do Senhor Reitor Manuel do Alpendre SBT
1993 Fera Ferida Áureo Poente Pompílio de Castro Rede Globo
1992 Deus Nos Acuda Ígor Bismark Rede Globo

Atuação no teatro[editar | editar código-fonte]

  • 2017/2018 - Boca de Ouro - de Nelson Rodrigues, direção de Gabriel Villela, com Malvino Salvador
  • 2016/2017 - Esperando Godot - de Beckett, direção de Elias Andreato
  • 2014 - Um Réquiem Para Antonio- de Dib Carneiro Neto, direção de Gabriel Villela, com Elias Andreato.
  • 2012 - Macbeth - de Shakespeare, direção de Gabriel Villela.
  • 2011 - Édipo Rei - de Sófocles, direção de Elias Andreato.
  • 2009/2010 - Calígula - de Albert Camus, direção de Gabriel Villela, com Thiago Lacerda.
  • 2007/2008 - Andaime - de Sérgio Roveri, direção de Elias Andreato, com Cássio Scapin.
  • 2007 - Amigas pero no mucho - de Célia Forte, direção de José Possi Neto, com Elias Andreato, Leopoldo Pacheco e Romis Ferreira.
  • 2005/2006 - Adivinhe quem vem para rezar - de Dib Carneiro Neto, direção de Elias Andreato, com Paulo Autran.
  • 2005 - Pólvora e poesia - de Alcides Nogueira, direção de Marcio Aurelio, com Leopoldo Pacheco
  • 2002/2003 - A ponte e a água de piscina - de Alcides Nogueira, direção de Gabriel Villela, com Walderez de Barros e Vera Zimmermann.
  • 2001 - Feliz ano velho - de Alcides Nogueira, direção de Paulo Betti, com Denise del Vecchio e Genézio de Barros.
  • 2000 - Replay de Max Miller, direção de Gabriel Villela, com Raul Gazolla, Mateus Carrieri, Leopoldo Pacheco e Vera Zimmermann.
  • 1999 - Camila Baker - de Emilio Boechat, direção de Fernando Guerreiro, com Raul Gazolla, Dalton Vigh, Mateus Carrieri e Caco Ciocler.
  • 1998 - Nijinski - dança-teatro, de Daniel Rodrigues, produção de Fernando Bicudo, com Marcelo Misailidis
  • 1997/1998 - Pérola - de Mauro Rasi, direção do autor, com Vera Holtz, Sergio Mamberti e Sonia Guedes.
  • 1996/1997 - Uma coisa muito louca - de Flávio de Souza, direção de Enrique Diaz, com Luciana Braga, Leticia Teixeira, Ângela Dip e Romis Ferreira.
  • 1996 - Mary Stuart - de Schiller, direção de Gabriel Villela, com Renata Sorrah e Xuxa Lopes.
  • 1994/1995 - Traças da paixão - de Alcides Nogueira, direção de Marcio Aurelio, com Walderez de Barros.
  • 1993 - A guerra santa - de Luis Alberto de Abreu, direção de Gabriel Villela, com Beatriz Segall e Umberto Magnani
  • 1990/1991 - Vem buscar-me que ainda sou teu - de Carlos Alberto Soffredini, direção de Gabriel Villela, com Laura Cardoso, Xuxa Lopes e Lucinha Lins.

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]