Gabriel Villela

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Antônio Gabriel Santana Vilela (Carmo do Rio Claro, 1958) é um diretor de teatro, cenógrafo e figurinista brasileiro.[1] Dirigiu mais de 40 espetáculos entre adultos e infantis.

Formou-se no curso de formação de diretores da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP).[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

O espetáculo que o tornou conhecido do grande público foi Concílio do Amor, ainda nos anos 1980 e ainda "Romeu e Julieta" com o Grupo Galpão.[1]Mas suas outras encenações de Shakespeare como "Sua Incelença Ricardo III" (2010), "Macbeth" (2012) e "A Tempestade" (2015/2016), "Boca de Ouro" (2017/2018) e "Hoje é Dia de Rock" (2018) merecem destaque. Além, claro, dos lindos musicais de Chico Buarque: "A Ópera do Malandro", "Os Saltimbancos" e "Gota d´Água" (2000 a 2003).

Participou de vários festivais internacionais.[1] Seu espetáculo, Romeu e Julieta, foi apresentado por duas temporadas no Globe Theatre, em Londres. Dirigiu óperas, peças de teatro, espetáculos de dança, espetáculos de música (Maria Bethânia, Milton Nascimento, Elba Ramalho, Grupo Tambolelê e Ivete Sangalo) e um especial para a televisão (A paixão segundo Ouro Preto, 2001, TV Globo). Foi diretor artístico do Teatro Glória (RJ), de 1997 a 1999, e do TBC (SP), de 2000 a 2001.

Além de premiado diretor teatral (10 Prêmios Shell, 9 APCA´s, entre outros) Villela tem atuação como cenógrafo e figurinista.

Carreira[editar | editar código-fonte]

No teatro[editar | editar código-fonte]

Como diretor


Como cenógrafo
  • 1989 - O concílio do amor
  • 1989 - Você vai ver o que você vai ver
  • 1989 - Relações Perigosas
  • 1990 - Vem buscar-me que ainda sou teu
  • 1990 - A vida é sonho
  • 1991 - Romeu e Julieta
  • 1993 - A guerra santa
  • 1994 - A falecida
  • 1994 - A rua da amargura
  • 1995 - Seis personagens à procura de um autor (direção de Paulo Autran)
  • 1995 - A torre de babel
  • 1996 - Mary Stuart
  • 1996 - O mambembe
  • 1996 - O sonho
  • 1996 - Ventania
  • 1999 - Alma de todos os tempos
  • 2000 - Replay
  • 2000 - O homem do caminhio (direção de Sergio Mamberti)
  • 2000 - O rei da vela (direção de Enrique Diaz)
  • 2001 - Pólvora e Poesia
  • 2004 - Fausto Zero
  • 2005 - Apareceu a Margarida
  • 2006 - Esperando Godot
  • 2007 - Andaime (direção de Elias Andreato)
  • 2007-2008 - Salmo 91
  • 2010 - O Soldadinho e a Bailarina
  • 2010 - "Sua Incelença, Ricardo III"
  • 2011 - "Crônica da Casa Assassinada"
  • 2011 - Hécuba
  • 2012 - Macbeth
  • 2013 - "Os Gigantes da Montanha"
  • 2015 - "A Tempestade"
  • 2016 - "Peer Gynt"
  • 2017 - "Boca de Ouro"
  • 2017 - "Hoje é Dia de Rock"


Como figurinista
  • 1989 - O concílio do amor
  • 1989 - Você vai ver o que você vai ver
  • 1990 - Vem buscar-me que ainda sou teu
  • 1990 - A vida é sonho
  • 1993 - A guerra santa
  • 1994 - A falecida
  • 1994 - A rua da amargura
  • 1995 - Torre de babel
  • 1996 - Mary Stuart
  • 1996 - O mambembe
  • 1996 - O sonho
  • 1996 - Ventania
  • 1997 - A aurora da minha vida
  • 1997 - A vida é sonho
  • 1997 - Morte e vida severina
  • 1999 - Alma de todos os tempos
  • 2000 - O homem do caminho (direção de Sergio Mamberti)
  • 2000 - Replay
  • 2000 - A ópera do malandro
  • 2001 - Pólvora e poesia
  • 2001 - Os saltimbancos
  • 2001 - Gota d'água
  • 2002 - A ponte e a água de piscina
  • 2003 - Quartett
  • 2003 - Os saltimbancos
  • 2004 - Fausto Zero
  • 2005 - Apareceu a Margarida
  • 2006 - Esperando Godot
  • 2006 - Leonce e Lena
  • 2007 - Andaime (direção de Elias Andreato)
  • 2007-2008 - Salmo 91
  • 2009 - Calígula
  • 2010 - Vestido de Noiva
  • 2010 - O Soldadinho e a Bailarina
  • 2010 - Sua Incelença Ricardo III
  • 2011 - Crônica da Casa Assassinada
  • 2011 - Hécuba
  • 2012 - Macbeth
  • 2013 - Os Gigantes da Montanha
  • 2013 - "Um Réquiem para Antonio"
  • 2014 - "Mania de Explicação"
  • 2015 - "A Tempestade"
  • 2016 - "Peer Gynt"
  • 2017 - "Boca de Ouro"
  • 2017 - "Hoje é Dia de Rock"
Como autor
  • 2000 - Alma de todos os tempos
Como roteirista
  • 1989 - Você vai ver o que você vai ver

Referências

  1. a b c d Itau Cultural.org.br (s/d). «Villela, Gabriel (1958)». Enccilopédia Itaú Cultural. Consultado em 17 de Junho de 2012 
  2. Folha (29 de setembro de 2016). «'Peer Gynt', de Ibsen, ganha montagem sincretista do diretor Gabriel Villela». Folha Ilustrada. Consultado em 27 de outubro de 2018 

Ver também[editar | editar código-fonte]