Grupo Galpão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde julho de 2015).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Companhia De Teatro
Grupo Galpão
sem imagem livre
Local e Data da Fundação
Belo Horizonte, 1982
Tipologia
Teatro de rua
Obras Destacadas
Romeu e Julieta, 1992
Sede
Horto (Belo Horizonte)
Equipe
Direção Lydia Del Picchia, Simone Ordones, Gabriel Vilela
Elenco Regular Teuda Bara, Eduardo Moreira, Wanda Fernandes, Antonio Edson, Arildo de Barros, Beto Franco, Chico Pelúcio, Fernanda Vianna, Inês Peixoto, Júlio Maciel, Lydia Del Picchia, Paulo André, Simone Ordones
Financiamento e Apoios
Petrobrás
Governo do Estado de Minas Gerais
Governo do Brasil

O Grupo Galpão é uma companhia de teatro originária do teatro de rua de Belo Horizonte. Fundado em 1982 por Teuda Bara, Eduardo Moreira, Wanda Fernandes e Antônio Edson, teve sua primeira peça, E a Noiva Não Quer Casar, encenada na Praça Sete de Setembro, área central de Belo Horizonte, em novembro do mesmo ano.

Histórico[editar | editar código-fonte]

A origem do grupo está relacionada a uma oficina que aconteceu em Diamantina, em ocasião do Festival de Inverno da UFMG que despertaria em alguns participantes a formação do grupo.[1] A trupe se encontrou nas oficinas de teatro dos alemães Kurt Bildstein e George Froscher, do Teatro Livre de Munique, que trabalhavam com o teatro de rua.[2] A oficina resultou em A Alma Boa de Setsuan, de Bertolt Brecht, a primeira montagem do grupo.[2]

Sua fama veio em 1992 quando encenou Romeu e Julieta de Shakespeare, com uma montagem típica de teatro de rua, recebendo os prêmios do júri popular do Festival Nacional de Teatro de Curitiba e Shell especial, em 1993.[3] O grupo fez também várias turnês nacionais e internacionais, embora suas temporadas geralmente sejam curtas.[4] Em 2000 torna-se o primeiro grupo brasileiro a apresentar-se no Globe de Londres, famoso local onde se encenam apenas peças de Shakespeare, com sua versão de "Romeu e Julieta".[5]

Peças[editar | editar código-fonte]

  • E a Noiva Não Quer Casar (1982)[4]
  • De Olhos Fechados (1983)[4]
  • Ó Procê Vê na Ponta do Pé (1984)[4]
  • Arlequim, Servidor de Tantos Amores (1985), adaptação de um clássico da commedia dell'arte[4]
  • A Comédia da Esposa Muda(1986)
  • Foi por Amor (1987)
  • Triunfo de um Delírio Barroco (1987)
  • Corra Enquanto é Tempo (1988)
  • Álbum de Família (1990)
  • Romeu e Julieta (1992), adaptação da peça de William Shakespeare[6]
  • A Rua da Amargura (1994)
  • Um Molière Imaginário (1997), uma adaptação de "O Doente Imaginário" de Molière
  • Partido (1999), adaptação de "O Visconde Partido ao Meio" de Ítalo Calvino
  • Um Trem Chamado Desejo (2000)
  • O Inspetor Geral (2003), de Nikolai Gogol
  • Um Homem É um Homem (2005), de Bertolt Brecht
  • Pequenos Milagres (2007)
  • Till, a Saga de um Herói Torto, Texto de Luís Alberto de Abreu (2009)
  • Tio Vânia (2011)
  • Os Gigantes da Montanha (2013), adaptação de Luigi Pirandello[7][8][9]
  • De Tempo Somos (2014)
  • NÓS (2016)

Membros[editar | editar código-fonte]

  • Antônio Edson
  • Arildo de Barros
  • Beto Franco
  • Chico Pelúcio
  • Eduardo Moreira
  • Fernanda Vianna
  • Inês Peixoto
  • Júlio Maciel
  • Lydia del Picchia
  • Paulo André
  • Rodolfo Vaz (ex-membro)
  • Simone Ordones
  • Teuda Bara
  • Wanda Fernandes (ex-membro)

Referências

  1. Estado de Minas. (20 de junho de 2010). Oficinas seminais. Caderno Em Cultura
  2. a b Revista Diversa. (março de 2005). Quatro festivas décadas. Revista da Universidade Federal de Minas Gerais, ano 2, n.6, acesso em 20 de junho de 2010
  3. «Um quarto de século». SEC. 25 de abril de 2008. Consultado em 14 de abril de 2010 
  4. a b c d e «Grupo Galpão». Encilopédia Itaú Cultural. Consultado em 10 de setembro de 2015 
  5. «Festivais internacionais». Grupo Galpão. Consultado em 14 de abril de 2010 
  6. Grossi, Isabella (24 de maio de 2012). «Consagração no palco de Shakespeare». vejabh.abril.com.br. Editora Abril. Consultado em 11 de Setembro de 2015 
  7. «Com entrada franca, Galpão estreia 'Os gigantes da montanha' em BH». Consultado em 11 de setembro de 2015 
  8. «Fábula inacabada de Pirandello é difícil e bela». Consultado em 11 de setembro de 2015 
  9. «Grupo Galpão chega a Uberlândia com "Os Gigantes da Montanha"». www.uberlandia.mg.gov.br. Consultado em 11 de setembro de 2015 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre teatro (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.