Beatriz Segall

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Beatriz Segall
Beatriz Segall em 2011
Nome completo Beatriz de Toledo Segall
Nascimento 25 de julho de 1926
Rio de Janeiro, RJ
Nacionalidade brasileira
Morte 5 de setembro de 2018 (92 anos)
São Paulo, SP
Ocupação atriz
Atividade 1950–2018
IMDb: (inglês)

Beatriz de Toledo Segall (Rio de Janeiro, 25 de julho de 1926 - São Paulo, 5 de setembro de 2018) foi uma atriz brasileira de teatro, cinema e televisão, conhecida por interpretar a grande vilã Odete Roitman em Vale Tudo, um grande sucesso da teledramaturgia brasileira. Sua última telenovela completa foi Bicho do Mato, na RecordTV em 2006, na qual interpretou a milionária controladora Bárbara de Sá Freitas.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascida no Rio em uma família da classe média, Beatriz de Toledo era filha do diretor do prestigiado Instituto Lafayette, um tradicional colégio feminino da Tijuca, e recebeu uma educação primorosa para os padrões da época – aprendeu francês, piano e costura.[2] Na escola sempre assistia encantada aos ensaios das peças teatrais, mas no fim dos anos 1940, garotas de família eram mantidas longe do ambiente “promíscuo” do teatro. Por isso, quando Beatriz comunicou em casa que pretendia integrar o elenco de uma peça profissional, seu pai reagiu mal, dizendo: “Pode ir, mas vai me dar um grande desgosto”. Beatriz não foi. Em 1946, foi professora de francês, tendo lecionado no Colégio Municipal Barão do Rio Branco, no bairro de Santa Cruz-RJ. Anos mais tarde, surpreendeu sua mãe com a notícia de que tinha ganhado uma bolsa para estudar teatro e literatura em Paris e, dessa vez, não pretendia abrir mão. Começou a estudar teatro no início dos anos 1950. Trabalhou com Henriette Morineau. Em Paris, prosseguiu os estudos e conheceu Maurício Segall, filho do pintor judeu lituano Lasar Segall e da tradutora Jenny Klabin, com quem se casou em 1954[2] e teve três filhos: o diretor de cinema Sérgio Toledo Segall, Mário (arquiteto e professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie) e Paulo. Nessa época, abandonou a carreira para retomá-la somente em 1964. No início da década de 1970, seu marido foi preso, pois fazia parte da ALN, fazendo com que passasse por um período de dificuldades.

Em 22 de junho de 2009, foi agraciada com a comenda da Ordem do Ipiranga pelo Governo do Estado de São Paulo, na pessoa do então governador José Serra.[3] Em 21 de julho de 2013, as vésperas de seu aniversário, a atriz caiu em um buraco em uma calçada do bairro da Gávea (bairro do Rio de Janeiro), na Zona Sul da cidade do Rio de Janeiro, se machucando seriamente. Na ocasião, Beatriz Segall chegou a receber uma ligação e um pedido de desculpas do prefeito Eduardo Paes.[4]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Fez longa carreira, sempre voltada ao teatro,[5] frequentou a escola de formação de atores do Serviço Nacional de Teatro, SNT, onde grava uma cena com Jean-Louis Barrault. No fim do curso interpreta Le Bel Indifférent, de Jean Cocteau, abrindo as portas para sua carreira teatral, em 1950,[6] embora tenha trabalhado no cinema, onde estreou em 1950, no filme A Beleza do Diabo, de Romain Lesage.[7]

Recebeu vários prêmios na carreira pelo teatro, dentre os quais, os prêmios Governador do Estado, Prêmio Shell, Mambembe.[5] Já atuou em mais de 40 peças de teatro, dentre elas, Hamlet, Frank V, A Longa Noite de Cristal e Três Mulheres Altas e os monólogos Emily e Lillian [6][8] Em 1953, foi integrante da companhia Os Artistas Unidos, de Henriette Morineau, depois em 1964, passou a integrar o Teatro Oficina e fez parceria em 1986 com o Grupo Tapa.[9]

Na Televisão, interpretou personagens que marcaram a história da televisão brasileira, como Lourdes Mesquita, de Água Viva, em 1980, mas foi a personagem de Odete Roitman, de Vale Tudo em 1988, da Rede Globo, considerada uma das maiores vilãs da história da televisão brasileira, que marcou sua carreira televisiva. O sucesso da personagem inspira interpretações de vilões de novelas até os tempos atuais. Além disso, o jargão "Quem Matou Odete Roitman?" (referindo-se ao assassinato da personagem) é até hoje repetido em alusão aos mistérios das tramas em telenovelas. Beatriz já revelou em entrevistas que não gosta de falar sobre a personagem, afirmando que, pela popularidade de sua personagem, acaba nunca sendo reconhecida por outros trabalhos no teatro e no cinema, e que isso a incomoda muito. Além da Lourdes Mesquita em Água Viva (1980) e de Odete Roitman de Vale Tudo (1988)[5], destacou-se também com outras personagens como A Celina em Dancin' Days (1978), A Norah Brandão de Pai Herói (1979), A Laura em Sol de Verão (1982), A Eunice em Champagne (1983) no qual interpretou sua única personagem pobre na TV, A Alzira em Carmem (1987) , da Rede Manchete, A Miss Penélope Brown em Barriga de Aluguel (1990), A Stella em De Corpo e Alma (1992), A Paula em Sonho Meu (1993), A Clotilde Jordão em Anjo Mau (1997).[10]

Em 2006, após nove anos sem integrar o elenco fixo de uma telenovela preferindo dedicar-se apenas ao teatro, aceitou o convite da RecordTV para Bicho do Mato, onde vivia a antagonista Bárbara, uma avó fria e sem coração, que vivia em guerra com sua neta por não viver dentro do padrão da alta sociedade.[11] Em 2011, a convite da Rede Globo e do autor Aguinaldo Silva, interpretou mais uma vilã na sua carreira. A vilã, Maria Beatriz, personagem contra a protagonista, Lara Romero Susana Vieira, na 1ª temporada da série Lara com Z, derivada de Cinquentinha, do mesmo autor.[12] Em 2012 atuou na novela Lado a Lado, da Rede Globo, interpretando a personagem Madame Besançon.[13]

Em 11 de abril de 2015, Beatriz retornou a Rede Globo para estrear Os Experientes, uma série em quatro capítulos. No primeiro episódio da série, "Assalto", a atriz interpreta Yolanda, uma senhora de idade que está em uma agência bancária no momento em que esta foi assaltada. Sua personagem divide sua história e experiências com um dos assaltantes.[14]

Morte[editar | editar código-fonte]

A atriz morreu em São Paulo, no dia 5 de setembro de 2018. A causa da morte não foi divulgada. [15]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Ano Título Personagem Notas
1956 Pollyana Mirtes Snow
1957 Lever no Espaço Yolanda
1958 Pollyana Moça Mirtes Snow
Grande Teatro Tupi Episódio: "Paiol Velho"
1959 O Jardim Encantado Mrs. Lennox
1966 Angústia de Amar Mary
1968 Ana Mercedes
1970 A Gordinha Clementina
1978 Dancin' Days Celina de Souza Prado Cardoso
1979 Pai Herói Norah Limeira Brandão
1980 Água Viva Lourdes Soares Mesquita
1981 Telecontos Matilde / Cida / Ruth Episódio: "O Velho Diplomata"
Episódio: "Paixão e Morte"
Episódio: "Prima Belinha"
Os Adolescentes Iracema
1982 Ninho da Serpente Noêmia
Sol de Verão Laura
1983 Louco Amor Lourdes Mesquita Capítulo: "11 de abril de 1983"
Champagne Eunice
1987 Carmem Alzira
1988 Vale Tudo Odete de Almeida Roitman
1990 A, E, I, O... Urca Condessa Sofia Iamatre
Barriga de Aluguel Miss Penélope Brown
1992 De Corpo e Alma Stella Mendes Peixoto
1993 Sonho Meu Paula Candeias de Sá
1997 Anjo Mau Clotilde Jordão (Clô)
1998 Você Decide Izildinha Barroso Episódio: "Dublê de Socialite"
2000 Sãos e Salvos! Madame Kiki Episódio: "A Ilha"
2001 O Clone Miss Penélope Brown Capítulo: "18 de dezembro de 2001"
2002 Esperança Maria Antônia Capítulos: "17–19 de junho de 2002"
2006 Prova de Amor Ela mesma Capítulo: "20 de abril de 2006"
Bicho do Mato Bárbara de Sá Freitas
2011 Lara com Z Maria Beatriz Ventura Passos de Albuquerque
2012 Lado a Lado Madame Besançon Capítulos: "11 setembro–3 outubro de 2012"
2015 Os Experientes Yolanda Episódio: "Assalto"

Cinema[editar | editar código-fonte]

Ano Título Papel
1951 A Beleza do Diabo[7]
1965 Tédio [16]
1970 Cléo e Daniel Mãe de Cleo [17]
1976 À Flor da Pele Isaura [18]
1978 O Cortiço Isabel [19]
Diário da Província
1979 Os Amantes da Chuva
1981 Pixote, a Lei do Mais Fraco Viúva
1984 São Bernardo [20]
1988 Romance Cecília
2003 Desmundo Dona Brites
2011 Família Vende Tudo Vivi Penteado

Teatro[editar | editar código-fonte]

Ano Título Papel
1950 Le Bel Indifférent
1950 Alegres Canções nas Montanhas
1951 Um Cravo na Lapela
1952 Jezebel
1952 Manequim
1963 Pequenos Burgueses
1964 Esses Fantasmas
1964 Andorra
1966 Os Inimigos
1968 Marta Saré
1969 Um Inimigo do Povo Sra. Stockman
1969 Hamlet Rainha Gertrudes
1970 A Longa Noite de Cristal
1970 O Interrogatório
1972 O Casamento de Fígaro
1972 A Grande Imprecação Diante dos Muros da Cidade
1973 Frank V
1973 O Prodígio do Mundo Ocidental
1974 Os Pintores de Cano
1975 Os Executivos
1976 À Margem da Vida Amanda Wingfield
1980 A Carta
1984 Emily Emily Dickinson
1985 O Lado Fatal
1986 O Tempo e os Conways
1987 O Manifesto
1989 Lilian Lillian Hellman
1993 Guerra Santa
1994 Fragmentos do Teatro Brasileiro
1995 Três Mulheres Altas A
1997 Do Fundo do Lago Escuro
2000 Estórias Roubadas Ruth Steiner
2004 As Pequenas Raposas Regina Giddens
2004 Quarta Feira, sem Falta, Lá em Casa Alcina
2008 A Senhora das Cartas Irene
2011 Conversando com Mamãe Mãe de Jaime
2015 Nine – Um Musical Felliniano Mãe de Guido

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Categoria Trabalho Resultado Ref
1985 Prêmio Governador do Estado Melhor Atriz Emily Venceu [6]
1989 Troféu Imprensa Melhor Atriz Vale Tudo Venceu [21]
1993 Troféu Imprensa Melhor Atriz De Corpo e Alma Indicada [22]
1995 Troféu Mambembe Melhor Atriz Três Mulheres Altas Venceu [6]
2004 Grande Prêmio Brasileiro de Cinema Melhor Atriz Coadjuvante Desmundo Indicada [23]
2011 Prêmio Governador do Estado Destaque Cultural Conjunto da obra Indicada [24]

Referências

  1. «Record TV lamenta morte de Beatriz Segall». R7. Consultado em 5 de setembro de 2018 
  2. a b «Na Revista J.P, um um raio-X de Beatriz Segall, dama da TV brasileira». Glamurama Uol. Consultado em 20 de julho de 2017 
  3. «Serra homenageia artistas com Ordem do Ipiranga». Portal do Partido da Social Democracia Brasileira. 23 de junho de 2009. Consultado em 9 de março de 2018 
  4. «'Se não arrumarem, farei campanha', diz Beatriz Segall após tombo em calçada». O Dia. Consultado em 5 de setembro de 2018 
  5. a b c «Sobre Beatriz Segall». Campinas. Consultado em 20 de julho de 2017 
  6. a b c d «Beatriz de Toledo Segall». Enciclopedia Itau. Consultado em 20 de julho de 2017 
  7. a b Cinemateca Brasileira A Beleza do Diabo [1]
  8. «Beatriz Segall: Peças». Todo Teatro Carioca. Consultado em 5 de setembro de 2018 
  9. «A dama no palco: Sucesso na tevê paga com uma personagem que interpretou há mais de 20 anos, a Odete Roitman de Vale Tudo, a atriz volta ao teatro ao lado de Herson Capri». Terra. Consultado em 5 de setembro de 2018 
  10. «É difícil desassociar a sofisticada vilã de Vale Tudo da vida profissional de Beatriz Segall». Memoria Globo. Consultado em 20 de julho de 2017 
  11. «Beatriz Segall volta à Rede Globo após 9 anos». Gente IG. Consultado em 5 de setembro de 2018 
  12. Redação - redeglobo.globo.com (1 de fevereiro de 2011). «Lara com Z: Beatriz Segall volta à TV como a vilã Maria Beatriz na trama». Globo.com. Cópia arquivada em 28 de fevereiro de 2014 
  13. «Famosa por vilã, Beatriz Segall volta à TV na pele da francesa Madame Besançon». TV Globo. Consultado em 5 de setembro de 2018 
  14. Carla Bittencourt (2 de março de 2015). «Beatriz Segall vira refém de um assalto a banco em 'Os experientes'». Extra. Telinha. Consultado em 28 de março de 2015 
  15. «Relembre a carreira da atriz Beatriz Segall, que morreu aos 92 anos nesta quarta (5) | Portal Atualizei». Portal Atualizei 
  16. Cinemateca Brasileira Tédio [em linha]
  17. Cinemateca Brasileira Cléo e Daniel [em linha]
  18. Cinemateca Brasileira À Flor da Pele [em linha]
  19. Cinemateca Brasileira O Cortiço [em linha]
  20. São Bernardo - Filmow
  21. Troféu Imprensa 1988. Chance de Gol. Página visitada em 9 de Agosto de 2015.
  22. Troféu Imprensa 1992. Chance de Gol. Página visitada em 9 de Agosto de 2015.
  23. «Desmundo». AF Cinema. Consultado em 5 de setembro de 2018 
  24. «A edição de 2011 do Prêmio Governador do Estado para a Cultura premia duas categorias diferentes». Secretaria da Cultura. 2011. Consultado em 5 de setembro de 2018 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Beatriz Segall
Precedida por:
Marília Pêra
por Brega & Chique
Troféu Imprensa de Melhor Atriz
por Vale Tudo

1989
Sucedida por:
Joana Fomm
por Tieta