Bicho do Mato (2006)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre a telenovela de 2006. Para outros significados, veja Bicho do Mato.
Bicho do Mato
Savage (Título Internacional)[1]
Salvaje (Espanha)[1]

Informação geral
Formato Telenovela
Gênero Romance
Aventura
Duração 60 minutos
Criador(es) Cristianne Fridman
Bosco Brasil
País de origem  Brasil
Idioma original (português brasileiro)
Produção
Diretor(es) Edson Spinello
Diretor(es) de criação Edson Spinello
Roberto Bomtempo
César Rodrigues
Elenco André Bankoff
Renata Dominguez
Jonas Bloch
Miriam Freeland
Marcos Mion
Ana Beatriz Nogueira
Thaís Fersoza
Raphael Viana
Amandha Lee
Márcio Kieling
Bia Seidl
Beatriz Segall
Adriana Garambone
Angelina Muniz
Sérgio Reis
Almir Sater
(ver mais)
Tema de abertura "Retratos do Brasil", João Caetano e Sérgio Reis
Localização Rio de Janeiro
Pantanal
Exibição
Emissora de televisão original Brasil Rede Record
Formato de exibição 1080i (HDTV)
Transmissão original 18 de julho de 200620 de março de 2007
N.º de episódios 212
Cronologia
Programas relacionados Bicho do Mato

Bicho do Mato é uma telenovela brasileira produzida e exibida pela Rede Record entre 18 de julho de 2006 e 20 de março de 2007, sucedendo Prova de Amor e antecedendo Luz do Sol. Foi a 5ª telenovela transmitida pela emissora desde a retomada da produção de obras de teledramaturgia, em 2004, sendo um reboot da telenovela homônima de 1972. Inicialmente foi estreada como "novela das sete", porém tornou-se, após o terceiro mês, a segunda "novela das oito" da emissora quando Cidadão Brasileiro, que até então ocupava o horário, passou para as dez. Foi escrita por Cristianne Fridman e Bosco Brasil, com colaboração de texto de Maria Cláudia Oliveira, Valeria Motta e Camilo Pellegrini e a supervisão de Tiago Santiago. A direção geral ficou por conta de Edson Spinello, enquanto a direção de criação foi realizada por Spinello em parceria com Roberto Bomtempo e César Rodrigues. Foi reprisada entre 16 de março a 26 de junho de 2009, em 90 capítulos, substituindo Prova De Amor.[2]

André Bankoff interpreta o protagonista, Juba, um rapaz que mora em uma fazenda no Pantanal em contato com a natureza e com a tribo indígena ali presente, mas que vê sua vida virar de cabeça para baixo quando assassinam seu pai misteriosamente. Renata Dominguez, Jonas Bloch, Miriam Freeland, Marcos Mion, Ana Beatriz Nogueira, Thaís Fersoza, Raphael Viana, Amandha Lee, Márcio Kieling, Bia Seidl, Beatriz Segall, Adriana Garambone, Angelina Muniz, Sérgio Reis e Almir Sater completam o elenco nos papeis principais.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Novela das sete[editar | editar código-fonte]

Após o fracasso de Metamorphoses, que chegou a marcar 0,7 pontos, a Rede Record decidiu fechar o núcleo de teledramaturgia e iniciar uma reestruturação completa nesta sessão.[3] Em 10 de maio de 2004 Herval Rossano foi contratado como diretor geral de teledramaturgia e passou a orientar a emissora na reestruturação, promovendo o investimento na compra de equipamentos de última geração, novos estúdios e expansão da equipe, além da aquisição de um casting de autores em ascensão e novos atores qualificados.[4][5][6] O diretor apresentou a proposta de sete tramas de autores diferentes antes que fosse escolhida qual reestrearia a dramaturgia na emissora.[7][8] Em 18 de outubro de 2004 A Escrava Isaura estreia, inicialmente às 18h30 e logo após mudada para as 19h, promovida como a primeira novela das sete da nova fase.[9] A novela marcou 15 pontos de média, o que levou a emissora a continuar investindo no horário.[10] Essas Mulheres estreia em 2 de maio de 2005, baseada em três livros de José de Alencar, Senhora, Diva e Lucíola, recebendo boa crítica da imprensa, que a descreveu como uma "novela de qualidade" e que "comprova investimento da Record".[11] Na mesma época a emissora compra os estúdios do humorista Renato Aragão, inaugurando a RecNov, um complexo de estúdios estruturado para servir à teledramaturgia, servindo de cenário para as filmagens de Prova de Amor, novela que viria a solidificar a faixa da novela das sete.[12] Prova de Amor consolidou a audiência no horário, chegando a conquistar a liderança em 18 de janeiro de 2006 com 20 pontos e picos de 25.[13] No último capítulo, exibido em 17 de julho de 2006, registrou uma média de 23 pontos de média e pico de 29.[14]

Telenovelas de Cristianne Fridman[editar | editar código-fonte]

Cristianne Fridman chegou à Rede Record em 2005 como colaboradora na telenovela Essas Mulheres, após uma pequena temporada na Rede Globo, onde também foi colaboradora de Coração de Estudante e da oitava temporada de Malhação, ambas de Emanuel Jacobina.[15]

Produção[editar | editar código-fonte]

Em dezembro de 2005 a sinopse de Cristianne Fridman e Bosco Brasil foi aprovada e a novela entrou em fase de pré-produção.[16] Na época a trama foi anunciada sob o título de À Flor da Pele e, posteriormente, de O Bicho.[17] Em janeiro de 2006, porém, foi anunciado que o título definitivo seria Bicho do Mato, aproveitando a história da novela homônima de 1972, a qual inspirou o reboot de Cristianne e Bosco.[18] As gravações começaram dia 9 de maio em Poconé, cidade no interior do Pantanal, reunindo uma equipe de 120 pessoas entre atores e equipe técnica.[19] Originalmente a novela estava prevista para estrear em 12 de junho, porém, pela extensão de Prova de Amor, acabou passando para 18 de julho.[16] Durante as filmagens da novela foram utilizados 250 figurantes.[20] Uma das exigências da direção foi que toda a equipe, incluindo os atores, tivessem que tomar vacinas contra malária, febre amarela e demais doenças antes de viajarem ao Pantanal gravar, prevenindo-os.[21] Cada capítulo de Bicho do Mato teve o orçamento avaliado em 150 mil reais.[22] Este foi o maior valor investido em uma trama da emissora até então, sendo que a antecessora, Prova de Amor, tinha o valor de 80 mil reais.[23] Foi o primeiro trabalho como diretor de Roberto Bomtempo, que viria a exercer este cargo na emissora em diversas outras tramas, além de se tornar preparador de elenco a partir de então.[24]

Locações e cenografia[editar | editar código-fonte]

"A decisão levou em conta, principalmente, os aspectos técnicos, artísticos e de logística. Devemos pensar no bem-estar da equipe, no transporte de pessoal e na facilitação do deslocamento de equipamentos."

 — O diretor Edson Spinello sobre a escolha das cidades em que Bicho do Mato foi gravada.[25]

Originalmente era planejado que a novela seria gravada no Mato Grosso do Sul, utilizando a cidade de Bonito como principal locação.[26] Porém Carlos Dorielo, diretor do Grupo Gazeta, a maior empresa de comunicação do centro-oeste, negociou com a Record para que a trama fosse gravada no Mato Grosso, visando expandir o turismo para o estado e oferecendo uma parceria com empresários locais e o governo estadual para que fosse viabilizado a gravação naquela parte do Pantanal: "Valeu pela luta, o sacrifício de trazer parte das gravações para Mato Grosso. A iniciativa é muito importante para o estado. Mesmo antes do lançamento da novela as pousadas e hotéis do Pantanal já estão movimentados. Isso é reflexo da divulgação feita em decorrência da novela".[26] Antes do início das gravações, o diretor Edson Spinello e a atriz Renata Dominguez estiveram em Cuiabá, no Mato Grosso, para escolher algumas cidades que receberiam as gravações e conversar com grupos culturais do estado e pegar referências para construir o perfil dos personagens.[25] Além disso, foram selecionadas algumas pessoas ligadas às tradições folclóricas para participarem de algumas cenas cenas da novela, incluindo as competições de provas de laço e de churrasco pantaneiro.[19]

A Chapada dos Guimarães foi cenário para Bicho do Mato.

A primeira gravação ocorreu na cidade de Poconé, cidade no interior do Pantana, colocando o Pantanal como pano de fundo para se contar a histórial.[19] Outras cidades mato-grossenses foram utilizadas para as gravações da novela, incluindo Nobres, Chapada dos Guimarães e Cáceres, todas situadas aos arredores da rodovia MT-060 Transpantaneira, facilitando o acesso e o transporte dos equipamentos e da equipe.[27][28] Durante um dos dias de gravação houve uma invasão de besouros no hotel em que o elenco estava hospedado, o que culminou na transferência de Renata Dominguez, que era alérgica, para um chalé em Cuiabá, locomovendo-se a cada dia de gravação.[29] As cenas de banhos de rio de André Bankoff e outros personagens indígenas tiveram que ser gravadas em um ritmo acelerado e com diversos cortes para que o elenco pudesse ficar o menor tempo possível dentro da água, uma vez que os rios mato-grossenses são habitados por várias espécies de piranhas.[29] Para as cenas da fazenda e demais cenários adjacentes, como a tribo indígena dos Guaporás, a emissora adquiriu uma fazenda em Volta Redonda, no Rio de Janeiro, onde foram construidas várias casas cenográficas e instalações que serviriam para diversas locações.[30] A Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) serviu de locação fixa para a universidade fictícia da novela, tendo as cenas gravadas aos finais de semana.[31]

Escolha do elenco[editar | editar código-fonte]

Renata Dominguez foi escalada para interpretar a protagonista Cecília em março de 2006, tendo que deixar a telenovela Prova de Amor, antecessora de Bicho do Mato, antes de seu fim para poder iniciar as gravações.[32] Em abril foi a vez de André Bankoff ser anunciado como o protagonista Juba, após passar por testes com outros dez atores.[33] Em maio Márcio Kieling, Regina Dourado, Marilu Bueno, Sérgio Reis, Almir Sater, Sérgio Malheiros e Roberto Bomtempo foram os primeiros atores coadjuvantes anunciados como parte do elenco.[34] Bicho do Mato foi a primeira novela completa de Beatriz Segall desde Anjo Mau, em 1997, seu último trabalho realizado do começo ao fim antes de anunciar que se afastaria da televisão para se dedicar ao trabalho e faria apenas participações especiais a partir de então – como ocorreu em O Clone (2001) e Esperança (2002).[35] Beatriz alegou que decidiu aceitar o convite pelo trabalho de Bosco Brasil, com quem já havia trabalhado no teatro: "Já é a terceira vez que a Record me procura. Desta vez, eu estava disponível e deu vontade de fazer televisão. O Bosco Brasil já escreveu muitas coisas boas para o teatro e eu estou confiando nisto. Para mim, o principal é o escritor. Quando a novela é bem escrita, tem muita chance de ser boa".[35]

Esta foi a terceira vez que Sérgio Reis e Almir Sater contracenaram juntos no mesmo núcleo, repetindo a parceria antes feita em Pantanal e O Rei do Gado, no qual também interpretaram peões.[36] Bicho do Mato apostou em um elenco jovem e de pouca experiência na televisão, vindos do teatro, dando a chance de parte deles interpretar o primeiro personagem na televisão, incluindo o protagonista André Bankoff e os atores Raphael Viana, Gabriela Moreyra, Jean Fercondini e Juliana Xavier, além de ser a primeira telenovela de Marcos Mion, que até então dedicava-se apenas como apresentador.[37]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.
Raphael Viana (esquerda) como o índio Irú e André Bankoff (direita) como Juba em cena de Bicho do Mato.

Juba (André Bankoff) foi criado desde pequeno apenas pelo pai, Fernando (Jairo Mattos), na Fazenda Boa Esperança, localizada no centro Pantanal, vivendo harmoniosamente junto à natureza e à aldeia indígena dos Guaporá – tribo da qual descende Irú (Raphael Viana), seu melhor amigo, e Tiniá (Thaís Fersoza), que é apaixonada por ele. Quem ajudou a cuidar dele foi Francisca (Angelina Muniz), cozinheira que sempre teve o rapaz como um filho e que está dividida entre o amor de Geraldo (Sérgio Reis) e Mariano (Almir Sater), peões da fazenda que a disputam a todo momento. A mãe do rapaz, Laura (Bia Seidl), o abandonou aos seis anos para morar no Rio de Janeiro e se casar com o ganancioso e inescrupuloso Ramalho (Jonas Bloch), que manda matar Fernando, visando usurpar as terras da fazenda e dos índios para explorar de uma mina de diamantes descoberta por ele. Paralelamente Juba conhece Cecília (Renata Dominguez), uma jovem médica que está visitando o Pantanal e vive um fulminante romance com ele.

Cecília é órfã e foi criada pela avó, Bárbara (Beatriz Segall), uma mulher amarga e que vive em divergência com a neta. Disposto a ir atrás do amor de sua vida e vingar o assassinato de seu pai, Juba se muda para o Rio de Janeiro junto com Irú, onde terá que enfrentar um mundo desconhecido e vencer na selva de concreto para concluir seus objetivos. Ele vai morar com seus tios – Afredo (Paulo Gorgulho), um bondoso empresário, e Alzira (Denise Del Vecchio), que trata a cadelinha Molly como se fosse uma filha –, mas acaba esbarrando na fúria de Emilio (Marcos Mion), seu primo e ex-namorado de sua amada, que está disposto a colocá-lo longe. Para complicar mais a história, Ruth (Miriam Freeland), melhor amiga de Cecília, fica obcecado por ele e está disposta a ter o mato-grossense para si de qualquer forma. A moça mora com sua irmã, Lili (Ana Beatriz Nogueira), uma jornalista cheia de mistérios, e com a amiga Silvia (Adriana Garambone), uma ex-modelo que viu sua carreira afundar ao mergulhar no alcoolismo e que tem um caso com Ramalho, conhecendo todos os segredos do empresário.

Há ainda a história de Betinha (Amandha Lee), uma moça que tem vergonha de ser pobre e mente para os pais que conseguiu uma bolsa de estudos em uma renomada universidade para poder conviver com jovens de alta sociedade, pegando escondido as roupas da loja onde trabalha para se exibir. Ela engana a todos que é de uma família de grandes empresários, quando na verdade é filha da faxineira do local, Wanda (Regina Dourado), e do motorista Túlio (Ewerton de Castro). Fugindo da mãe por toda universidade para que ninguém descubra a farsa, ela consegue dar o golpe em Tavinho (Márcio Kieling), filho de Laura e Ramalho e meio-irmão de Juba, casando-se com ele sem que ele saiba quem ela é de verdade.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Exibição[editar | editar código-fonte]

Inicialmente a novela foi classificada como imprópria para menores de 12 anos, o que culminava em uma exibição depois das 20 horas, porém após um pedido da emissora para que houvesse uma nova verificação, o Ministério da Justiça reclassificou-a como livre, conseguindo ser exibida no horário programado.[38] Bicho do Mato estreou em 18 de julho de 2006 como o quarta novela das sete produzida pela Record desde a retomada de sua teledramaturgia.[39] Para divulgar a estreia a emissora contratou a empresa de publicidade SNBB, que criou uma campanha baseada em animais silvestres vestindo peles de outros bichos, como um jacaré com plumas de pássaro, utilizando a analogia de que nem todos são como parecem, nem mesmo no centro do Pantanal.[40] Antes mesmo da estreia a novela foi vendida para quatro países – Chile, Uruguai, Paraguai, México e Portugal.[40] Após três meses de novela, em outubro, Bicho do Mato passou a ser exibida às 20h30, sendo alçada ao patamar de novela das oito, uma vez que Cidadão Brasileiro, que ocupava o horário, foi levada para as 22h.[41] A alteração rendeu um resultado positivo, crescendo a audiência de 12 para 18 pontos.[42] Bicho do Mato começou a ser reprisada em 16 de março de 2009, às 17 horas, chegando ao fim em 26 de junho com pouco mais de 3 meses de exibição e uma compactação de apenas 90 episódios.[43] A curta exibição deu-se pelo fato da emissora apenas utilizar o espaço vago até a estreia do programa Geraldo Brasil, apresentado por Geraldo Luís.[44]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ator/Atriz Personagens
André Bankoff Lucas Medeiros Redenção (Juba)
Renata Dominguez Cecília de Sá Freitas
Jonas Bloch Ramalho Rodrigues
Miriam Freeland Ruth Sampaio
Marcos Mion Emílio Redenção
Ana Beatriz Nogueira Lili Sampaio
Thaís Fersoza Tiniá Guaporá
Raphael Viana Irú Guaporá
Amandha Lee Alberta Chaves (Betinha)
Márcio Kieling Otávio Medeiros Rodrigues (Tavinho)
Bia Seidl Laura Medeiros Rodrigues
Beatriz Segall Bárbara de Sá Freitas
Adriana Garambone Sílvia Schiller
Angelina Muniz Francisca
Sérgio Reis Geraldo
Almir Sater Mariano
Regina Dourado Wanda Chaves
Ewerton de Castro Túlio Chaves
Paulo Gorgulho Alfredo Redenção
Denise Del Vecchio Alzira Redenção
Luiz Guilherme Camilo Brandão
Matheus Rocha Carlos Nogueira (Teleco)
Gabriela Moreyra Ana
Diogo Oliveira Yopanã Guaporá
Cláudio Gabriel Hilton
Marilu Bueno Zulmira de Sá Freitas (Dinda Zuzú)
Ana Rosa Jurema
Renato Scarpin Joel Mesquita
Jean Fercondini Nicolau Chaves
Juliana Xavier Jaci Guaporá
Valéria Alencar Iara Guaporá
André Di Mauro Pedro
Castrinho Delegado Maurinho
Augusto Vargas Roberto Madeira
Dáblio Moreira Pitoco
Janaína Lince Maria Elisa de Castro
Gustavo Mello Eduardo de Castro
Rogério Brito João Carlos (Joca)
Juliana Mesquita Graça Paes (Gracinha)
Daniel Zettel Rafael (Rafa)
Sacha Bali Carlos (Playboy)
Thaís Vaz Giovana Boaventura (Gigi)
Ruy Polanah Pajé Yauá Guaporá
Luciana Bessa Paula
Regina Sampaio Frederica
Michelle Martins Márcia
Anna Tokiko Maibi Yukato
Vanessa Mesquita Rosana
Lívia de Bueno Daniela
Lívia Rossi Juliana
Cleide Queiróz Oneide
Rose Lima Cláudia
Letícia Medina Maria Margarida Freire
Sérgio Malheiros Leopoldo Redenção (Léo)
Daniel Garcia Rui de Sá Freitas (Ruizinho)
Pedro Saback Guilherme (Gui)
Cássio Ramos Cajuru Guaporá

Participações espciais[editar | editar código-fonte]

Ator/Atriz Personagem
Jairo Mattos Fernando Redenção
Roberto Bomtempo Piauí
Matheus Massaferi Juba (criança)
Duam Socci Juba (adolescente)
Jorge Coutinho Hercílio
Thelma Reston Lurdes
Milhem Cortaz Paulo
Lauro Góes Adamastor
Anna Markun Isabela Freire
Vanessa de Oliveira Suzana
Giovanna de Toni Carmem
Sheila Mattos Lucimara
Pietro Mário Senhor X
Marcelo Brou Jonatas
Caco Baresi Gabriel
Daniel Marinho Noronha
Vera Fajardo Socorro
William Vita Jorge
Roberto Justus Ele mesmo
Milionário & José Rico Eles mesmos

Música[editar | editar código-fonte]

Apesar de ter várias canções executadas durante sua exibição, Bicho do Mato não teve uma trilha sonora lançada oficialmente como produto físico, sendo a primeira telenovela da emissora a não ter um álbum próprio.[45] "Retratos do Brasil", interpretado por João Caetano e Sérgio Reis, foi escolhido como tema de abertura da novela.[46] Almir Sater, que não lançava um disco há dez anos, aproveitou que integrava o elenco para gravar diversas canções para a trama, incluindo "No Rastro da Lua Cheia", "Lua Nova", "Razão de Ser" e "Amor Distante", esta última dividindo os vocais com Dáblio Moreira e Daniel.[47] "So Right So Wrong", interpretada pela banda Conttato, "Unwritten", da cantora Deeva, e "I'll Be", de Doug Wayne, foram utilizadas como tema do casal de protagonistas Juba e Cecília.[48] O rock e o pop também estiveram presentes na trilha sonora com as faixas "Déjà Vu", de Pitty – utilizado como tema da Ruth –, "Os Dias", da banda Reação em Cadeia, "Roleta", da banda DS, "Terras Altas", de Alexia Bomtempo, "Outro Dia", da banda Mahais, "Verdade", de Alex Goes, "Coração de Mulher", de Jane Duboc, e "Underneath", do grupo estadunidense Hanson.[49][50] Outras canções, entre MPB e música sertaneja, incluem "Do Muito e do Pouco", de Oswaldo Montenegro e Zé Ramalho, "Cavalos", da banda Avenas, "Paixão Bandida", de Francis Hime e Sergio Santos, "Zóio Preto Matador", de Chico Lobo, "Sexo & Luz", de Gal Costa e Lokua Kanza, "Saudade Morena", de Rionegro & Solimões, e "Mulher de Hoje em Dia", de Alexandre Pires.[51]

Recepção da crítica[editar | editar código-fonte]

Renata Dominguez (esquerda) e Angelina Muniz (direita) foram elogiadas por suas atuações.[52]

Mariana Trigo, do portal Gazeta Digital, elogiou o refinamento e o acabamento das cenas, dizendo que a direção soube explorá-las e positivando a "mão-de-obra de primeira linha em dramaturgia".[53] A jornalista ainda dissertou sobre o fato da novela ser a primeira da emissora a ser gravada no Rio de Janeiro, o que permitiu a contratação de profissionais mais gabaritados e com maior nível de especialização na edição das cenas, alegando que em comparação com o outro produto da emissora, Cidadão Brasileiro, Bicho do Mato tinha uma qualidade superior.[53] Carla Neves, do portal Terra Networks, elogiou a atuação de Angelina Muniz, dizendo que ela era um acerto na novela e se destacava no elenco com sua "personagem matriarcal", dizendo também que o casal de protagonistas era um dos pontos altos, uma vez que havia encontrado o "tom perfeito" entre o romantismo e o drama.[52] No entanto, Carla criticou as atuações de Márcio Kieling e Miriam Freeland, dizendo que o primeiro não conseguia dar conta do papel, enquanto a segunda não havia achado o perfil certo da antagonista Ruth.[52]

Um dos pontos bastante debatido pela crítica foi a nudez constante de André Bankoff nas cenas no Pantanal, na qual o ator nadou completamente pelado em algumas cenas e geralmente aparecia seminu.[54] A direção da novela alegou que as cenas faziam parte do contexto, uma vez que era costume dos moradores da zona rural nadarem nus em suas terras no local onde a trama era ambientada: "Não há forçação de barra. No Pantanal, as pessoas tomam banhos nus e nossa história se passa lá".[54]

Audiência[editar | editar código-fonte]

O diretor Edson Spinello declarou que não havia uma meta de audiência estipulada para ser alcançada, mas que a expectativa era de que a trama mantivesse os dois dígitos.[29] Tiago Santiago, autor da antecessora Prova de Amor e supervisor de texto de Bicho do Mato, explicou que esperava-se manter a audiência conquistada até então pelas novelas anteriores: "A expectativa da Record é a mesma nossa: vamos fazer o melhor possível. Se conseguirmos superar ou manter os índices de sucesso de Prova de Amor, será excelente para todos, principalmente para a audiência".[29] A estreia de Bicho do Mato obteve a média de 15 pontos de audiência com picos de 20.[55] Este número foi o melhor desempenho da emissora em comparação com suas antecessoras – A Escrava Isaura, Essas Mulheres e Prova de Amor – , que marcaram 12, 10 e 13 pontos, respectivamente.[56][57] No capítulo de 1 de agosto, a trama teve seu melhor desempenho, atingindo 22 pontos.[58] A última semana da novela marcou uma média de 17 pontos.[59] O último capítulo, exibido no dia 20 de março de 2007, marcou 18 pontos de média de picos de 20 e 26% de participação, sendo que no mesmo horário o SBT, que estava em terceiro lugar, marcava apenas 4 pontos.[60][61] Bicho do Mato teve uma média de 14 pontos de audiência diários com 19% de participação do share.[62]

Referências

  1. a b «Savage». Record TV Network. Consultado em 5 de julho de 2014. 
  2. Felipe Muniz Palhano (15 de março de 2009). «"Bicho do Mato" volta na tela da Record». O Estado. Consultado em 19 de junho de 2015. 
  3. Castro, Daniel. (31 de março de 2004). "Penúria". Folha de S. Paulo. Visitado em 25 de janeiro de 2015.
  4. «Estreia nesta segunda "Prova de Amor", nova novela da Record». Terra. Consultado em 25 de janeiro de 2015. 
  5. Knoploch, Carol (23 de maio de 2004). «Herval Rossano, uma Metamorfose na Record». O Estado de S. Paulo. Consultado em 26 de dezembro de 2013. 
  6. Monzillo, Marina (27 de maio de 2004). «Herval Rossano fará nova Escrava Isaura». Isto É. Consultado em 27 de dezembro de 2013. 
  7. Mousse, Simone (22 de agosto de 2004). «'Eu não acredito em ibope baixo'». O Globo. Consultado em 25 de dezembro de 2013. 
  8. Castro, Daniel (20 de maio de 2004). «Nova Lucélia». Folha de S.Paulo. Consultado em 26 de dezembro de 2013. 
  9. Castro, Daniel (13 de setembro de 2004). «Calendário». Folha de S.Paulo. Consultado em 29 de dezembro de 2013. 
  10. Mousse, Simone (18 de julho de 2004). «A escrava é loura e de olhos azuis». O Globo. Consultado em 27 de dezembro de 2013. 
  11. Mousse, Simone (18 de julho de 2004). «"Essas Mulheres" comprova investimento da Record em novelas de qualidade». UOL. Consultado em 27 de dezembro de 2013. 
  12. «"Pecado Mortal" poderá ser a última novela da Record no RecNov; entenda». NaTelinha. 4 de junho de 2013. Consultado em 5 de março de 2015. 
  13. «Prova de Amor atinge pico de 25 pontos, fica à frente do Jornal Nacional e atinge a liderança». Área Vip. 19 de janeiro de 2006. Consultado em 24 de julho de 2015. 
  14. «Último Capítulo de Prova de Amor registra pico de 29 pontos para a Record». Área Vip. 18 de julho de 2006. Consultado em 24 de julho de 2015. 
  15. «Veja os principais acontecimentos que marcaram os 15 anos de "Malhação"». Folha Ilustrada. Consultado em 2 de agosto de 2016. 
  16. a b «Record define substituta de "Prova de Amor"». UOL. Consultado em 20 de agosto de 2016. 
  17. «Rápidas: Beira-rio». ANTV. Consultado em 20 de agosto de 2016. 
  18. «Definição». UOL. Consultado em 20 de agosto de 2016. 
  19. a b c «Secretária recebe o diretor da novela 'Bicho do Mato'». Diário de Cuiabá. Consultado em 20 de agosto de 2016. 
  20. «Novela "Bicho do Mato" usa 250 figurantes em cena de ação». Folha de S.Paulo. Consultado em 20 de agosto de 2016. 
  21. «Elenco de Bicho do Mato é vacinado». O Fuxico. Consultado em 20 de agosto de 2016. 
  22. «"Bicho do Mato" estréia na Record com meta de bater a Globo». Folha de S.Paulo. Consultado em 20 de agosto de 2016. 
  23. «Com "Cidadão Brasileiro", Record gasta o dobro de "Prova de Amor"». UOL. Consultado em 20 de agosto de 2016. 
  24. «Roberto Bontempo será ator e diretor em Bicho do Mato». O Fuxico. Consultado em 20 de agosto de 2016. 
  25. a b «Novela da Record será gravada no Mato Grosso». Terra. Consultado em 20 de agosto de 2016. 
  26. a b «Bicho do Mato traz retornos positivos». Gazeta Digital. Consultado em 20 de agosto de 2016. 
  27. «Record intensifica gravações de "Bicho do Mato" no Pantanal». Folha de S.Paulo. Consultado em 20 de agosto de 2016. 
  28. «."DUAM SOCCI " EM "BICHO DO MATO"». Cia. de Talentos Produções. Consultado em 20 de agosto de 2016. 
  29. a b c d «Os amigos da onça vêm aí». Observatório da Imprensa. Consultado em 20 de agosto de 2016. 
  30. «OUTRO CANAL: 26 de fevereiro de 2006». Folha de S.Paulo. Consultado em 20 de agosto de 2016. 
  31. «‘Bicho do mato’ e dos pilotis - Campus é escolhido como locação de novela». PUC-Rio. Consultado em 20 de agosto de 2016. 
  32. «Renata Dominguez deixa Prova de Amor antes do fim». O Fuxico. Consultado em 20 de agosto de 2016. 
  33. «Ex de Alinne Moraes será protagonista da novela das 7 da Record». YOL. Consultado em 20 de agosto de 2016. 
  34. «Nome certo». YOL. Consultado em 20 de agosto de 2016. 
  35. a b «Beatriz Segall reforça elenco de "Bicho do Mato"». Folha de S.Paulo. Consultado em 20 de agosto de 2016. 
  36. «Almir Sater pega carona em novela e lança CD após 10 anos». Folha de S.Paulo. Consultado em 20 de agosto de 2016. 
  37. «Elenco jovem é escalado para atuar em Bicho do Mato». O Fuxico. Consultado em 20 de agosto de 2016. 
  38. «Record fatura R$ 58 mi com ‘Aprendiz 3’». Observatório da Imprensa. Consultado em 20 de agosto de 2016. 
  39. «Herói de 'Bicho do mato', que estréia esta terça na Record, será disputado por três mulheres». Globo. Consultado em 20 de agosto de 2016. 
  40. a b «Bicho do Mato estreia hoje». Gazeta Digital. Consultado em 20 de agosto de 2016. 
  41. «Bicho do Mato e Cidadão Brasileiro mantém Record na vice-liderança do horário». Areavip. 22 de agosto de 2006. Consultado em 27 de julho de 2011. 
  42. «Bicho do Mato: Cristianne Fridman e Bosco Brasil perderam o rumo da trama na Record, mas seguraram a audiência». Terra. Consultado em 20 de agosto de 2016. 
  43. «A novela 'Bicho do mato' será reprisada na Record». O Globo. Consultado em 20 de agosto de 2016. 
  44. «Record pode voltar a reprisar novelas à tarde». IG. Consultado em 20 de agosto de 2016. 
  45. «Bicho do Mato: trilha sonora». Teledramaturgia. Consultado em 6 de agosto de 2016. 
  46. «Núcleo rural de "Bicho do Mato" mostra parceria atrás das câmeras». Terra. Consultado em 6 de agosto de 2016. 
  47. «Almir Sater: Novos sinais». Carta Maior. Consultado em 6 de agosto de 2016. 
  48. «Trilha sonora da novela Bicho do Mato da record». As Novidades. Consultado em 6 de agosto de 2016. 
  49. «Música de Alex Góes fará parte de trilha sonora de novela da Record». UOL. Consultado em 6 de agosto de 2016. 
  50. «Bicho do Mato (2006)». Novelas do Brasil. Consultado em 6 de agosto de 2016. 
  51. «Trilha sonora Bicho do Mato». Yahoo!. Consultado em 6 de agosto de 2016. 
  52. a b c «Novela "Bicho do Mato" está em busca de ritmo». Terra. Consultado em 21 de agosto de 2016. 
  53. a b «Entre erros e acertos». Gazeta Digital. Consultado em 21 de agosto de 2016. 
  54. a b «O que você acha da nudez em "Bicho do Mato"?». Terra. Consultado em 21 de agosto de 2016. 
  55. «Bicho do Mato estreia com bons índices de audiência e garante a vice-liderança». Área VIP. Consultado em 21 de agosto de 2016. 
  56. «O ibope de Isaura». Zero Hora. 20 de outubro de 2004. Consultado em 2 de janeiro de 2014. 
  57. «Sucesso! Bicho do Mato estréia com pico de 20 pontos de audiência». O Fuxico. Consultado em 21 de agosto de 2016. 
  58. «Bicho do Mato registra o maior pico desde a estreia». Areavip.com.br. 2 de agosto de 2006. 
  59. «Bicho do Mato alcança sua melhor média de audiência desde a estreia». Areavip.com.br. 
  60. «Capítulo final de Bicho do Mato registra a maior audiência da trama desde a estreia». Areavip.com.br. 
  61. «"Bicho do Mato" termina com recorde de audiência na Record». Folha de S.Paulo. Consultado em 21 de agosto de 2016. 
  62. «Audiência de Bicho do Mato não faz Record despontar no ibope». Terra. Consultado em 21 de agosto de 2016. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]