Vidas Opostas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Vidas Opostas
Opposite Lives (Título Internacional)[1]
Vidas Opuestas (ES)

Informação geral
Formato Telenovela
Gênero Ação/Drama
Duração 60 minutos
Criador(es) Marcílio Moraes
País de origem Brasil Brasil
Idioma original (português brasileiro)
Produção
Diretor(es) Alexandre Avancini
Elenco Maytê Piragibe
Léo Rosa
Lavínia Vlasak
Marcelo Serrado
Lucinha Lins
Nicola Siri
Nanda Ziegler
Roberta Santiago
Jussara Freire
Heitor Martinez
Tema de abertura "Aquarela do Brasil" (Léo Gandelman)
Exibição
Emissora de televisão original Brasil Rede Record
Transmissão original 21 de novembro de 2006 - 27 de agosto de 2007
N.º de episódios 240 (original)
53 (reprise)
Cronologia
Último
Cidadão Brasileiro
Caminhos do Coração
Próximo
Programas relacionados Ribeirão do Tempo
Essas Mulheres
I Love Paraisópolis
A Lei e o Crime

Vidas Opostas é uma telenovela brasileira que foi produzida pela Rede Record e exibida entre 21 de novembro de 2006 e 27 de agosto de 2007, com um total de 240 capítulos[2].

Foi escrita por Marcílio Moraes, com a colaboração de Luiz Carlos Maciel, Antônio Carlos de Fontoura, Joaquim Assis, Paula Richard e Melissa Cabral, produção executiva de Claudio Araújo e direção-geral de Alexandre Avancini. Descrita como "uma inusitada mistura de Cidade de Deus com Cinderela", a trama retratou, entre outros temas, o amor dentre dois jovens de diferentes classes sociais, a corrupção policial e o tráfico de drogas.

Maytê Piragibe, Léo Rosa, Ângelo Paes Leme, Nanda Ziegler, Leandro Firmino, Lucinha Lins, Nicola Siri, Roberta Santiago, Marcelo Serrado, Heitor Martinez e Lavínia Vlasak interpretaram os papéis principais.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Miguel é um jovem milionário, considerado gênio da matemática, que passou os últimos cinco anos fazendo doutorado na Inglaterra, volta ao Brasil para se dedicar à escalada, seu esporte favorito. Em uma dessas escaladas, ele conhece Joana, uma uma jovem guia de esportes de aventura, moça pobre, moradora de um perigoso morro num dos bairros mais conturbados da cidade do Rio de Janeiro. Apesar de já ser noivo da elegante e rica estilista Erínia, Miguel e Joana se apaixonam perdidamente um pelo outro.

Anos antes, Joana tinha sido namorada de um colega de colégio que depois se tornou um perigoso e procurado traficante de drogas, o apaixonado Jeferson, que posteriormente foi preso e acabou passando 4 anos na cadeia. Tudo se complica quando Jeferson é solto justamente quando Miguel rompe seu noivado e começa a namorar Joana. O bandido volta ao morro da prisão onde morava liderando uma quadrilha de traficantes e toma numa batalha a boca de fumo tudo a mando de seu irmão o temido Jackson que permaneceu na casa de pedra (prisão), transformando-se no futuro após fuga por um túnel e se torna o todo poderoso "rei do Torto". Após alguns acontecimentos neste momento Jackson resolve ter Joana de volta, à força se necessário, ameaçando Miguel de morte. Jackson é um maníaco sexual, quer estuprar Joana a qualquer custo e quer que ela more com ele e seja rainha do torto, mais ela não quer essa vida. Por outro lado, a ex-noiva de Miguel não se conforma e fará de tudo para separar o casal. Erínia é má e perigosa, capaz de tudo por dinheiro e por Miguel!

O triângulo amoroso de Miguel e Joana com o traficante resulta numa revolta na comunidade contra os bandidos e a morte deste, junto com um policial corrupto. O acontecimento terá terríveis desdobramentos, atraindo contra o casal as mais absurdas acusações. Mas a novela não conta apenas a história de Miguel e Joana, existem muitos outros personagens entre românticos, engraçados e violentos, como por ex. o bandido "Mofado" ou o braço direito dos irmãos Jeferson e Jackson mais conhecido como o hilário "Pé de Pato" que por sua vez é um excelente ator ex-rede globo participou de várias novelas como a famosa Viagem", alguns personagens são pautandos na vida por elevados princípios éticos e morais, já outros por interesses sórdidos e mesquinhos.

Uma das personagens mais fascinantes é a mãe de Miguel, a milionária Ísis Campobello. Ela é viúva e preside uma poderosa holding de empresas que o falecido marido lhe deixou. Apesar de linda, vive sozinha desde a trágica morte do cônjuge, desesperançada de encontrar um amor à altura dos que já viveu. Mas uma grande surpresa está para acontecer: a volta do homem que foi sua paixão na juventude, Bóris Sanches, aventureiro destemido e romântico, dado como morto há 30 anos. Ele a ajudará a proteger o filho e a enfrentar os vilões de todo tipo que a cercam, como o vice-presidente, Mário Botelho, que trai covardemente a confiança que Ísis deposita nele e prepara um golpe para derrubá-la e tomar sua fortuna; Félix, um advogado aproveitador e dissimulado; e Maria Lúcia, mulher sensual e maligna, prima de Ísis, que não hesitará em se aliar aos que tramam contra ela.

Conta a história da luta - a propósito da complicada situação em que Miguel e Joana se meterão - travada entre a honestidade e a corrupção dentro da Justiça e da Polícia. De um lado, o perverso delegado Dênis Nogueira, perigoso psicopata que se esconde atrás de uma máscara de homem de bem, inteligente, refinado e culto; de outro, o atrapalhado mas íntegro e corajoso promotor Leonardo, batendo-se contra os inimigos da lei e tendo de dar conta das divertidas, apesar de danadas, três mulheres que atormentam sua vida: a mãe Lizinha, a filha Carla e a ex-esposa Patrícia, além da doce delegada Maria do Carmo, por quem se apaixona.

Há também a história dos simpáticos moradores do bairro em que Joana vive: a mãe dela, Lucília, e o pai, Haroldo, que será brutalmente assassinado por bandidos; Carlinhos, o jovem dividido entre o futebol e o mundo do crime; Madalena, uma órfã da guerra urbana que será entregue à milionária Ísis e muitos outros.

Igualmente o universo dos marginais é retratado, a vida nas cadeias, as gangues, as batalhas entre quadrilhas, e o mundo chique, dos ricos, famosos, em casas confortáveis.

Enfim, uma história que mistura amor e violência, riqueza e pobreza, sonho e realidade brutal, honestidade e corrupção, ordem e caos, heroísmo e vilania.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Luciano Szafir interpretou o desajeitado mas íntegro Leonardo.
Cecil Thiré interpretou o mesquinho Mário.

A escolha dos protagonistas foi um capítulo à parte. Para Joana, a protagonista feminina, foi cogitada até a cantora Wanessa Camargo, que recusou o convite. Por fim, ficou decidido que a atriz Maytê Piragibe, que havia acabado de interpretar Eleni em Cidadão Brasileiro, ficaria com a personagem. O protagonista, após muitas especulações, ficou com o estreante Léo Rosa.

Vanessa Gerbelli, que estava confirmada na novela e iria interpretar a personagem Maria Lúcia, teve que sair às vésperas do início das gravações devido à sua gravidez. Para seu lugar, a Rede Record contratou Flávia Monteiro.

Sílvia Bandeira interpretou Cilene.
Lucinha Lins interpretou Ísis.
Raquel Nunes interpretou Maria do Carmo.
Marcelo Serrado interpretou o corupto delegado Dênis.
Juliana Lopes interpretou Cláudia.
de acordo com a ordem da novela.
Ator Personagem
Maytê Piragibe Joana de Souza
Léo Rosa Miguel Campobello
Lavínia Vlasak Erínia Oliveira
Marcelo Serrado Delegado Dênis Nogueira
Heitor Martinez Jackson da Silva
Nanda Ziegler Lathife
Lucinha Lins Ísis Campobello
Cecil Thiré Mário Botelho Carvalho
Tássia Camargo Lucília de Souza
Gabriela Durlo Daniela
Luciano Szafir Leonardo Rocha
Nicola Siri Bóris Sanches Pereira (Genaro / Guido / Frederico)
Jussara Freire Carmem Laranjeira
Sílvia Bandeira Cilene Oliveira
Roger Gobeth Félix Teixeira
Juliana Lohmann Carla Rocha
Gustavo Duque Marcos
Pedro Malta Felipe Nogueira
Raul Gazolla Hélio Nunes
Raquel Nunes Maria do Carmo Sendeiros
Íris Bruzzi Elisa Rocha (Lizinha)
Anna Bárbara Xavier Patrícia Rocha
Flávia Monteiro Maria Lúcia Campobello de Queiróz
Ana Paula Tabalipa Neusa Lima Nogueira
Mário Schoemberger Sérgio Ventura
Marcello Melo Tatu
Ângelo Paes Leme Jéferson da Silva
Leandro Firmino José Ferreira (Sovaco)
Philippe Haagensen Pavio
Valquíria Ribeiro Isabel Lopes
André Valli Willi Berloque
Dulce Conforto Ruth
Sílvio Guindane Cecílio Cristal ("Cicio")
Alexandre Paternost Pedro Lopes
Nill Marcondes Hermenegildo Torres
Raymundo de Souza Haroldo de Souza
Daniel Dalcin Alfredo
Bukassa Kabengele Marcelo
Jonathan Nogueira Chico
Rafael Queiroga Navalha/Inhame
Thaís Botelho Mariana Lopes
Felipe Martins Pé de Pato
Renata Quintela Cristina
Ana Ferraz Marcinha
Valnei Aguiar Eleutério
Henrique Pires Zaqueu ("Caranguejo")
Leandro Léo Carlos Laranjeira
Roberta Santiago Rosária da Luz
Telma Cunha Sueli
Juliana Lopes Cláudia
Gilson Moura Genivaldo Cavalcanti ("Mofado")
Tila Teixeira Eneida
Cláudio Garcia Martinho
Debby Lagranha Ju (amiga de Érinia 27 capítulos)
As Crianças
Ator Personagem
Ana Beatriz Cisneiros Madalena da Luz
Bianca Salgueiro Letícia de Souza
Leonardo Branchi Wilson de Souza
Participações especiais
Ator Personagem
Márcio Garcia Inspetor Jorge Alencar
Kito Junqueira Oscar Tostão
Participações especiais
Ator Personagem
Marcelo Escorel Roberto
Cristina Pereira Margarida
João Sabiá Sílvio
Maria Sílvia Mercedes
Blota Filho Renato Abreu
Marcos Barreto Fausto, o miliciano
Zeca Carvalho Orozimbo
Camilo Bevilacqua José de Oliveira
Caco Baresi Rubens Laranjeira
Rogério Fróes Francisco
Milhem Cortaz Sextavado
Anna Ludmilla Ana
Carlo Mossy Boáz
Ricardo Carriço Fernando Cunhal
André Gago Ciprião de Almeida
Marques d'Arede Teodoro de Azevedo
Ed Oliveira Bolado
Deiwis Jamaica Canudo
Marise Gonçalves Amélia
Alessandro Maciel Cotia
David Hermann Figueiredo
Márcio Rosário Xavier
André Schmidt Badalhoca
Cinara Leal Vanda
Cleri Digon Frida
Francisco Silva Dr. Araújo
Chico Tenreiro Ifigênio Cavaquinha

Exibição[editar | editar código-fonte]

A estreia havia sido marcada para 7 de novembro, sendo adiada pouco depois para dia 21 de novembro: o horário de exibição foi uma incógnita. A alta cúpula da Rede Record estava em dúvida se exibia a novela às 21h, concorrendo diretamente com Páginas da Vida, ou às 22h, concorrendo com a novela luso-brasileira Paixões Proibidas. No dia 1 de novembro, 20 dias antes do início da trama, a emissora decidiu por exibir a novela às 22h.

A trama era inicialmente imprópria para menores de 12 anos duas semanas depois, por conter cenas de sexo, de tráfico e uso de drogas, estupro e de violência explícita, o Ministério Público classificou a trama como imprópria para menores de 14 anos e reclassificou-a para as 21 horas, sendo a primeira novela da Record a ter essa classificação.

A Rede Record reprisou o primeiro capítulo da novela no dia 22 de novembro de 2006, um dia depois da estreia, durante o programa Tudo a Ver. Logo após a reprise, entrou no ar o segundo capítulo da novela.

Reprise[editar | editar código-fonte]

O anúncio de sua reprise pegou a todos de surpresa, porque a Record sempre tentou, mas nunca conseguiu manter um horário para reprises, devido à instabilidade na audiência. Como a emissora sofria com as baixas audiências da reprise de CSI no horário das 21h15, ela resolveu juntar o desejo de muitas pessoas que queriam sua reprise com sua necessidade de recuperar em audiência, e decidiu reprisar a novela em exibição especial. A estreia foi marcada especialmente para o dia 28 de março, uma quarta-feira, dia em que as novelas da emissora costumam ter mais audiência. O primeiro capítulo foi exibido após o terceiro capítulo da novela da Globo, Avenida Brasil, às 21h45 numa estratégia para que mais pessoas conhecessem a novela através do seu primeiro capítulo. Sua estreia marcou 13 pontos de audiência.[3]

Nos dias seguintes, a reprise de Vidas Opostas passou a ser exibida no horário normal (às 21h15), enfrentando a novela da Globo, e ocorreu uma inevitável queda de audiência, oscilando entre 5 e 6 pontos, ficando muitas vezes em terceiro lugar na audiência. A audiência abaixo da meta esperada faz a emissora culpar Vidas Opostas pelo fracasso de Máscaras, que estreou em abril. Assim, começaram a surgir boatos sobre seu cancelamento.

No dia 6 de junho, a novela não foi exibida, para dar espaço à estreia da 11ª temporada de CSI. No dia 11 de junho, a reprise chegou ao fim, com 53 capítulos.[4]

Audiência[editar | editar código-fonte]

O primeiro capítulo teve média de 16 pontos e garantiu a vice-liderança[5].

Bateu recorde de audiência no dia 31 de janeiro de 2007, quando alcançou 22 pontos e picos de 26 e 31% de share. A trama alcançou a liderança por alguns minutos[6].

Seu último capítulo teve média de 25 pontos e 40% de share, deixando a Record na liderança por cerca de 44 minutos[7]. Obteve média geral de 13 pontos.

O primeiro capítulo da sua reprise teve média de 13 pontos e picos de 15[8]. Já o último capítulo teve média de 4 pontos[9].

Exibição Internacional[editar | editar código-fonte]

Exibição pelo mundo
País Canal Título local
Brasil Rede Record Vidas Opostas
 Portugal RTP
 Moçambique TV Miramar
Cabo Verde Cabo Verde Record Cabo Verde
 Japão Record Japão
União Europeia Record Europa
 Venezuela Televen Vidas Opuestas
República Dominicana telemicro
 México Galavision
 Panamá Telemix
 Peru ATV
Uruguai Canal 10

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Vidas Opostas
Lançamento 2007
Gravação Tempos Diversos
Gênero(s) Trilha Sonora
Formato(s) CD
Gravadora(s) Record Produções e Gravações

Sony & BMG


A Rede Record decidiu fazer uma grande homenagem ao cantor e compositor Chico Buarque. Ele assina toda a trilha sonora de Vidas Opostas. A ideia foi de Márcio Vip Antonucci, produtor musical da novela e grande amigo de Chico. Duas canções eram versões cantadas pelo próprio Chico Buarque: "Ode aos Ratos" e "Porque Era Ela, Porque Era Eu". As demais músicas eram versões interpretadas por outros cantores, em versões originais ou regravações.

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Troféu Imprensa (2008):

Troféu APCA (2008):

Troféu Leão Lobo (2006):

Prêmio Qualidade Brasil (2007):

Referências

  1. «Opposite Lives». Record TV Network. Consultado em 6 de julho de 2014. 
  2. «Record estréia hoje Vidas Opostas, nova novela das 22h». A Tarde. 21 de novembro de 2006. Consultado em 18 de fevereiro de 2016. 
  3. «“Vidas Opostas” será reprisada pela Record». Na Telinha. 7 de março de 2012. Consultado em 21 de agosto de 2014. 
  4. «Sem muito alarde, “Vidas Opostas” vai terminar hoje para acabar com má fase da Record em horário nobre». Blog Jovem Pan. 11 de junho de 2012. Consultado em 21 de agosto de 2014. 
  5. «Audiência de estréia de Vidas Opostas bate recorde na Record». O Fuxico. 22 de novembro de 2006. Consultado em 18 de fevereiro de 2016. 
  6. «Novela da Record dribla Globo e faz gol no placar da audiência». Folha Ilustrada. 1 de fevereiro de 2007. Consultado em 18 de fevereiro de 2016. 
  7. «Final de 'Vidas Opostas' bate recorde de audiência». Estadão. 29 de agosto de 2007. Consultado em 18 de fevereiro de 2016. 
  8. «Reprise de "Vidas Opostas" estreia com boa audiência na Record». O Planeta TV. 28 de março de 2012. Consultado em 18 de fevereiro de 2016. 
  9. «Compacto final de "Vidas Opostas" registra baixa audiência na Record». Na Telinha. 12 de junho de 2012. Consultado em 18 de fevereiro de 2016. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]