André Gago

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde dezembro de 2013) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
André Gago
Nascimento 13 de junho de 1964 (52 anos)
Lisboa,  Portugal
Nacionalidade Português
Ocupação Ator, encenador e escritor
Outros prêmios
Prémio Revelação de Literatura Infanto-Juvenil APE/IPLB (2002)

Prémio Primeira Obra do P.E.N. Clube Português (2010)

IMDb: (inglês)

André Nuno de Araújo Laires Mendes Gago (Lisboa, 13 de junho de 1964)[1] é um actor, encenador e escritor português.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Passa pelo Teatro da Comuna (1983) onde recebe a sua formação inicial em teatro. Frequenta vários estágios, com Filipe Crawford, Peter Brook, Colin Egan ou Ferrucio Soleri. Estreia-se como actor em Marat de Peter Weiss, dirigido por João Mota. Trabalha com Artur Ramos (A Castro de António Ferreira - RTP), Norberto Barroca, Ricardo Pais (Clamor baseado em textos de Padre António Vieira e Luísa Costa Gomes - TNDMII), Ana Tamen (Grande e Pequeno de Botho Strauss), Almeno Gonçalves, entre outros. Junto de Filipe Crawford dirige a companhia Meia Preta e participa em vários espectáculos. Também dobrou Picker em Hannah Montana do Disney Channel

Explorou a commedia dell'arte, realizou trabalhos de investigação e dirigiu diversas acções pedagógicas nessa área. É, desde 2004, director da Companhia de Teatro Instável, onde em 2007 encenou e protagonizou Hamlet de W. Shakespeare.

Popularizou-se na televisão portuguesa, onde interpretou mais de vinte personagens - protagonizou as séries ''Pós de Bem-Querer" (1991) e Milongo (1994)

Actor pontual no cinema, protagonizou Solo de Violino (1992) da cineasta Monique Rutler, tendo participado ainda em A Comédia de Deus (1995) de João César Monteiro ou Non ou a Vã Glória de Mandar (1990) de Manoel de Oliveira. Em 2010, é um dos actores principais da longa-metragem "100 Eyes", do realizador holandês Thijs Bayens.

Teatro - Criações e Encenações[editar | editar código-fonte]

  • "Os 3 Últimos Dias de Fernando Pessoa", adaptação da obra de Antonio Tabucchi, Teatro S. Luiz
  • "A Gargalhada de Yorick", Teatro Instável
  • "Hamlet, Heterónimos, Pessoa", Teatro Instável
  • "Lua!", pelo Circo da Lua, Praça Sony
  • "Recitália", Teatro Instável
  • "A Orquestra", de Jean Anouilh, Teatro de Animação de Setúbal
  • "Hamlet", de William Shakespeare, Teatro Instável
  • "Os Portas", de John Godber, Teatro Nacional D. Maria II
  • "Adiós Muchachos - A Última Noite de Carlos Gardel", de José Jorge Letria, Teatro da Trindade
  • "Os Comicazes e a Vã Guarda"
  • "Talk Show", Teatro da Trindade
  • "Dj Gago remix 2001", Teatro da Trindade
  • "O Físico Prodigioso", Teatro do Triângulo

Recitais de Poesia e Concertos[editar | editar código-fonte]

Teatro[editar | editar código-fonte]

  • "O Guardador de Rebanhos - Um Secreto Teatro", de Alberto Caeiro, encenação de Fernando Carmino, Project~
  • "A Menina do Futuro Torcido", de Mia Couto, encenação de Maria João Miguel, Teatro do Noroeste CDV
  • "Nick Name", de Mário Máximo, encenação de Manuel Coelho, Teatro da Malaposta
  • "The Dumb Waiter", de Harold Pinter, encenação de Fernando Carmino, Project~
  • "Romeu e Julieta", de W. Shakespeare, encenação de John Retallack, Produções Próspero / Teatro S. Luiz
  • "Libentíssimo" e "Libentíssimo 2", de Luisa Costa Gomes e Luis Bragança Gil, Centro Cultural de Belém
  • "A Tempestade", de W. Shakespeare, encenação de Tim Carrol, Produções Próspero / Teatro S. Luiz
  • "Clamor", de Padre António Vieira e Luísa Costa Gomes, encenação de Ricardo Pais, Teatro Nacional D. Maria II
  • "Smog", de Mario Fratti, encenação de Almeno Gonçalves, Teatrosfera
  • "Grande e Pequeno", de Botho Strauss, encenação de Ana Tamen, Teatro da Trindade
  • "Vórtice", de Noel Coward, encenação de Norberto Barroca, Teatro Maria Matos
  • "Tarot", de Filipe Crawford, encenação de Filipe Crawford, Meia Preta
  • "Cenas da Comédia del'Arte", encenação de Filipe Crawford, Meia Preta
  • "Assaltos de Máscara", Meia Preta
  • Visões da Febre, de John Clifford, encenação de Melinda Eltenton, ACARTE-Fundação Calouste Gulbenkian e Locomotiva Produções
  • Com a Arma de Bogart, de Renato Solnado, encenação de António Fonseca, CENA-Companhia de Teatro de Braga
  • Fantásio, de Alfred Musset, encenação de Rui Madeira, CENA-Companhia de Teatro de Braga
  • "Amadis", de Abel Neves, encenação de João Mota, Comuna
  • "Para Onde Ís?", a partir de Gil Vicente, encenação de João Mota, Comuna
  • "Marat", de Peter Weiss, encenação de João Mota, Comuna

Cinema[editar | editar código-fonte]

  • Solo de Violino (Manuel Claro), realização de Monique Rutler
  • O Julgamento (Mendes de Oliveira, 1970), realização de Leonel Vieira
  • 100 Eyes (Óscar de Andrade), realização de Thijs Bayens

Telefilmes[editar | editar código-fonte]

  • La Reine Morte (Alvar de Souza), realização de Pierre Boutron
  • Uma Noite Inesquecível (Tó), realização de Artur Ribeiro
  • Je m’Apelle Bernadette (Lacade), realização de Jean Segols
  • La Vie d’Un Autre (Dr. Cortés), realização de Patrice Martineau
  • Joseph (Paul Tramond), realização de Marc Angelo
  • Une Femme dans la Tourmente (Chamarro), realização de Serge Moati
  • Volpone (Le voyageur sceptique), realização de Frédéric Auburtin
  • Até Que a Vida nos Separe (Paulo), realização de Jorge Queiroga
  • Quase, realização de Francisco Manso

Séries[editar | editar código-fonte]

  • 1991 - Pós de Bem-Querer (Leonel)
  • 1992 - O Quadro Roubado
  • 1992 - "O Altar dos Holocaustos" (Mário), realização de António Macedo
  • 1993 - "Milongo" (Paulo), realização de Bento Pinto da França
  • 1997 - "Baldi est La Voleuse d’Amour" (Fusco)
  • 1998 - Diário de Maria
  • 1998/1999 - Médico de Família
  • 1999 - Capitão Roby (Joaquim Robalo)
  • 1999 - "A Hora da Liberdade" (Brito e Cunha)
  • 2000 - Residencial Tejo
  • 2001 - Super Pai
  • 2001/2002 - Um Estranho em Casa (Paulo Gonçalves)
  • 2004 - Inspector Max
  • 2004 - "B.R.I.G.A.D." (Franck Dubreil), realização de Marc Angelo
  • 2005 - O Clube das Chaves
  • 2008 - Campeões e Detectives
  • 2014 - "L'Odyssée"
  • 2014 - "Maison Close", realização de Jacques Ouaniche
  • 2015 - "Mata-Hari", realização de Julius Berg

Telenovelas[editar | editar código-fonte]

Literatura[editar | editar código-fonte]

Publicou O Circo da Lua, conto da sua autoria, Prémio Revelação da Associação Portuguesa de Escritores 2000, com ilustrações de Marina Palácio, Prémio Melhor Ilustração Infantil do Festival de BD da Amadora 2003;

Com o romance Rio Homem, recebe o Prémio Primeira Obra do PEN Clube Portugal 2010.

É um dos autores do romance colectivo "A Misteriosa Mulher da Ópera".

Colaborou em colectâneas como "O Lado de Dentro do Lado de Dentro", coordenado por Filipe Lopes, "Urbano - O Eterno Sedutor", de Eduardo M. Raposo, e "Máscaras, Mistérios e Segredos", coordenado por Paula Godinho.

Adaptou "O Físico Prodigioso", de Jorge de Sena, para o Teatro do Triângulo, e "O Romance da Raposa", de Aquilino Ribeiro,para as Marionetas de Lisboa.

Traduziu "A Orquestra", de jean Anouilh, para o Teatro de Animação de Setúbal, e "Hamlet", de W. Shakespeare, para o Teatro Instável.

Referências

  1. «André Gago - Livre/Tempo de Avançar». Livre/Tempo de Avançar. Consultado em 28 de Dezembro de 2015