Mônica Salmaso

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde junho de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Mônica Salmaso
Monica Salmaso II CNC.jpg
A cantora em 2010, na abertura da
2ª Conferência Nacional da Cultura.
Informação geral
Nome completo Mônica Salmaso
Nascimento 27 de fevereiro de 1971 (44 anos)
São Paulo, SP
 Brasil
Gênero(s) MPB, bossa nova, samba
Instrumento(s) vocal, percussão
Extensão vocal meio-soprano
Período em atividade 1989 – presente
Gravadora(s) Lumiar, Trama, Biscoito Fino
Afiliação(ões) Grupo Pau Brasil
Página oficial Página Oficial

Mônica Salmaso (São Paulo, 27 de fevereiro de 1971) é uma cantora brasileira.[1]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Mônica Salmaso começou sua carreira na peça "O Concílio do Amor" dirigida pelo premiado diretor Gabriel Villela em 1989.

Em 1995, gravou o CD Afro-sambas, um duo de voz e violão arranjado e produzido pelo violonista Paulo Bellinati, contendo os afro-sambas compostos por Baden Powell e Vinícius de Moraes.

Em 1996, gravou com Paulo Bellinati a faixa “Felicidade” de Tom Jobim e Vinícius de Moraes no CD Songbook Tom Jobim, pela Lumiar.

Foi indicada para o Prêmio Sharp – 1997 como Revelação na categoria MPB.

Lançou em 1998 pelo selo Pau Brasil seu segundo CD, Trampolim, com a produção de Rodolfo Stroeter e as participações de Naná Vasconcelos, Toninho Ferragutti e Paulo Bellinati, entre outros.

Foi vencedora do Segundo Prêmio Visa MPB – Edição Vocal, pelo juri e aclamação popular em 1999.

Gravou pela Eldorado em 1999 seu terceiro CD, Voadeira, também produzido por Rodolfo Stroeter. Participam do disco, entre outros, Marcos Suzano, Benjamin Taubkin, Toninho Ferragutti, Paulo Bellinati e Nailor “Proveta” Azevedo.

Foi ganhadora do prestigioso Prêmio da Associação Paulista dos Críticos de Arte (APCA) de 1999, e o CD Voadeira foi considerado pela crítica como um dos dez melhores lançamentos do ano.

Foi a convidada especial de uma das noites do Heineken Concerts em 2000.

Participou da trilha "Ocorpo" composta por Arnaldo Antunes para o Grupo Corpo em 2000.

Foi finalista do Festival da Música Brasileira, realizado pela TV Globo, interpretando a canção "Estrela da Manhã", de Beto Furquim, em 2000.

Na edição do dia 4 de fevereiro de 2000 do “The New York Times”, o crítico Jon Pareles cita Mônica Salmaso como um dos principais nomes surgidos recentemente na música popular brasileira.

Os CDs Trampolim e Voadeira foram lançados em países da Europa, no Japão, nos Estados Unidos, Canadá e México.

Em 2007, lançou o CD "Noites de Gala, Samba na rua", com um refinado repertório de músicas de Chico Buarque. Posteriormente, fez uma turnê para divulgar o CD; não só no Brasil, mas também em países europeus.

Entre 2009 e 2010, participou do projeto "Afro Samba Jazz", dos músicos Mario Adnet e Philippe Powell, que misturaram o Afro Samba criado por Vinicius de Moraes e Baden Powell ao Jazz, criando, dessa forma, um novo estilo musical.

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Mônica é casada com o flautista/saxofonista do Grupo Pau Brasil, Teco Cardoso, com quem tem um filho.

Referências

  1. Monica Salmaso - Biografia Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira. Visitado em 27 de Novembro de 2011.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]