Carlo Mossy

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde novembro de 2011).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Carlo Mossy
Nome completo Moshe Avraham Goldszal
Moisés Abrão Goldszal
Nascimento outubro de 1946 (71 anos)
Tel Aviv,  Israel
Ocupação ator, diretor, roteirista e produtor
IMDb: (inglês)

Moisés Abrão Goldszal, conhecido como Carlo Mossy (Tel Aviv, outubro de 1946), é um ator, diretor, roteirista e produtor brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido como Moshe Abraham Goldszal em Tel Aviv, filho de judeus poloneses refugiados da Segunda Guerra, Mossy chegou ao Brasil aos 2 anos.[1] Originalmente, viria a se chamar Stanislaw, porém o médico rabino do Hospital Hadassah, onde Mossy nasceu, indicou a seus pais que ele se chamasse Moshe Abraham (que em português é Moisés Abrão), por ser um "nome de judeu".

Na década de 60, ao salvar o marchand de quadros falsos Fernand Legros de se afogar na praia de Copacabana, Mossy recebeu do milionário em agradecimento, durante três anos, recursos para estudar cinema, teatro e música na França, nos Estados Unidos e na Inglaterra. Durante esses três anos, Mossy manteve um relacionamento afetivo com Legros. Nesse período conheceu grandes estrelas de cinema e diretores famosos como Alec Guiness e Roman Polansky. No final dos anos 60 Mossy voltou ao Brasil, onde colocou em prática o que aprendera. Como ator, estréia em Copacabana me engana, de 1968. Em 1972 cria a Vidya Produções, produzindo, dirigindo e atuando de forma independente na cena cinematográfica da época. Embora sua especialidade fossem as comédias eróticas, a chamada pornochanchada, investiu também em filmes policiais e até infantis. Mossy fala fluentemente, além do português, o espanhol, inglês, francês, polonês e se comunica com facilidade em italiano e alemão. Mossy é pluri desportista até os dias de hoje e no futevôlei de praia que ele encontra sua melhor forma.

Passa alguns anos longe das telas e dos holofotes da mídia, retornando em 2003 com um papel no filme O Homem do Ano e aparições em novelas e longa-metragens.

Graças ao Canal Brasil, seus filmes são vistos e reavaliados por uma nova geração de pesquisadores, cinéfilos e críticos. Coroando esse movimento, em fevereiro de 2006 foi exibida uma retrospectiva de sua obra no Cine Odeon, Rio de Janeiro, durante quinze dias ininterruptos.

Trabalhos na TV[editar | editar código-fonte]

No Cinema[editar | editar código-fonte]

No Teatro[editar | editar código-fonte]

  • 1967 - Espírito da coisa (Claudio Barreto e Carlo Mossy)
  • 1967 - Quarenta quilates(Barillet & Gredy)
  • 1966 - Sim mamãe! (Claudio Barreto e Carlo Mossy)
  • 1966 - Nana (Yves Furet)
  • 1965 - Fantasio(Alfred de Musset)

Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]