Como É Boa Nossa Empregada

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde fevereiro de 2015). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Como É Boa Nossa Empregada
 Brasil
1973 •  cor •  98 min 
Direção Ismar Porto
Victor di Mello
Roteiro Xisto Bahia e Ismar Porto (1º episódio)
Alexandre Pires e Reinaldo Moraes (2º episódio)
Zevi Ghivelder e Fernando Amaral (3º episódio)
Elenco Pedro Paulo Rangel
Stepan Nercessian
Carlo Mossy
Género comédia
Idioma português
Página no IMDb (em inglês)

Como É Boa Nossa Empregada é um filme brasileiro de 1973, do gênero comédia pornochanchada, dividido em três episódios, dirigidos por Ismar Porto (episódio 1) e Victor di Mello (episódios 2 e 3). Foi o 9º lugar na lista das 10 maiores rendas do filme nacional entre julho de 1970 e dezembro de 1975.[1]

Primeiro episódio: "Lula e a copeira"[editar | editar código-fonte]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Um adolescente sem nenhuma experiência sexual paquera a copeira de sua casa, causando rebuliço em sua família.

Segundo episódio: "O terror das empregadas"[editar | editar código-fonte]

  • Música: José-Itamar de Freitas
  • História,Roteiro e Diálogos: Alexandre Pires, Reinaldo de Moraes
  • Direção: Victor di Mello

Elenco[editar | editar código-fonte]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Um jovem estudante, inexperiente em sexo e obcecado por empregadas domésticas, paquera todas que conhece, preocupando a mãe que contrata um psicólogo.

Terceiro episódio: "O melhor da festa"[editar | editar código-fonte]

  • Músicas: Clabarra
  • História, Roteiro e Diálogos: Zevs Ghivelder e Fernando Amaral
  • Direção: Victor di Mello

Elenco[editar | editar código-fonte]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Naná é corretor de ações e um marido com discurso moralista, casado com uma esposa paciente. Numa festa da sociedade, ele se encanta com a empregada mulata e marca um encontro clandestino com ela. Mas a esposa aparece no local e para evitar ser surpreendido, Naná pede ajuda a um funcionário de um amigo, que acaba confundindo a empregada com a esposa.

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Applications-multimedia.svg A Wikipédia possui o