Lauro César Muniz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Lauro César Muniz
Nome completo Lauro César Martins Amaral Muniz
Data de nascimento 16 de janeiro de 1938 (78 anos)
Local de nascimento Ribeirão Preto, SP
Nacionalidade  brasileiro
Ocupação Novelista, escritor e dramaturgo
Período de atividade 1959 – atualidade
Cônjuge Bárbara Bruno (2004-presente)
Filhos Fernanda Muniz
Renato
Marilia
Marcela Muniz

Lauro César Martins Amaral Muniz, mais conhecido como Lauro César Muniz (Ribeirão Preto, 16 de janeiro de 1938) é um escritor brasileiro, famoso autor de telenovelas, roteiros cinematográficos e peças teatrais. Ganhou projeção nacional com a comédia O Santo Milagroso. Autor de sucessos como O Salvador da Pátria, Chiquinha Gonzaga, Cidadão Brasileiro e Poder Paralelo.[1]

Família[editar | editar código-fonte]

Lauro César nasceu em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo. Filho do comerciante de algodão Renato Amaral Muniz e da professora Clotilde Martins Amaral Muniz, graduou-se em Engenharia Civil pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Em seguida, fez parte da primeira turma do Curso de Dramaturgia da Escola de Arte Dramática (EAD), formando-se em 1962.[2] É pai da atriz Fernanda Muniz e tem outros dois filhos: Renato e Marilia. É também pai de criação da intérprete Marcela Muniz. É casado com a atriz Bárbara Bruno.[3]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Iniciou sua carreira de dramaturgo em 1959 com a peça Este Ovo é um Galo, sátira à Revolução Constitucionalista de 1932. Em 1963, é encenada a peça que lhe daria maior projeção, O Santo Milagroso (obra que trata de maneira inventiva e divertida as contradições religiosas de uma cidade do interior), depois adaptada para cinema e televisão.[2] Na mesma década destacam-se outros textos teatrais seus, A Morte do Imortal e O Líder, este marcado por um viés ideológico e dirigido por Augusto Boal. Em 1966 escreve sua primeira telenovela, Ninguém Crê em Mim, produzida pela TV Excelsior e considerada a primeira "novela de autor" da teledramaturgia.[4] Na mesma emissora escreveria ainda uma adaptação para o formato telenovela do romance O Morro dos Ventos Uivantes. Depois vai para a Rede Tupi, na qual escreve Estrelas no Chão, exibida em 1967, novela na qual tenta uma revolução temática e linguística que só alcançaria sucesso no ano seguinte, com Beto Rockfeller, de Bráulio Pedroso.

Record, Globo e Bandeirantes[editar | editar código-fonte]

Em 1970, escreve uma bem-sucedida novela adaptando o romance As Pupilas do Senhor Reitor, de Júlio Dinis, para uma produção da TV Record,[4] emissora na qual faria ainda Os Deuses Estão Mortos e sua sequência Quarenta Anos Depois, duas tramas que abordaram a trajetória de poderosas famílias do interior paulista no período de transição da Monarquia para a República. Sua estreia na Rede Globo acontece em 1972, escrevendo o seriado Shazan, Xerife & Cia.. Três meses depois, foi convocado para substituir o autor Bráulio Pedroso na tarefa de escrever O Bofe.[5] Trabalho considerado satisfatório, Lauro então recebe carta branca para elaborar uma história como autor principal e estreia de fato como novelista na emissora com Carinhoso, que desenvolvera inspirado na trama do filme Sabrina, de Billy Wilder, com Audrey Hepburn, Humphrey Bogart e William Holden. Na novela, os personagens correspondiam aos de Regina Duarte, Cláudio Marzo e Marcos Paulo, respectivamente. Em 1974, começa junto com Gilberto Braga a escrita da novela Corrida do Ouro, outra comédia inspirada nos clássicos de Hollywood, mas acaba levando a empreitada adiante sozinho a partir de um determinado ponto, já que Gilberto, inexperiente à época, não se habituou ao ritmo de trabalho.

Seu primeiro grande sucesso na Globo (e uma das mais representativas telenovelas brasileiras) vem em 1975, no horário nobre das 20h: Escalada,[4] que conta a trajetória de Antônio Dias (Tarcísio Meira), personagem inspirado no próprio pai de Lauro César, da juventude à velhice, passando por suas lutas políticas e sociais, o casamento infeliz, a busca pela felicidade ao lado do grande amor e até mesmo sua incursão no processo de construção de Brasília, indo dos anos 1930 à atualidade, 75. Depois, inova a narrativa em telenovela ao contar três épocas distintas ao mesmo tempo em O Casarão, inquietante e poética abordagem da decadência de uma cidade produtora de café do interior de São Paulo e da transformação comportamental dos personagens ali envolvidos através dos tempos.[3] Traz os bastidores do mundo artístico em Espelho Mágico, interessante trama de metanovela que, devido à complexidade de sua proposta, não alcança nenhum êxito. No ano de 1979 acompanha o grande sucesso de sua peça Sinal de Vida no teatro (obra quase autobiográfica, versa sobre os problemas de um dramaturgo com o meio televisivo e com a repressão política) e a polêmica e pouca aceitação de Os Gigantes, trama do horário nobre.[6] O resultado aquém da expectativa acarreta a saída de Lauro César da Rede Globo. Ingressa na Rede Bandeirantes e em 1981 vai ao ar sua única novela nessa emissora, Rosa Baiana. Após seu trabalho na Rede Bandeirantes, Lauro escreveu uma história para a TV chilena, La gran mentira, em 1982.

A volta à Globo[editar | editar código-fonte]

Em 1983, com a inesperada morte do ator Jardel Filho e o abandono de Manoel Carlos do roteiro de sua novela Sol de Verão, Lauro volta à Globo e escreve, ao lado de Gianfrancesco Guarnieri, os 17 capítulos finais da história. Em 1984 vai ao ar, às 19 horas, Transas e Caretas, uma interessante trama de comédia sobre o choque entre o comportamento moderno e a tradição, mas que também teve repercussão truncada, principalmente devido à mal resolvida parte final e à ação da Censura, que prejudicou o desenvolvimento da história. No ano seguinte elabora o argumento de Um Sonho a Mais e depois acaba assumindo a autoria da novela (junto com Mário Prata), que enfrentou muitos problemas por ter sido considerada "ousada demais". Também em 1985, já sob a Nova República, estreia a sua peça Direita, Volver, elogiada abordagem do posicionamento da classe média brasileira durante o regime militar.

Em 1986 é o ano de sua volta à faixa nobre com o grande sucesso Roda de Fogo,[2] um dos pontos altos de sua carreira, obra desenvolvida com Marcílio Moraes e vista como uma das mais bem escritas telenovelas, importante crítica social ao meio empresarial e político brasileiro que incorporou elementos do thriller do cinema norte-americano e consagrou definitivamente Tarcísio Meira e Eva Wilma na televisão. Em 1989 preocupado com os rumos do Brasil e consciente de que aquele, no qual seriam realizadas eleições presidenciais diretas depois de quase 30 anos, seria um ano importante para o país—demonstra sua apreensão já no título de outro sucesso seu, exibido naquele ano: O Salvador da Pátria, que fora acusada de fazer uma espécie de "apologia ao contrário" ao então candidato à Presidência pelo PT, Luiz Inácio Lula da Silva. A novela foi saudada como a primeira da história do horário nobre totalmente livre da antiga censura do regime militar, mas ironicamente sofreu vários cortes oriundos da alta cúpula da emissora, incomodada com a provocativa trama.[3]

Araponga, supervisão de texto e minisséries[editar | editar código-fonte]

No início da década de 1990 foi o autor, junto com Dias Gomes e Ferreira Gullar, da novela Araponga (sátira a filmes e livros de espionagem protagonizada por Tarcísio Meira), que, apesar de ter reinaugurado a faixa das 22 horas, fato este muito celebrado pela imprensa na época, perdia em audiência para Pantanal, sucesso de Benedito Ruy Barbosa exibido pela Rede Manchete. Esta foi uma das poucas vezes, desde o fim da Rede Tupi, que uma novela da Globo não conseguiu se manter em primeiro lugar na audiência.[7] [8]

Neste mesmo período, Muniz escreve a peça Luar em Preto e Branco, sucesso de crítica e público estrelado por Raul Cortez e Célia Helena.[2] Nos anos seguintes reescreve Transas e Caretas para a televisão chilena (sob o título Trampas y Caretas) e atua como supervisor de texto de Carlos Lombardi em Perigosas Peruas (1992) e de Marcílio Moraes em Sonho Meu (1993).

Em 1996, assume o texto de Quem É Você no lugar de Solange Castro Neves. Muniz foi escalado como o supervisor de texto da novela, inspirada em uma sinopse de Ivani Ribeiro, mas acabou substituindo a autora após o fracasso de audiência dos primeiros capítulos.

Em 1997, retorna ao horário das 19 horas com Zazá, novela protagonizada por Fernanda Montenegro que foi prejudicada pelos esticamentos impostos pela emissora. Logo após escreve duas minisséries: Chiquinha Gonzaga (1999) e Aquarela do Brasil (2000). A primeira foi um grande sucesso e a segunda foi prejudicada por problemas do autor com o diretor Jayme Monjardim e com a própria emissora, que cortou partes da história e colocava muito tarde no ar.

Volta à Record e breve retorno à Globo[editar | editar código-fonte]

Depois de cinco anos sem emplacar nenhum de seus projetos na Rede Globo, entre os quais uma minissérie sobre o poeta Castro Alves e uma outra de nome A Imperatriz do Café, Muniz voltou para a Record após cerca de 35 anos e desenvolveu uma nova história, de nome Cidadão Brasileiro, para o horário nobre.[3] A trama tem elementos de sua clássica Escalada aliados a temas de O Casarão e seu eixo central é a ascensão de um homem, da juventude à velhice, interpretado por Gabriel Braga Nunes.[9] A novela conseguiu satisfatórios índices de audiência e foi bastante elogiada pela crítica especializada. Recentemente também escreveu Poder Paralelo, novela das 22 horas que estreou na segunda quinzena de março de 2009 como substituta de Chamas da Vida e que, apesar de um agudo esticamento imposto pela emissora, igualmente colheu boas críticas da crítica especializada. As primeiras cenas da novela, estrelada dentre outros por Miriam Freeland, Tuca Andrada, Gabriel Braga Nunes e Nicola Siri, foram gravadas na cidade italiana de Palermo.[10] . Sua última telenovela no ar foi Máscaras, pela Rede Record. Ao término de Máscaras, escreveu a sinopse de uma minissérie contemporânea, sendo que anteriormente tinha apresentado um projeto sobre Carlos Gomes, projeto este descartado pela emissora. [11] Em dezembro de 2013, Muniz deixa a Rede Record, já que a emissora opta por não renovar contrato com o novelista.[12]

Em setembro de 2015, Lauro retorna à Rede Globo depois de dez anos.[13] [14] No entanto, permanece até dezembro após seu contrato não ser renovado devido a uma nova política de contenção de despesas, onde o canal evita manter contratados autores sem projetos a curto e médio prazos.[15]

Obras[editar | editar código-fonte]

Cinema[editar | editar código-fonte]

No cinema, escreveu e colaborou em roteiros de filmes, como Independência ou Morte (1972), de Carlos Coimbra, A Superfêmea (1972), de Aníbal Massaini Neto, O Crime do Zé Bigorna (1977), de Anselmo Duarte (originado do Caso Especial de sua autoria exibido em 1974 pela Rede Globo), A Próxima Vítima (1983), de João Batista de Andrade, Capitalismo Selvagem (1993), de André Klotzel, Forever (1989) e As Feras (1995), de Walter Hugo Khouri.[4]

Teatro[editar | editar código-fonte]

Peças de teatro
Ano Título
2010 19 Centímetros
2004 O Santo Parto
1992 Luar em Preto e Branco
1985 Direita, Volver!
1981 A Corrente para Frente
1979 Sinal de Vida
1978 O Mito
1975 A Tuba
A Feira do Adultério
1969 A Comédia Atômica
1968 O Líder
1966 A Morte do Imortal
A Infidelidade ao Alcance de Todos
1964 Nu para Vinícius
1963 O Santo Milagroso
1959 Este Ovo é um Galo

Televisão[editar | editar código-fonte]

Telenovelas
Ano Trabalho Emissora Escalação Parceiros Titulares
2012 Máscaras [16] Rede Record autor principal Renato Modesto
2009
-
2010
Poder Paralelo Rede Record autor principal
2006 Cidadão Brasileiro Rede Record autor principal Rosane Lima
1997
-
1998
Zazá Rede Globo autor principal
1996 Quem é você Rede Globo Final Ivani Ribeiro
Solange Castro Neves
1994
-
1995
As Pupilas do Senhor Reitor SBT Argumento e supervisão Bosco Brasil e Ismael Fernandes
1993
-
1994
Sonho Meu Rede Globo supervisão de texto Marcílio Moraes
1992 Perigosas Peruas Rede Globo supervisão de texto Carlos Lombardi
1990
-
1991
Araponga Rede Globo autor principal Dias Gomes
Ferreira Gullar
1989 O Salvador da Pátria Rede Globo autor principal
1986
-
1887
Roda de Fogo Rede Globo autor principal Marcílio Moraes
1985 Um Sonho a Mais Rede Globo autor principal Daniel Más
1984 Transas e Caretas Rede Globo autor principal
1983 Sol de Verão Rede Globo Final Manoel Carlos
1981 Rosa Baiana Rede Bandeirantes autor principal
1979 Os Gigantes Rede Globo autor principal
1977 Espelho Mágico Rede Globo autor principal
1976 O Casarão Rede Globo autor principal
1975 Escalada Rede Globo autor principal
1973
-
1974
Corrida do Ouro Rede Globo autor principal Gilberto Braga
1973 Carinhoso Rede Globo autor principal
1972 O Bofe Rede Globo Final Bráulio Pedroso
1971
-
1972
Quarenta Anos Depois Rede Record autor principal
1971 Os Deuses Estão Mortos Rede Record autor principal
1970
-
1971
As Pupilas do Senhor Reitor Rede Record autor principal
1967 Estrelas no Chão Rede Tupi autor principal
1967 O Morro dos Ventos Uivantes TV Excelsior autor principal
1966 Ninguém Crê em Mim TV Excelsior autor principal
(Minis)séries
Ano Trabalho Emissora Escalação Parceiros Titulares
2000 Aquarela do Brasil Rede Globo autor principal
1999 Chiquinha Gonzaga Rede Globo autor principal
1974 O Crime do Zé Bigorna Rede Globo autor principal
1972 Shazan, Xerife & Cia. Rede Globo autor principal Walter Negrão
1967 A de Amor Rede Tupi autor principal

Livros[editar | editar código-fonte]

Ano Título
1966 A Morte do Imortal
1973 O Santo Milagroso
1979 Sinal de Vida
1985 Carinhoso
Um Semblante Latino, as Vísceras de Todos Joaquim Mattar
1987 Escalada
Telenovelas - Roda de Fogo
1993 O Parto da Tuba
2014 Obras Completas de Lauro César Muniz

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Entre os prêmios que conquistou em sua carreira, estão dois prêmios com a peça Este Ovo é um Galo (1959), sátira da Revolução Constitucionalista. Em 1963, recebeu o Troféu APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte) de Revelação de Autor pela peça O Santo Milagroso, que foi remontada e transformada em um especial para a televisão. A experiência rendeu ao autor um prêmio no Festival Internacional de Cinema e Televisão de Nova York. No mesmo ano, pela adaptação cinematográfica dessa peça ganhou Melhor Filme no Festival de Santa Rita do Passa Quatro (SP).[17] Em 1987, ganhou o Troféu Imprensa de melhor novela pela trama Roda de Fogo. Em 1979, a peça Sinal de Vida, que lhe confere o Prêmio Molière.[6] Em 2004, sua peça O Santo Parto, que recebeu cinco indicações para o Prêmio Shell de Teatro do Rio de Janeiro.[18]

Referências

  1. Nilson Xavier (16 de janeiro de 2014). «Lauro César Muniz: genialidade indômita». Coluna do Nilson Xavier. Consultado em 09 de março de 2014. 
  2. a b c d Lauro César Muniz Itaú Cultural.
  3. a b c d Lauro César Muniz ISTOÉ Gente.
  4. a b c d Obras completas de Lauro César Muniz Giostri Editora. (Setembro, 2014).
  5. O Bofe Memória Globo.
  6. a b METRÓPOLIS: SINAL DE VIDA TV Cultura.
  7. Araponga Memória Globo.
  8. Há 20 anos, 'Araponga' estreava na Globo para frear 'Pantanal' terra. (Outubro, 2010).
  9. «Record prepara estréia da novela "Cidadão Brasileiro"». Terra Diversão. 18 de fevereiro de 2006. Consultado em 18 de janeiro de 2011. 
  10. "Nova novela de Lauro César Muniz se chamará 'Poder Paralelo'". Folha de S. Paulo, 28 de janeiro de 2009. Acessado em 29 de janeiro de 2009.
  11. Patrícia Kogut (16 de agosto de 2013). «Lauro César Muniz escreve sinopse de minissérie para Record». O Globo. Consultado em 04 de junho de 2014. 
  12. Daniel Castro (13 de dezembro de 2013). «Record perde Lauro César Muniz, seu principal autor de novelas». Notícias da TV. Consultado em 09 de março de 2014. 
  13. «Depois de quase dez anos, Lauro César Muniz voltara à Globo - Patrícia Kogut, O Globo». Consultado em 2015-09-10. 
  14. Batista, João Gabriel. «Após oito anos na Record, autor Lauro César Muniz acerta retorno à Globo». Consultado em 2015-09-10. 
  15. Castro, Daniel. «Globo dispensa ex-autor da Record após quatro meses de contrato». Notícias da TV. Consultado em 4 de março de 2016. 
  16. Alberto Pereira Jr. (24 de novembro de 2011). «Record muda nome de nova novela de Lauro César Muniz». Folha Online. Consultado em 16 de março de 2014. 
  17. O Santo Milagroso cinemateca brasileira.
  18. Anunciados os indicados para Prêmio Shell do Rio Estadão. (Julho, 2004).

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Hersch W. Basbaum (2011). LAURO CESAR MUNIZ: SOLTA O VERBO 1ª ed. Imprensa Oficial - SP (IMESP) [S.l.] p. 354. 9788570609120. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]