Regina Braga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde dezembro de 2013). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Se procura pela atriz brasileira homônima, veja Regina Braga (atriz).
Regina Braga
A escritora no Rio de Janeiro, 1960.
Nome completo Regina Lúcia Braga Viana
Nascimento 13 de novembro de 1941
Presidente Prudente, Rio de Janeiro1908.gif Distrito Federal
Morte 1 de novembro de 1999 (57 anos)
Rio de Janeiro,  Rio de Janeiro
Nacionalidade brasileira
Ocupação Roteirista

Regina Lúcia Viana Braga (Presidente Prudente de Janeiro, 13 de novembro de 19411 de novembro de 1999) foi uma roteirista brasileira.

Além de ter sido artista plástica nas décadas de 60 e 70 (foi aluna de Ivan Serpa), poetisa na de 80 e de também escrever prosa, ficou conhecida profissionalmente mesmo como roteirista de televisão. Mas também escreveu roteiros para cinema e teatro.

Ela foi casada com Bill Horne (William Oliver Horne), conhecido músico de jazz (trompetista e flautista) e engenheiro de som. Pelo seu Audio Studio B, na rua Anita Garibaldi, Rio de Janeiro, passaram alguns dos mais importantes nomes da Bossa Nova e do Jazz brasileiros. Durante algum tempo, Bill foi um dos poucos brasileiros membros da Audio Engineering Society dos EUA. Pela casa deles era comum topar-se com as figuras mais destacadas da música, artes, teatro e cinema.

Trajetória profissional[editar | editar código-fonte]

A escritora e roteirista trabalhou em quase todas as emissoras brasileiras. Ajudou Doc Comparato, na adaptação da obra épica O Tempo e o Vento, de Érico Verissimo, em 1985 para a TV Globo. Este foi seu primeiro trabalho em televisão. Em seguida, também colaborou com o novelista Aguinaldo Silva na minissérie Tenda dos Milagres, adaptada da obra do escritor Jorge Amado.

Em 1986, adaptou para o horário das oito na Rede Globo, ao lado de Eloy Araújo a nova versão da novela Selva de Pedra.

No ano de 1990, ela saiu desta emissora depois de fazer o roteiro para a novela de época do horário das seis Pacto de Sangue; única novela totalmente escrita antes da exibição, cujo diretor (também ator em várias outras novelas) Herval Rossano reivindicou a coautoria da obra. Por esta questão não muito esclarecida, a emissora decidiu por não mais manter o contrato com a roteirista, homônima profissional da atriz Regina Braga, que havia deixado para a "Casa de Criação", grupo de escritores, roteiristas e redatores da Rede Globo, decidir a respeito, pois ela apenas não concordara com a reivindicação do diretor. Esta novela teve a colaboração de Sérgio Marques.

Em 1995 escreveu A Idade da Loba, com Alcione Araújo, para a TV Bandeirantes. Trabalhou, escrevendo casos especiais e outros programas. Na TV Manchete, criou e escreveu em co-autoria com Márcio Tavolari em 1993 o seriado semanal Família Brasil, projeto pioneiro da televisão brasileira, o qual era uma mistura do realismo oriundo de notícias jornalísticas com a ficção da teledramaturgia. O seriado completava 1 ano no ar quando Régis Cardoso, então recém saído da TV Globo, entrou nesta outra emissora e decidiu que não haveria mais o seriado. Também na TV Manchete, Regina Braga assumiu a 2ª Parte da novela Amazônia, pois esta precisou ser reformulada. Em 1993, escreveu, com José Louzeiro, Alexandre Lydia e Márcio Tavolari, a minissérie O Marajá, uma comédia baseada no governo de Fernando Collor de Mello. No dia da estreia, a exibição foi proibida por uma liminar impetrada pelo ex-presidente. Até hoje, não se tem notícia das fitas em que a minissérie foi gravada.

No ano de 1997 Regina foi contratada pela TV Bandeirantes, onde apresentou várias sinopses de novelas com temas interessantes como: 'Milagres de Amor', uma história de amor e religião; 'Carrancas' sobre a vida de um povo que vive às margens do Rio São Francisco; e 'A Saga do Tietê' que se passaria na época dos bandeirantes. Mas com a descontinuação de produção de novelas pelo canal nenhuma obra sua foi realizada.

Regina faleceu em 1 de novembro de 1999 no Rio de Janeiro, deixando um filho, Robert, e uma filha, Luciana.[1]

Obras:

1985 - Tenda dos Milagres (minissérie) - TV Globo

1986 - Selva de Pedra (1986) - TV Globo

1989 - Pacto de Sangue - TV Globo

1992 - Amazônia - TV Manchete

1993 - Marajá - TV Manchete

1993 - Família Brasil - TV Manchete

1995 - A Idade da Loba - TV Bandeirantes

1996 - Razão de Viver (1996) - SBT (parcial, nos primeiros capítulos)

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.