Zazá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Para o cantor sertanejo, veja Zazá (cantor). Para o filme com Gloria Swanson, veja Zaza (filme de 1923).
Zazá
Informação geral
Formato Telenovela
Gênero Comédia romântica
Duração 50 minutos
Criador(es) Lauro César Muniz
País de origem Brasil
Idioma original português
Produção
Diretor(es) Jorge Fernando
Elenco
Tema de abertura Dona Doida (Rita Lee)
Exibição
Emissora original Globo
Formato de exibição 480i (SDTV)
Transmissão original 5 de maio de 1997 – 9 de janeiro de 1998
Episódios 214

Zazá é uma telenovela brasileira produzida por Estúdios Globo e exibida de 5 de maio de 1997 a 9 de janeiro de 1998 em 214 capítulos.[1] Substituiu Salsa e Merengue e foi substituída por Corpo Dourado, sendo a 55.ª "novela das sete" exibida pela emissora.[2]

Escrita por Lauro César Muniz, Aimar Labaki e Rosane Lima, teve direção de Jorge Fernando, Marcelo Travesso e Alexandre Boury. A direção geral foi também de Jorge Fernando.

Contou com as atuações de Fernanda Montenegro, Paulo Goulart, Ney Latorraca, Nathália Timberg, Marcello Novaes, Letícia Spiller, Cecil Thiré, Fafy Siqueira, Antônio Calloni, Julia Lemmertz, Alexandre Borges, Vanessa Lóes e Jorge Dória.

Enredo[editar | editar código-fonte]

A trama conta a história da septuagenária Marisa Dumont, a Zazá, uma milionária com espírito arrojado, que cresceu ouvindo da mãe que é filha do inventor Alberto Santos Dumont, parentesco confirmado por seu velho amigo e confidente, o brigadeiro Pascoal Borato. A mãe de Zazá teria conhecido o jovem Alberto em um carnaval, setenta anos antes.[1] Apesar disso, os registros históricos sobre o pai da aviação não mencionam que ele tivesse filhos.[3] Nos capítulos iniciais, que se passam em Paris, a protagonista voa em torno da torre Eiffel, numa réplica do 14 Bis.[3]

Durante os vôos, Zazá imagina que as nuvens têm o formato de anjos e decide encontrar anjos da guarda para proteger cada um de seus sete filhos, que não têm nenhuma boa perspectiva na vida, e vivem às custas da mãe.[1]

Produção[editar | editar código-fonte]

  • A cenografia da Globo produziu para a trama, em parceria com a Embraer, a réplica de um avião real, um modelo híbrido inspirado no Brasília e uma aeronave futurista projetada por Santos Dumont. O avião foi usado pelo Muniz como metáfora do desenvolvimento do país. Segundo o autor, a principal pretensão da novela era discutir se o Brasil "decolava" ou não rumo ao futuro.[3]
  • A personagem Zazá nasceu em 1924, cinco anos antes da atriz Fernanda Montenegro. A produção da novela pensou em colocar uma peruca grisalha na atriz, para que ela ficasse mais velha, mas desistiu da ideia a deixando assumir a própria identidade.[4]
  • A princípio a trama teria 161 capítulos, mas como Corpo Dourado foi tardiamente escolhida como sua substituta, não daria tempo para a estreia naquele ano. Por esse motivo, o autor teve que acrescentar 54 capítulos à trama, enquanto a substituta não ficava pronta. A novela teve problemas com audiência. Muniz declarou que nunca havia escrito uma novela tão extensa. Depois de passar por uma estafa com o trabalho, teve que dividi-lo com outros dois colaboradores: Jacqueline Veleso e Felipe Miguez.[5]
  • O amor na terceira idade é um dos aspectos mais interessantes na novela, na opinião de Fernanda Montenegro. Os atores "setentões" protagonizam casos de amor, adultérios e brigas, o que é "muito bonito", segundo a atriz.[7]
  • Protagonista do núcleo jovem da novela, Fernanda Rodrigues foi convidada por Antonio Calmon para viver uma das protagonistas de Corpo Dourado, sucessora de Zazá, e teve que deixar a trama antes do fim. Segundo a produção, o motivo seria a dificuldade para recrutar atores para novos trabalhos. Muitos preferiam as minisséries e especiais, outros estavam envolvidos em produções cinematográficas ou viajando pelo país com espetáculos teatrais.[8]
  • Leticia Spiller revelou que teve uma assessoria culinária durante três meses para ajudar na composição de seu personagem, a chef Beatriz. As aulas com a chef de culinária francesa Ana Castilho aconteceram na casa da atriz. Livros e aulas de francês complementaram os estudos.[9]
  • O vilão Silas (Ney Latorraca) teria seu castigo apenas no final da novela, mas esse desfecho foi antecipado no capítulo de 21 de outubro. Segundo o autor, o objetivo era dar novos rumos à trama, além de mostrar acontecimentos fortes antes do final.[11]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Fonte: Teledramaturgia[12]

Ator Personagem
Fernanda Montenegro Mariza Dumont (Zazá)
Ney Latorraca Silas Vadan
Marcello Novaes Hugo
Letícia Spiller Beatriz
Paulo Goulart Ulisses
Nathalia Timberg Tereza
Jorge Dória Ângelo
Julia Lemmertz Fabiana
Fernando Torres Brigadeiro
Cecil Thiré Dorival (Doc)
Fafy Siqueira Renata
Paulo Gorgulho Victor
Cláudia Ohana Maria Olímpia
Alexandre Borges Solano
Adriana Londoño Jacqueline
Reginaldo Faria Roberto
Mário Gomes Álvaro
Deborah Secco Dora
Sylvia Bandeira Dorothy
Louise Cardoso Mercedes
Marcos Breda Ro-Ro Pedalada
Vanessa Lóes Lavínia
Antônio Calloni Milton
Rachel Ripani Sisi
Roberto Bataglin Pedro
Fernanda Muniz Marília
SuelY Oliveira Isabel
Luciano Vianna Samuel
Xuxa Lopes Marina
Fernanda Rodrigues Valéria
Juliana Martins Lúcia
David Cardoso Jr. Douglas
André Valli Marcos
Marcelo Barros Junior
Roberto Bontempo José
Eduardo Caldas Jonas
Aracy Cardoso Neusa
Ana Maria Nascimento e Silva Hilda
Élcio Romar Lua
Bernadeth Lyzio Tânia
Jorge Fernando Gastão
Giselle Policarpo Clarinha
Daniel Marinho Luís
Hugo Gross Claudinei
Betty Erthal Jéssica
Leina Krespi Nilda
Hilda Rebello Castorina
Gustavo Ottoni Antônio
Leonardo Bataglin filho de Pedro
Bernardo Pontes Daniel (bebê de Beatriz e Hugo)

Participações especiais[editar | editar código-fonte]

Ator Personagem[1]
Cissa Guimarães Cecília
Paulo Silvino produtor de TV
Sandra Bréa Ela mesma

Música[editar | editar código-fonte]

Fonte: Teledramaturgia[12]

Nacional[editar | editar código-fonte]

Capa: logotipo da novela

  1. "Jovens Tardes de Domingo" - Gal Costa
  2. "É Uma Partida de Futebol" - Skank
  3. "A Seta e o Alvo" - Paulinho Moska
  4. "Rouxinol" - Milton Nascimento
  5. "Fullgás (Memê's Radio Mix 97)" - Marina Lima
  6. "Busca Vida" - Os Paralamas do Sucesso
  7. "Vou Levando a Vida" - Peninha
  8. "Sonho de Uma Noite de Verão" - Milton Guedes
  9. "Simples Viagem (Sitting And Watching)" - Cidade Negra
  10. "50 Anos" - Emílio Santiago
  11. "Assim Falou Zaratustra (Also Sprach Zarathustra)" - Sérgio Dias
  12. "Você Chegou" - Zé Ricardo
  13. "Escândalo" - Adriana Capparelli
  14. "Dona Doida" - Rita Lee (tema de abertura)

Internacional[editar | editar código-fonte]

Capa: Letícia Spiller e Marcello Novaes

  1. "I Don't Want To" - Toni Braxton
  2. "Enamorado Por Primera Vez" - Enrique Iglesias
  3. "The Real Thing" - Lisa Stansfield
  4. "Uh La La La" - Alexia
  5. "Con Te Partiró (Time To Say Goodbye)" - Mafalda Minnozzi & Jerry Adriani
  6. "Chanson D'Amour" - Manhattan Transfer
  7. "Love Won't Wait" - Gary Barlow
  8. "Falling Into You" - Celine Dion
  9. "Loving Every Minute (Cutfather & Joe Remix)" - Lighthouse Family
  10. "Vattene Amore" - Luciano Bruno
  11. "I Will Survive" - Cake
  12. "When I Fall In Love" - Natalie Cole & Nat King Cole
  13. "Sé Que Ya No Volverás" - Diego Torres
  14. "Hole In My Soul" - Aerosmith

Referências

  1. a b c d e Memória Globo. «Zazá». Consultado em 3 de novembro de 2009 
  2. «'Zazá' estréia hoje na Rede Globo». Folha de S.Paulo. 5 de maio de 1997. Consultado em 26 de julho de 2015 
  3. a b c «Novela da Globo usa aeronave para discutir se o Brasil decola ou não». Folha de S.Paulo. 4 de maio de 1997. Consultado em 5 de dezembro de 2017 
  4. «Voadoras». Folha de S.Paulo. 4 de maio de 1997. Consultado em 5 de dezembro de 2017 
  5. «Novela da Globo 'Zazá' vai ter de ser esticada». Brasil Online. 20 de agosto de 1997. Consultado em 31 de março de 2015 
  6. «Gaúcho vai participar». Folha de S.Paulo. 8 de maio de 1997. Consultado em 20 de março de 2016 
  7. Veteranos do amor
  8. Elaine Guerini (25 de janeiro de 1998). «Ninguém me tira do ar!». Folha de S.Paulo. Consultado em 25 de julho de 2017 
  9. Novelas pegam público pelo estômago
  10. «Aids chega a 'Zazá' nos 10 próximos capítulos». Folha de S.Paulo. 17 de setembro de 1997. Consultado em 5 de dezembro de 2017 
  11. «Vilão morre para salvar "Zazá"». Folha de S.Paulo. 19 de outubro de 1997. Consultado em 5 de dezembro de 2017 
  12. a b Zazá

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre telenovelas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.