Antônio Calmon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Antonio Calmon)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde junho de 2017) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)


Antônio Calmon
Nascimento 10 de maio de 1945 (72 anos)
Nacionalidade brasileira
Ocupação autor de telenovelas, diretor, roteirista, produtor de cinema e minisséries

Antônio Augusto Du Pin Calmon (Manaus, 29 de outubro de 1945)[carece de fontes?] é um autor de telenovelas, diretor de cinema, roteirista, produtor de cinema e de minisséries da Rede Globo.

Carreira[editar | editar código-fonte]

O começo de sua carreira profissional se deu no cinema, como diretor de curtas-metragens e assistente de direção nos primeiros filmes do Cinema Novo, como A Grande Cidade (1965), de Cacá Diegues, Terra em Transe (1967) e O Dragão da Maldade Contra o Santo Guerreiro (1968), de Glauber Rocha e O Bravo Guerreiro (1968), de Gustavo Dahl. Em 1970, dirigiu seu primeiro longa-metragem, O Capitão Bandeira Contra o Doutor Moura Brasil, protagonizado por Paulo César Pereio, Hugo Carvana, Norma Bengell e Dina Sfat, considerado por muitos um filme cult, afeito à estética do chamado Cinema Marginal. Em seguida realizou o tenso Paranóia (1975), com roteiro de Carlos Heitor Cony e estrelado por Anselmo Duarte, Norma Bengell, Paulo Villaça e uma jovem Lucélia Santos em seu primeiro papel no cinema, um suspense psicológico de arrojado cuidado visual. Com Revólver de Brinquedo (1975), estrelado por Helber Rangel, Tereza Rachel e Maria Lúcia Dahl, elabora talvez seu mais criativo filme, possuidor de semelhanças com a temática de Paranóia, em uma história que entrelaça violência, sonho e realidade escrita por Leopoldo Serran. Em Gente Fina é Outra Coisa (1976), inicia o ciclo de produções suas mais identificadas com a pornochanchada carioca em voga na época.

Obra adaptada da peça homônima de Antônio Bivar, é uma comédia em três episódios protagonizados por Ney Sant'anna (filho de Nelson Pereira dos Santos), com um erotismo ainda ingênuo e uma leve crítica social. Já em Nos Embalos de Ipanema, de 1977 (início de sua parceria com André de Biasi) e em O Bom Marido (1978), os resultados da conjugação entre sexualidade e análise social e comportamental são mais bem sucedidos. No primeiro, garotão de praia (De Biasi) é obrigado a servir de gigolô para empresário homossexual (Paulo Villaça), e no segundo, empresário falido (Paulo César Pereio) cede a sedutora mulher (Maria Lúcia Dahl) para magnatas estrangeiros a fim de conseguir obter vantagens futuras. Com Eu Matei Lúcio Flávio (1978), inicia sua explosiva parceria com o ator e produtor Jece Valadão. Nesse filme, sem dúvida o seu que causou mais polêmica (e para alguns, sua obra-prima), conta de forma romanceada a biografia do policial ligado ao Esquadrão da Morte Mariel Maryscott, figura célebre nas colunas policiais cariocas dos anos 70. Ancorado no sucesso anterior de Lúcio Flávio, o Passageiro da Agonia (1977), de Hector Babenco, Eu Matei Lúcio Flávio foi considerado por alguns reacionário e direitista, num período em que o Brasil já passava pelo processo da abertura política do governo Ernesto Geisel.

Outros, por sua vez, o viram como uma vigorosa experiência no gênero policial. Em Terror e Êxtase (1979), adaptação do romance de José Carlos Oliveira com a então estreante Denise Dumont e mais Roberto Bonfim, André de Biasi, José Lewgoy, Anselmo Vasconcelos e Maria Lúcia Dahl, também causa impacto, na sensual e violenta história do envolvimento amoroso entre uma jovem burguesa (Dumont) e um frio bandido de morro (Bonfim). O filme contém cenas fortes de sexo e violência e se converteu em um grande sucesso de bilheteria. No filme seguinte, Mulher Sensual (1980), já investe em uma temática mais convencional, inserida no contexto do cinema comercial erótico da época, contando com a musa da pornochanchada Helena Ramos, mais Paulo Ramos, André de Biasi, Otávio Augusto e Maria Pompeu, na história dos conflitos sexuais de uma atriz de televisão. Com O Torturador (1981), repetiu a parceria com Jece Valadão, na fantasiosa trama de uma conspiração nazista em uma republiqueta latino-americana. Após esse, Calmon faria aquele que é seu filme mais famoso, Menino do Rio (1982), em que contou com jovens atores como André de Biasi, Cláudia Magno, Sérgio Mallandro, Guto Graça Mello, Cláudia Ohana e Tânia Bôscoli.

Incorporando elementos importados do cinema de gênero norte-americano, a história gira em torno de um grupo de amigos surfistas e foi mais um grande sucesso, servindo de base para a futura atração televisiva Armação Ilimitada. O êxito do filme proporcionou a gravação de uma sequência, Garota Dourada (1984), onde a fórmula porém já se encontrava desgastada. A trama, de qualidade inferior, não foi bem aceita e marcou o fim da carreira de Calmon como diretor de cinema. Na televisão roteirizou o seriado Armação Ilimitada, lendária atração levada ao ar pela TV Globo entre 1985 e 1988. Sua estreia como autor foi em 1989, quando escreveu juntamente com Walther Negrão a novela Top Model, que abordava temas entre outros como masturbação e gravidez na adolescência, um fenômeno de audiência. Em 1991 escreveu Vamp, um estrondoso sucesso. Em 1993, discutiu o tema da paranormalidade na Novela Olho no Olho, essa novela fez muito sucesso. A novela Olho no Olho teve uma audiência altíssima! Ela teve uma audiência média de 44 pontos, numa época que a Globo dominava a TV brasileira. Nos anos 90 a Globo obteve os índices de audiência mais elevados de sua historia. Em 1995 ele escreveu a novela Cara & Coroa que conta a história das gêmeas de caráter oposto, que fez sucesso. Calmon voltou a fazer sucesso em 1998 com Corpo Dourado, que caiu no gosto do público e obteve grande audiência, reerguendo o horário que havia decaído com a antecessora Zazá. Em 2002 apostou na teledramaturgia infanto juvenil ao escrever O Beijo do Vampiro.

Na sequência veio Começar de Novo, em 2004, que não agradou o público e chegou a marcar apenas 22 pontos – número pífio para a época – chegando a perder o primeiro lugar em alguns dias para A Escrava Isaura, da RecordTV.[1] Em 2008 escreveu Três Irmãs, trama jovem que envolvia os dilemas de três irmãs criadas por uma mãe solteira em uma praia repleta de amores. A trama, porém, também não conseguiu se estabelecer e chegou a marcar apenas 16 pontos, sendo a telenovela de menor audiência da emissora na ocasião, atrás de Malhação e da reprise de Mulheres Apaixonadas no Vale a Pena Ver de Novo, ficando em segundo lugar em alguns dias atrás de Os Mutantes, da RecordTV.[2][3] Em 2010 escreveu a minissérie policial Na Forma da Lei.[4] Após este período, o autor teve todos seus projetos rejeitados pela direção da emissora, ficando de férias até o final de seu contrato, em 2014, quando foi demitido contra a vontade.[5] Em 2016, mesmo sem contrato, o autor entregou a sinopse de uma nova telenovela das sete para a Rede Globo intitulada Barba Azul, a qual chegou a ser aprovada para entrar no ar em 2018, porém cancelada um mês depois, dando oportunidade para novos autores da casa.[6][7] Em 2017 o autor chegou a se reunir com a RecordTV, porém a emissora optou por recontratar Cristianne Fridman.[8]

Em 2018 escreve a nova novela das 19 horas,"O tempo não para",substituindo Deus Salve o Rei.

Trabalhos na televisão[editar | editar código-fonte]

Telenovelas
Ano Trabalho Emissora Escalação Parceiros Titulares
2008
2009
Três Irmãs Rede Globo autor principal
2004
2005
Começar de Novo Rede Globo autor principal Elizabeth Jhin
2002
2003
O Beijo do Vampiro Rede Globo autor principal
2001 Um Anjo Caiu do Céu Rede Globo autor principal
1998 Corpo Dourado Rede Globo autor principal
1995
1996
Cara & Coroa Rede Globo autor principal
1993
1994
Olho no Olho Rede Globo autor principal
1991
1992
Vamp Rede Globo autor principal
1989
1990
Top Model Rede Globo autor principal Walther Negrão
Minisséries
Ano Trabalho Emissora Escalação Parceiros Titulares
1993 Sex Appeal Rede Globo autor principal
1990 A, E, I, O... Urca Rede Globo autor principal Doc Comparato
Seriados
Ano Trabalho Emissora Escalação Parceiros Titulares
2010 Na Forma da Lei Rede Globo autor principal
2004 Ovelhas Negras, no Altas Horas Rede Globo autor principal
diretor
Serginho Groissman
1998 Mulher Rede Globo autor principal
1997 A Justiceira Rede Globo autor principal
1988 Tarcísio e Glória Rede Globo autor principal Euclydes Marinho
1985 Shop Shop Rede Globo autor principal
1985
a 1987
Armação Ilimitada Rede Globo autor principal Euclydes Marinho

Cinema[editar | editar código-fonte]

Como roteirista[editar | editar código-fonte]

Como diretor[editar | editar código-fonte]

Como assistente de direção[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Antônio Calmon

Referências

  1. Dirceu Alves (25 de abril de 2005). «"Começar de Novo" :Trama de Antonio Calmon foi do drama à comédia e sai do ar sem deixar saudade». Terra. Consultado em 3 de setembro de 2015. 
  2. «As audiências» 
  3. «Último capítulo de "Três Irmãs" marca 25 pontos». O Planeta TV. 13 de abril de 2015. Consultado em 12 de maio de 2015. 
  4. «Globo estréia série Na forma da Lei». O Globo. 20 de maio de 2010. Consultado em 25 de dezembro de 2015. 
  5. «Globo não aprova sinopse de Antonio Calmon; autor é colocado na "geladeira"». O Planeta TV. Consultado em 22 de janeiro de 2018. 
  6. Predefinição:Citar Em 2018 escreve "O tempo não para",para o horário das 19 horas,com estreia prevista pra agosto. web
  7. «'Barba azul', novela de Antonio Calmon, é cancelada». O Globo. Consultado em 22 de janeiro de 2018. 
  8. «Menosprezado pela Globo, Antonio Calmon deve ter o mesmo destino de Lauro César Muniz». Observatório da Televisão. Consultado em 22 de janeiro de 2018. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]