Paulo César Pereio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde Julho de 2012) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Paulo César Pereio
Nome completo Paulo César de Campos Velho
Nascimento 19 de novembro de 1940 (77 anos)
Alegrete,  Rio Grande do Sul
Nacionalidade brasileiro
IMDb: (inglês)

Paulo César de Campos Velho, mais conhecido como Paulo César Pereio (Alegrete, 19 de outubro de 1940) é um ator brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascido em Alegrete, Peréio veio para Porto Alegre aos 12 anos. Seu pai era militar e a mãe trabalhava na Assembleia Legislativa. Ao lado de nomes como Paulo José e Lilian Lemmertz, o ator fez parte do Teatro de Equipe, um grupo de atores que marcou o teatro gaúcho nos anos 1950.

Seu filme de estreia foi Os Fuzis, de 1964, dirigido por Ruy Guerra. Atuou em quase cem filmes como ator, participando de muitas de suas obras decisivas, passando por suas correntes artísticas importantes como o Cinema Novo, cinema marginal, mas também de pornochanchadas, e imprimindo a seus personagens traços de sua personalidade: a irreverência, a corrosiva ironia, o espírito anárquico, o deboche.

Pereio foi casado três vezes. Primeiro com a atriz Neila Tavares, mãe de Lara; depois, com Cissa Guimarães, com quem teve dois filhos - Tomás e João, que também é ator. Finalmente, de seu casamento com Suzana César de Andrade, que não é do meio artístico, nasceu Gabriel.

Já atuou em mais de 60 filmes e inúmeras peças teatrais. No cinema, foi dirigido por Glauber Rocha, Arnaldo Jabor, Hugo Carvana, Ruy Guerra e Hector Babenco, e enlouquecia os diretores, graças aos seus sumiços e atrasos. Irônico e irreverente, ficou conhecido por marcar o final de cada frase sua com a expressão "porra".[1]

É considerado um dos melhores narradores do país, e uma das vozes preferidas dos publicitários brasileiros. Ironicamente, em seu filme de estreia, o diretor Ruy Guerra chamou Cecil Thiré para dublá-lo. Pode-se também dizer que Paulo Cesar Pereio foi figura importante na Campanha da Legalidade comandada pelo então governador do Rio Grande do Sul, Leonel Brizola, pois juntamente com Lara de Lemos compôs o Hino da Legalidade, além de ter sido um dos locutores da Rádio da Legalidade, cadeia de rádios liderada pela Rádio Guaíba e que garantiu a posse de João Goulart em 1961. Além disso, Pereio também participou da campanha presidencial de Brizola em 1989, como um dos locutores do horário eleitoral do então candidato.

O nome "Pereio", vem de um apelido de infância. "Desde que comecei a dar os primeiros passos, e até hoje, tenho esse andar um pouco jogado pra frente, parecia um preto velho e me apelidaram de "Nego Véio" por causa disso, e aí minha irmã Rosa, que não falava direito, me chamava de Vevéio e meu pai brincava comigo, Vevéio, Pereio, Peio, acabou virando Pereio." [2]

Desde 2004, apresenta o programa de entrevistas Sem Frescura, no Canal Brasil, dirigido por sua filha, Lara Velho.[3]

Em 2011, anunciou que concorria como vereador pelo PSB,[4] no entanto, com 1483 votos não conseguiu chegar a Câmara de Vereadores de São Paulo.[5] Está fazendo um general na série da HBO Magnífica 70.

Polêmica[editar | editar código-fonte]

Paulo César Pereio criou uma inusitada campanha para a implosão do Cristo Redentor.[4][6] Em entrevista a revista Veja, disse que "aquela estátua é uma interferência indevida na paisagem. O morro onde ela está é lindo. O Cristo só atrapalha o visual do lugar". Ele ainda argumentou que melhor seria se tivesse sido escolhida a estátua do Borba Gato, em Santo Amaro, classificando como um "absurdo" a eleição do Cristo como uma das sete maravilhas do mundo. Classificando-se como ateu e ex-comunista, Paulo afirmou que contratou uma agência de publicidade e está recolhendo assinaturas para a campanha de demolição.[7]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Cinema[editar | editar código-fonte]

Applications-multimedia.svg A Wikipédia possui o
Ano Título Papel
1964 Os Fuzis Pedro
1967 Terra em Transe Estudante
1968 Os Marginais Alemão
O Homem que Comprou o Mundo
A Vida Provisória Paulo César
1969 Pedro Diabo Ama Rosa Meia-Noite Pedro Diabo [8]
O Bravo Guerreiro Miguel Horta
1970 Sagrada Família Zambio
Gamal, o Delírio do Sexo Jorge
1971 Bang Bang Monkey
O Capitão Bandeira contra o Doutor Moura Brasil Amigo
1972 Os Inconfidentes Bueno da Silveira
1973 Toda Nudez Será Castigada Patrício
Vai Trabalhar Vagabundo Russo
Paraty: Impressões Narrador
Sagarana, o Duelo Estradeiro
1974 A Estrela Sobe Dr. João Oliveira
As Mulheres que Fazem Diferente Cabeleireiro
Relatório de um Homem Casado Médico
A Cartomante Pereio
1975 Nem os Bruxos Escapam Mário
A Extorsão Murilo Santana
As Loucuras de um Sedutor Lourenço
As Aventuras Amorosas de um Padeiro Marques
1976 Iracema - Uma Transa Amazônica Sebastião "Tião"
Gordos e Magros
Bandalheira Infernal
A Queda Pedro
1977 Vida Vida
Anchieta, José do Brasil
Os Amores da Pantera Jean Paul Renoir
Lúcio Flávio, o Passageiro da Agonia Dr. Moretti
1978 Os Mucker
Chuvas de Verão Juraci[9]
Se Segura, Malandro! Presidente da Sociedade
A Dama do Lotação Assunção
Assim Era a Pornochanchada Ele Mesmo
Tudo Bem Bill Thompson
O Bom Marido Afraninho
A Lira do Delírio Paulo César
Daniel, Capanga de Deus Azarim
1981 Fruto do Amor
Eu Te Amo Paulo
1982 Rio Babilônia
Retrato falado de uma mulher sem pudor Abdel Azis Camel
Ao Sul do Meu Corpo Alberto
Tensão no Rio Oficial do Coronel de vendas
O Segredo da Múmia Vítima do professor
1983 Bar Esperança Cabelinho
Corações a Mil Dr. Honório
1984 Una notte di pioggia
1985 Noite
1986 Um Filme 100% Brasileiro
1987 Running Out of Luck
1988 Natal da Portela
Banana Split
1989 Dias Melhores Virão Pereira
1990 Real Desejo Paulo Cavalcante
Barrela: Escola de Crimes Bereco
1991 Vai Trabalhar, Vagabundo II
Inspetor Faustão e o Mallandro Narrador
1992 Batalha Naval Narrador
1993 Vagas para Moças de Fino Trato
Conceição Veterinário
1994 Amor! Narrador
1997 Navalha na Carne
1998 Quintana dos 8 aos 80 Narrador
1999 O Viajante Chico Herrera
2000 Os Idiotas Mesmo Narrador
2001 Onde Andará Petrucio Felker? Narrador
O Comendador
2002 Plano Sequência
Praça Clóvis
2003 Harmada
O homem do ano Seu Umberto
Superstição
Rostilidades - Os sentidos do rosto
2004 Onde anda você?
2005 Árido Movie Lázaro
Nanoilusão
2006 Pereio, Eu te Odeio
Não por Acaso
Gatão de Meia Idade Afonso
Noel - Poeta da Vila Médico de Noel
2008 Nossa Vida Não Cabe Num Opala Oswaldão
2012 Boca Dr. Honório
A Coleção Invisível Radialista
2013 Jogo das Decapitações[10] Jairo - velho
2016 Nova Amsterdam Francisco Coelho

Televisão[editar | editar código-fonte]

Ano Título Papel
1970 Simplesmente Maria Participação Especial
A Gordinha Tomás
1971 A Fábrica Fernando
1972 Tempo de Viver Mágico
1975 Gabriela Príncipe
1984 Partido Alto Da Mata
1985 Roque Santeiro Benevides
1986 Anos Dourados Narrador
1987 Mandala Capitão
1989 O Salvador da Pátria Sebastião Machado
1994 A Viagem companheiro de cela de Alexandre
2001 Presença de Anita Armando
2005 A Lua Me Disse Carga Pesada
2006 Um Menino Muito Maluquinho Vô Mika
2007 Duas Caras Lobato
Carga Pesada Coronel Severino
Amazônia, de Galvez a Chico Mendes Poeta
2011 Amor em Quatro Atos Narrador (1 episódio)
2015 Magnífica 70 General Souto [11]
2016 Êta Mundo Bom! Padre Juvêncio

Prêmios[editar | editar código-fonte]

Festival de Brasília
  • Recebeu o troféu Candango de melhor ator e Prêmio Saruê pela sua atuação em Harmada, em 2003.
  • Ganhou na categoria de Melhor Ator Coadjuvante, por sua atuação em Chuvas de verão, em 1978.
Festival de Gramado
  • Ganhou o troféu Kikito na categoria de Melhor Ator, por sua atuação no filme Noite, em 1985.
  • Ganhou o troféu Kikito na categoria de Melhor Ator Coadjuvante, por sua atuação em As aventuras amorosas de um padeiro, em 1975.

Referências

  1. Peréio. Trip, 11 de dezembro de 2006.
  2. Adoro Cinema Brasileiro
  3. Canal Brasil. Sem frescura.
  4. a b «Pereio quer ser um vereador 'sem frescura'». Estadão.com. 11 de agosto de 2011. Consultado em 11 de março de 2013 
  5. «Veja o desempenho dos famosos nas urnas». O Globo. 9 de março de 2013. Consultado em 11 de março de 2013 
  6. Souza, Leonardo de (28 de abril de 2008). «Ator propõe campanha para implodir estátua do Cristo Redentor». Internet Group. Consultado em 11 de março de 2013. Cópia arquivada em 5 de julho de 2008 
  7. Veja (2058): 48. 30 de abril de 2008 
  8. Cinemateca Brasileira Pedro Diabo Ama Rosa Meia-Noite [em linha]
  9. «Chuvas de Verão». Cinemateca Brasileira. Consultado em 4 de março de 2018 
  10. Jogo das Decapitações no IMDb
  11. Priscila de Martini (22 de maio de 2015). «HBO estreia domingo "Magnífica 70", sua nova série brasileira». Zero Hora. Consultado em 23 de maio de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Paulo César Pereio
Precedido por
Chico Díaz
por Amarelo Manga
Troféu Candango de Melhor Ator
por Harmada

2003
Sucedido por
Leonardo Medeiros
por Cabra-Cega
Precedido por
Lutero Luiz
por Ladrões de Cinema
Troféu Candango de Melhor Ator Coadjuvante
por Chuvas de Verão, Tudo Bem e A Lira do Delírio

1978
Sucedido por
Roberto Bonfim
por O Caso Cláudia