Simplesmente Maria

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Simplesmente Maria
Informação geral
Formato Telenovela
Duração 50 min.
Criador(es) Benjamin Cattan
Benedito Ruy Barbosa
País de origem  Brasil
Idioma original Português
Produção
Diretor(es) Benjamin Cattan e Wálter Avancini
Elenco Yoná Magalhães
Carlos Alberto
Irene Ravache
Paulo Figueiredo
Walderez de Barros
Etty Fraser
(Ver mais)
Exibição
Emissora de televisão original Brasil Rede Tupi
Transmissão original 6 de julho de 1970 - 26 de junho de 1971
N.º de episódios 315
Cronologia
Último
Nino, o Italianinho
Hospital
Próximo

Simplesmente Maria é uma telenovela brasileira exibida na extinta TV Tupi entre 6 de julho de 1970 e 26 de junho de 1971[1], em 298 capítulos.

Começou sendo exibida às 19 horas, mas a partir de 1 de março de 1971 foi transferida para as 20 horas.

Foi escrita por Benjamin Cattan e Benedito Ruy Barbosa e dirigida por Benjamin Cattan e Walter Avancini. É baseada na trama peruana, Simplemente María, produzida em 1969.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Maria é uma jovem humilde, que vive no interior. Para tentar mudar de vida, ela viaja para a cidade grande e começa a trabalhar como doméstica.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Trilha sonora[2][editar | editar código-fonte]

  1. Melodia no Ar - Omar Fontana
  2. Primeiro Concerto para Maria - Benito Di Paula
  3. Maria - Silvio César
  4. Canção a Maria - J. Garcia
  5. A Minha Prece de Amor - Silvio César
  6. Sonata a Maria - Élcio Alvarez
  7. Simplesmente Maria - Paulinho da Viola
  8. Sem Amor - Marcos Roberto e César Roberto
  9. A Mesma Maria - Élcio Alvarez
  10. Pra Não Dizer Adeus - Benito Di Paula
  11. Sonho e Saudade - Salathiel Coelho
  12. Poema de Maria - Martinha

Outras Versões[editar | editar código-fonte]

A trama ganhou várias versões ao redor do mundo, como na Argentina em 1967, no Peru em 1969, na Venezuela em 1972 e duas vezes no México: em 1989 e 2015. Todas essas versões ganharam o mesmo nome.

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

  • Depois de dois sucessos importantes, Antônio Maria e Nino, o Italianinho, em que principalmente se exaltou o autor nacional, a Tupi resolveu importar esse dramalhão que era sucesso em toda a América castelhana – inclusive trazendo da Globo o casal romântico Yoná Magalhães e Carlos Alberto, das novelas de Glória Magadan.
  • No segundo mês de apresentação, o adaptador, Benjamin Cattan, foi convocado pela emissora, que lhe deu ordens expressas para jogar no lixo o que restava e conduzir a novela. O resultado foi logo sentido através da intuição de Cattan.
  • Assim mesmo se arrastou durante onze meses (315 capítulos), sendo apresentada às 19 horas desde sua estreia, no dia 06/07/1970, até 27/02/1971, e depois às 20 horas, até o seu término, em 26/06/1971.
  • A novela foi dividida em duas fases. Alguns dos personagens da primeira fase ressurgiram na segunda, outros desapareceram, bem como novos se integraram à trama.
  • No princípio, a personagem Angélica foi vivida pela atriz Bete Mendes, mas, por motivos de saúde, ela teve que se ausentar da novela, sendo substituída por Annamaria Dias.

Referências

  1. «Simplesmente Maria». Teledramaturgia. Consultado em 24 de abril de 2016. 
  2. «Simplesmente Maria - Trilha sonora». Teledramaturgia. Consultado em 24 de abril de 2016. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]