Salário Mínimo (telenovela)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Salário Mínimo
Informação geral
Formato Telenovela
Duração 30–45 minutos
Criador(es) Chico de Assis
País de origem Brasil
Idioma original português
Produção
Diretor(es) Atílio Riccó
Produtor(es) executivo(s) Delvair Thomazelli
Editor(es) Cristina Mutarelli
Elenco
Tema de abertura "Sampa", Caetano Veloso
Composto por Caetano Veloso
Exibição
Emissora original Rede Tupi
Transmissão original 11 de setembro de 1978 – 10 de março de 1979
Episódios 162

Salário Mínimo é uma telenovela brasileira produzida e exibida pela Rede Tupi, entre 11 de setembro de 1978 e 10 de março de 1979, em 162 capítulos, na faixa das 19 horas, sucedendo João Brasileiro, o Bom Baiano e antecedendo Dinheiro Vivo. Escrita por Chico de Assis, teve direção de Atílio Riccó.[1]

Contou com as atuações de Nicette Bruno, Edney Giovenazzi, José Parisi, Elias Gleizer, Etty Fraser, Oswaldo Campozana, Hélio Souto e Lílian Lemmertz nos papeis principais.[1]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Na Vila Giselda, em São Paulo, mora a família Sanches: o casal Hércules e Zilda, Dom Pepe, pai de Hércules, e os filhos Fabrício, Marisa, Sanchinha e Pedrinho. Hércules trabalha como gerente no restaurante Papafina, e Zilda comanda a cozinha, enquanto Fabrício é garçom. Seu Marcolino, o dono do restaurante, não suporta a mulher Letícia e o cunhado Filadelfo, que há vinte anos vive nas suas costas.

O industrial Dr. Lincoln, casado com a arrogante Viviane, é o rico proprietário de vários imóveis alugados na Vila Giselda e tem grandes pretensões políticas – ao contrário de Hércules, que preside uma sociedade de amigos do bairro e não tem grandes ambições. As atitudes arbitrárias de Lincoln terminam afetando diretamente a vida dos moradores da comunidade. É aí que entra em ação Dona Zilda, que resolve lutar pelos direitos dos mais humildes.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ator/Atriz Personagem[1]
Nicette Bruno Zilda
Edney Giovenazzi Hércules Sanches
Hélio Souto Dr. Lincoln
Lílian Lemmertz Viviane
Maria Isabel de Lizandra Verinha / Alina
Ênio Gonçalves Inácio
Elias Gleizer Marcolino
Etty Fraser Letícia
Oswaldo Campozzana Filadelfo
Laerte Morrone Genaro
Paulo Hesse Bruno
José Parisi Dom Pepe
Cristina Santos Vilma
Leonor Lambertini Dona Isaura
Wilson Fragoso Oswaldo
Edson Celulari Orlando
Cláudia Alencar Aidèe
Flávio Galvão Rui
Ewerton de Castro Eduardo
Silvia Leblon Marisa
João Signorelli Fabrício
Rosaly Papadopol Janete da Loteca
Walderez de Barros Augusto
Bárbara Bruno Amélia
Dante Ruy Isidoro
Abrahão Farc Osório
Deny Perrier Zé Roberto
Tereza Teller Teca
Guilherme Corrêa Gurgel
Lourdes de Moraes Selma
Alberto Baruque Raul
João Acaiabe Padre Lírio
Norma Geraldy Maria
Luiz Antônio Piva Dr. Tomazelli
Narjara Turetta Sanchinha
Douglas Mazzola Fabinho
Fernando Dragaud Leo
Junior Prata
Márcio Costa Pepinho
Arnaldo Weiss Procópio

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

O long play da trilha sonora da novela foi lançado em 1978 pela GTA - Gravações Tupi Associadas S/A. A seleção de repertório e supervisão geral foi de Ana Maria Mazzocchi, e a direção, de Humberto Gargiulo e Jurandir Ferreira Neto.[1]

N.º TítuloMúsicaTema Duração
1. "Então Vale a Pena"  Simone  4:07
2. "Sampa"  Caetano VelosoAbertura 3:17
3. "Inconveniência"  Lula Carvalho  2:23
4. "Iceberg"  Marília Medalha  3:48
5. "Vida Noturna"  Zizi Possi  2:58
6. "Calçadas"  Wilson Miranda  3:07
7. "Tico Tico no Fubá"  Waldir Azevedo  1:48
8. "Tenho (Tengo)"  Sidney Magal  2:32
9. "Baião Collection (Asa Branca / Canário do Reino / Ovo de Codorna / O Chêro da Carolina / Eu só Quero um Xodó / Marinheiro Só / Qui Nem Jiló)"  Fernando Mendes part. Luiz Gonzaga  4:23
10. "Pode Chegar"  PeninhaOrlando e Vilma 3:58
11. "Um Sonho"  Marcelo Costa Santos  4:32
12. "De Vez em Quando"  Elizabeth  3:22
13. "Amor de Estrada"  Tom Zé  3:14
14. "Ai Que Filosofia"  Neuber  2:54

Referências

  1. a b c d Nilson Xavier. «Salário Mínimo». Teledramaturgia. Consultado em 23 de abril de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]