Um Gosto Amargo de Festa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Um gosto amargo de festa
Informação geral
Formato Telenovela
Criador(es) Cláudio Cavalcanti
País de origem  Brasil
Idioma original português
Produção
Diretor(es) Ítalo Rossi
Mário Brasini
Exibição
Transmissão original 19 de fevereiro - 18 de maio de 1969
Cronologia
O Retrato de Laura
Enquanto Houver Estrelas

Um Gosto Amargo de Festa foi uma telenovela brasileira produzida e exibida pela Rede Tupi entre 19 de fevereiro e 18 de maio de 1969[1].

Foi escrita por Cláudio Cavalcanti, baseada na obra de Henrique Jarnes com a direção de Ítalo Rossi e Mario Brasini.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Rogério tem carácter cínico assim provoca diversas paixões nas mulheres, mas não se envolve com ninguém, uma dessas mulheres é Valentina que acaba por lutar pelo amor de Rogério mesmo ele alegando não se interessar pelo namoro sério, eles se conhecem em uma festa de baile de formatura e aí surge o logo da novela. Outras são Lúcia, Amanda e Cecilia.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ator Personagem
João Paulo Adour Rogério
Guy Loup Valentina
Carlos Vereza Tadeu
Pepita Rodrigues Amanda
Renata Sorrah Lúcia
Rosita Thomaz Lopes Cecília
Ítalo Rossi
Camila Amado
Antônio Patiño
Riva Blanche
Paulo Padilha
Gracinda Freire
Antero de Oliveira

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Broom icon.svg
Se(c)ções de curiosidades são desencorajadas pelas políticas da Wikipédia.
Ajude a melhorar este artigo, integrando ao corpo do texto os itens relevantes e removendo os supérfluos ou impróprios.
  • Foi exibida pela TV Tupi entre 19 de fevereiro e 3 de maio de 1969 contando com 97 capítulos.
  • Foi Considerada um grande sucesso de audiência fechando com 60 pontos de audiência.
  • A trama é considerada a primeira telenovela do gênero juvenil, com personagens mais jovens e um tom de romance adolescente.
  • No auge da Ditadura Militar a censura interferiu na trama com alegações bizarras: em uma das cenas a empregada Dagmar conversava com o locutor do rádio reclamando da música, e a cena foi cortada. Quando o autor foi pedir explicações pelo corte, a censura alegou "Sei muito bem o que você quer passar mostrando essas cenas" e chamou-o de subversivo; outra foi a cena em que Lúcia beija Rogério na frente do quadro da mãe, e a censura alegou que aquilo era uma falta de respeito com os pais e aos bons costumes e cortou a cena.
  • O excesso de censura fez com que o autor encerrasse a trama mais cedo não tendo nem 5 meses de duração.
  • Outra tramas juvenis de época só viriam 4 anos depois como A Patota de 1973 e Estúpido Cupido de 1976.

Referências

  1. «Um gosto amargo de festa». Teledramaturgia. Consultado em 3 de novembro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]