Sidney Magal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde janeiro de 2016). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Sidney Magal
Informação geral
Nome completo Sidney Magalhães
Também conhecido(a) como Magal
Nascimento 19 de junho de 1953 (63 anos)
Origem Rio de Janeiro-RJ
País  Brasil
Gênero(s) Brega
Ocupação(ões) Cantor, dublador, dançarino, ator
Instrumento(s) Vocal
Período em atividade 1960 - atualmente
Gravadora(s) Polydor Records
Página oficial www.sidneymagal.com.br

Sidney Magal, nome artístico de Sidney Magalhães[1] (Rio de Janeiro, 19 de junho de 1953),[2] é um cantor, dançarino, ator e dublador brasileiro.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Sidney Magal começou a cantar em programas infantis de televisão, mais tarde trabalhando também na noite, em boates e casas noturnas. O sobrenome artístico surgiu em uma excursão pela Europa. Apareceu na mídia nos anos 70 como um cantor de músicas sensuais e românticas, causando furor entre as fãs. Seu primeiro sucesso foi um compacto com a sugestiva música "Se Te Agarro Com Outro Te Mato". Incorporando elementos da música cigana, da disco music e da música latina, se tornou popular, presença constante em programas populares de televisão.

Seu maior sucesso é "Sandra Rosa Madalena", muito executado em programas como de Silvio Santos e Chacrinha entre o final dos anos 70 e início dos anos 80. Um dos pontos altos de sua popularidade foi no início dos anos 90 - com a efêmera explosão da lambada, Sydney Magal tornou-se um dos maiores ícones desta época, explodindo com a música "Me Chama que eu Vou", que foi inclusive tema da novela Rainha da Sucata da Rede Globo. Também trabalhou em cinema, estrelando o filme Amante Latino, em que interpretava a si próprio. Seus shows atraíam um público em sua maioria feminino, que ao final atacava o ídolo, buscando levar pedaços da roupa como recordação. Nos anos 90 buscou mudar um pouco a sua imagem, gravando um CD de jazz e bossa nova, acompanhado de uma orquestra. Em seguida regravou seus antigos sucessos para a coletânea "Discoteca do Chacrinha".

Discografia[editar | editar código-fonte]

Álbuns de estúdio

  • 1977: Sidney Magal
  • 1978: Magal
  • 1979: O Amante
  • 1980: O Amor Não Tem Hora para Chegar
  • 1981: Quero Te Fazer Feliz
  • 1982: Magal Espetacular
  • 1983: Vibrações
  • 1984: Cara
  • 1985: Me Acende
  • 1987: Mãos Dadas
  • 1990: Magal
  • 1991: Só Satisfação
  • 1995: Sidney Magal & Big Band
  • 1998: Aventureiro
  • 2000: Baila Magal
  • 2006: Sidney Magal ao Vivo [CD/DVD]
  • 2012: Coração Latino ao Vivo CD/DVD

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Cinema[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Ana Maria Bahiana (2006). «Nada será como antes: MPB anos 70 - 30 anos depois». Google Books. Consultado em 3 de novembro de 2012. 
  2. «Sidney Magal». Dicionário Cravo Albin da Música Popular Brasileira. Consultado em 3 de novembro de 2012. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Sidney Magal