A História de Ana Raio e Zé Trovão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
A História de Ana Raio e Zé Trovão
Informação geral
Formato Telenovela
Criador(es) Marcos Caruso
Rita Buzzar
País de origem Brasil
Idioma original português
Produção
Diretor(es) Jayme Monjardim
Roberto Naar
Marcos Schechtman
Marcelo Travesso
Henrique Martins
Produtor(es) Bloch Som e Imagem
Elenco
Tema de abertura "Raio e Trovão" – Sagrado Coração da Terra
Exibição
Emissora original Rede Manchete
Transmissão original 12 de dezembro de 1990 – 13 de outubro de 1991
Episódios 251
Cronologia
Pantanal
O Fantasma da Ópera

A História de Ana Raio e Zé Trovão é uma telenovela brasileira produzida pela extinta Rede Manchete e exibida originalmente de 12 de dezembro de 1990 a 13 de outubro de 1991, às 21h30,[1] substituindo Pantanal e sendo substituída por O Fantasma da Ópera, até Amazônia estrear em dezembro de 1991.

Foi escrita por Marcos Caruso e Rita Buzzar, com a colaboração de Jandira Martini. Idealizada e dirigida por Jayme Monjardim, teve co-direção de Roberto Naar, Marcos Schechtman, Marcelo Travesso e Henrique Martins.[1]

Foi a segunda telenovela mais longa da história da Rede Manchete, com 251 capítulos, perdendo para Mandacaru.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Ana de Nazaré é órfã de mãe e mora com o pai no sul do país. Aos treze anos é estuprada por Canjerê, um ex-capataz da fazenda onde seu pai trabalha e que foi acusado de roubo por ele. Ana fica grávida e dá à luz uma menina a quem dá o nome de Maria Lua. Vingativo e sem escrúpulos, Canjerê volta à fazenda, mata o pai de Ana e rapta sua filha.

Treze anos depois, Ana de Nazaré se transforma em Ana Raio, uma afamada peoa de uma companhia de rodeios. Ela percorre o país com sua caravana e procura pela filha que foi arrancada de seus braços ainda bebê. Ao lado de Ana está João Riso, que é apaixonado por ela e que faz de tudo para agradá-la e ajudá-la a encontrar Maria Lua.

Um dia, a caravana de Ana Raio cruza com outra caravana importante, a de Dolores Estrada, cuja maior atração é o peão Zé Trovão, um rapaz que desconhece seu passado. Entre rodeios, feiras e viagens pelo Brasil, começa a emocionante história de amor de Ana Raio e Zé Trovão.

Produção[editar | editar código-fonte]

"Ela não era ruim. Não é porque eu que escrevi, não. Ela era mal programada. Eu soube que ia escrever Ana Raio três semanas antes de acabar Pantanal. Porque eles iam fazer Amazônia e o [diretor] Jayme [Monjardim] descobriu que na Amazônia, para ver os bichos, você tinha de estar a cem metros de altura, e não tinha horizonte, era tudo fechado, então ele desistiu. Aí ele foi à Festa do Peão de Boiadeiro de Barretos para gravar uma cena de Pantanal e ficou deslumbrado com aquele mundo. Ele me chamou, pegou uma sela branca, chegou ao meio da sala e jogou: 'Ana Raio!' Pegou uma sela preta, jogou no meio da sala e disse: 'Zé Trovão!' E ficou olhando para mim. Eu falei: 'Prazer, Tarzan'. Ele disse que a história estava na cabeça e eu ia escrevê-la. E avisou: 'Quero, a cada 20 capítulos de quatro blocos, mudar de cidade e percorrer o país inteiro'. O slogan da Manchete na época era 'O Brasil que o Brasil não conhece', aí eu fui e fiz. Eu ia escrevendo a novela em um aviãozinho bimotor, literalmente nas coxas. Uma empreitada inacreditável. Foi terrível e maravilhoso ao mesmo tempo".
Marcos Caruso em uma entrevista.[1]

Depois do sucesso de Pantanal, a Rede Manchete investia na ideia de mostrar o "Brasil que o Brasil não conhece", com muitas imagens de paisagens do Brasil, clipes musicais e narrativa lenta, anteriormente visto em Pantanal, mas com a diferença de ter rodeios e músicas sertanejas. As tramas iriam surgindo ao longo das estradas brasileiras, sem uma temática predeterminada ou uma história definida antecipadamente. Mesmo porque não havia cenas de estúdio e as cenas eram gravadas basicamente em externas, em cidades e feiras cenográficas. Teve o mérito de exibir locações nacionais que nunca tinham sido exibidas na telenovela.[1] A abertura foi inovadora para a época, mostrando cenas vistas das estradas do Brasil em um único plano-sequência.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ator Personagem
Ingra Liberato Ana de Nazaré (Ana Raio)
Almir Sater Azelino Santos Ferreira (Zé Trovão)
Azelino Ferreira
Tamara Taxman Dolores Estrada
Nelson Xavier Leopoldo Miranda (Canjerê)
Micaela Góes Maria Lua de Nazaré Miranda / Mariana
Giuseppe Oristânio João Riso
Carlos Gregório Ubiratan Hernandez
Roberto Bomtempo Daniel Meira (Kid Daniel)
Ângela Leal Velha Biga
Xandó Batista Seu Jesus
Geisa Gama Carmem (Gorda)
Lolita Rodrigues Verônica Santos / Elisa
Ruy Rezende Roberto (Bob Lamb)
Íris Bustamante Flor Violeta
Andréa Cavalcanti Marilda (Mary Hilda)[2]
Luiz Maçãs Getúlio Veigas (Armando Rosas)
Lu Grimaldi Clarice Peixoto
Valéria Alencar Malvina
Luciano Vianna André (Andorinha)
Gisela Reimann Alba (Albinha)
Eduardo Silva Nilton (Niltinho)
Ivan de Almeida Juraci (Mosca)
Elizabeth Hartmann Helena
Miguel Magno Billy
Charles Möeller Werner Heimer
Tatiana Toffoli Carolina (Lina)
João Camargo Otávio (Tavinho Goiabada)
Antonio Pitanga Elomar
Maurício do Valle Cabeção
Cícero Bernardes Cícero
Edmundo Félix Arcanjo Gabriel
Zé Capeta Zé Capeta
Celia & Celma Luminosa & Luminada
Dênis & Demian Orelhinha & Cotonete
Marcos Caruso Locutor dos rodeios / narrador da história

Participações especiais[editar | editar código-fonte]

Ator Personagem
Flor Bartilotti Ana de Nazaré jovem
Jane Bezerra Dolores Estrada jovem
Sofia
Valéria Sândalo Gorda jovem
Carolina Ferraz Verônica Santos / Elisa jovem
Orlando Orfei Walter Estrada
Roberto Frota Chico de Nazaré
Liana Duval dona Amália Botelho
Yara Lins Mãe Candinha
Sérgio Britto Basílio
Riva Nimitz Madre Beatriz
Via Negromonte Luíza
Suzana Abranches Gislene
Antônio Nóbrega Tonheta
Catarina Abdalla Berenice
Yaçanã Martins Yolanda
Luís de Lima Persius Bulhões
Maria Sílvia Firmina (Fifi)
Hélio Souto Prefeito Bruno Boaventura
Jandira Martini Vitória Imperial / Martina Ferraz
Carlos Cambraia Máximo
Rebecca Buenosilva Vera / falsa Maria Lua
José Dumont Mané Duro / Mané Coxo
Marcélia Cartaxo Antônia
Evandro Mesquita Jair Cardoso Resende (Jacaré)
Antônio Pompêo Delegado da Chapada dos Guimarães
Goiano & Paranaense Eles mesmos
Sula Miranda Ela mesma
Giovanna Gold Marisa Prado
Daniel Ávila Azelino Prado Ferreira (Zezinho)
Antônio Petrin Lamberto Bérgamo
Renata Fronzi Gióia Bérgamo
Henrique César Ranulfo
Luciene Adami Marlene
Luiz Armando Queiroz Rodrigo Cruz
Wilza Carla Maria Gasolina
Kadu Carneiro Cadu
Renato Borghetti Ele mesmo
Walter Breda Padre Lizâneas
Guilherme Corrêa Gaudêncio Flores
Renato Consorte Comendador Pirante
Diva Pieranti dona Jandira
Gésio Amadeu Sebastião (Bastião)
Leonardo Vieira Pedro
Beto Carrero Ele mesmo
Sidney Magal Ed Cigano
Helena Ranaldi Estefânia Piagentini
Fernando Vieira Enrico Piagentini
Ney Piacentini Bonifácio Furacão
Lafayette Galvão Velho Nicolau
Lélia Abramo Lúcia Piagentini
Wilma de Aguiar Gioconda Piagentini
Serafim Gonzalez Klaus Heimer
José de Abreu Investigador Roberto Dantas
Raul Toledo Trigueirinho
Antônio Gonzalez Macedo
Luiz Serra Delegado de Treze Tílias
Henrique Martins Caminhoneiro de Treze Tílias
Rui Bartolo Comendador Bartolo
Chitãozinho & Xororó Eles mesmos
Sérgio Mamberti Pupo Valdez
Irving São Paulo Minho
Renato Master Angelino
Leandra Leal Tina
Marília Medina Flávia (Flavinha)
Charles Myara Rudi
Lígia Cortez Marina
Sérgio Reis Ele mesmo[3]
Sandy & Junior Eles mesmos

Reprises[editar | editar código-fonte]

Foi reexibida de 29 de março a 31 de maio de 1993 em 92 capítulos, às 18h.[1]

Foi reexibida na íntegra pelo SBT, que desde 2008 tinha interesse nas fitas da telenovela,[4] e a reapresentou entre 7 de junho de 2010 e 4 de abril de 2011, na faixa das 22h, em 258 capítulos, 7 a mais que a versão da Manchete.[5]

O SBT não cortou as cenas originalmente previstas que fariam a reprise durar apenas 150 capítulos[6] e fez capítulos com uma menor duração em suas últimas semanas. Além disto, algumas cenas foram ao ar duas vezes (cenas de paisagem e flashbacks). Os motivos do SBT tê-la esticado foram a boa audiência da trama (cerca de 7 pontos em um horário que a emissora registrava 4) e a necessidade de estrear a sua nova telenovela, Amor e Revolução, somente após o fim do Big Brother Brasil 11.

Repercussão[editar | editar código-fonte]

Audiência[editar | editar código-fonte]

Ana Raio e Zé Trovão arrastou-se ante poucos apelos folhetinescos. Alcançou média de 15 pontos de audiência e o segundo lugar para a Rede Manchete no Ibope, que embora fosse muito boa para uma telenovela fora da Rede Globo, foi bem mais baixa que a audiência de sua antecessora Pantanal, que teve picos de 51.[4]

Em sua reprise pelo SBT garantia a vice-liderança, o que fez com que a emissora esticasse a trama.[7] No capítulo de 23 de junho de 2010, a reprise registrou 10 pontos na Grande São Paulo, na frente da Rede Record que exibia Ribeirão do Tempo,[8][9] e em 16 de julho, a reprise registrou média de 9 pontos, fechando em segundo lugar.[10]

Trilha Sonora[editar | editar código-fonte]

Volume 1[11][editar | editar código-fonte]

A História de Ana Raio e Zé Trovão - Volume 1
Trilha sonora de Vários intérpretes
Lançamento 1991
Gênero(s) Vários
Formato(s) LP
Gravadora(s) Bloch Som e Imagem[11]
Produção Marcus Viana[11]

Capa: Ingra Lyberato e Almir Sater[11]

TítuloMúsicaPersonagem Duração
1. "Estradas do Interior (Take Me Home, Country Roads)"  Ruy MaurityRodeios  
2. "João Balaio"  Boca LivreJoão Riso  
3. "Flor de Ir Embora"  Maria BethâniaFlor Violeta  
4. "Atrás Poeira"  Sá e GuarabyraCanjerê  
5. "As Voltas que o Mundo Dá"  LenineDaniel  
6. "Ana Raio"  XangaiAna Raio  
7. "Raio e Trovão"  Sagrado Coração da TerraAbertura  
8. "Please Baby"  The Notting HillbilliesDolores Estrada  
9. "Cowboy de Asfalto"  Chitãozinho & XororóCaravana  
10. "Valsa Brasileira"  Chico BuarqueBob Lamb  
11. "Esperança Manhã"  Marcus VianaAna Raio jovem  
12. "Capim Azul"  Almir SaterRodeios  
13. "Meu Primeiro Amor"  Célia & CelmaAndorinha e Albinha  
14. "Cavaleiros do Céu (Riders in the Sky)"  Dênis & DemianZé Trovão  

Volume 2[12][editar | editar código-fonte]

A História de Ana Raio e Zé Trovão - Volume 2
Trilha sonora de Vários intérpretes
Lançamento 1991
Gênero(s) Vários
Formato(s) LP
Gravadora(s) Bloch Som e Imagem[12]
Produção Marcus Viana[12]

Capa: Ingra Lyberato e Almir Sater[12]

TítuloMúsicaPersonagem Duração
1. "Vida"  Marcus VianaAna Raio  
2. "Hora do Clarão"  Almir SaterZé Trovão  
3. "Vale do Rio Vermelho (Red River Valley)"  Neuma MoraisRodeios  
4. "Maria Lua"  Orlando MoraisMaria Lua  
5. "Pro Meu Amor"  Sylvia PatriciaMalvina  
6. "Estrada de Dolores"  Goiano & ParanaenseDolores Estrada  
7. "Fada Madrinha"  Vanessa FalabellaAna Raio e Maria Lua  
8. "Marujo de Estrada"  Orlando MoraisNiltinho  
9. "Companheira"  Ruy MaurityRodeios  
10. "Rodando o Brasil"  Marcus VianaAna Raio e Zé Trovão  
11. "Bailinho na Capela"  Renato BorghettiRodeios  
12. "Bésame mucho"  Sidney MagalDolores Estrada  
13. "Vaqueiro"  Neuma MoraisEscola de Peões  
14. "Preciso de Amor"  Célia & CelmaGeral  

Referências

  1. a b c d e «A História de Ana Raio e Zé Trovão». Teledramaturgia. Consultado em 21 de setembro de 2014 
  2. «Defendendo Marilda». Tv-pesquisa.com.puc-rio.br 
  3. «História de Sérgio Reis». Sérgio Reis Oficial. Consultado em 20 de agosto de 2016. Arquivado do original em 2 de maio de 2016 
  4. a b Daniel Castro (23 de junho de 2008). «SBT planeja reprisar "Ana Raio e Zé Trovão"». Folha de S.Paulo. UOL. Consultado em 21 de setembro de 2014 
  5. «SBT anuncia reprise de Ana Raio e Zé Trovão». Área Vip. 24 de maio de 2010. Consultado em 9 de junho de 2015. Arquivado do original em 3 de março de 2016 
  6. Melina Cardoso (7 de junho de 2010). «Atores de "Ana Raio e Zé Trovão" falam sobre a reprise da novela». Folha de S.Paulo. UOL. Consultado em 21 de setembro de 2014 
  7. Alberto Pereira Jr. (23 de agosto de 2010). «SBT estica novela "Ana Raio e Zé Trovão"». Folha de S.Paulo. UOL. Consultado em 21 de setembro de 2014 
  8. «Reprise de "Ana Raio" deixa SBT à frente da Record». Folha de S.Paulo. UOL. 24 de junho de 2010. Consultado em 21 de setembro de 2014 
  9. Laura Mattos (25 de junho de 2010). «Globo desaprova desabafo de Ana Maria Braga no ar». Folha de S.Paulo. UOL. Consultado em 21 de setembro de 2014 
  10. «Novela de 20 anos atrás, "Ana Raio e Zé Trovão" fica com 2º lugar no ibope». Folha de S.Paulo. UOL. 15 de julho de 2010. Consultado em 21 de setembro de 2014 
  11. a b c d «A História de Ana Raio e Zé Trovão - Volume 1». Teledramaturgia. Consultado em 12 de agosto de 2021 
  12. a b c d «A História de Ana Raio e Zé Trovão - Volume 2». Teledramaturgia. Consultado em 12 de agosto de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]