Roberto Frota

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde janeiro de 2010). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Roberto Frota
Nome completo Roberto de Castro Moreira
Nascimento 26 de janeiro de 1939 (80 anos)
Rio de Janeiro, RJ
Nacionalidade brasileiro
Ocupação
Atividade 1973–presente
Cônjuge Ângela Vieira (1983–1997)
Márcia Prado (2008–2014)

Roberto de Castro Moreira, mais conhecido como Roberto Frota (26 de janeiro de 1939, Rio de Janeiro) é um ator, diretor, produtor, escritor e autor teatral brasileiro. Inciou sua carreira artística em 1969.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Primeiros anos de vida e juventude[editar | editar código-fonte]

Roberto Frota nasceu no Hospital Alemão, no bairro da Tijuca, na cidade do Rio de Janeiro, então capital federal do Brasil. Foi o primeiro filho do casal José Arthur da Frota Moreira e de Zuleika de Castro Moreira; ele advogado , recém nomeado Procurador de Justiça do Trabalho do Estado de São Paulo e posteriormente Deputado Federal por três mandatos, ela estudante da Escola Nacional de Belas Artes, pintora e poetisa.[1]

Sua família, posteriormente, passou a residir na cidade de São Paulo por exigência do cargo público exercido por seu pai, que também enveredava pela carreira política. Quando Roberto tinha cerca de dois anos de idade, nasceu o seu irmão Carlos. Roberto Frota morou no bairro de paulistano de Vila Mariana até os quatorze anos, quando sua mãe faleceu; após este fato, mudando-se junto com seu irmão para o Rio de Janeiro, então capital federal, onde se encontrava a Câmara dos Deputados.[1]

Quando Roberto completou 17 anos, nasceu sua irmã Ana Silvia, fruto do segundo casamento de seu pai. A família voltou a morar em São Paulo, mas Roberto permaneceu no Rio de Janeiro, continuando seus estudos nos colégios Andrews e Juruena. Aos 19 anos foi nomeado para um cargo público, na Suseme (Superintendência de Serviços Médicos do Rio de Janeiro). Em 1963, em um período de apenas vinte e oito dias, falecem seu pai e seu irmão Carlos.[1]

Início e desenvolvimento da carreira profissional[editar | editar código-fonte]

Em 1968, com 29 anos de idade, casa-se com Ana Maria Frota, fonoaudióloga, do qual resultam dois filhos, Verônica e Thiago. No mesmo ano matricula-se no curso de teatro de Maria Clara Machado, fundadora do Teatro Tablado, dando inicio a sua carreira de ator e diretor teatral.[1] A partir daí foram cerca de cinquenta espetáculos como ator profissional, dentre os quais destacam-se Cemitério de Automóveis, Peer Gynt, Castro Alves Pede Passagem, O Interrogatório, Trair e Coçar, É Só Começar! e O Cordão Umbilical.[2]

Participou novelas e séries para televisão brasileira como: Tieta, Pedra sobre Pedra, Corpo Santo, Mulheres apaixonadas, Corpo Santo, Riacho Doce, Ana Raio e Zé Trovão, Chiquititas, Terra Prometida, esta última lhe rendeu o Prêmio de Melhor Ator em Papel Cômico. No cinema atuou em A Queda e Sombras de Julho.[1]

Foi casado por 14 anos com a atriz Ângela Vieira de 1983 a 1997 com quem teve um filha: Nina.[3][4] Foi casado com a advogada carioca Márcia Prado, de 2008 a 2014.

Em 1992 escreveu o argumento original do longa metragem "Se eu fosse você", um dos grandes sucessos do cinema nacional, que já gerou continuação e versões para teatro e televisão. A estreia de Roberto Frota no terreno literário foi a publicação do livro "Mão de Flor", pela Editora Vizeu.[1]

Roberto Frota encontra-se em cartaz há 8 anos, viajando pelo Brasil, juntamente com o ator Marcos Wainberg, apresentando o espetáculo "Diálogo dos Pênis", sucesso de crítica e público.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Teatro[editar | editar código-fonte]

1969 - CAMALEÃO NA LUA (Texto e Direção : Maria Clara Machado) TEATRO: TABLADO/RIO

1970 - MAROQUINHAS FRÚ-FRÚ (Texto e Direção : Maria Clara Machado) TEATROS: TABLADO E GLAUCIO GILL/RIO)

1970 - A ALMA BOA DE SÊ-TSUAN (Autor : Bertold Brecht / Direção : L.A. Marones) TEATROS: RIO DE JANEIRO  E VITÓRIA)

1970 - CEMITÉRIO DE AUTOMÓVEIS (Autor : Arrabal / Direção : Vítor Garcia) TEATRO TEREZA RAQUEL/RIO

1971 - PEER GYNT (Autor : H. Ibsen /Direção : Antunes Filho) 1 As Aventuras de Peer Gynt. Estreia no Teatro Itália (São Paulo), em abril de 1971, foi levada para o Teatro Municipal de Santo André (SP) em outubro de 1971. Uma produção de Antunes Filho Produções Artísticas, sob direção de Antunes Filho, que ganhou o Prêmio Molière com tal direção. No elenco, Stênio Garcia, Ariclê Perez, Jonas Bloch, Ciro Corrêa e Castro, Ewerton de Castro, Roberto Frota, Ricardo Blat.[5]

1972 - CASTRO ALVES PEDE PASSAGEM (Texto e Direção : Gianfrancesco Guarnieri) TEATRO: PRINCESA ISABEL/RIO

1972 - O INTERROGATÓRIO (Autor : Peter Weiss / Direção : Celso Nunes) TEATROS: GLAUCIO GILL E JOÃO CAETANO/RIO

1973 - AS TRÊS IRMÃS ( Autor : A. Tchecov / Direção : José Celso Martinez Corrêa) TEATRO GLAUCIO GILL/RIO

1973 - O CORDÃO UMBILICAL - (Autor : Mário Prata / Direção : Aderbal Júnior)                             TOURNÉE PELAS CIDADES:  BELO HORIZONTE,BRASÍLIA , GOIÂNIA , BELÉM , SÃO LUIZ , FORTALEZA , RECIFE , SALVADOR , PORTO ALEGRE E CURITIBA.

1974 - FERNANDO PESSOA - (Coletânea de textos do autor / Direção : Isaias Almada) TEATRO: OPINIÃO/RIO

1975 - A RAINHA MORTA - (Autora : Heloísa Maranhão / Direção : Luís Carlos Ripper) ~Leitura pública~                            TEATRO GLAUCIO GILL/RIO E ARTUR AZEVEDO/BRASÍLIA

1977 - PANO DE BOCA - (Autor : Fauzi Arap / Direção : Antônio Pedro)                           Teatro: GLAUCIO GILL E GLAUCE ROCHA/RIO

1977 - O CASO OPPENHEIMER - (Autor : Heimar Kipphardt / Direção : Aderbal Júnior) ~leitura pública~                          TEATRO: DO IBAN/RIO

1980 - VESTIDO DE NOIVA - (Autor : Nelson Rodrigues / Direção : André Valli) ~leitura dramatizada~                             TEATRO: VILLA LOBOS/RIO

1980 - A RESISTÊNCIA - (Autora: Maria Adelaide Amaral / Direção : Cecil Thiré)                               TEATROS: JOÃO CAETANO/RIO E MARIA DELLA COSTA/S.P.

1980 - BODAS DE PAPEL - (Autora : Maria Adelaide Amaral / Direção : Cecil Thiré)                              TEATRO: MAISON DE FRANCE/RIO

1981 - O MELHOR DOS PECADOS - (Autor: Sérgio Viotti / Direção : Bibi Ferreira)                       TEATRO: CLARA NUNES/RIO

1982 - E AGORA, HERMÍNIA? (Autor : Claude Maugnier / Direção : Bibi Ferreira)                                TEATRO: MESBLA/RIO

1983 - O REI LEAR (Autor : W. Shakespeare / Direção : Celso Nunes)                      TEATRO: CLARA NUNES/RIO

1984 - A PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA (Autor : Benjamin Santos / Direção : Ginaldo de Souza)                      Projeto Aquarius / PALÁCIO DO CATETE/RIO

1984 - ENCOURAÇADO BOTEQUIM (Autor : Paulo César Coutinho / Direção : Renato Coutinho)                       TEATROS: RIVAL/RIO e U.F.F./NITEROI

1985 - UM BEIJO , UM ABRAÇO , UM APERTO DE MÃO (Autoria e Direção : Naum Alves de Souza)                       TEATROS: VILLA LOBOS/RIO - U.F.F./NITERÓI e NACIONAL/BRASÍLIA.

1987 - TRAIR E COÇAR É SÓ COMEÇAR ( Autor : Marcos Caruso / Direção : Atílio Riccó )                       TEATROS:  PRINCESA ISABEL/RIO - BARRA SHOPPING/RIO e EXCURSÃO BRASIL

1991 - O BAILE DE MÁSCARAS ( Autoria e Direção : Mauro Rasi )                        TEATRO DOS QUATRO/RIO

1993 - CIDADÃO (Vários autores / Direção : Aderbal Freire Filho)                        Campanha conta a fome, Ação de cidadania contra a miséria pela vida TEATRO: MUNICIPAL/RIO

1994 - O REI PASMADO E A RAINHA NUA (adaptação de Márcio Augusto para “A CRÔNICA DEL REY PASMADO” , de Gonzalo Torrente Ballester Direção : Márcio Augusto) TEATRO: CENTRO CULTURAL BANCO DO BRASIL/RIO

1995 - VESTIDO DE NELSON ( Autora : Stella Rodrigues / Direção : Maurício Abud)                       TEATRO: DA FUNDIÇÃO PROGRESSO/RIO

1996 - SERIA TRÁGICO SE NÃO FOSSE CÔMICO ( Autor : F.Durrematt / Direção : Luiz Arthur Nunes )                       TEATRO: DOS GRANDES ATORES/RIO

1997 - DON JUAN ( Autor: Moliére / Direção : Moacir Chaves)                          EXCURSÃO PELO BRASIL

1998 - TODOS OS HERÓIS ESTÃO  MORTOS ( Autor : Benjamim Santos / Direção : Ginaldo de Souza)                          TEATRO GLAUCIO GILL/RIO

1999 - EM NOME DO FILHO ( Autor : Reginaldo Faria / Direção  : Regis Faria)                           EXCURSÃO PELO BRASIL

1999 - ADORÁVEL HAMLET ( Autor : W. Shakespeare / Direção : Dinho Valadares )                              TEATROS: NELSON RODRIGUES E GLAUCIO GILL

2000 - BONITINHA MAS ORDINÁRIA - Participação especial ( Autor : Nelson Rodtrigues / Direção : Moacir Góes)                         TEATRO:CARLOS GOMES/RIO

2001 - AMANTE S.A. - Ator convidado ( Autor : John Chapman / Direcao : Cyrano Rosalem ) TEATRO:IPANEMA/RIO

2001/2013 - DIÁLOGO DOS PÊNIS ( Texto e Direção: Carlos Eduardo Novaes )                           CASA DO RISO (RIO) E EXCURSÃO PELO BRASIL

2011 - AGREDIR FUNCIONÁRIO PÚBLICO NO EXERCÍCIO DA FUNÇÃO É CRIME (Texto e direção: Edvard Vasconcelos)                           TEATRO LEBLON/RIO

2012 - A CANTORA CARECA (Autor: Eugene Ionesco / Direção: Camila Amado)                           TEATRO MAISON DE FRANCE/ RIO

2015 - O ACOMPANHAMENTO (Autor : Carlos Gorotiza / Direção: Daniel Archangelo)                           TEATRO EVA HERZ/RIO – CIRCUITO SESC/RIO

  •                        Desde 1984 ator dos Espetáculos de rua “PAIXÃO DE CRISTO” , (Arcos da Lapa), “SÃO SEBASTIÃO”, “SÃO JORGE” e Outros, Direção de Ginaldo De Souza.

Cinema[editar | editar código-fonte]

  • 1970 A Dança das Bruxas
  • 1971 O Amor, A Vida E A Morte
  • 1972 O Gozador
  • 1976 A Queda
  • 1997 Sombras de Julho
  • 2001 A Selva
  • 2016 Dumbo & Jumbo 2

Referências

  1. a b c d e f g «Roberto Frota, autor». Editora Viseu. Consultado em 3 de agosto de 2018 
  2. «Roberto Frota». Enciclopédia Itaú Cultural de Arte e Cultura Brasileiras. 23 de fevereiro de 2017. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  3. «Angela Vieira dispara: fiz plastica para tirar excessos não para parecer mais jovem». Jornal Extra. 23 de fevereiro de 2014. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  4. «Na TV, Ângela Vieira mostra raro momento ao lado da filha, Nina Frota: 'Uma flor de cândura'». Revista Caras. 18 de agosto de 2015. Consultado em 4 de agosto de 2018 
  5. SILVA, Jane Pessoa da. Ibsen no Brasil. Historiografia, Seleção de textos Críticos e Catálogo Bibliográfico. São Paulo: USP, 2007. Tese.

2. Frota, Roberto. Curriculum do Ator

Ícone de esboço Este artigo sobre um ator é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.