Porto dos Milagres

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Porto dos Milagres
Informação geral
Formato Telenovela
Gênero Realismo mágico
Duração 60 minutos
Criador(es) Aguinaldo Silva
Ricardo Linhares
Baseado em Mar Morto e A Descoberta da América pelos Turcos de Jorge Amado
País de origem Brasil
Idioma original português brasileiro
Produção
Diretor(es) Marcos Paulo
Roberto Naar
Câmera Multicâmera
Roteirista(s) Nelson Nadotti
Filipe Miguez
Glória Barreto
Maria Elisa Berredo
Elenco
Tema de abertura "Caminhos do Mar", Gal Costa
Empresa(s) de produção Central Globo de Produção
Exibição
Emissora de televisão original Rede Globo
Formato de exibição 480i (SDTV)
Transmissão original 5 de fevereiro – 29 de setembro de 2001
N.º de episódios 203

Porto dos Milagres é uma telenovela brasileira produzida e exibida pela Rede Globo de 5 de fevereiro a 29 de setembro de 2001, em 203 capítulos, substituindo Laços de Família e sendo substituída por O Clone.[1][2] Foi a 60ª "novela das oito" exibida pela emissora. Escrita por Aguinaldo Silva e Ricardo Linhares, a telenovela foi inspirada nos romances Mar Morto e A Descoberta da América pelos Turcos, ambos do escritor brasileiro Jorge Amado - que faleceu enquanto a novela era exibida. Foi escrita com colaboração de Nelson Nadotti, Filipe Miguez, Glória Barreto e Maria Elisa Berredo, direção de Fabrício Mamberti e Luciano Sabino, direção-geral de Marcos Paulo e Roberto Naar, enquanto a direção de núcleo ficou a encargo de Paulo.

Porto dos Milagres conta com Marcos Palmeira interpretando o papel principal, um valente pescador que vem a ser disputado amorosamente pelas personagens de Flávia Alessandra e Camila Pitanga. O personagem de Palmeira também vem a ser o rival do personagem de Antônio Fagundes, na pele de um prefeito inescrupuloso, acompanhado de sua esposa ambiciosa, interpretada por Cássia Kis, que faz de tudo para que seu marido nunca saia em prejuízo, e que não demonstra amor materno para seu filho, papel defendido por Leonardo Bricio, que também nutre um sentimento amoroso pela personagem de Alessandra.

Algumas controvérsias envolvendo a produção aconteceram durante e depois de sua exibição, como o núcleo reduzido de atores negros apesar da trama ser ambientada na Bahia, além de membros de Igreja Católica criticarem a Rede Globo pelo culto ao candomblé dentro da novela; políticos brasileiros também expressaram descontentamento com a trama, devido a enredos serem muito parecidos com o que acontecia na vida real. Apesar disso, Porto dos Milagres foi um sucesso de audiência, conquistando uma média de 44 pontos em geral e sendo geralmente bem recebida pela crítica especializada, mas que apontou que a dupla de autores estava defasada ao escrever novamente um folhetim de realismo fantástico.

Contou com Marcos Palmeira, Antônio Fagundes, Flávia Alessandra, Cássia Kis, Camila Pitanga, Luíza Tomé, José de Abreu e Leonardo Brício nos papéis principais.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Ver artigos principais: História da Rede Globo e Novela "das oito"

Na virada do milênio, o horário de novelas das oito estava obtendo recordes de audiência exibindo novelas como Terra Nostra e Laços de Família, depois do relativo fracasso de Suave Veneno, de autoria de Aguinaldo Silva. Para substituir Laços de Família, foi escolhida Segredos do Mar, de autoria de Silva e Ricardo Linhares e depois renomeada para Porto dos Milagres,[3] para manter a boa audiência que a novela estava rendendo à emissora. Silva, em respeito a manter os bons índices da novela anterior, comentou: "Não podemos ficar preocupados com essa herança. Novela quando acaba é como jornal de ontem. No começo, há um estranhamento, mas a saída é fazer algo bem diferente", afirmando também que o segredo para não deixar a "bola cair" é marcar logo a diferença. Marcos Paulo, diretor-geral de Porto dos Milagres, afirmou também que "não dá para comparar. São produtos completamente diferentes. E estamos apostando nessa diferença. A nossa expectativa é de, no mínimo, entrar no mesmo barco".[4]

Produção[editar | editar código-fonte]

Inspiração[editar | editar código-fonte]

Aguinaldo Silva inspirou-se em duas obras do autor baiano Jorge Amado (foto) para compor a trama.

Para escrever a trama, Aguinaldo Silva citou como inspiração dois livros de Jorge Amado, Mar Morto e A Descoberta da América pelos Turcos: "Eu queria adaptar 'Mar Morto' havia muito tempo. Li o livro quando era adolescente, tinha uma ideia de como era aquela história de amor desenfreado. Quando o reli, percebi que ele tinha uma linguagem poética meio datada e que sua história não daria uma novela. Então tive que fazer uma adaptação muito livre", afirmou ele.[5] Mar Morto estava prevista para ir ao ar como uma minissérie em 1995, mas foi cancelada pela Rede Globo antes de estrear, pois a emissora queria transformar o folhetim em novela no ano seguinte, mas isso não se concretizou.[6] O autor também comentou que também foi inspirado por uma história contada por um amigo de Barretos, cidade do interior do estado de São Paulo, onde ele criava gado. Quando ele o contou a história, achou apropriada para uma novela. Logo depois, Marluce Dias da Silva, diretora geral da Rede Globo na época, chamou-o para continuar a adaptação de Mar Morto, e ele acrescentou esta história à trama.[5]

Silva disse também que a autonomia de adaptar livros à novelas deu oportunidade de inserir o fator da política à novela: "A trama mais forte de Porto dos Milagres era a política. Foi o fato de eu ter transformado o personagem do Antonio Fagundes, o Félix, em prefeito e candidato a governador, casado com uma mulher ambiciosa, a Adma, vivida pela Cássia Kiss, que deu o tom da novela". Ele complementou dizendo que isso era uma ferrenha crítica aos métodos que alguns políticos utilizam no Brasil.[5] Assim, a "trama política prevaleceu sobre a romântica. Confesso que não tinha muita paciência com a trama romântica. Achava que aquela relação do pescador com a moça de classe média era uma história dos anos 1930, 1940. Hoje o romantismo não caminha mais por aí", comentou o autor.[5] Outra inspiração para os autores foi Macbeth, de William Shakespeare, para a trama em que Félix Guerrero (Antônio Fagundes) recebe a previsão de uma cigana de que ele se tornaria rei, com as mãos sujas de sangue, tendo uma grande mulher por trás, Adma (Cássia Kis).[7]

Filmagens[editar | editar código-fonte]

Em outubro de 2000, Porto dos Milagres entrou em sua fase de pré-produção e o elenco participou de um workshop, assistindo a um vídeo no qual o próprio Jorge Amado fala sobre sua obra Mar Morto.[8] No mês seguinte, Antônio Fagundes e Cássia Kis, juntamente com a equipe, embarcaram para Sevilha, Espanha, para gravar as primeiras cenas da novela, e no final do mesmo mês, as gravações no Brasil começaram na ilha de Comandatuba, na Bahia.[9] Para as gravações no litoral, o elenco era deslocado a cada mês para a Bahia. "Lá tem o cheiro do mar, que não podemos reproduzir em estúdio. Também não podíamos gravar tudo fora, como Tropicaliente [gravada em Fortaleza], pois é grande o núcleo da cidade", disse o diretor geral Marcos Paulo.[10]

A imprensa chamou a novela de a "maior superprodução da história dramatúrgica brasileira", com custos de mais de US$ 80 mil por capítulo. Foi também especulado que o custo total da novela poderia chegar a US$ 8 milhões, mas que esse valor poderia ultrapassar os US$ 11 milhões, dependendo da aceitação do público e, consequentemente, do número de capítulos.[11] Esse valor elevado foi atribuído ao uso de efeitos especiais na trama, utilizados nas cenas de barco em alto-mar – como, por exemplo, quando no início da trama o personagem Guma (Marcos Palmeira) enfrenta uma tempestade – foram realizadas em parceria com a empresa norte-americana de Los Angeles Digital Domain, responsável por alguns dos efeitos de filmes como Titanic e O Segredo do Abismo.[12]

Escolha do elenco[editar | editar código-fonte]

Originalmente, os irmãos Félix e Bartolomeu não seriam gêmeos, mas devido à desistência de um dos atores, Antônio Fagundes ficou encarregado de dar vida aos dois irmãos.[13] Inicialmente, Arlete Salles viveria a personagem Rita, uma mulher simples e batalhadora, boa mãe, pilar da família, e Joana Fomm ficaria com o papel da aristocrata e arrogante Augusta Eugênia. Para o livro Autores, Histórias da Teledramaturgia, Aguinaldo Silva declarou que o diretor Marcos Paulo propôs a troca, fazendo Fomm e Salles interpretarem personagens diferentes do que estavam acostumadas a fazer na televisão.[14] Foi divulgado que o ator Francisco Cuoco interpretaria o senador Victório Vianna, mas de última hora o personagem acabou ficando com Lima Duarte.[15] Pitágoras Williams Mackenzie, o deputado que Ary Fontoura interpretou na novela A Indomada (1997) seria apenas uma participação, mas acabou ficando como personagem fixo.[12] Para interpretar Olímpia, a madrasta de Adma e Amapola na reta final da novela, foi inicialmente escalada a atriz Eva Wilma, mas logo depois foi substituída por Débora Duarte.[16] Flávia Alessandra estava no elenco desde sempre, mas não se sabe pra qual papel visto que Ana Paula Arósio foi sondada pra viver Lívia, mas ela preferiu interpretar Maria Eduarda em Os Maias.

Cenografia[editar | editar código-fonte]

Ilha de Comandatuba, uma das locações usadas para Porto dos Milagres.

Duas cidades cenográficas de dez mil metros quadrados foram construídas para formar a fictícia cidade de Porto dos Milagres. A primeira delas soma 3.500 metros quadrados em Ilha de Comandatuba, Bahia, e representa a parte baixa da cidade, onde ficam o cais, o nicho de Iemanjá, a capelinha, o bar Farol das Estrelas, o Mercado Municipal, as casas de Guma e dos outros pescadores. A estátua de Iemanjá que aparece na trama foi feita pela equipe de artesãos dos Estúdios Globo.[12] A construção da cidade levou cerca de dois meses e o desenho foi feito em tempo recorde, duas semanas.[17] Foi preciso construir depois o vazamento da cidade, bem como a parte alta da mesma na Central Globo de Produção, no Rio de Janeiro, onde Porto dos Milagres ganhou em 6.500 metros quadrados. Assim, várias casas construídas na cidade da Ilha de Comandatuba tiveram que ser feitas também no Rio de Janeiro - como o bar Farol das Estrelas, que tem duas entradas: uma na Bahia e outra no Rio de Janeiro - para que uma parte se funda à outra, sem problemas.[17] Várias cenas se passaram no Hotel Transamérica, situado na Ilha. A cidade cenográfica foi mantida durante anos pelo hotel, podendo ser visitada por seus hóspedes. Porém, ela não existe mais.[12]

Para o palacete dos Guerrero foi construído um minarete de 16 metros de altura, que corresponde a uma construção de cerca de cinco andares. De qualquer ponto da cidade, é possível ver a mansão. Além disso, a casa tem influências mouras e alguns leves toques espanhóis. Os mosaicos da casa foram feitos com pastilhas de verdade, ao invés das cenográficas. A decoração na primeira fase da novela é mais "masculina". Para a segunda fase, foi dado um toque mais "feminino", como se Adma (Cássia Kis) tivesse feito as modificações.[17] Outras construções foram feitas na cidade baiana de Canavieiras, principalmente na ruela que serviu de locação para as cenas do bordel de Dona Coló (Glória Menezes).[17] Com a casa de Augusta Eugênia (Arlete Salles) e sua família, a cenografia tratou de acompanhar a decadência da família. Na primeira fase, ela é brilhante, ornado com quadros, cortinas e móveis novos. Na segunda, sua casa dá mostras do empobrecimento dos personagens: as cortinas levaram um banho de chá para parecerem mais velhas e os móveis estão envelhecidos.[17] A residência de Amapola (Zezé Polessa) apresenta uma arquitetura baseada na cidade grande e a decoração é mais moderna. Já o núcleo dos pescadores é simples e não tem alvenaria até o teto.[17]

Figurino[editar | editar código-fonte]

O figurinista Lessa de Lacerda foi o encarregado de compor o visual dos personagens, seguindo a linha dos autores e diretores da novela. "Em novela de Aguinaldo e Ricardo, a gente pode dar passos acima dos usuais. É um universo muito rico para ficar apenas em figurinos realistas. Nós vamos além", disse ele. Todas as roupas sofreram a influência do local, com a "temperatura da Bahia".[18] Podem ser detalhes sutis, como os brincos da personagem de Flávia Alessandra, ou roupas extremas e que chamam atenção para a moda da cidade. Lessa também destacou as personagens de Camila Pitanga, descrevendo-a como florida, sensual e que está sempre criando roupas, amarrando panos, compondo decotes, e de Flávia Alessandra, que é mais moderna e, embora use roupas leves, coloridas, de materiais modernos como microfibra e sintéticos, também faz uso dos biquínis, cangas e faz um intercâmbio entre a cidade grande e Porto dos Milagres.[18]

O personagem de Marcos Palmeira segue a linha dos pescadores e, além de sua guia no pescoço, tem uma tatuagem de Iemanjá no braço esquerdo. Como a personagem de Zezé Polessa adorava gastar e comprar roupas de grife, Lessa fez uso exagerado das cores: turquesa, azul claro, verdes, amarelos, rosa, "praticamente um arco-íris".[18] Para as personagens de Júlia Lemmertz e Mônica Carvalho, que interpretavam irmãs, o figurino marcou os contrastes de suas personalidades: a primeira usava roupas comportadas e a segunda, ganhou um tom sensual porém dissimulada, com flores com bordados, mas roupas justas que deixavam à mostra suas formas. Leontina (Louise Cardoso), tia de Lívia, levava "um figurino deja vú, meio Blanche du Bois".[18]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Em Porto dos Milagres, pequena cidade localizada no litoral da Bahia, chegam Félix Guerrero (Antônio Fagundes) e Adma (Cássia Kis), um casal de golpistas que, após uma cigana profetizar que Félix, ao atravessar o mar, tornar-se-á rei, fogem da Espanha. Lá, vive seu irmão gêmeo, Bartolomeu (Antônio Fagundes), que após ter sofrido um golpe do irmão no passado, recepciona ele e a cunhada mal. Apesar disso, ele construiu um império na cidade, e Adma mata o cunhado com um forte raticida sem Félix saber, e ele então assume os negócios de seu irmão. No entanto, Bartolomeu havia se envolvido com a prostituta Arlete (Letícia Sabatella), que descobre estar esperando um filho dele. Arlete, após o nascimento do menino, vai com este à mansão Guerrero e é recepcionada por Adma; desejando eliminar os herdeiros do cunhado, Adma manda o capataz Eriberto (José de Abreu) livrar-se deles, mais uma vez sem contar a Félix. Eriberto os leva para alto-mar, mas Arlete o engana durante uma distração e coloca o menino em um cesto, que coloca na água, e mata-se afogada ao pular no mar.

Guiado por Iemanjá, o cesto é levado pelas ondas até perto do barco do pescador Frederico (Maurício Mattar), que estava fazendo o difícil parto de sua esposa Eulália (Cristiana Oliveira), cujo filho nasce morto. Entretanto, Frederico ouve um choro de criança e encontra no mar o cesto com o bebê de Arlete. Acreditando que o menino é uma bênção de Iemanjá, o pescador resgata-o e mostra-o a Eulália como se fosse o filho deles. Enfraquecida pelo parto, Eulália batiza o menino como Gumercindo e morre em seguida. Frederico então passa a criar o menino como seu filho. Pouco tempo depois, durante uma noite de tempestade, Frederico desaparece no mar. Seu irmão Francisco (Tonico Pereira) e sua mulher Rita (Joana Fomm) assumem a criação do sobrinho. Laura (Carolina Kasting) é a irmã mais nova da doce Leontina (Louise Cardoso) e da prepotente Augusta Eugênia (Arlete Salles). Renegando sua família, a jovem se casa com o pescador Leôncio (Tuca Andrada), com quem tem uma filha, Lívia. Inconformada com o casamento da irmã com um simples pescador, Augusta denuncia Leôncio à polícia por contrabando, sem saber que Laura estava no barco. A polícia aborda Leôncio para prendê-lo e o casal morre, depois que um tiro dado pelos policiais causa a explosão do motor do barco. A família então assume a criação da sobrinha. Rosa Palmeirão (Luiza Tomé), irmã de Arlete, está prestes a se casar com Otacílio (Eduardo Galvão), e no dia de seu casamento com este, mata o coronel Jurandir de Freitas (Reginaldo Faria) que violentara a sua irmã mais nova. Rosa é condenada a 20 anos de prisão, e diz que ao sair da prisão dará uma reviravolta em sua vida.

Passados vinte anos, Lívia (Flávia Alessandra) deixa a cidade do Rio de Janeiro e vai com o seu namorado Alexandre (Leonardo Brício), filho de Félix e Adma, para Porto dos Milagres. Já na cidade, ela conhece Gumercindo (Marcos Palmeira), mais conhecido como Guma, que se tornou um homem de caráter e um líder respeitado na cidade baixa. Os dois se apaixonam, tendo que passarem por poucas e boas para concretizar esse amor, como a hostilidade de Alexandre, que não se conforma em perder Lívia para um pescador, e a ambição de sua tia Augusta Eugênia, que quer ver sua sobrinha casada com o herdeiro de Félix, e ainda ter que lidar com as armações da bela e sedutora Esmeralda (Camila Pitanga), moça apaixonada pelo pescador. Já Rosa Palmeirão deixa a cadeia disposta a descobrir o paradeiro do filho de Arlete, e se instala na cidade abrindo um bordel, conhecido por todos como Centro Noturno de Lazer. Otacílio, com quem ela pretendia casar, se casou com Amapola, com quem teve dois filhos. Rosa pensa que Félix é o culpado pelo desaparecimento de sua irmã e seu sobrinho e torna-se amante dele, mas se apaixona por ele no processo.

Exibição[editar | editar código-fonte]

Porto dos Milagres foi a 60a telenovela a ser exibida no horário das oito pela Rede Globo, estreando em 5 de fevereiro de 2001.[4] Seu último capítulo foi exibido em 28 de setembro do mesmo ano, uma sexta-feira, com uma reprise indo ao ar no dia seguinte.[19]

Em 2005, a emissora planejou reexibir a telenovela no Vale a Pena Ver de Novo, porém teve que desistir após o veto do Ministério da Justiça para o horário. Em seu lugar entrou a reprise de Força de um Desejo.[20] No ano seguinte a Rede Globo tentou novamente reexibir a novela, mas devido ao mesmo fato, Porto dos Milagres deu lugar à reexibição de A Viagem.[21][22]

Foi reexibida na íntegra pelo Canal Viva, de 11 de fevereiro a 4 de outubro de 2019, substituindo a segunda reexibição de Vale Tudo e sendo substituída por Cabocla, às 15h30.[23] Além disso, Porto dos Milagres foi vendida para diversos países, entre eles Portugal onde foi exibida pela SIC,[24] México pela MVS Televisión,[25] Angola e Moçambique pela Globo On.[26]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ator/Atriz Personagem[27][28]
Marcos Palmeira Gumercindo Vieira / Gumercindo Guerrero (Guma)
Flávia Alessandra Lívia Proença
Antônio Fagundes Félix Guerrero
Bartolomeu Guerrero
Cássia Kis Adma Guerrero
Camila Pitanga Esmeralda
Luíza Tomé Rosa Maria (Rosa Palmeirão)
Leonardo Bricio Alexandre (Alex)
José de Abreu Eriberto Pereira
Bárbara Borges Luiza ()
Miguel Thiré Alfredo Henrique (Fred)
Arlete Salles Augusta Eugênia Proença de Assunção
Fulvio Stefanini Oswaldo Assunção
Zezé Polessa Amapola Ferraço
Eduardo Galvão Otacílio Ferraço
Mônica Carvalho Maria do Socorro Pereira (Socorrinho)
Guilherme Piva Alfeu da Silva
Júlia Lemmertz Genésia Pereira
Vladimir Brichta Ezequiel Barud (Zeca)
Taís Araújo Selma (Selminha Aluada)
Marcelo Serrado Rodolfo Augusto
Carla Marins Judite de Los Reis
Flávio Galvão Deodato Pereira
Cláudia Alencar Epifânia Pereira
Zezé Motta Mãe Ricardina
Tonico Pereira Francisco Vieira (Chico)
Joana Fomm Rita
Louise Cardoso Maria Leontina Proença (Léo)
Nathalia Timberg Ondina
Cláudio Corrêa e Castro Aderbal dos Santos (Seu Babau)
Paloma Duarte Dulce Ferraço
Kadu Moliterno Dr. Rodrigo Feitosa
Sérgio Menezes Rufino Fonseca
Cristina Galvão Belmira
Tadeu Mello Venâncio
Marcélia Cartaxo Quirina
Luiz Magnelli Josiel
Gustavo Ottoni Docinho
Fernanda Lobo Vênus
Solange Badim Serena
Cyria Coentro Flávia
Ricardo Pavão Delegado Ferrabás
Rosaly Papadopol Doralina
Daniela Faria Haidêe Caolha
Leandro Ribeiro Milton
Daniel Erthal Tales
Anna Cotrim Francinete
Renata Castro Barbosa Bela Marins
Nana Gouvêa Lindinha
Osvaldo Mil Nonato
Bruno Giordano Argemiro
Haydil Linhares Dona Plontina
Paulo Vespúcio Severino
Aldri D'anunciação Juca
Thiago Farias Jacques de Los Reis Filho (Paçoca)
Camilla Farias Ana Beatriz (Bia)

Participações especiais[editar | editar código-fonte]

Ator/Atriz Personagem
Cristiana Oliveira Eulália
Maurício Mattar Frederico Vieira
Letícia Sabatella Arlete
Glória Menezes Clotilde (Dona Coló)
Lima Duarte Senador Victório Vianna
Ana Lúcia Torre Salete
Ary Fontoura Deputado Pitágoras Williams Mackenzie
Carolina Kasting Laura
Roberto Bomtempo Jacques de Los Reis
Tuca Andrada Leôncio
Reginaldo Faria Coronel Jurandir de Freitas
Hugo Carvana Delegado Gouvêia
Carlos Eduardo Dolabella Comendador Severo
Débora Duarte Olímpia Ribeiro
Eva Todor Dona Isolina
Luíza Curvo Cecília
Ilva Niño Valdenice
Eunice Muñoz Cigana Pita
Eloísa Mafalda Celeste Marimbás
Sebastião Vasconcelos Bispo Ferraz
Antônio Fragoso Antenor
Ricardo Petraglia Caminhoneiro Ranulfo
Roberto Frota Dr. Mendanha
Julio Rocha Luciano
Sandra Pêra Eunice
Pietro Mário Padre
Xando Graça Seu Zé da bomba
Sabrina Sato Tchutchuca[29]

Música[editar | editar código-fonte]

Volume I[editar | editar código-fonte]

Porto dos Milagres Volume I
Trilha sonora de vários artistas
Lançamento 2001
Gênero(s) MPB
Duração 55:56
Formato(s) CD
Gravadora(s) Som Livre
Produção Guilherme Dias Gomes

A primeira trilha sonora da telenovela foi lançada em 2001 pela Som Livre.[30]

N.º TítuloMúsicaCompositor(es) Duração
1. "Caminhos do Mar"  Gal CostaDorival Caymmi 04:09
2. "Por te Querer"  Belô Veloso
  • Ana Flávia
  • Belô Velloso
03:34
3. "A Lua Q Eu T Dei"  Ivete SangaloHerbert Vianna 03:18
4. "Crendice"  Carlinhos BrownCarlinhos Brown 04:35
5. "Entre o Céu e o Mar"  Elba RamalhoRoger Henri 03:44
6. "Um Raio Laser"  Jota Quest 05:24
7. "O Bem do Mar"  Dorival CaymmiDorival Caymmi 03:10
8. "Só no Balanço do Mar"  Daniela Mercury 03:41
9. "Sob Medida"  Fafá de BelémChico Buarque 03:41
10. "Sem Amor"  Patricia MellodiEugenio Dale 04:52
11. "Dinamarca"  Milton Nascimento e Gilberto Gil 02:00
12. "Fofura"  Uai Sô
03:33
13. "Como Plural"  Roberta de Recife
  • Roberta de Recife
  • Krieguer
04:24
14. "Instante Eterno"  Ivan Lins 02:51
Duração total:
55:56

Volume II[editar | editar código-fonte]

Porto dos Milagres Volume II
Trilha sonora de vários artistas
Lançamento 2001
Gênero(s)
Duração 51:54
Formato(s) CD
Gravadora(s) Som Livre
Produção Guilherme Dias Gomes

A segunda trilha sonora da telenovela foi também lançada em 2001 pela Som Livre. Flávia Alessandra ilustrou a capa do álbum.[31]

N.º TítuloMúsicaCompositor(es) Duração
1. "Feliz"  Leila PinheiroGonzaguinha 04:07
2. "Usted Se Me Llevó la Vida"  Alexandre Pires 04:22
3. "Atração Fatal"  Roberta Miranda
  • Roberta Miranda
  • Cézar Augusto
02:39
4. "Por Enquanto (Ao Vivo)"  Cássia EllerRenato Russo 02:13
5. "Quando Você Não Vem"  Eliana Printes 02:50
6. "Babaobá"  Maurício Mattar e Geraldo AzevedoMaurício Mattar 03:03
7. "Saudade de Amar (If Ever)"  Nana Caymmi 04:12
8. "Prontos pra Amar"  Guilherme ArantesGuilherme Arantes 05:45
9. "O Impossível"  Erasmo CarlosKiko Zambianchi 03:50
10. "É Doce Morrer no Mar"  Dori CaymmiDorival Caymmi 03:27
11. "Por Entre os Dedos"  José AugustoJosé Augusto 04:02
12. "Trip to Heaven"  The PassengersThe Passengers 03:11
13. "Tema do Rei"  Guilherme Dias GomesGuilherme Dias Gomes 04:24
14. "I Miss You"  Due AngeliDue Angeli 03:49
Duração total:
51:54

Repercussão[editar | editar código-fonte]

Audiência[editar | editar código-fonte]

A novela estreou com uma média de 47 pontos, com picos de 50, superando assim a sua antecessora, Laços de Família, que havia estreado com média de 45 pontos, medida pelo Instituto Brasileiro de Opinião Pública e Estatística (IBOPE).[32] Durante suas três primeiras semanas de exibição, Porto dos Milagres competiu diretamente com a novela mexicana Esmeralda, exibida pelo SBT, durante meia hora. Durante o tempo em que ficaram simultaneamente no ar, de 5 a 20 de fevereiro, a novela registrou 38 pontos no IBOPE, considerado pouco para os padrões da Rede Globo, contra 18 da novela mexicana.[33] Em 26 de julho, com a prisão de Rodrigo (Kadu Moliterno) na ocasião de seu casamento com a professora Dulce (Paloma Duarte), a novela marcou o maior índice de audiência até então: 59 pontos.[34][35] Desde o início da trama ela não havia marcado mais que 53 pontos até aquele momento.[36] O último capítulo de Porto dos Milagres, exibido em 28 de setembro de 2001, marcou uma média de 61 pontos, e picos de 65, números não vistos desde 1999 com o último capítulo de Torre de Babel, que obteve a mesma média.[37] A trama registrou uma média geral de 44 pontos, com 62,5% de televisores ligados na novela ao horário de sua exibição.[38]

Apesar da audiência elevada, foi notado pela imprensa especializada que a novela não foi um sucesso de repercussão com o público.[39] Kadu Moliterno, intérprete de Rodrigo, defendeu que "O que acontece com 'Porto' é por ser uma novela voltada para o entretenimento. Não é uma novela de fofocas". Ele acredita que a antecessora, Laços de Família, tinha um maior efeito junto ao público por tratar de assuntos do cotidiano. "Então, as pessoas discutiam a questão social e de saúde no dia seguinte. Já agora, as pessoas se divertem na hora e depois acabou", conclui o ator.[35]

Avaliação em retrospecto[editar | editar código-fonte]

Amelia Gonzalez dO Globo fez uma avaliação positiva à trama, dizendo que sua sonoridade foi "uma das marcas mais felizes" de seu primeiro capítulo através do som da castanhola embalando as cenas do casal Adma e Félix na Espanha, além da percussão baiana que se mesclou bem à fotografia de um pescador jogando sua rede no mar para mostrar que a dupla chegava ao Brasil. A autora também complementou dizendo "elenco e cenários não deixam a desejar", elogiando a atuação de Arlete Salles como Augusta Eugênia, e dizendo que a novela "crava um gol" quando "dá de presente ao público uma dose dupla de Antônio Fagundes. O ator, que interpreta os irmãos gêmeos Bartolomeu e Félix, mostra que a maturidade só tem lhe acrescentado talento. Não deu para desgrudar os olhos da tela quando Bartolomeu viu Félix".[40]

Patricia d'Abreu do Jornal do Brasil também escreveu uma crítica positiva na estreia da novela, elogiando os desempenhos de Fagundes, Salles, Cássia Kis e José de Abreu, além de classificar a atuação de Natália Thimberg como a "boa surpresa da noite": "Quase sempre na pele de damas - a terrível governanta Juliana de A Sucessora tinha ares mais madamescos que serviçais - Natália emprestou seu estilo elegante de interpretar à submissão da sábia empregada Ondina e a mistura funcionou", comentou ela. Finalizou sua crítica dizendo que ao todo, a estreia da novela parecia ter uma "trinca poderosa" - "atores experientes em primeiro plano, direção cuidadosa e um autor que domina com criatividade seu tema. Ingredientes que fazem Greenville, Asa Branca ou Porto dos Milagres não precisarem de Sevilha".[41] Leila Reis do Estadão escreveu uma crítica negativa à trama, dizendo que era "uma colagem de velhas histórias" de Aguinaldo Silva, e que "assim como as crianças, que quanto mais vêem um desenho mais querem revê-lo, o telespectador - bem ao contrário do destemido Guma (Marcos Palmeira) - parece sentir-se mais à vontade nadando em águas conhecidas. E como a regra é não arriscar, as redes seguem reeditando o que já foi testado no ibope".[42]

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Ausência de atores negros[editar | editar código-fonte]

Porto dos Milagres sofreu grandes críticas do movimento negro da Bahia, pelo número reduzido de atores negros no elenco e pela ausência de protagonistas da mesma etnia. O fato deu-se pela novela ser ambientada na Bahia, o estado com maior população negra do Brasil.[43] Na época, Tony Tornado chegou a comentar que "A minha briga no momento é por causa dessa novela das oito [Porto dos Milagres], que é uma Bahia branca. Vi dois ou três casais negros, só. Não é possível que Jorge Amado tenha escrito assim. Não pode ser que Porto dos Milagres seja tão branco quando 90% da Bahia é negra", acrescentando que "o Marquinhos Palmeira deve estar tomando laser para ficar preto e ser baiano".[44]

Em 2006, o secretário de Direitos Humanos do Rio de Janeiro, coronel Jorge da Silva, comentou sobre o caso: "Em Porto dos Milagres, a maioria dos atores eram brancos e a novela parecia acontecer no Paraná, enquanto a história original, escrita por Jorge Amado, era toda ambientada na Bahia, com personagens negros e mulatos. O autor, na época, justificou como licença poética, então porque não usam esta liberdade de criação para retratar um casal de negros como patrões de imigrantes italianos nas novelas?", questionou.[45]

Temas religiosos[editar | editar código-fonte]

O temas de religião africana causaram controvérsias entre a comunidade cristã. Wilson Victoriano Ferreira da Silva, diretor espiritual da Renovação Carismática da Diocese de Jundiaí, acreditou que os problemas começavam pelo título da novela. "Iemanjá é uma divindade pagã e não pode ser comparada com Nossa Senhora, mãe de Deus. Não aceitamos essa identificação. Um deus pagão não pode fazer milagres", comentou ele. Já a visão do babalorixá Salvador Maria é contrária; ele assegura que a novela é inofensiva, e retrata com riqueza de detalhes o candomblé. Segundo ele, que não tinha costume de assistir novelas, a história teve uma boa repercussão entre os espiritualistas. "Não acredito que uma história contada na televisão influencie tanto assim as pessoas. Quem tem fé e religião não muda só por causa de uma ficção", disse. Para ele, Mãe Ricardina, personagem de Zezé Motta, mostrou que a religião não faz ligações com o mal. "O candomblé sofre preconceito e a novela está mostrando a verdade", enfatizou.[46]

Por sua vez, Aguinaldo Silva tratou de discordar dos bispos metodistas, dizendo: "Usamos o candomblé como elemento dramático, não como propaganda religiosa. A novela se baseia em dois livros de Jorge Amado (A Descoberta da América pelos Turcos e Mar Morto), nos quais o candomblé tem papel de destaque. Aliás, eu sou católico". O co-autor da trama, Ricardo Linhares, diz que muito da religiosidade da novela é de tom farsesco. "Não defendemos nada. A novela traz situações absurdas que abordamos em tom cômico. Tomamos licenças poéticas com o culto de candomblé. Não o seguimos ao pé da letra", completou.[47]

De políticos brasileiros[editar | editar código-fonte]

O político baiano Antônio Carlos Magalhães demonstrou descontentamento com um dos enredos da novela.

À época de sua exibição, a direção da Rede Globo teve que "enfrentar o coro dos descontentes com a paródia política de Porto dos Milagres. Quando a novela enveredou por esse caminho, algumas autoridades demonstraram seu desconforto em recados enviados aos mandachuvas da emissora".[39] Também na mesma época, um escândalo político referido como "escândalo do painel eletrônico" tornou-se conhecido no Brasil, em que envolveu o nome do senador do estado da Bahia Antônio Carlos Magalhães, filiado ao então Partido da Frente Liberal (PFL), em gravações de voz.[48] Na trama, era exibido um enredo em que o senador baiano Victório Vianna (Lima Duarte) tem uma conversa gravada secretamente por Félix Guerrero (Antônio Fagundes), para o desgosto de Magalhães. Ricardo Linhares, autor da novela, disse que o personagem do senador não foi diretamente inspirado em Magalhães nem em nenhum outro político. "A inspiração vem certamente do escândalo no Senado e do quadro político atual", comentou na época.[49]

No final da novela, um programa eleitoral foi exibido dentro da novela, para caracterizar a candidatura de Félix Guerrero à governador da Bahia e a de Guma à prefeitura de Porto dos Milagres.[50] No entanto, deputados do Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) reclamaram dizendo que o programa prejudicava a imagem do governo. Enquanto Félix, que faz parte da situação, passa a imagem de uma pessoa inescrupulosa, Guma, seu adversário e mocinho da novela, estaria associado ao Partido dos Trabalhadores (PT); uma das semelhanças seria o nome fictício da legenda, Partido das Causas Trabalhistas.[51] "Não há dúvida de que há uma indução para que o eleitor perceba que o Guma representa o que seria a oposição e o candidato a governador (Fagundes), o governo. Até com o mesmo impacto vocal do nome Guma parece com Lula. Isso vai para o inconsciente do eleitor e acaba sendo nocivo", acusou o vice-líder do PSDB na Câmara dos Deputados, Nárcio Rodrigues. Outro deputado aliado, o maranhense Sebastião Madeira, disse que o "horário eleitoral passa uma mensagem subliminar. O lado do governo é o corrupto. [...] Repare, até o nome do partido, PCT, lembra o PT. Então, a Globo quer que o Lula seja presidente?", indagou.[51]

Ricardo Linhares reconheceu a semelhança, dizendo que Guma poderia ter uma semelhança com o partido, mas que não acreditava que isso influenciasse, e acrescentou ser apartidário. Luís Erlanger, diretor da Central Globo de Comunicação e um dos idealizadores da campanha fictícia, disse que a ideia da emissora foi chamar atenção para o fim da trama.[51] "Esse tipo de ligação [associar as chamadas com as eleições de 2002] só quem fez, pelo visto foi o JB. Até porque, espontaneamente, ninguém se expôs descontentado", comentou. O diretor-geral da novela, Marcos Paulo, minimizou a controvérsia, dizendo: "Tudo não passa de uma sátira bem-humorada da política. A intenção era a de provocar um ruído como de fato aconteceu".[51]

Acusação de plágio[editar | editar código-fonte]

Em 2004, as escritoras Adelaide Magalhães Veiga Ferreira e Ione de Moraes Bueno ajuizaram uma ação contra a Rede Globo e os autores Aguinaldo Silva e Ricardo Linhares por um suposto plágio no enredo de Porto dos Milagres.[52] De acordo com as escritoras, elas teriam enviado um manuscrito do livro Seara Santa para Nilton Travesso, diretor e produtor de novelas no canal, por intermédio de sua secretária antes de a novela ir ao ar, e dizem ter carta como prova, mas, pelo entendimento do juiz, as escritoras não tinham qualquer comprovante de recebimento ou resposta de tal correspondência. Assim, devido à falta de materialidade, o pedido de indenização das autoras foi indeferido pelo tribunal.[53]

Mesmo que ficasse provado que Linhares e Silva tiveram acesso ao livro antes de escreverem a novela, o juiz entendeu que de qualquer forma não houve plágio de Seara Santa. O juiz amparou sua decisão em laudo pericial que diz: "Realizada a leitura das obras e feita a comparação entre elas, verificamos que as breves colidências entre estas, como especificado, não correspondem, isoladamente, em elementos passíveis de proteção autoral (que contém, por sua natureza, a prerrogativa de seu autor de exclusividade de utilização contra terceiros), não se configurando, consequentemente, na hipótese dos autos, o ilícito de plágio".[53] Em sua defesa, os autores da novela disseram que a mesma fora baseada em obras específicas de Jorge Amado, permeada com realismo fantástico e "forte tempero baiano", já característico da dupla em seus trabalhos.[53]

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Ano Prêmio Categoria Indicação Resultado
2001-02
Melhores do Ano[54]
Melhor ator Antônio Fagundes Venceu
Melhor atriz Cássia Kis Venceu
Camila Pitanga Indicado
Luiza Tomé Indicado
Melhor ator coadjuvante José de Abreu Indicado
Melhor atriz coadjuvante Zezé Polessa Venceu
Júlia Lemmertz Venceu
Prêmio Extra de Televisão[55]
Melhor ator Antônio Fagundes Venceu
Melhor atriz Zezé Polessa Venceu
Melhor revelação Tadeu Mello Venceu
Troféu Imprensa[56]
Melhor ator Antônio Fagundes Indicado
Melhor atriz Cássia Kis Venceu
Melhor novela Porto dos Milagres Indicado
Troféu Internet[57]
Melhor ator Antônio Fagundes Venceu
Prêmio Arte Qualidade Brasil - RJ[58]
Melhor autor de telenovela Aguinaldo Silva e Ricardo Linhares Venceu
Melhor ator de telenovela Antônio Fagundes Venceu
Melhor atriz de telenovela Arlete Salles Venceu
Melhor ator coadjuvante de telenovela Cláudio Correia e Castro Indicado
Melhor atriz coadjuvante de telenovela Zezé Polessa Venceu
Melhor ator revelação de telenovela Tadeu Mello Venceu
Melhor atriz revelação de telenovela Bárbara Borges Indicado
Melhor direção de telenovela Marcos Paulo Venceu
Prêmio Arte Qualidade Brasil - SP[59]
Melhor telenovela Porto dos Milagres Venceu
Melhor autor de telenovela Aguinaldo Silva e Ricardo Linhares Venceu
Melhor ator de telenovela Antônio Fagundes Venceu
Melhor atriz de telenovela Arlete Salles Venceu
Melhor ator coadjuvante de telenovela Fúlvio Stefanini Indicado
Melhor atriz coadjuvante de telenovela Zezé Polessa Venceu
Melhor ator revelação de telenovela Guilherme Piva Venceu
Melhor direção de telenovela Marcos Paulo Venceu
Prêmio Contigo! de TV[60]
Melhor atriz Cássia Kis Venceu
Melhor atriz Antônio Fagundes Venceu
Ator revelação Tadeu Mello Venceu
Atriz cômica Zezé Polessa Venceu
Melhor vilã Cássia Kis Venceu

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Porto dos Milagres». Teledramaturgia. Consultado em 27 de julho de 2019 
  2. «Porto dos Milagres estréia hoje, na Globo». Babado. 5 de fevereiro de 2001. Consultado em 10 de setembro de 2015 
  3. Castro, Daniel (10 de novembro de 2000). «Computação gráfica da Globo dá corpo a Iemanjá». Folha de S.Paulo. Consultado em 27 de julho de 2019 
  4. a b Klein, Cristian (4 de fevereiro de 2001). «Globo volta à fórmula "Tieta" para segurar audiência». Folha de S.Paulo. Consultado em 27 de julho de 2019 
  5. a b c d Arruda, Torres & Frias 2008, p. 39
  6. Lima, Roni (29 de junho de 1995). «Rede Globo cancela minissérie 'Mar Morto'». Folha de S.Paulo. Consultado em 27 de julho de 2019 
  7. Xavier, Nilson (11 de fevereiro de 2019). «Nem Aguinaldo Silva gosta de Porto dos Milagres: "uma novela traumática"». UOL. Consultado em 27 de julho de 2019 
  8. «Obra de Jorge Amado inspira novela». Estadão. 22 de outubro de 2000. Consultado em 27 de julho de 2019 
  9. «Gravações de "Porto dos Milagres" na Espanha terminam hoje». Folha de S.Paulo. 13 de novembro de 2000. Consultado em 27 de julho de 2019 
  10. Klein, Cristian. «"É tempo de 'Milagres' na Globo». Estadão. 4 de fevereiro de 2001.
  11. «Globo estréia "Porto dos Milagres", novela mais cara da história». Folha de S.Paulo. 4 de fevereiro de 2001. Consultado em 27 de julho de 2019 
  12. a b c d «Porto dos Milagres». Memória Globo. Consultado em 24 de julho de 2019 
  13. «Webdoc novela - Porto dos Milagres (2001)». Memória Globo. Consultado em 11 de agosto de 2019 
  14. Arruda, Torres & Frias 2008, p. 34
  15. «Francisco Cuoco participará de Porto dos Milagres». Terra. 12 de abril de 2001. Consultado em 27 de julho de 2019. Arquivado do original em 17 de abril de 2001 
  16. «Eva Wilma entra em 'Porto dos Milagres'». Folha de Londrina. 22 de agosto de 2001. Consultado em 30 de setembro de 2019 
  17. a b c d e f «Porto dos Milagres - Bastidores». Rede Globo. Consultado em 25 de julho de 2019. Arquivado do original em 13 de abril de 2001 
  18. a b c d «Porto dos Milagres - Figurinos». Rede Globo. Consultado em 25 de julho de 2019. Arquivado do original em 15 de fevereiro de 2001 
  19. «Capítulos das novelas». Folha da Região de Araçatuba. 23 de setembro de 2001. Consultado em 27 de julho de 2019 
  20. Castro, Daniel (20 de agosto de 2005). «Globo reprisa novela que foi um fracasso». Folha de S.Paulo. Consultado em 27 de julho de 2019 
  21. «Justiça veta "Porto dos Milagres" à tarde». Folha de S.Paulo. 14 de novembro de 2005. Consultado em 24 de setembro de 2017 
  22. Castro, Daniel (27 de janeiro de 2006). «Globo reprisa 'A Viagem' pela segunda vez». Folha de S.Paulo. Consultado em 27 de julho de 2019 
  23. Kogut, Patrícia (21 de janeiro de 2019). «'Porto dos milagres' será reprisada no Viva. Veja como estão os atores». O Globo. Consultado em 23 de janeiro de 2019 
  24. Lopes 2004, p. 196
  25. «Canal 52 de MVS estrena El puerto de los milagros» (em espanhol). PRODU. 5 de maio de 2003. Consultado em 27 de julho de 2019 
  26. «Novela Porto dos Milagres». Globo On. Consultado em 27 de julho de 2019 
  27. «Ilha de Comandatuba será cenário de novela das oito». Estadão. 19 de novembro de 2000. Consultado em 27 de julho de 2019 
  28. «Porto dos Milagres - Galeria de Personagens». Memória Globo. Consultado em 27 de julho de 2019 
  29. Bourroul, Beatriz. «Sabrina Sato». Quem. Consultado em 30 de julho de 2019 
  30. «Porto dos Milagres trilha sonora volume 1». Teledramaturgia. Consultado em 27 de julho de 2019 
  31. «Porto dos Milagres Vol 2 - Vários Artistas». Genius. Consultado em 27 de julho de 2019 
  32. «Porto dos Milagres estréia com 47 pontos de audiência». Babado. 5 de fevereiro de 2001. Consultado em 10 de setembro de 2015 
  33. Castro, Daniel (26 de fevereiro de 2001). «Playboy grava novela erótica no Peru e Brasil». Folha de S.Paulo. Consultado em 27 de julho de 2019 
  34. «"Porto dos Milagres": Rodrigo é preso durante o casamento». Folha de S.Paulo. 26 de julho de 2001. Consultado em 27 de julho de 2019 
  35. a b Calixto, Leandro (13 de agosto de 2001). «Jovialidade persistente». Folha de Londrina. Consultado em 27 de julho de 2019 
  36. «Porto dos Milagres tem maior índice de audência sem motivo específico». Diário do Grande ABC. 31 de julho de 2001. Consultado em 27 de julho de 2019 
  37. Dobbs, Fábio (28 de setembro de 2001). «Porto dos Milagres bate recorde de audiência das 20h». Babado. Consultado em 27 de julho de 2019 
  38. Mattos, Laura (9 de maio de 2010). «"Viver a Vida" tem pior audiência da década e recorde de merchandising». Folha de S.Paulo. Consultado em 27 de julho de 2019 
  39. a b «Muita gente vê...». Veja. 1 de agosto de 2001. Consultado em 27 de julho de 2019. Arquivado do original em 21 de abril de 2009 
  40. Gonzalez, Amelia (8 de fevereiro de 2001). «Realismo fantástico e sonoridade». O Globo. Consultado em 27 de julho de 2019 
  41. d'Abreu, Patricia (7 de fevereiro de 2001). «Menos castanhola e mais Iemanjá». Jornal do Brasil. Consultado em 27 de julho de 2019 
  42. Reis, Leila (22 de setembro de 2001). «'Porto' é uma colagem de velhas histórias». Estadão. Consultado em 27 de julho de 2019 
  43. Lukianchuki, Cláudia (2002). «Voz e ação das minorias em Porto dos Milagres» (PDF). INTERCOM. p. 3. Consultado em 27 de julho de 2019 
  44. Paiva, Fred Melo (junho de 2001). «funk you». Trip. 14 (90): 11. Consultado em 27 de julho de 2019 
  45. Rabelo, Carina (10 de junho de 2006). «Novelas da Globo na mira do MP baiano». A Tarde. Consultado em 27 de julho de 2019 
  46. «Religiosos atacam novelas da Globo». Estadão. 9 de abril de 2001. Consultado em 19 de abril de 2019 
  47. Garcez, Bruno (25 de março de 2001). «Grupos religiosos "excomungam" as novelas da Globo». Folha de S.Paulo. Consultado em 27 de julho de 2019 
  48. «Lembre o escândalo que afastou ACM do Senado». Terra. Consultado em 27 de julho de 2019 
  49. Mattos, Laura (4 de maio de 2001). «Globo aproveita a crise para escarnecer de ACM». Folha de S.Paulo. Consultado em 27 de julho de 2019 
  50. «Novela "Porto dos Milagres" antecipa campanha eleitoral». Folha de S.Paulo. 17 de setembro de 2001. Consultado em 27 de julho de 2019 
  51. a b c d Abasalão, Tomás (25 de setembro de 2001). «Personagem 'do mal' inspirado em FH». Jornal do Brasil. Consultado em 27 de julho de 2019 
  52. «Justiça isenta Globo de acusação de plágio por 'Porto dos Milagres', exibida em 2001». Bahia Notícias. 1 de dezembro de 2015. Consultado em 27 de julho de 2019 
  53. a b c Martines, Fernando (24 de novembro de 2015). «Autores da Globo se livram de condenação por plágio na novela Porto dos Milagres». Consultor Jurídico. Consultado em 27 de julho de 2019 
  54. «Melhores do Ano: Confira todos os vencedores das 14 edições do prêmio». Gshow. 11 de outubro de 2011. Consultado em 27 de julho de 2019 
  55. «Ganhadores do Prêmio Extra de TV 2001». Extra. 14 de setembro de 2012. Consultado em 27 de julho de 2019 
  56. «Troféu Imprensa 2001». UOL. Consultado em 11 de agosto de 2019 
  57. «2° Prêmio Internet». Sistema Brasileiro de Televisão. Consultado em 27 de julho de 2019. Arquivado do original em 5 de outubro de 2002 
  58. «Prêmio Qualidade Brasil 2001». Prêmio Arte Qualidade Brasil. Consultado em 27 de julho de 2019. Arquivado do original em 16 de fevereiro de 2002 
  59. «Votação Artística Cultural - São Paulo». Prêmio Arte Qualidade Brasil. Consultado em 27 de julho de 2019. Arquivado do original em 2 de agosto de 2003 
  60. «4º prêmio Contigo!». Contigo!. Consultado em 27 de julho de 2019. Arquivado do original em 13 de fevereiro de 2009 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]