Despedida de Solteiro (telenovela)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Despedida de Solteiro
Informação geral
Formato Telenovela
Duração Aprox. 50 minutos
Criador(es) Walther Negrão
País de origem  Brasil
Idioma original Português
Produção
Diretor(es) Reynaldo Boury
Cláudio Cavalcanti
Carlos Manga Júnior
Elenco Felipe Camargo
Tássia Camargo
Lúcia Veríssimo
Paulo Gorgulho
Marcos Paulo
Sérgio Viotti
Elias Gleizer
Eduardo Galvão
João Vitti
(ver mais)
Tema de abertura "Sugar, Sugar", DJ Les and The Kool Kat feat. The Archies
Tema de
encerramento
"Sugar, Sugar", DJ Les and The Kool Kat feat. The Archies
Exibição
Emissora de
televisão original
Brasil Rede Globo
Formato de exibição 480i (SDTV)
Transmissão original 1 de junho de 1992 - 30 de janeiro de 1993
N.º de episódios 206 (original)
115 (Vale a Pena Ver de Novo)
206 (Canal Viva)
Cronologia
Último
Último
Felicidade
Mulheres de Areia
Próximo
Próximo

Despedida de Solteiro é uma telenovela brasileira produzida e exibida no horário das 18 horas pela Rede Globo entre 1 de junho de 1992 e 30 de janeiro de 1993, em 206 capítulos,[1] substituindo Felicidade e sendo substituída por Mulheres de Areia.[2] Foi a 43ª "novela das seis" exibida pela emissora.

Escrita por Walther Negrão com a colaboração de Rose Calza, Ângela Carneiro e Margareth Boury, tendo sido dirigida por Reynaldo Boury, Cláudio Cavalcanti e Carlos Manga Júnior.[3]

Contou com Paulo Gorgulho, Lúcia Veríssimo, Felipe Camargo, Tássia Camargo, João Vitti, Rita Guedes, Helena Ranaldi, Eduardo Galvão, Lucinha Lins, Elias Gleizer, Jayme Periard, e Marcos Paulo nos papéis centrais da trama sobre quatro amigos que são condenados injustamente pelo assassinato de uma jovem.

Trama[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Pedro, Paschoal e Xampú passam a noite na farra comemorando o casamento de João Marcos. A festa termina numa cachoeira, e a jovem Salete é assassinada. João Marcos é preso na cerimônia de seu casamento com Lenita, e segue para a penitenciária com seus três amigos. Eles são condenados a 21 anos de prisão por um crime que não cometeram. O episódio fere Flávia, irmã de Xampú e apaixonada por Pedro e faz com que Marta abandone o filho Léo para assumir os negócios deixados por seu irmão Paschoal. Por sua vez, Lenita é envolvida pelo mau-caráter Sérgio Santarém e se casa com ele.

Após sete anos de prisão, os quatro jovens retornam à cidade natal, Remanso, em liberdade condicional. Mas Xampú volta doente e pede no leito de morte que antes de partir quer se casar com Bianca. A morte de Xampú é um duro golpe para Dona Emília, sua mãe, que passa a acumular ainda mais ódio contra Pedro, inviabilizando seu namoro com sua filha Flávia. Os três amigos que restaram ainda têm de lutar contra Sérgio Santarém, que não mede esforços para mandá-los de volta à prisão, ainda mais porque Lenita, sua mulher, nunca esqueceu seu ex-noivo, João Marcos.

No meio dessa batalha, o trio ganha um novo aliado, Mike, um americano cheio de mistérios chega a cidade, mais especificamente na oficina de Cirineu, onde consegue trabalho e moradia. O jovem estrangeiro é disputado pelas duas filhas de Cirineu, Bianca e Nina, braço direito do pai na oficina e que conquista o coração do jovem americano.

Produção[editar | editar código-fonte]

Após o final da telenovela Felicidade, entraria no ar o remake de Mulheres de Areia de Ivani Ribeiro, mas Glória Pires, escalada para viver as protagonistas Ruth e Raquel, engravidou de sua segunda filha, Antônia Morais, e a produção de Mulheres de Areia foi adiada. Walther Negrão foi então convocado às pressas para escrever a trama substituta de Felicidade, Despedida de Solteiro.[2] [3] Mas o primeiro título pensado havia sido Adios Muchachos.[2]

A abertura, inspirada nos jogos de videogame Pitfall! e Prince of Persia, exibia uma animação que simulava um joguinho pixelizado, em que o herói tinha que salvar a mocinha presa pelo vilão. O tema de abertura era um remix de "Sugar, Sugar", clássico pop dos anos 60, gravada originalmente pela banda The Archies.[2]

A novela utilizou a cidade cenográfica originalmente criada para Mulheres de Areia.[2] [4] A produção pintou a cidade cenográfica e modernizou o figurino dos personagens para resolver o problema da divisão da história em dois momentos, antes e depois da saída dos protagonistas da prisão.[2] [4] Para dar subsídios ao autor da novela, a produtora de arte Ana Blota fez um levantamento sobre cidades que se sustentam com a venda de soja, caso da fictícia Remanso.[4]

O figurino dos personagens e dos seus atores foi modernizado para a ambientação da segunda fase da trama. Ana Rosa contou que o corte de cabelo que usava na época, uma espécie de chanel com franja, foi confundido com uma peruca até pelo próprio diretor-geral da novela, Reynaldo Boury. Para mudar um pouco o visual, a atriz sugeriu à equipe de caracterização o uso de marias-chiquinhas e rabos de cavalo, no estilo que a apresentadora Xuxa usava em seu programa, Xou da Xuxa. Os penteados se enquadravam no perfil brega de sua personagem, Soraya, uma mãe de família que, interessada em subir na vida, não tinha senso de ridículo.[5]

Para fazer Xampú, personagem de João Vitti, que, na trama, seria infectado pelo vírus da Aids na cadeia, Walther Negrão passou longas horas em uma casa de detenção fazendo pesquisas, Negrão ficou impressionado com o altíssimo índice de presidiários contaminados (segundo ele, 16% naquele ano).[2] O autor comentou: "Foi uma experiência marcante. Achei que a novela poderia funcionar como um alerta para a precária situação dos presos aidéticos. A TV pode e deve fazer esse "merchandising social". Mas, na época, a Globo censurou a minha ideia, com o argumento de que o tema seria um "vuduzão" para uma novela das 18 horas. E, em vez de ser violentado na prisão, contraindo assim o vírus da Aids, como eu havia planejado, o Xampú acabou morrendo de hepatite B depois de uma briga de faca com outro presidiário contaminado. Fiquei com pena. Até plasticamente é muito complicado mostrar um personagem depauperado pela Aids".[2]

Cirineu Farfan, que foi o personagem de Mauro Mendonça, já havia sido o nome de outro personagem de Walther Negrão, na novela Direito de Amar (1987), em que foi vivido pelo ator Carlos Gregório. Mas o personagem de uma novela nada tem a ver com o personagem da outra.[2]

Despedida de Solteiro não deve ser confundida com a novela Despedida de Casado, de 1977, que, apesar de capítulos gravados e chamadas no ar pela Rede Globo, foi censurada e impedida de estrear.[2]

Despedida de Solteiro marcou as estreias na Rede Globo das atrizes Helena Ranaldi e Rita Guedes. Também foi a primeira novela dos atores mirins Patrick de Oliveira, então com 11 anos, e Fernanda Nobre, com 9 anos na época. Ainda seria a primeira novela de Letícia Spiller, uma das antigas paquitas do Xou da Xuxa.[2] [3]

Repercussão[editar | editar código-fonte]

A trama teve destaque para os atores Ana Rosa e Elias Gleizer, a atriz, que interpretou a deslumbrada e cafona Soraia em seu sonho de casar a filha Bianca (Rita Guedes) com um homem rico, enquanto o ator novamente interpretou mais um velhinho bonachão, Vitório, em seu relacionamento com o menino Léo (Patrick de Oliveira).[2]

O vilão Sérgio Santarém foi tão odiado pelo público da novela que Marcos Paulo, seu intérprete, era xingado nas ruas. O ator conta que uma senhora chegou a tirar o sapato para bater nele.[3]

Despedida de Solteiro fez grande sucesso em Portugal. Também foi vendida, entre outros países, para Bolívia, Chile, Equador, Guatemala, Nicarágua, Paraguai, Peru, República Dominicana, Uruguai e Venezuela.[3]

Elenco[editar | editar código-fonte]

Eduardo Galvão fez o brincalhão Paschoal Papagaio.
Lucinha Lins interpretou Marta.
Helena Ranaldi interpretou Nina.
Ator Personagem
Paulo Gorgulho Pedro Da Vinci
Lúcia Veríssimo Flávia Souza Bastos
Felipe Camargo João Marcos Batista Barbosa
Tássia Camargo Lenita (Madalena Chaddad Santarém)
Jayme Periard Mike (Michael O'Brien)
Elias Gleizer Vitório Da Vinci
Eduardo Galvão Paschoal Papagaio (Paschoal Cavini)
Lucinha Lins Marta Cavini
Maria Estela Inês Chaddad
Ana Rosa Soraya
Cristina Mullins Maria do Socorro Batista Barbosa
Bárbara Fazzio Regina Santarém
Othon Bastos Jorge Jordão
Jacyra Sampaio Elza
André Valli Gil
Léa Camargo Dona Dala (Idalina Batista Barbosa)
Cinira Camargo Glória
Patrícia Perrone Paula Chaddad
Frederico Mayrink Dudu (Eduardo Chaddad)
Danton Mello Rafa
Maria Duda Penha
Guga Coelho Franco
Castro Gonzaga Juiz
Patrick de Oliveira "Léo" (Leonardo Da Vinci II)
Fernanda Nobre Abigail "Bibi" Chaddad Santarém
Helena Ranaldi Nina
Rita Guedes Bianca Souza Bastos
João Vitti Xampú (Matheus Souza Bastos)
Sérgio Viotti Dr. Gabriel Chaddad
Mauro Mendonça Sirineo, o Farfan
Lolita Rodrigues Emília Souza Bastos
Yoná Magalhães Lola
Marcos Paulo Sérgio Santarém

Participações especiais[editar | editar código-fonte]

Ator Personagem
Gabriela Alves Salete
Geórgia Gomide cartomante
Mário Lago Padre
Paulo Goulart Delegado
Barbara Dewet Lenita (criança)
Lafayette Galvão Padre
Chico Tenreiro
Ênio Santos
Felipe Carone
Germano Filho
Cleyde Blota
Alexandre Lippiani Roger
Lina Fróes Vilma
Newton Martins Jorge
Naura Schneider Beth
Mário Cardoso
David Cardoso Corumbá
Pierre Bittencourt Sérgio Santarém (criança)
Buza Ferraz Yan
José Augusto Branco Dr. Cintra
Letícia Spiller Debbie
Leila Lopes Carol
Alice de Carli Janete
Jussara Calmon Dorinha
Egon Júnior Guto
Lu Frota Fafá
Karina Mello Simone
Vicente Barcellos Damasceno

Reapresentações[editar | editar código-fonte]

Foi reexibida pelo Vale a Pena Ver de Novo de 4 de março a 9 de agosto de 1996, substituindo Renascer e sendo substituída por Meu Bem, Meu Mal, em 115 capítulos.

Em 2014, o Canal Viva fez uma enquete para o público escolher a próxima reprise de novela, para substituir História de Amor, e Despedida de Solteiro ficou em 2º lugar com 33%, e a vencedora foi Tropicaliente de 1994.

Está sendo reexibida na íntegra pelo Canal Viva desde 29 de junho de 2015, substituindo Tropicaliente, às 15h30.[6] [7]

Trilha sonora[editar | editar código-fonte]

Trilha sonora nacional[editar | editar código-fonte]

Despedida de Solteiro Nacional
Trilha sonora de vários intérpretes
Lançamento 1992
Gênero(s) Vários
Formato(s) Vinil, CD, K7
Gravadora(s) Som Livre
Produção Roger Henri
Cronologia de vários intérpretes
Último
Último
-
Despedida de Solteiro Internacional
Próximo
Próximo

Capa: Lúcia Veríssimo

  1. "Ser Mais Feliz" (You Are a Big Girl Now) - Roupa Nova
  2. "Deságua" - Selma Reis
  3. "Vendaval" - Joanna
  4. "Mentira" (La Mentira) - Sílvio César
  5. "Coceira de Bem Querer" - Tiãozinho e Alessandro
  6. "Sugar Sugar" - DJ Les And The Kool Kat feat. The Archies
  7. "Sirineu o Farfan" - Roger Henri
  8. "Nós Dois" - Maurício Duboc e Varda
  9. "Meu Amor (My Love)" - Tunai
  10. "O Que Você Quer" - Roberto de Carvalho
  11. "Toda Vez Que a Gente Encontra Um Novo Amor" - Sérgio Reis
  12. "Broken Sea (Mar Quebrado)" - Robertinho do Recife
  13. "Brinquedos" - Roger Henri

Trilha sonora internacional[editar | editar código-fonte]

Despedida de Solteiro Internacional
Trilha sonora de vários intérpretes
Lançamento 1992
Gênero(s) Vários
Formato(s) Vinil, CD, K7
Gravadora(s) Som Livre
Produção Roger Henri
Cronologia de vários intérpretes
Último
Último
Despedida de Solteiro Nacional
-
Próximo
Próximo

Capa: Eduardo Galvão, Felipe Camargo, João Vitti e Paulo Gorgulho

  1. "Breakaway" - Donna Summer
  2. "Do It To Me" - Lionel Richie
  3. "Please Don't Go" - Double You
  4. "Why Should I Love You" - Des'ree
  5. "Why" - Annie Lennox
  6. "You" - Ten Sharp
  7. "Sweeter Than You" - Chris Shelton
  8. "Don't Talk, Just Kiss" - Right Said Fred
  9. "Just Take My Heart" - Mr. Big
  10. "I Like Chopin '91"' - Gazebo
  11. "Stay" - Shakespeare Sister
  12. "My Girl (My Guy)" - Brigitte Nielsen
  13. "I Wonder Why" - Curtis Stigers
  14. "Italian Mission" - DJ Memê e Beto Saroldi

Referências

  1. Memória Globo. Despedida de Solteiro Globo.com. Visitado em 7 de fevereiro de 2015.
  2. a b c d e f g h i j k l Nilson Xavier. Despedida de Solteiro - Bastidores Teledramaturgia. Visitado em 7 de fevereiro de 2015.
  3. a b c d e Despedida de Solteiro - Curiosidades Memória Globo Globo.com. Visitado em 7 de fevereiro de 2015.
  4. a b c Despedida de Solteiro - Cenografia e Arte Memória Globo Globo.com. Visitado em 7 de fevereiro de 2015.
  5. Despedida de Solteiro - Figurino e Caracterização Memória Globo Globo.com. Visitado em 7 de fevereiro de 2015.
  6. Patrícia Kogut (10/01/2015). 'Despedida de solteiro' será reprisada no Viva Globo.com. Visitado em 10/01/2015.
  7. Canal Viva (13/01/2015). 'Despedida de solteiro' é a novela que substitui Tropicaliente Globo.com. Visitado em 13/01/2015.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]