Ana Rosa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: Este artigo é sobre a atriz brasileira. Para outros significados, veja Ana Rosa (desambiguação).
Ana Rosa
Ana Rosa.
Nome completo Ana Rosa Guy Galego
Nascimento 18 de junho de 1942 (79 anos)
Promissão, SP
Nacionalidade brasileira
Ocupação atriz, bailarina, escritora, musicista e dubladora
Cônjuge Dedé Santana (1958–1961)
Guilherme Corrêa (1962–2006; viúva)
Outros prêmios
Troféu Imprensa de Revelação do Ano
1965 – Alma Cigana[1] (Ver mais)

Ana Rosa Guy Galego (Promissão, 18 de junho de 1942) é uma atriz, bailarina, escritora, musicista e dubladora brasileira.[2] Venceu um Troféu Imprensa em sua estreia na televisão em 1965.[1] Em 1997, entrou para o Guinness Book como a atriz que mais fez novelas no mundo.[3]

Oriunda de uma família de artistas, estreou aos 22 anos na televisão interpretando a cigana Esmeralda na TV Tupi.[3] Trabalhou em diversas emissoras de televisão, entre elas Rede Globo e Rede Record. No teatro, atuou em As lobas, Trair e Coçar É Só Começar, entre outras peças. Com a peça espírita (religião da atriz) Violetas na Janela, Ana e uma equipe de 25 pessoas ainda viajam pelo Brasil afora. Em 2005 escreveu e publicou o livro Essa Louca TV e sua Gente Maravilhosa.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filha dos artistas circenses Jorge Galego e Hildomar Pimenta, Ana Rosa nasceu no Circo Teatro Novo Horizonte, na cidade de Promissão, no interior de São Paulo. O circo pertencia ao capitão Juvenal Pimenta, seu avô materno, e foi o berço de sua primeira experiência artística: aos quinze dias de vida, a pequena Ana Rosa foi levada ao palco durante a apresentação do espetáculo teatral "O mundo não me quis", no qual representava um recém-nascido abandonado.

A partir daí, seguiu os passos de sua família e aos quatro anos de idade, já interpretou sua primeira personagem com falas. Aos nove anos de idade, além de atuar nos espetáculos teatrais, a atriz também trabalhava fazendo números no trapézio e no arame.[4]

Carreira[editar | editar código-fonte]

Vida pessoal e início da carreira[editar | editar código-fonte]

Com apenas dezesseis anos, em 1958, conheceu o ator Dedé Santana, com quem se casou no ano seguinte. O casal teve dois filhos, Maurício e Maria Leone. O menino morreu ainda na primeira infância de leucemia[5].

Com Dedé excursionou trabalhando como bailarina com o Circo de Revista Real. Em 1960, Ana Rosa e Dedé Santana inauguraram a TV Alvorada, em Brasília e na ocasião, apresentaram juntos, ao vivo, diversos números circenses e teleteatros. Após um ano, foram às pressas para São Paulo, onde Maurício, o primeiro filho do casal, morreu de leucemia no dia 14 de fevereiro de 1961. No mesmo ano, ela e Dedé se separaram e Ana seguiu para Santos, onde voltou a trabalhar em circo. Meses depois, o casal reatou e, em abril de 1962, nasceu sua primeira filha, Maria Leone. Algum tempo depois o casal separou-se definitivamente. Ana Rosa teve um total de oito filhos.[3]

Na década de 1960, Ana Rosa trabalhou nem Teatro de Revista com nomes como J. Maia, Fernando D'avilla, Guinter & Américo, Colé, Augusto César Vanucci.

Atuou em Entre Loiras e Morenas, espetáculo que estreou em 1961, no Teatro Jardel, em Copacabana, Rio de Janeiro.

Em novembro de 1962, excursionava com Colé pelo Nordeste com o espetáculo Pelés e peladas. Na ocasião conheceu o ator Guilherme Corrêa, que veio a ser seu segundo marido. Em 1964 foram viver em Porto Alegre.

Durante a década de 1970, 1980 e 1990, conciliou seu trabalho em TV com espetáculos teatrais como "Uma janela para o sol" e "Os inimigos não mandam flores", ambas de Pedro Bloch; "Os marginalizados", de Abílio Pereira de Almeida, na Cia. de Dercy Gonçalves; "Médico à força", de Moliére; "Se", de Sérgio Jockyman; "Camas redondas, casais quadrados", com direção de José Renato; "A calça", de Millôr Fernandes, com direção de Maurice Vaneau; "A Nonna", com direção de Flávio Rangel; "D. Rosita a solteira", de Frederico Garcia Lorca; "Amor bruxo", direção de Roney Villela; "Trair e coçar é só começar", na qual ficou quatro anos; "As lobas", direção de Antônio Pedro Borges. A convite de Walmor Chagas, a atriz integrou o elenco permanente do Teatro Ziembinsky (Rio de janeiro), onde interpretou textos como "Prezado amigo" de Carlos Drummond de Andrade

Sua trajetória profissional confunde-se com a história da televisão brasileira. Em 1964, recebeu o convite de Cassiano Gabus Mendes,então diretor artístico da TV Tupi, para protagonizar Alma Cigana no qual ganhou Troféu Imprensa de Revelação do Ano. A novela foi a primeira da emissora gravada em vídeo tape e transmitida diariamente em horário nobre, logo se transformando num grande sucesso.

Após a excelente audiência de sua próxima novela, Se o mar contasse, a atriz passou a fazer parte do elenco da TV Tupi.

Durante um período de separação de Guilherme Corrêa, Ana Rosa adotou José Ricardo, em 1966, Maria Luísa, e os gêmeos José Rodrigo e Maria Letícia, em 1971. Em 1975, Guilherme Corrêa mudou-se de volta para São Paulo e os dois retomaram o casamento. Em 1976, nasceu a primeira filha do casal, Ana Luísa, que morreu atropelada aos 18 anos em 1994. Nessa época converteu-se ao espiritismo. Em 1979, Ana e Guilherme casaram-se oficialmente. Em 1981, nasceu Ana Beatriz, a caçula de oito irmãos.

Ana Rosa trabalhou na TV Tupi durante 16 anos, onde atuou em 28 telenovelas e inúmeras produções, como TV de Vanguarda, TV de Comédia, Grande Teatro Tupi, entre outras. A atriz pertenceu ao elenco do canal até janeiro de 1980, quando a emissora faliu.

Ao longo desses 40 anos de carreira, Ana Rosa também foi pioneira trabalhando em outras emissoras. Em janeiro de 1982, foi convidada por Silvio Santos para protagonizar Destino, a primeira telenovela do SBT. A atriz também trabalhou em produções da extinta Rede Manchete, dentre as quais a novela Antônio Maria, produção que inaugurou, em 1985, os estúdios da TV Manchete, em Água Grande, Rio de Janeiro.

Na Rede Globo, Ana Rosa fez sua estréia na minissérie Moinhos de vento (1983), com direção de Walter Avancini. Na emissora, a atriz atuou em mais de 14 produções, incluindo atuações em Caso Verdade, Brava Gente, Você Decide, Retrato de Mulher e A Grande Família” como Genoveva, namorada de seu Flor (Rogério Cardoso).

Na televisão, Ana Rosa trabalhou com diretores como Geraldo Vietri, Cassiano Gabus Mendes, Antônio Abujamra, Lima Duarte, Walter Avancini, Denis Carvalho, Paulo Ubiratan, Luiz Fernando Carvalho, Daniel Filho, Ricardo Waddington, Jayme Monjardim, Marcos Paulo, entre outros.

Em 1997, juntamente com Guilherme Corrêa, fez a adaptação do livro "Violetas na Janela", de Vera Lúcia Marinzeck de Carvalho, para o teatro, e participou de sua produção. O espetáculo, que já foi assistido por mais de 156 mil pessoas, ainda excursiona pelo Brasil. Em 1998, Ana Rosa também assumiu o desafio de dirigir o espetáculo "O Cândido Chico Xavier".

Ainda em 1997, a atriz entrou para o Guinness Book como a recordista em número de trabalhos em telenovelas gravadas em videoteipe. Como protagonista, coadjuvante ou em participações especiais.

Ana Rosa também atuou no cinema, onde trabalhou em filmes como: Quatro Brasileiros em Paris (1965), Os Diabólicos Herdeiros (1966), O Pequeno Mundo de Marcos (1968), de Geraldo Vietri, e Quatro Pistoleiros em Fúria (1972), de Edward Freund.

No ano que Ana Rosa completou suas quatro décadas de carreira como atriz, ela comemorou com o lançamento do livro "Essa Louca Televisão e sua Gente Maravilhosa" (Editora Butterfly), que conta sua trajetória e relembra suas passagens marcantes e histórias curiosas vividas na televisão, com depoimentos de vários artistas e profissionais da área.

A atriz ficou viúva em 2 de fevereiro de 2006, do ator Guilherme Corrêa.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

Ano Título Papel Notas
1964 Alma Cigana Estela / Esmeralda
Se o Mar Contasse Zurá
Quem Casa com Maria? Maria Lúcia
1965 O Mestiço Marina
Olhos que Amei Nádia
Um Rosto Perdido Débora
1966 O Amor Tem Cara de Mulher Norah
Os Irmãos Corsos Emília
O Anjo e o Vagabundo Rosinha
1967 Encontro com o Passado Luiza
A Ponte de Waterloo Kathy
O Jardineiro Espanhol Pepita
Os Rebeldes Helena Gurgel
1968 Beto Rockfeller Cida
1969 Super Plá Pepita
Nino, o italianinho Valéria
1970 Simplesmente Maria
Toninho on the Rocks Alice
1971 A Selvagem Estela / Esmeralda
Hospital Ângela
Nossa Filha Gabriela Baby
1972 A Revolta dos Anjos Nazaré
1973 Mulheres de Areia Alzira
1974 Os Inocentes Sofia
1975 O Sheik de Ipanema Gigi
A Viagem Carmem
1977 O Profeta Ester de Oliveira Nogueira
1978 Aritana Ana Maria
1982 Destino Glória
Conflito Andréa
1983 Moinhos de Vento Suzi
A Justiça de Deus Alice
Vida Roubada Daniela
1984 Santa Marta Fabril S.A. Norma
1985 Antônio Maria Rita
1986 Caso Verdade
1987 Brega & Chique Madalena Participação
1990 Riacho Doce Zefa
1991 Filhos do Sol Drª. Lívia
O Dono do Mundo Nancy
1992 Você Decide Maria Peçanha Episódio: "Em Nome do Filho"
Despedida de Solteiro Soraya Salgado
1993 O Mapa da Mina Antônia Moraes
Você Decide Helena Episódio: "O Homem Errado"
1994 Tropicaliente Ester
1995 História de Amor Dalva Paiva
1996 A Vida Como Ela É... mãe de Vilma Episódio:: "Fome de Beijos"
Anjo de Mim Marly
O Rei do Gado Maria Rosa Caxias
1998 Corpo Dourado Camila Pereira
1999 Suave Veneno Geni Queiroz (Geninha)
2000 Aquarela do Brasil Salete Episódios: "19-22 de setembro de 2000"
2001 Um Anjo Caiu do Céu Laurinda dos Anjos
Brava Gente Rita Episódio: "A Quenga e o Delegado"
2002 O Beijo do Vampiro Telma / Yolanda (Yoyô)
A Grande Família Genoveva Temporada 2
2003 Temporada 3
Agora É que São Elas Solange
Kubanacan Piedad Episódios: "28 de agosto - 1 de setembro de 2003"
2004 Senhora do Destino Belmira Ramos
2005 Essas Mulheres Camila Seixas
2006 Prova de Amor Ela mesma[6]
Bicho do Mato Jurema Bragança
2007 Caminhos do Coração Dalva Duarte Montenegro
2008 Três Irmãs Virgínia Jequitibá
2010 A Cura Graciema Guedes
2011 Morde & Assopra Dinorá Batista
Fina Estampa Celina Bruno Fonseca
2013 Louco por Elas Kiks Episódio: "O Melhor Dia das Mães de Todos"
2014 Boogie Oogie Zuleica Rodrigues
2016 A Lei do Amor Zuleika Pessoa (Zuza)
2017 A Fórmula Neide Dantas Episódio: "10 de agosto de 2017"

Cinema[editar | editar código-fonte]

Ano Título Papel Notas
1965 Quatro Brasileiros em Paris[7]
1968 O Pequeno Mundo de Marcos Ana
1971 Diabólicos Herdeiros
1972 Quatro Pistoleiros em Fúria[8] Bailarina
1983 Sexo, Sua Única Arma
2004 La Cumparsita Ela mesma Documentário
2006 Crepúsculo de Odin Elisa Curta-metragem
2007 O Signo da Cidade Mãe de Biô
2008 Bezerra de Menezes - O Diário de um Espírito Irmã de Bezerra de Menezes
2010 Chico Xavier Carmem
2010 Nosso Lar Laura
2011 O Filme dos Espíritos Gaby Rivail
2012 E a Vida Continua... Lucinda
2018 Talvez uma História de Amor Dona Eunice

Internet[editar | editar código-fonte]

Ano Título Cargo Plataforma
2020-presente Atriz Ana Rosa Apresentadora YouTube

Teatro[editar | editar código-fonte]

  • O Mundo Não me Quis
  • Entre Loiras e Morenas
  • Pelés e Peladas
  • Uma Janela para o Sol
  • Os Inimigos Não Mandam Flores
  • Os Marginalizados
  • Médico à Força
  • Se
  • Camas Redondas, Casais Quadrados
  • A Calça
  • A Nonna
  • Dona Rosita, a Solteira
  • Amor Bruxo
  • Trair e Coçar, É só Começar
  • As Lobas
  • Prezado Amigo
  • Violetas na Janela
  • O Cândido Chico Xavier

Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

Ano Premiações Categoria Nomeações Resultado
1965 Troféu Imprensa Melhor Atriz Revelação
Alma Cigana
Venceu

Referências

  1. a b Xavier, Nilson. «Teledramaturgia - Troféu Imprensa» 
  2. «Ana Rosa (perfil)». Consultado em 12 de setembro de 2011. Arquivado do original em 1 de abril de 2012 
  3. a b c Camila Pati (9 de outubro de 2006). «Ana Rosa». IstoÉ Gente. Consultado em 12 de setembro de 2011 
  4. «Biografia da atriz Ana Rosa». Consultado em 29 de dezembro de 2011 
  5. Revista Quem (20 de fevereiro de 2017). «Ana Rosa fala sobre a perda dos filhos». Consultado em 8 de setembro de 2020 
  6. Nilson Xavier. «Prova de Amor - Teledramaturgia». Consultado em 22 de dezembro de 2020 
  7. «Quatro Brasileiros em Paris». Cinemateca Brasileira. Consultado em 26 de novembro de 2016 
  8. «Quatro Pistoleiros em Fúria». Cinemateca Brasileira. Consultado em 26 de novembro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]