Promissão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Promissão
  Município do Brasil  
Símbolos
Bandeira de Promissão
Bandeira
Brasão de armas de Promissão
Brasão de armas
Hino
Apelido(s) "Canaã da Noroeste"
"Terra Prometida"
"Berço da Colonização Japonesa no Brasil"
Gentílico promissense
Localização
Localização de Promissão em São Paulo
Localização de Promissão em São Paulo
Mapa de Promissão
Coordenadas 21° 32' 13" S 49° 51' 28" O
País Brasil
Unidade federativa São Paulo
Municípios limítrofes Avanhandava, Ubarana, Alto Alegre, Getulina, Guaiçara e Barbosa
Distância até a capital 451 km[1]
História
Fundação 29 de novembro de 1923 (97 anos)
Aniversário 29 de novembro
Administração
Prefeito(a) Artur Manoel Nogueira Franco (PSDB, 2021 – 2024)
Características geográficas
Área total [2] 781,5 km²
População total (est. IBGE/2018[2]) 40 828 hab.
Densidade 52,2 hab./km²
Clima Tropical de altitude
Altitude 426 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2000[3]) 0,817 muito alto
PIB (IBGE/2009[4]) R$ 771 585 mil
PIB per capita (IBGE/2009[4]) R$ 20 537,27

Promissão é um município brasileiro do estado de São Paulo. Localiza-se a uma latitude 21º32'12" sul e a uma longitude 49º51'29" oeste, estando a uma altitude de 426 metros. Sua população em 2018 era de 40,027 habitantes, de acordo com estimativas do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).[2] O município é formado pela sede e pelo distrito de Santa Maria do Gurupá[5][6].

Neste município está instalada a Usina Hidrelétrica de Promissão (Mario Lopes Leão), com potência instalada de 264 MW, que é a segunda usina da AES em capacidade, no rio Tietê.

História[editar | editar código-fonte]

A área do atual município de Promissão era originalmente habitada por índios caingangues, e pertencia ao município de Penápolis. A partir de 1908, se tornou atraente para o cultivo de café com a inauguração da Estação Ferroviária Hector Legru da Estrada de Ferro Noroeste do Brasil. Uma vila foi aberta junto à estação pelo agrimensor Adolpho Hecht em 1909, mas a primeira casa só seria construída em 1913. A partir de 1917, chegariam os primeiros imigrantes japoneses e italianos, e mais tarde, espanhóis e portugueses. Na mesma época, os habitantes originais, os índios caingangues, foram acometidos pela gripe espanhola; muitos pereceram, e os que sobreviveram foram transferidos para Braúna.[7]

Estátua do pioneiro Shuhei Uetsuka em São Paulo
Estátua do pioneiro Shuhei Uetsuka em São Paulo

Em 1918, o pioneiro japonês Shuhei Uetsuka adquiriu 1400 alqueires de terreno na região e fundou uma grande comunidade de fazendeiros imigrantes japoneses, a Colônia de Itacolomí, também conhecida como Primeira Colônia Uetsuka. Shuhei era uma figura bem conhecida na comunidade japonesa, pelo fato de ter chegado ao Brasil em 1908 no primeiro navio imigrantes do Japão, o Kasato Maru, como representante da Companhia Imperial de Emigração do Japão (Kokoku Shokumin Kaisha), e ter se dedicado a ajudar os primeiros imigrantes japoneses em suas inúmeras dificuldades no Brasil.[8]

Com a chegada de um grande número de colonos imigrantes, especialmente japoneses, a região rapidamente cresceu e foi elevada à condição de distrito do município de Penápolis em 27 de novembro de 1919. Em 30 de setembro de 1921, passou oficialmente a se chamar Promissão, tornando-se município em 29 de novembro de 1923.[9]

No início, os colonos enfrentavam grandes dificuldades financeiras, e sofreram com desastres naturais como geadas, secas e nuvens de gafanhotos. Em 1926, no entanto, Shuhei conseguiu um empréstimo de 850 mil ienes com juros reduzidos do governo do Japão, trazendo mais segurança financeira aos fazendeiros. No ápice, a Colônia de Itacolomí chegou a ter 1500 famílias de colonos.[8]

A Colônia de Itacolomí tinha o diferencial de possuir um grande número de colonos japoneses católicos, descendentes de Kakure Kirishitans, como eram chamados os cristãos que viviam escondidos no Japão durante o Período Edo, quando o Cristianismo era proibido no Japão. As famílias católicas se concentravam principalmente no bairro do Gonzaga, e grande parte delas tinham na realidade uma origem comum no Japão, a comunidade católica centrada na vila de Imamura, no município de Tachiarai, Prefeitura de Fukuoka. Foram os próprios colonos japoneses católicos que construíram a Igreja Cristo-Rei dos 26 Mártires, também conhecida como Igreja Cristo-Rei do Gonzaga, inaugurada em 1938.[10]

Os colonos cultivavam café através de agricultura intensiva com técnicas pouco sofisticadas, fazendo com que solo arenoso de Promissão começasse a a se degradar a partir dos anos 1940. Após a Segunda Guerra Mundial, muitos japoneses se mudaram para o Paraná, onde havia abundância de terra roxa (mais adequada para o plantio de café), ou para cidades como São Paulo. Em 2008, restavam apenas 150 famílias de descendentes de japoneses nas fazendas de Promissão.[11]

Governo municipal[editar | editar código-fonte]

O governo municipal é composto pelo Poder Executivo, exercido pela Prefeitura e pelo Poder Legislativo, exercido pela Câmara Municipal.

Poder Executivo
  • Prefeito: Artur Manoel Nogueira Franco (2017/2020)
  • Vice-prefeito: José Higor Cantieri Costa (2017/2020)
Poder Legislativo
  • Presidente da Câmara Municipal: Ricardo Barbosa Rigato (2019/2020)
  • Vice-presidente: Abraão Sales Neto (2019/2020)

Demografia[editar | editar código-fonte]

Dados do Censo - 2018[2]

População total: 40.432

Área: 781,5 km²

Densidade demográfica (hab./km²): 45,78

Taxa de alfabetização: 94,4%[12]

Dados do censo de 2013
(Fonte: IPEADATA)

Cultura[editar | editar código-fonte]

Atrações históricas[editar | editar código-fonte]

Igreja Cristo-Rei dos 26 Mártires[editar | editar código-fonte]

Igreja Cristo-Rei dos 26 Mártires (1938) no bairro do Gonzaga

Popularmente conhecida como "Igreja Cristo-Rei do Gonzaga", a imponente igreja de tijolos vermelhos em estilo neorromântico foi inaugurada em 1938 e surpreende por sua localização numa área rural remota e pouca habitada do município. Ela é na realidade um importante legado da uma grande comunidade de imigrantes japoneses católicos que outrora habitou o bairro do Gonzaga. Essa comunidade tem origem na comunidade católica da Igreja de Imamura, no atual município de Tachiarai, Prefeitura de Fukuoka.[13][14] Encorajados pelo Padre Tamotsu Honda, os católicos da região passaram a emigrar em massa para o Brasil a partir de 1912, com a pespectiva de melhorar de vida e com a certeza que teriam liberdade para praticar sua religião, diferente da época em que eram "Kakure Kirishitans", como eram chamados os cristãos que viviam escondidos no Japão durante o Período Edo, quando o Cristianismo era proibido no Japão.[15]

A partir de 1928, cerca de 78 famílias dessa comunidade se estabeleceram no bairro do Gonzaga da Colônia de Itacolomí em Promissão.[13] Juntaram-se a elas dezenas de outras famílias japonesas de outras comunidades católicas de Kyushu, em especial da cidade de Hirado (na Prefeitura de Nagasaki), da ilha de Ikitsuki (atualmente parte de Hirado), e das Ilhas Gotō (também parte da Prefeitura de Nagasaki).[14] Para atender às necessidades espirituais dessa comunidade, a Companhia de Jesus enviou para Promissão dois padres, Emílio Kircher em 1929 e Agostinho Utsch em 1933, ambos alemães porém fluentes no idioma japonês.[10]

Padre Utsch também era engenheiro, e a partir de 1935, os dois iniciariam a construção de uma nova igreja para substituir a igreja simples de madeira utilizada pelos colonos, chamada de "Igreja Cristo-Rei". O projeto arquitetônico foi enviado pela Companhia de Jesus do Japão, e tinha semelhanças óbvias com a Igreja de Imamura, tal como o estilo neorromântico, a construção com tijolos vermelhos, e a colocação de uma Gruta de Nossa Senhora de Lourdes em anexo.[13][14] A nova igreja foi construída com a mão de obra dos próprios colonos japoneses, que construíram uma olaria, anexa à obra. Os colonos transportaram argila, água e outros insumos em carroções puxados por junta de bois, e moldaram e queimaram cada um dos tijolos empregados na construção.[10]

A igreja foi chamada de Igreja Cristo-Rei dos 26 Mártires em homenagem aos 26 Mártires do Japão executados via crucificação pelo Shogun Toyotomi Hideyoshi em 1597. A missa inaugural foi realizada em 15 de agosto 1938 pelo Padre Domingos Chohachi Nakamura, missionário que exerceu um papel fundamental na evangelização dos primeiros imigrantes japoneses.[10][13]

Comunicações[editar | editar código-fonte]

A cidade era atendida pela Companhia Telefônica Brasileira (CTB), que construiu em 1972 a central telefônica utilizada até os dias atuais. Em 1973[16] passou a ser atendida pela Telecomunicações de São Paulo (TELESP), que em 1998 foi privatizada e vendida para a Telefônica[17], sendo que em 2012 a empresa adotou a marca Vivo[18] para suas operações de telefonia fixa.

Referências

  1. «Distâncias entre a cidade de São Paulo e todas as cidades do interior paulista». Consultado em 10 de março de 2011 
  2. a b c d IBGE. «População e Área territorial oficiais» (PDF). Censo 2010 do IBGE. Consultado em 23 de janeiro de 2012 
  3. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  4. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2005-2009» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 23 jan. 2012. Arquivado do original (PDF) em 5 de agosto de 2012 
  5. «Municípios e Distritos do Estado de São Paulo» (PDF). IGC - Instituto Geográfico e Cartográfico 
  6. «Divisão Territorial do Brasil». IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 
  7. Andrade Reyes, Maria Regina. «Promissão: sua história e sua gente». Memorial dos Municípios. Consultado em 31 de janeiro de 2021 
  8. a b Osawa, Kohei (5 de março de 2020). «Cultura Japonesa 9 "PAI DOS IMIGRANTES" Shuhei Uetsuka». Jornal Nippak. Consultado em 27 de janeiro de 2021 
  9. «Conheça Promissão». Prefeitura Municipal de Promissão. 12 de novembro de 2014. Consultado em 27 de janeiro de 2021 
  10. a b c d Shiguti, Aldo (22 de janeiro de 2008). «Missa na Igreja Cristo Rei dos 26 Mártires deve atrair 2 mil romeiros» (PDF). Jornal Nippak - Ano 11 - N. 2191. Consultado em 27 de janeiro de 2021 
  11. «日系最古の教会クリスト・レイ=38年建設、いまは廃墟=「60年前は賑やかだった=兵どもが夢の跡…». Nikkey Shimbun. 20 de junho de 2008. Consultado em 27 de janeiro de 2021 
  12. «Taxa de Alfabetização 2010» (zip). Censo 2010 IBGE: Indicadores Sociais Municipais. IBGE.gov.br. Consultado em 23 de janeiro de 2012 
  13. a b c d Yoshikuni, Shigueyuki. Igreja Cristo-Rei dos 26 Mártires. [S.l.: s.n.] 
  14. a b c 中島, 宏 (2020-2021). クリスト・レイ : 約束の地. [S.l.]: Nikkey Shimbun 
  15. 佐藤, 早苗 (2002). 隠れキリシタンの里・今村 奇跡の村. [S.l.]: 河出書房新社 
  16. «Relação do patrimônio da CTB incorporado pela Telesp» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo 
  17. «Nossa História». Telefônica / VIVO 
  18. GASPARIN, Gabriela (12 de abril de 2012). «Telefônica conclui troca da marca por Vivo». G1 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]